Abrir menu principal

Wikipédia β

João Paulo (futebolista)

Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo ponta vice-campeão brasileiro de 1986 com o Guarani, veja Sérgio Luís Donizetti.

João Paulo de Lima Filho, mais conhecido como João Paulo (São João de Meriti, 15 de junho de 1957), é um ex-futebolista brasileiro que atuava como ponta-esquerda.

CarreiraEditar

Considerado "inteligente, hábil" e com passes e cruzamentos "precisos",[1] tinha como uma de suas principais características tocar a bola para a frente, para ganhar do marcador na velocidade.[2] João Paulo começou no São Cristóvão em 1976, mas foi no Santos, para onde foi no ano seguinte, que estourou, ao lado de Juary, Nílton Batata e Pita, na geração que ficaria conhecida como "Meninos da Vila", que ganhou o Campeonato Paulista de 1978. O sucesso rendeu a todos, menos Pita, convocações para a seleção brasileira, sendo a vez de João Paulo em 19 de agosto de 1979, sem, no entanto, entrar em campo.[3] Ele voltaria a ser convocado no ano seguinte, atuando em um amistoso contra a seleção mineira em 1 de maio,[4] mas depois só seria lembrado novamente durante a campanha do vice-campeonato santista no Brasileiro de 1983, quando ganhou uma chance do técnico Carlos Alberto Parreira em 22 de abril. Entrou no segundo tempo do amistoso contra o Chile no Maracanã, no dia 28, no lugar de Éder, e foi convocado mais uma vez em 20 de maio, para uma série de amistosos na Europa e estreou como titular no terceiro jogo, contra a Suíça, em 17 de junho, como "teste", sendo substituído por Éder aos 23 minutos do segundo tempo.[3] No jogo seguinte, cinco dias depois, contra a Suécia, novamente foi substituído, desta vez por Jorginho, no intervalo, mas não sem antes cobrar o escanteio que deu origem ao primeiro gol brasileiro, marcado de cabeça por Márcio Rossini.[3] Sua última partida com a camisa da Seleção foi em 28 de julho, mais uma vez contra o Chile após nova convocação seis dias antes, e pela única vez atuou durante os noventa minutos.[3] Seria convocado uma última vez em 26 de agosto, durante a primeira fase da Copa América (que naquele tempo era disputada sem país-sede, o que permitia diversas convocações ao longo da competição), sem no entanto, entrar em campo, finalizando sua participação na seleção brasileira com quatro jogos oficiais, um não-oficial e nenhum gol marcado.[3]

Após o Campeonato Paulista de 1983 foi para o Flamengo, onde atuou em apenas quarenta partidas em 1984 até 19 de agosto, quando vestiu pela última vez a camisa rubro-negra, já no Campeonato Carioca.[5] De lá foi para o Corinthians. Seu passado santista, com um futebol considerado "pouco voluntarioso", teoricamente não seria o ideal para o torcedor corintiano,[6] mas acabou ficando mais de cinco anos no Parque São Jorge depois de sua estreia em 19 de setembro. No total, defendeu o Corinthians em 259 jogos, marcando 36 gols.[6] Chegou ao Palmeiras para o Campeonato Paulista de 1990, mas aos 32 anos já não era mais o mesmo e disputou a maioria dos seus dezenove jogos pelo time na meia esquerda.[7] Transferiu-se para o Yamaha, do Japão, naquele mesmo ano, voltando em 1991, para defender o São José. No ano seguinte passou ainda pelo Grêmio Maringá antes de voltar, em abril, ao Santos, para a disputa do Campeonato Brasileiro de 1992. Antes de estrear, disse que a mudança para o meio-de-campo tinha sido um dos fatores para compensar a idade. "Com a experiência, aprende-se a jogar com a inteligência", disse, ao jornal O Estado de S. Paulo. "Há três anos que venho jogando na meia. Vou ser útil e titular do Santos por um bom tempo."[8] Não foi: ele encerraria a carreira naquele mesmo ano, no Náutico.

Referências

  1. «Quem é quem no futebol». Editora Abril. Placar (1 063). 36 páginas. Setembro de 1991 
  2. Marcelo Duarte, Danilo Valentini e Alex Borba (2001). Enciclopédia do Futebol Brasileiro. 1. São Paulo: Areté Editorial. 98 páginas. ISBN 85-364-0183-4 
  3. a b c d e Ivan Soter, André Fontenelle, Mario Levi Schwartz, Dennis Woods e Valmir Storti (2006). Todos os Jogos do Brasil. São Paulo: Editora Abril. pp. 334, 366–367 e 369–371. ISBN 85-364-0183-4 
  4. «A história em seus pés». Editora Abril. Placar (1 094). 87 páginas. Maio de 1994. ISSN 0104-1762 
  5. Roberto Assaf e Clóvis Martins (2001). Almanaque do Flamengo. São Paulo: Editora Abril. pp. 333 e 491. EAN 789.3614.01068-7 
  6. a b Celso Dario Unzelte (2000). Almanaque do Timão. São Paulo: Editora Abril. 489 páginas. ISBN 85-87710-39-7 
  7. Celso Dario Unzelte e Mário Sérgio Venditti (2004). Almanaque do Palmeiras. São Paulo: Editora Abril. 478 páginas 
  8. «O andarilho João Paulo está de volta». São Paulo. O Estado de S. Paulo: Esportes, pág. 1. 11 de abril de 1992 

Ligações externasEditar