Abrir menu principal
João do Éfeso
Nascimento 507
Diyarbakır
Morte 588 (81 anos)
Cidadania Império Bizantino
Ocupação historiador da religião, historiador, escritor, sacerdote

João do Éfeso (ou da Ásia; 505-585) foi um líder de uma igreja siríaca não-calcedônia no século VI, e um dos primeiros e mais importantes historiadores que escreveram em siríaco. O principal trabalho de João foi sua História Eclesiástica que abrange desde o reinado de Júlio César até 585, tendo ele também empregado a era selêucida.[1] Foi composto em três partes, cada um com seis livros: a primeira parte foi perdida, a segunda foi preservada em dois manuscritos do Museu Britânico enquanto a terceira parte parece estar completamente preservada.[2]

Nascido em Amida (atual Diarbaquir) cerca de 505, ele foi ordenado como diácono em 529 por João de Tela no mosteiro de Zuqnin mas devido à sua doutrina monofisista foi obrigado a refugiar-se na Palestina em 534. Posteriormente mudou-se para Constantinopla devido à pestilência que se propagou entre 534-537. Esteve de volta a Amida no início da perseguição aos monofisistas por Efraim, patriarca de Antioquia, e Abraão, bispo de Amida (520-541); retornou a Constantinopla em 540.[2]

Durante o reinado de Justiniano (r. 527–565), João tornou-se líder da comunidade monofisista e a ele foi incumbida a missão de converter todos os pagãos das províncias asiáticas.[2] Bar Hebreu diz que João sucedeu Ântimo I como bispo monofisista de Constantinopla, mas este é provavelmente um erro.[3] João esteve envolvido na construção do grande mosteiro de Trales (atual Aidim) nas colinas que contornam o vale de Meandro assim como mais de 90 outros mosteiros, principalmente em cima de demolidos templos pagãos.[4] Embora não tenha visitado a Núbia esteve ativo na conversão dos núbios.[5]

João posteriormente foi consagrado por Jacó Baradeu como bispo do Éfeso. Em 546, o imperador confiou-lhe a missão de erradicar a prática secreta da idolatria em Constantinopla e seus arredores, após a morte de Justiniano (565) e a ascensão de Justino II. Quando a perseguição aos monofisistas começou em 571, João foi uma das primeiras vítimas tendo sido preso. Embora não se saiba ao certo a data de seu falecimento, considera-se que tenha sido em 585.[2]

Referências

  1. Charanis 1946, p. 82.
  2. a b c d «John of Ephesus» (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2012 
  3. Bar Hebreu século XIII, p. 195.
  4. «John of Ephesus, Ecclesiastical History, Part 3 - Book 3» (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2012 
  5. «John of Ephesus, Ecclesiastical History, Part 3 -- Book 4» (em inglês). Consultado em 29 de setembro de 2012 

BibliografiaEditar

  • Bar Hebreu (século XIII). Ecclesiastical Chronicle. [S.l.: s.n.] 
  • Charanis, Peter (1946). On the Question of the Hellenization of Sicily and Southern Italy During the Middle Ages. [S.l.]: American Historical Review