Abrir menu principal

João Paulo Kleinübing

João Paulo Kleinübing
Deputado Federal por Santa Catarina
Período 1 de fevereiro de 2015
até 1 de janeiro de 2019
Secretário de Saúde de Santa Catarina
Período fevereiro de 2015
até dezembro de 2016
Governador Raimundo Colombo
Prefeito de Blumenau
Período 1 de janeiro de 2005
até 1 de janeiro de 2013
Antecessor Décio Nery de Lima
Sucessor Napoleão Bernardes
Deputado Estadual de Santa Catarina
Período 1 de fevereiro de 2003
31 de dezembro de 2004
Dados pessoais
Nome completo João Paulo Karam Kleinübing
Nascimento 19 de dezembro de 1972 (46 anos)
Florianópolis, Santa Catarina
Nacionalidade Brasileiro
Progenitores Pai: Vilson Pedro Kleinübing
Alma mater Universidade Federal de Santa Catarina
Partido PFL (2002-2008)
DEM (2008-2014)
PSD (2014-2018)
DEM (2018-atualmente)
Religião Católico
Profissão Administrador e historiador

João Paulo Karam Kleinübing (Florianópolis, 19 de dezembro de 1972) é um administrador, historiador e político brasileiro filiado ao Democratas (DEM).[1]

BiografiaEditar

João Paulo Kleinübing nasceu em 19 de dezembro de 1972 no município de Florianópolis, capital do estado catarinense. Filho de Vera Maria Karam Kleinübing e de Vilson Kleinübing, seu pai foi deputado federal, senador e governador do estado de Santa Catarina.[2]

Em 1994, concluiu o curso de licenciatura e bacharelado em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e em 1995, o curso de Administração de empresas pela Escola Superior de Administração e Gerência (ESAG) da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC).[3]

Entre os anos de 1999 e 2000, integrou o conselho de administração da Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. (CELESC), entre 2001 e 2002 e 2013 e 2014, respectivamente, presidiu a Eletrosul Centrais Elétricas S.A. e a Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina S.A. (BADESC), atuou como coordenador da Macro Regional do Partido da Frente Liberal (PFL) no Vale do Itajaí[2] e presidiu Associação dos Municípios do Médio Vale Itajaí (AMMVI) sediada em Blumenau, em 2009.[3]

Além disso, João Paulo é casado com advogada Patrícia Loch Kleinübing, com quem tem duas filhas: Ana Beatriz e Maria Carolina.[4]

Trajetória políticaEditar

João Paulo Kleinübing iniciou sua trajetória política em 2002, ao candidatar-se ao cargo de deputado estadual pelo então Partido da Frente Liberal (PFL), atual Democratas (DEM). Angariando a soma de 31.407 votos (o equivalente a 1,01% dos votos válidos),[5] conseguiu eleger-se à Assembleia Legislativa de Santa Catarina (ALESC) e integrou a 15ª legislatura (2003-2007). Ao longo do mandato, presidiu as comissões permanentes de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça.[2]

Em 2004, candidatou-se à prefeitura do município de Blumenau, em Santa Catarina. Alcançando a soma de 75.783 votos (o equivalente a 45,73% dos votos válidos), ficou com a primeira colocação e conseguiu assumir o executivo municipal.[6] Nas eleições municipais de 2008, foi reeleito ao cargo com 112.509 votos (o equivalente a 63,67% dos votos válidos), desta vez pelo Democratas.[7][2]

Nas eleições de 5 de outubro de 2014, João Paulo Kleinübing candidatou-se ao cargo de deputado federal por Santa Catarina pelo Partido Social Democrático (PSD) e, ao alcançar a soma de 132.349 votos (o equivalente a 3,92% dos votos válidos), conseguiu eleger-se para a 55ª legislatura (2015 — 2019).[8] Entre 2015 e 2016, porém, licenciou-se do mandato para assumir a Secretaria de Estado da Saúde a convite do então governador catarinense Raimundo Colombo, retornando ao cargo em 4 de janeiro de 2017.[2] Ao longo do mandato na Câmara dos Deputados, destacou-se por votar a favor do processo de impeachment de Dilma Rousseff, da Reforma Trabalhista em abril de 2017,[9] e do processo em que se pedia abertura de investigação do presidente Michel Temer em agosto de 2017.[9][10]

Já nas eleições de 2018, foi candidato ao cargo de vice-governador de Santa Catarina na chapa encabeçada por Gelson Merisio, pela coligação Aqui é trabalho composta pelos partidos: Partido Social Democrático (PSD), Partido Republicano Brasileiro (PRB), Partido Democrático Trabalhista (PDT), Partido Socialista Brasileiro (PSB), Podemos (PODE), Solidariedade, Partido Republicano da Ordem Social (PROS), Partido Social Cristão (PSC), Partido Comunista do Brasil (PCdoB), Partido Humanista da Solidariedade (PHS), Progressistas (PP), Democratas (DEM), Partido Republicano Progressista (PRP), Partido Pátria Livre (PPL) e Partido Verde (PV).[11][12] No primeiro turno, a chapa de João Paulo alcançou a soma de 1.121.869 votos (o equivalente a 31,12% dos votos válidos) e ficou à frente dos demais candidatos, seguindo na disputa no segundo turno. Já em 28 de outubro de 2018, segunda etapa do pleito eleitoral, a chapa de João Paulo foi vencida pelos também candidatos ao governo do estado Comandante Moisés e Daniela Reinehr, ambos do Partido Social Liberal (PSL), e ficou com a segunda colocação ao angariar a soma de 1.075.242 votos (o equivalente a 28,91% dos votos válidos).[13]

Desempenho em eleiçõesEditar

Ano Eleição Coligação Partido Candidato a Votos % Resultado
2002 Estadual em Santa Catarina Sem coligação PFL Deputado estadual 31.407 1,01 Eleito[5]
2004 Municipal de Blumenau Sem coligação PFL Prefeito 75.783 45,73 Eleito[6]
2008 Municipal de Blumenau Sem coligação DEM Prefeito 112.509 63,67 Eleito[7]
2014 Estadual em Santa Catrina Sem coligação PSD Deputado federal 132.349 3,92 Eleito[8]
2018 Estadual em Santa Catarina PSD, PRB, PDT, PSB, PODE, Solidariedade, PROS, PSC, PCdoB, PHS, PP, DEM, PRP, PPL e PV. DEM Vice-governador 1.121.869 (1º - Primeiro turno) 1.075.242 (2º - Segundo turno) 31,12 (1º - Primeiro turno) 28,91 (2º - Segundo turno) Não Eleito[13]

Referências

BibliografiaEditar


Precedido por
Décio Nery de Lima
Prefeito de Blumenau
2005 — 2008 e 2009 — 2012
Sucedido por
Napoleão Bernardes


  Este artigo sobre políticos ou política de Santa Catarina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.