Abrir menu principal

João Guilherme Greenhalgh

Militar e héroi de guerra brasileiro
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja João Guilherme Greenhalgh (desambiguação).
Greenhalgh
Greenhalgh.
Nome completo João Guilherme Greenhalgh
Nascimento 1845
Rio de Janeiro, Brasil
Morte 11 de junho de 1865 (20 anos)
Rio Paraná
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Militar

João Guilherme Greenhalgh (Rio de Janeiro, 26 de junho de 1845 - Arroio Riachuelo, 11 de junho de 1865) foi um militar brasileiro da Marinha Imperial. Destacou-se como herói durante a Guerra da Tríplice Aliança.

BiografiaEditar

 
João Guilherme Greenhalgh (S. A. Sisson).

Era filho de Guilherme Greenhalgh e de sua esposa, Agostinha Fróis. Matriculou-se na Escola Naval em fevereiro de 1862. Nos exames prestados, obteve o quarto lugar numa turma de trinta e um aprovados. Dessa turma, nove foram indicados para o acesso a Guarda-Marinha. De acordo com o Conselho de Instrução, Greenhalgh foi classificado em primeiro lugar, como Chefe de Classe, pois obtivera a "maior soma de melhores notas de aprovação nas matérias do terceiro ano e exibe melhor comportamento e respeito dos outros".

Nomeado Guarda-Marinha em 1864, foi designado para embarcar na Corveta Imperial Marinheiro, passando a seguir para a Fragata Constituição.

Em princípios de 1865, passou para a Corveta Parnahyba, então sob o comando de Aurélio Garcindo de Sá, a fim de adquirir a necessária prática de serviço em operações de guerra.

A 30 de abril, a Parnahyba zarpou de Buenos Aires, juntamente com a Canhoneira Ivaí e a Fragata a vapor Amazonas, esta com a insígnia do Chefe-de-Divisão, Francisco Manuel Barroso da Silva.

A 11 de junho de 1865 participou na Batalha Naval do Riachuelo, em que veio a tombar em defesa do pavilhão brasileiro, juntamente com o Imperial-Marinheiro Marcílio Dias, os oficiais do Exército capitão Pedro Afonso Ferreira e o Tenente Inácio de Andrade Maia.

 
Morte do Guarda-Marinha Greenhalgh em defesa do pavilhão brasileiro durante a Batalha do Riachuelo.

Para homenagear a sua memória, ainda no ano de 1865, o governo imperial deu o seu nome a uma canhoneira, que veio a prestar destacados serviços nesse mesmo conflito. Posteriormente, outras embarcações da Armada Brasileira perpetuaram-lhe o nome:

  • um pequeno vapor de casco de madeira, transformado em torpedeira;
  • um contratorpedeiro, líder de flotilha, construído no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro;
  • a atual Fragata Greenhalgh (F-46);
  • a turma de 1982 da EFORM - Escola de Formação de Oficiais da Reserva da Marinha colocou seu nome em homenagem; e
  • a Turma de 2000 da EN (Escola Naval) colocou seu nome em homenagem.
  • O CN (Colégio Naval) colocou seu nome em sua sociedade acadêmica em sua homenagem, SAG (Sociedade Acadêmica Greenhalgh).

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.