Abrir menu principal

Wikipédia β

Lady Gaga

cantora e compositora dos Estados Unidos
(Redirecionado de Jo Calderone)


Lady Gaga
Lady Gaga se apresentando durante a Joanne World Tour, em novembro de 2017.
Nome de nascimento Stefani Joanne Angelina Germanotta
Outros nomes
Data de nascimento
28 de março de 1986 (32 anos)
Local de nascimento
Nacionalidade norte-americana
Religião Catolicismo
Progenitores Mãe: Cynthia Germanotta[4]
Pai: Joseph Germanotta[4]
Alma mater Universidade de Nova Iorque[5]
Ocupação
Período em atividade 2008 (2008)—presente
Outras ocupações
Carreira musical
Gênero(s)
Extensão vocal Contralto coloratura[6]
Instrumento(s)
Gravadora(s)
Afiliações
Influências
Fortuna AumentoUS$ 275 milhões
Página oficial ladygaga.com
Ladygaga sig.svg

Stefani Joanne Angelina Germanotta (Manhattan, Nova Iorque, 28 de março de 1986), mais conhecida pelo nome artístico Lady Gaga, é uma cantora, atriz, compositora, produtora musical, modelo, ativista e dançarina estadunidense.[7][8][9][10] Ela começou a apresentar-se no cenário musical de rock no Lower East Side em 2003, e mais tarde matriculou-se na Tisch School of Arts da Universidade de Nova Iorque.[11] No fim de 2007, assinou um contrato com a Streamline Records, um selo da editora discográfica Interscope Records. Durante o seu início na Interscope, trabalhou como compositora para artistas e capturou a atenção do produtor Akon, que reconheceu as suas habilidades vocais e contratou-a para a sua própria gravadora, a Kon Live Distribution.[7]

Gaga ganhou proeminência como uma artista após o lançamento do seu álbum de estúdio de estreia, intitulado The Fame, em 2008. O disco foi um sucesso a nível crítico e comercial, tendo atingido o número um no Reino Unido, Canadá, Áustria, Alemanha e Irlanda, enquanto nos Estados Unidos alcançou a posição máxima de número dois na Billboard 200.[12] As canções "Just Dance" e "Poker Face", co-escritas e produzidas por RedOne, tornaram-se sucessos internacionais de número um, atingindo o topo da Billboard Hot 100 nos EUA, bem como em vários outros países.[13][14] O álbum, mais tarde, conseguiu um total de sete indicações e dois prêmios nos Grammy Awards.[15] No início de 2009, ela embarcou em sua primeira turnê, a The Fame Ball Tour. No quarto trimestre do ano, lançou o extended play (EP) The Fame Monster, que contém os êxitos internacionais "Bad Romance", "Telephone" e "Alejandro", e embarcou em sua segunda turnê, a The Monster Ball Tour. The Fame Monster vendeu 10 milhões de cópias mundialmente e foi o álbum mais vendido de 2010.[16][17][18] O seu segundo álbum de estúdio, Born This Way, foi lançado em 23 de Maio de 2011 e vendeu 2,2 milhões de cópias nos EUA e 6 milhões mundialmente.[19][20] Além disso, produziu os singles "Born This Way", "Judas" e "The Edge of Glory", que tornaram-se sucessos mundiais. Em 2013, Gaga lançou seu terceiro álbum de estúdio, Artpop, e seu quarto álbum de estúdio em 2014, Cheek to Cheek, um projeto de música jazz em parceria com Tony Bennett. Por seu trabalho na série de televisão American Horror Story: Hotel, Gaga ganhou um Globo de Ouro. Em 2016, ela lançou seu quinto álbum de estúdio Joanne.

Influenciada por artistas como David Bowie, Michael Jackson, Madonna e Queen,[21][22] Gaga é reconhecida pelas suas contribuições extravagantes, diferentes e exageradas à indústria musical através da sua moda, actuações e vídeos musicais. Ela vendeu um número estimado de 27 milhões de álbuns e 66 milhões de singles no mundo, o que fez dela uma das recordistas de vendas de discos no mundo.[23] As suas conquistas incluem 6 Grammy Awards e 13 MTV Video Music Awards. A artista apareceu consecutivamente na lista dos "Artistas do Ano" da revista Billboard (conseguindo o título definitivo em 2010), posicionou-se no número quatro na lista das "100 Maiores Mulheres na Música" do VH1,[24] e é regularmente destacada em listas elaboradas pela revista Forbes e foi nomeada uma das pessoas mais influentes do mundo pela revista Time.[25][26] Em 2012, Gaga foi posicionada no número quatro na lista das "15 Mulheres Mais Bem Sucedidas Do Entretenimento" da Billboard, faturando mais de 25 milhões de dólares.[27][28]

Índice

Biografia e carreira

1986–2004: Infância e adolescência

 
Lenox Hill Hospital, em Manhattan, Nova Iorque, onde Gaga nasceu.

Stefani Germanotta nasceu na cidade de Nova Iorque em 28 de março de 1986, filha mais velha de Joseph Germanotta, um empreendedor de internet, e Cynthia Germanotta (nascida Bissett).[29][4] Descendente de italianos da Sicília e de franceses do Canadá,[30][31] ela é a mais velha de duas crianças.[32] A sua irmã, Natali, uma estudante de moda, nasceu em 1992.[33][34]

Aos onze anos de idade, Germanotta frequentou o Convent of the Sacred Heart, uma escola católica romana privada no Upper West Side em Manhattan, mas afirmou não vir de uma família rica, dizendo que seus pais ambos vieram de famílias de classe baixa, então trabalharam por tudo: "minha mãe ficava doze horas por dia fora de casa, em telecomunicações, e o meu pai também."[5][35][36][37] Ela aprendeu a tocar piano aos quatro anos de idade, e escreveu a sua primeira canção de balada no instrumento aos treze; por volta dos quatorze, começou a comparecer em casas noturnas de apresentações livres ao microfone.[11] Uma ávida atriz em musicais de ensino médio, Germanotta interpretou papéis principais como Adelaide em Guys and Dolls e Philia em A Funny Thing Happened on the Way to the Forum.[38] Gaga descreveu a sua vida acadêmica na escola como "muito dedicada, estudiosa e disciplinada", mas também "um pouco insegura", como disse em uma entrevista: "Eu costumava ouvir brincadeiras por ser tanto provocativa como excêntrica, então comecei a baixar o tom. Eu não me encaixava, e me sentia como uma estranha".[39][40] Conhecidos discutem que ela não encaixava-se na escola: "Ela tinha um grupo central de amigos; era uma boa aluna. Ela gostava muito de garotos, mas cantar vinha em primeiro lugar", recordou um colega do ensino médio. Referindo-se ao seu "expressivo livre espírito", Gaga disse à revista Elle: "Eu sou canhota!"[41][42] Ela também apareceu em um papel muito pequeno como uma colega de escola maliciosa na série de televisão dramática The Sopranos em um episódio emitido em 2001 intitulado "The Telltale Moozadell", e fez audições para programas de televisão nova-iorquinos, sem sucessos.[5][43]

Após a escola secundária, a sua mãe encorajou-a a fazer uma candidatura para o Collaborative Arts Project 21 (CAP21), um conservatório de treino de teatro musical na Tisch School of the Arts da Universidade de Nova Iorque.[5] Aos dezessete anos, em 23 de agosto de 2003, Germanotta ganhou uma admissão antecipada para a Tisch School of Arts e morou em um dormitório da universidade na Rua 11. Lá, ela estudou música e melhorou as suas habilidades de composição ao escrever dissertações e artigos analíticos, focando em assuntos como arte, religião, questões sociais e políticas, incluindo uma tese sobre sobre os artistas de música pop Spencer Tunick e Damien Hirst.[11][44][45] Gaga sentiu que era mais criativa do que alguns dos seus colegas: "Uma vez que você aprende a pensar sobre arte, você pode ensinar a si mesmo", disse. Pelo segundo semestre do seu segundo ano, saiu da escola para focar-se em sua carreira musical.[46] Seu pai concordou em pagar o seu aluguer por um ano, sob a condição de que ela se rematriculasse para a Tisch caso fosse mal-sucedida. "Eu abandonei a minha família inteira, consegui o apartamento mais barato que podia encontrar, e me dei mal até que alguém me ouvisse", disse ela.[38] Após isto, ela fez audições para mais papéis e foi apanhada no reality show da MTV Boiling Points.[5][47]

2005–2007: Início da carreira

 
Gaga durante uma apresentação no festival Lollapalooza em 2007.

Germanotta inicialmente assinou um contrato com a gravadora Def Jam Recordings aos dezenove anos de idade, mas saiu dela depois de três meses.[48] Brevemente, a sua companhia de administração apresentou-a ao compositor e produtor RedOne, que também era empregado dela.[49] A primeira canção que ela produziu com RedOne foi "Boys Boys Boys",[49] uma mistura inspirada pelas canções "Girls, Girls, Girls" de Mötley Crüe, e "T.N.T." de AC/DC.[50] Ela mudou-se para um apartamento no sudoeste de Nova Iorque e gravou algumas canções com o cantor de hip-hop Grandmaster Melle Mel para um audiolivro acompanhante do livro infantil, The Portal in the Park, de Cricket Casey.[51]

Ela também deu início a Stefani Germanotta Band, um grupo com alguns amigos da universidade. Eles gravaram um Extended play com as suas canções de balada em um estúdio situado abaixo de uma adega em Nova Jersey, tornando-se um ponto fixo ao centro social no sudoeste da cidade.[38] Começou a experimentar drogas, logo depois, enquanto fazia apresentações neo-burlescas.[35] O seu pai não entendia a razão do consumo de drogas e não conseguiu olhar para ela durante alguns meses.[35][50] O produtor musical Rob Fusari, que ajudou-a a compor umas de suas primeiras canções, comparou as suas habilidades vocais às de Freddie Mercury. Fusari ajudou-a a criar o apelido Gaga, a partir da canção "Radio Ga Ga" da banda Queen. Germanotta estava no processo de criar um nome artístico, quando recebeu uma mensagem de texto de Fusari em que lia-se "Lady Gaga".[52] Ele explicou:

Subsequentemente, ela ficou conhecida como Lady Gaga.[50] O The New York Post, entretanto, noticiou que esta história é incorreta, e que o nome resultou-se de um encontro comercial.[41] Ao longo de 2007, Gaga colaborou com a artista Lady Starlight, que ajudou-a a criar a sua moda de palco.[53] O par começou a tocar em apresentações em pontos de encontro de dança, como o Mercury Lounge, The Bitter End e o Rockwood Music Hall, com um pouco de sua apresentação artística conhecida como "Lady Gaga and the Starlight Revue".[54][55]

 
Gaga apresentando-se no The Bazaar, em Atlanta, Geórgia, em 2008.

Publicada como "The Ultimate Pop Burlesque Rockshow", era uma pequena homenagem a vários artistas dos anos 70.[56][57] Em agosto de 2007, Gaga e Starlight foram convidadas para tocarem no festival Lollapalooza nos Estados Unidos.[58] A apresentação foi excepcionalmente aclamada e recebeu críticas positivas.[11][54] Tendo inicialmente focado em avant-garde, música dance e eletrônica, Gaga encontrou a sua imagem musical quando começou a incorporar melodias de música pop, e o glam rock de David Bowie e Queen nela.[59]

Fusari enviou a canção que ele produziu com Gaga ao seu amigo, o produtor e executivo musical Vincent Hebert.[60] Hebert foi rápido ao assiná-la na sua gravadora, a Streamline Records, um selo da Interscope Records, por volta do seu estabelecimento em 2007.[61] Ela creditou Herbert como o homem que descobriu-a, acrescentando: "Eu realmente acho que nós fizemos a história do pop, e continuaremos fazendo".[60] Tendo já servido como aprendiz de compositora em um estágio na Famous Music Publishing, que depois foi adquirida pela Sony/ATV Music Publishing, Gaga subsequentemente conseguiu um contrato musical com a Sony/ATV.[62] Como resultado, foi contratada para escrever canções à Britney Spears e os colegas de gravadora, nomeadamente: New Kids on the Block, Fergie, e The Pussycat Dolls.[62] Enquanto Gaga compunha na Interscope, o cantor-compositor Akon reconheceu as suas habilidades vocais quando ela cantou um vocal de referência para uma de suas faixas em estúdio.[63] Ele então, convenceu Jimmy Iovine, presidente e chefe executivo da Interscope-Geffen-A&M, a formar um acordo de união para tê-la também contratada na sua própria gravadora, a Kon Live Distribution[48] e mais tarde chamou-a de sua "artista de franchise".[64] Gaga continuou as suas colaborações com RedOne em estúdio por uma semana em seu álbum de estreia,[62] procriando os singles "Just Dance" e "Poker Face". Ela também uniu-se ao catálogo de artistas da Cherrytree Records, um selo da Interscope estabelecido pelo produtor e compositor Martin Kierszenbaum, depois de co-escrever quatro canções com ele, incluindo o single "Eh, Eh (Nothing Else I Can Say)".[62]

2008–2010: The Fame e The Fame Monster

 
Gaga cantando "Paparazzi", canção de abertura da The Fame Ball Tour, em 2009.

Em 2008, Gaga mudou-se para Los Angeles, trabalhando perto de sua gravadora para finalizar o seu álbum de estreia, The Fame.[50] Ela combinou diferentes gêneros no álbum, desde a bateria dos Def Leppard até bateria de heavy metal em faixas urbanas".[48] The Fame recebeu análises positivas de críticos; de acordo com a agregação de crítica musical do Metacritic, ele armazenou uma pontuação média de 71 de 100.[65] O álbum atingiu a primeira posição na Áustria, Reino Unido, Canadá e Irlanda.[12][66] Mundialmente, The Fame vendeu por volta de doze milhões de cópias.[67] A sua primeira canção lançada como single, "Just Dance", ficou no topo das paradas na Austrália, Canadá, Países Baixos, Irlanda, Reino Unido e Estados Unidos, recebendo mais tarde uma indicação aos Grammy Awards na categoria de Melhor Gravação Dance.[14] O single seguinte, "Poker Face", foi um sucesso ainda maior, atingindo o número um na maioria de todos os mercados musicais no mundo, incluindo o Reino Unido e os Estados Unidos.[13] Ele ganhou um prêmio para Melhor Gravação Dance nos 52° Grammy Awards, além de indicações para Canção do Ano e Gravação do Ano. The Fame foi indicado para Álbum do Ano, tendo ganho a categoria de Melhor Álbum Eletrônico/Dance.[15] Embora a sua primeira turnê aconteceu como abertura para o grupo de colegas de música pop na Interscope, o reunido New Kids on the Block,[68] ela teve a sua própria e definitiva, a The Fame Ball Tour, que se iniciou em março de 2009.[69]

A capa da edição anual Hot 100 da Rolling Stone, em maio de 2009, exibia uma Gaga semi-nua vestindo somente bolhas de plástico colocadas estrategicamente.[70][71] Nesta edição, ela disse que enquanto estava começando a sua carreira no cenário dançante de Nova Iorque, estava romanticamente envolvida com um baterista de heavy metal. Descreveu a relação dos dois e a separação, dizendo que: "Eu era a sua Sandy, ele o meu Danny [de Grease], e eu apenas terminei". Ele, mais tarde, tornou-se uma inspiração por trás de algumas canções em The Fame.[71] Ela foi indicada para um total de nove prêmios no MTV Video Music Awards de 2009, ganhando a categoria Artista Revelação, enquanto o seu single "Paparazzi" ganhou dois prêmios para Melhor Direção de Arte e Melhores Efeitos Especiais, respectivamente.[72] Em outubro, Gaga recebeu o prêmio Estrela Ascendente de 2009, da revista Billboard.[73] Ela compareceu ao National Dinner da Human Rights Campaign no mesmo mês, antes de discursar na Marcha Nacional pela Igualdade em Washington, D.C.[74][75]

 
Gaga apresentou a The Monster Ball Tour em 2010. Com uma arrecadação de 227 milhões de dólares, tornou-se uma das turnês de maior bilheteria da história.

Ela lançou The Fame Monster, um extended play de oito canções que retratavam o lado sombrio da fama, experimentado por ela no percurso de 2008-09, enquanto viajava pelo mundo e são expressas através de uma metáfora de monstros. A sua segunda turnê, a The Monster Ball Tour, foi anunciada em apoio a ele e começou em novembro de 2009.[76] A canção "Bad Romance" foi lançada como o primeiro single do EP e atingiu o topo de paradas de dezoito países, e o número dois nos Estados Unidos, Austrália e Nova Zelândia.[77][78] "Speechless" foi apresentada no evento Royal Variety Performance em 2009, onde Gaga conheceu e cantou para a Rainha Isabel II.[79]

Gaga foi escolhida como uma das 10 Mais Fascinantes Pessoas de 2009 por Barbara Walters durante o seu especial anual da ABC News. Quando entrevistada pela jornalista, a cantora desmentiu a alegação de que ela é intersexual como uma lenda urbana, respondendo a pergunta nesta edição ao dizer: "De primeira, era muito estranho e todo mundo meio que disse 'Isto é quase uma história!', mas na verdade, eu me interpreto em um jeito muito andrógino, e eu amo androginia".[80] Em janeiro de 2010, ela foi nomeada como a chefe criativa oficial de uma linha de produtos para a Polaroid Corporation, confirmando que criará produtos de moda, tecnologia e fotografia.[81] O segundo single, "Telephone", com a cantora de R&B Beyoncé Knowles, tornou-se o seu quarto número um no Reino Unido.[82] Em março, Rob Fusari processou a companhia de produção de Gaga, Mermaid Music LLC, reivindicando que ele foi autorizado a um direito de 20% de seus lucros. O advogado dela, Charles Ortner, descreveu a concordândia com Fusari como "contrária à lei" e recusou-se fazer comentários.[83] Em agosto, a Corte Suprema de Nova Iorque recusou a causa.[84] Em abril, foi noticiado que os seus videoclipes obtiveram cerca de um bilhão de visualizações virais, tornando-se uma dos poucos artistas a alcançar este marco.[85] No fim do mês, Gaga foi nomeada uma das 100 mais influentes pessoas do ano pela revista Time.[86] Em setembro, ela foi votada como a 44ª nas 50 Mais Influentes Figuras do Mundo de 2010, lista compilada pela revista New Statesman.[87] Em maio, em uma entrevista com o The Times, Gaga deu a entender que tem Lúpus eritematoso sistêmico, normalmente referida como simplesmente lúpus, que é uma doença de corte membranoso.[88] Em uma entrevista com Larry King, Gaga confirmou que não tem lúpus, mas os resultados foram incertos.[89] Em dezembro, The Fame Monster ganhou seis nomeações ao Grammy, entre eles incluíram um para Melhor Álbum Vocal Pop e Melhor Álbum do Ano.[90] Gaga com Elton John, está planejando lançar um dueto chamado "Hello, Hello" para a trilha sonora do próximo filme de animação da Disney, Gnomeo & Juliet.[91] Em setembro de 2010, Gaga assinou um contrato com a Coty, Inc. para criar uma fragrância.[92] Ele será chamada de Monster e o seu lançamento está programado para 2012.[92] Até dezembro, The Fame havia vendido 12 milhões de cópias, sendo que The Fame Monster havia vendido 6 milhões.[93]

2010–2012: Born This Way

 Ver artigos principais: Born This Way e The Born This Way Ball
 
Gaga apresenta Born This Way em Sydney, Austrália.

Em Março de 2010, em uma entrevista com a MTV do Reino Unido, Gaga confirmou que começou a trabalhar no seu novo álbum de estúdio e que já havia terminado de escrever o seu tema central.[94] Três meses depois, em uma entrevista com a Rolling Stone, ela disse que o álbum estava completo, mas que não seria lançado até o ano de 2011. Ela anunciou o título do disco durante o seu discurso de agradecimento por ter vencido o prémio de "Vídeo do Ano" nos MTV Video Music Awards de 2010.[95] No mês seguinte, o vídeo musical de "Bad Romance" foi o mais visto da história do Youtube, com pouco mais de 180 milhões de acessos no momento da condecoração, além de ser o primeiro vídeo a superar a marca dos 200 milhões de visitas.[96] No fim desse mês, ela foi considerada como uma das artistas mais influentes do mundo pela revista Time na sua lista anual de 100 celebridades.[97] Nesta edição, a cantora Cyndi Lauper escreveu uma nota sobre a artista.[98] Em Outubro, a cantora tornou-se a primeira artista a obter mais de mil milhões de visualizações dos seus vídeos no Youtube,[99] e em dois meses depois, o museu de cera Madame Tussauds inaugurou oito modelos de cera da intérprete. Elas foram inauguradas simultaneamente em Londres, Amesterdão, Berlim, Nova Iorque, Hollywood, Las Vegas, Xangai e Hong Kong. O projecto foi definido por seus organizadores como o mais ambicioso da história do museu, que existe desde 1835. Cada réplica é vestida com um visual diferente da cantora.[100]

Gaga apresenta as suas ideias de forma sofisticada. Ela tem uma incrível sensação pop. As pessoas esquecem-se do quão jovem ela é [... ela] tem apenas dois álbuns, mas inspira outros artistas a irem em frente com o seu próprio trabalho. Quando vejo alguém como Gaga, recordo-me da admiração (...) não é uma artista de música pop, é a interpretação de uma artista.
 
Cyndi Lauper a falar sobre o que acha de Lady Gaga na revista Time.[98].
 
Lady Gaga como Jo Calderone na cerimónia dos MTV Video Music Awards de 2011.

"Eu prometo nunca os decepcionar. E não digo à toa: o álbum foi concluído e é do caralho, muito bom. [...] Eu prometo dar a vocês o maior álbum desta década [...] O engraçado é que algumas pessoas têm reduzido a liberdade a uma marca. Elas pensam que agora é moda ser livre. Elas acham que é moda ser animado sobre a sua identidade. Quando na verdade, não há nada na moda sobre Born This Way. Essa conexão que todos nós tanto compartilhamos é algo mais profundo que batom, uma peruca, ou uma roupa, ou um vestido de carne de merda. [...] Born This Way é sobre o que nos mantém acordados à noite e o que nos faz ter medo."

— Gaga em uma conversa com os seus fãs sobre Born This Way.[101]

A 13 de Fevereiro de 2011, a intérprete venceu três Grammy Awards: "Melhor Performance Vocal Feminina Pop" e "Melhor Vídeo Musical de Curta Duração" por "Bad Romance", e "Melhor Álbum Pop" por The Fame Monster.[102][103] Born This Way foi lançado para o mundo a 23 de Maio do mesmo ano.[104] Descrito como um casamento de música electrónica com metal, rock and roll, pop e melodias com estilos de hino com batidas de dança e referido como um "álbum que nos mantém acordado à noite e que nos faz ter medo",[105] Gaga caracterizou-o como "algo muito mais profundo que uma peruca ou batom ou um vestido de carne de merda" e,[101] após ouvi-lo, Akon comentou que ela estava a levar a música para "o próximo nível".[106] Após o lançamento, o disco foi recebido com opiniões positivas pela crítica especialista em música contemporânea, que elogiou a sua vasta gama de estilos musicais diferentes e os seus vocais.[107] Porém, o uso repetitivo da palavra "Jesus", além do emprego de sinos de igreja e vozes de monge em muitas das faixas resultaram em reacções negativas de algumas sociedades cristãs, incluindo as do Líbano, onde Born This Way foi temporariamente banido.[108][109] Na sua primeira semana de comercialização nos Estados Unidos, Born This Way vendeu um número aproximado de 1 milhão e 108 mil exemplares, o que resultou na sua estreia na primeira posição da tabela musical Billboard 200,[110] além de ter liderado as tabelas em mais de vinte países diferentes.[111][112] O disco vendeu mais de 8 milhões de unidades no mundo e recebeu três nomeações aos Grammy Awards, incluindo a sua terceira na categoria "Álbum do Ano".[113] Em Março de 2012, Gaga apareceu no quarto lugar na lista dos "Fazedores de Dinheiro" da revista Billboard, como arrecadou USD 25,353,039, um valor que inclui as vendas de Born This Way e da The Monster Ball Tour.

 
Gaga a interpretar "Judas" ao vivo no Good Morning America em maio de 2011.

Nos meses precedentes ao lançamento do disco, foram lançados os singles "Born This Way",[114] "Judas"[115] e "The Edge of Glory", bem como o single promocional "Hair".[116] O primeiro single homónimo, primeiramente cantado ao vivo na cerimónia dos Grammy Awards em uma actuação que viu Gaga a ser emergida de um casulo em formato de ovo,[117][118] lida com a aceitação própria independentemente da raça e orientação sexual. A música estreou no primeiro posto da Billboard Hot 100, tendo tornado-se na décima nona estreia nesse posto e no milésimo número um da história da tabela.[119] Vendeu 3,7 milhões de cópias digitais nos EUA até Maio de 2012,[120] tornando-se no seu oitavo single consecutivo a exceder vendas de 2 milhões e, com vendas mundiais de 8,2 milhões até Novembro de 2011, tornando-se num dos seus cinco singles mais vendidos no mundo. Os críticos notaram a presença de referências culturais e artísticas na composição da canção,[121] e elogiaram o conceito do seu vídeo musical, em que Gaga dá parto a uma nova raça com recurso a imagens surrealistas.[122][123] O vídeo de "Judas", em que Gaga interpreta Maria Madalena,[124] e figuras bíblicas como Jesus Cristo e Judas Iscariotes também são apresentados,[125] foi criticado pelas suas referências religiosas, mas recebeu aclamação pelo seu conteúdo total e elogios por outros que afirmaram que não havia nada ofensivo nele.[126][127] "Judas" também alcançou o seu pico dentro das dez melhores colocações em vários mercados musicais,[128] enquanto "The Edge of Glory", primeiramente um sucesso comercial em lojas digitais,[129] foi mais tarde lançado como um single, tendo recebido apreciação musical e um vídeo musical notado por despir todas os seus empenhos "extravagantes" habituais.[130] Ela lançou "Yoü and I" e "Marry the Night" como os singles seguintes de Born This Way.[131] Apesar dos seus vídeos "loucos e ambiciosos" serem elogiados pela audácia, ambas as faixas falharam em alcançar o sucesso internacional que as outras canções conseguiram.[132][133] Gaga, mais tarde, apareceu no segundo lugar da lista dos "Artistas Mais Tocados" de 2011 da Phonographic Performance Limited (PPL) no Reino Unido.[134]

 
A artista em Roma no evento EuroPride em Março de 2011.

Ao longo de 2011, Gaga continuou os seus empreendimentos musicais ao juntar-se a artistas musicais veteranos como Tony Bennett para gravar uma versão jazz da canção "The Lady Is a Tramp".[135] Ela também gravou um dueto com Cher em uma faixa "massiva" e "bonita",[136] que Gaga "escreveu há muito tempo, e eu nunca a pus em nenhum dos meus álbuns por nenhuma razão específica."[137][138] Gaga também emprestou os seus vocais para um dueto original com Elton John para a banda sonora do filme de animação Gnomeo & Juliet. A canção, "Hello, Hello", foi lançada sem os vocais da artista, mas a versão do dueto é reproduzida no filme.[139][140] Ela também continuou as suas apresentações ao vivo em 2011, organizando um concerto único no Sydney Town Hall para promover Born This Way,[141] e actuando na celebração do sexagésimo quinto aniversário do ex-Presidente dos Estados Unidos, Bill Clinton, vestindo uma peruca loira como uma referência à interpretação de Marilyn Monroe para John F. Kennedy e mudando as letras de "Yoü and I" especialmente para a actuação.[142][143] Aparições na televisão incluem o seu próprio especial de Dia de Ação de Graças,[144] intitulado A Very Gaga Thanksgiving, que foi louvado pela crítica e atraiu uma média de 5 milhões e 749 mil telespectadores norte-americanos,[145][146] e provocou o lançamento do seu quarto extended play, A Very Gaga Holiday.[147] A sua segunda actuação no Saturday Night Live viu-a cantar uma selecção de faixas de Born This Way, além de aparecer em skecthes com Justin Timberlake e Andy Samberg.[148][149] No início de 2012, Gaga lançou uma rede social titulada de Little Monsters (em português: "pequenos monstros"), o website estava exclusivo apenas para convidados desde seu lançamento e, apenas veio ser aberto em 10 de julho de 2012.[150] Backplane, companhia por trás do empreendimento, diz que o Little Monsters "preenche uma lacuna no espectro social ao fortalecer o compartilhamento e o diálogo, que são naturais, mas não automáticos".[151]

A digressão promocional para Born This Way, intitulada The Born This Way Ball, teve o seu início no fim de Abril de 2012 no Estádio Olímpico de Seul na Coreia do Sul.[152] Apesar da digressão — que consiste em 110 concertos ao redor do mundo — ter sido recebida positivamente a nível crítico e comercial, vários comentadores políticos conservadores condenaram a The Born This Way Ball após a sua concepção.[153] Esta controvérsia inicial, particularmente notável em várias locações onde a digressão se apresentou na Ásia, viu protestos de vários grupos religiosos, que olharam para a digressão como satánica e contra valores religiosos, resultando em protestos sobretudo da Front Pembela Islam, causando o cancelamento de um concerto na cidade indonésia de Jakarta, onde Gaga foi negada uma licença para atuar. Ela e os seus promotores estavam inicialmente optimistas de que a atuação fosse continuar mas, devido à ameaças de violência vindas de muçulmanos de linha dura, Gaga decidiu cancelar o concerto, apesar de 52 mil bilhetes terem sido esgotados em poucos dias.[154][155][156] Em Maio de 2012, a artista fez uma participação no episódio final da vigésima terceira temporada de The Simpsons, intitulado "Lisa Goes Gaga".[157]

2012–2014: Artpop e Cheek to Cheek

 Ver artigos principais: Artpop e Cheek to Cheek
 
Gaga promovendo Artpop com a turnê ArtRave: The Artpop Ball, 2014

Em uma entrevista em Setembro de 2011 com Ryan Seacrest, Lady Gaga confirmou que estava a trabalhar no seu terceiro álbum de estúdio.[158] Músicas novas para o álbum estavam a "começar a desenvolver-se" quando ela trabalhou com Fernando Garibay no início de 2012.[159][160] O gerente de Gaga, Vincent Herbert, disse que ela iniciou o trabalho para o próximo disco enquanto apresentava-se na The Born This Way Ball, afirmando que o material é "louco, gravações excelentes".[161] A própria Gaga explicou que tinha o objectivo de fazer com que os ouvintes do álbum passassem um "bom tempo" com Artpop, feito para espelhar "uma noite no clube".[162] O disco Artpop foi lançado em 11 de novembro de 2013 através de lojas físicas e downloads digitais, bem como através de um aplicativo desenvolvido pela Haus of Gaga. Apesar de críticas mistas,[163] estreou no topo da tabela de álbuns dos Estados Unidos, e vendeu 2.5 milhões de cópias até Julho de 2014.[164][165] O álbum rendeu singles como "Applause" e "Do What U Want" com o cantor de R&B R. Kelly.[166][167][168] Um terceiro lançamento, "G.U.Y.", tornou-se o single de Gaga com o desempenho mais fraco até a data.[169][170] Gaga embarcou na ArtRave: The Artpop Ball, tomando como base os conceitos de seu evento promocional, também intitulado ArtRave. Rendendo US$83 milhões, o itinerário incluiu novas cidades e várias localidades inicialmente incluídas na parte cancelada da Born This Way Ball.[171][172] Gaga se separou de seu gerente de longa data, Troy Carter, pouco depois, citando "diferenças criativas",[173] e em Junho de 2014 ela e seu novo empresário Bobby Campbell juntaram-se à Artist Nation, divisão de gerenciamento de artistas da Live Nation Entertainment.[174] Ela liderou a lista de celebridades mais rentáveis com menos de 30 anos da Forbes e ficou em segundo na Celebrity 100 List e na pesquisa de pessoas mais influenciadoras dos últimos dez anos da Time.[175][176]

A artista teve a sua estreia no cinema no filme Machete Kills (2013), de Robert Rodriguez. No filme, ela interpreta a personagem La Chameleón.[177] O papel rendeu-lhe uma indicação ao Framboesa de Ouro por pior atriz secundária.[178][179] A cantora também foi a anfiltriã do episódio de 16 de novembro de 2013 do Saturday Night Live, onde ela cantou "Do What U Want" (com Kelly) e a canção "Gypsy".[180][181] Mais tarde, naquele mês, ela realizou seu segundo especial de televisão do dia de ação de graças no canal ABC, Lady Gaga and the Muppets' Holiday Spectacular.[182] Em Março de 2014, Gaga também fez uma residência de sete dias que comemorou o fechamento do Roseland Ballroom, em Nova York.[183] Gaga fez uma participação em outro filme de Robert Rodriguez, Sin City: A Dame to Kill For, lançado em 22 de Agosto de 2014.[184] Ela foi confirmada como a garota-propaganda da coleção primavera-verão de 2014 da Versace com uma campanha chamada "Lady Gaga For Versace".[185][186]

Em janeiro de 2013, antes do lançamento de seu terceiro álbum de estúdio Artpop, Lady Gaga anunciou em seu Twitter que iria gravar um disco de jazz em parceria com Tony Bennett, e que o nome do álbum seria Cheek to Cheek.[187] Em agosto de 2014, a cantora colocou o álbum para pré-venda no iTunes, e divulgou o primeiro single do álbum "Anything Goes" em seu canal do YouTube. O disco foi oficialmente dia 23 de Setembro. Ele estreou no primeiro lugar nos Estados Unidos, com 131 mil cópias vendidas só na primeira semana do lançamento do álbum. Este, é a segunda estreia de Gaga em primeiro lugar em menos de um ano, já que estreou seu terceiro álbum Artpop em primeiro lugar no ano de 2013.[188] O álbum ganhou um Grammy por Best Pop Tradicional Vocal Album.[189] A dupla gravou um especial, chamado Tony Bennett e Lady Gaga: Cheek to Cheek Live,[190] e embarcou na Cheek to Cheek Tour, que começou em Dezembro de 2014 e concluiu-se em Agosto de 2015.[191] Ela também lançou seu segundo perfume, em associação com a Coty Inc., chamado Eau de Gaga.[192]

2015–2017: American Horror Story e Joanne

 Ver artigos principais: American Horror Story: Hotel e Joanne (álbum)
 
Gaga depois de cantar o hino nacional dos Estados Unidos no Super Bowl 50 em 7 de fevereiro de 2016

A artista fez um tributo a The Sound of Music (1965) no Oscar 2015, onde cantou sucessos do filme.[174][193] Em fevereiro de 2015, Gaga por meio do seu Twitter divulgou que estaria no elenco da nova temporada de American Horror Story, Hotel. Mais tarde divulgou o primeiro teaser em seu Instagram.[194][195] Ela interpretou Elizabeth, a proprietária do hotel em que a história se passava.[194] Apesar de seu desempenho receber críticas mistas,[196][197][198] ela ganhou um Globo de Ouro por melhor atriz em minissérie ou filme para televisão.[199] Além disso, foi indicada ao Satellite Awards na categoria de melhor atriz em série dramática. A cantora também recebeu uma indicação ao Oscar de melhor canção original pela música "Til It Happens to You", composta em parceria com a compositora Diane Warren para o documentário The Hunting Ground.

Em fevereiro de 2016, a cantora se apresentou no Super Bowl cantando o hino nacional norte-americano,[200][201] e na premiação do Grammy, onde fez uma homenagem a David Bowie.[202] Ela também se apresentou na entrega do Oscar cantando a música "Til It Happens to You",[203] tornando-se assim a primeira artista a se apresentar no Super Bowl, no Grammy e no Oscar no mesmo ano. Em julho de 2016, a canção "Til It Happens to You" foi indicada ao Emmy na categoria Melhor Letra e Canção Original, se tornando a primeira canção da história a concorrer ao Grammy, Emmy e ao Oscar,[204] porém, Lady Gaga não aparece na nomeação pois o Emmy só aceita compositores que contribuem com mais de 20% da canção.

Seu quinto álbum, Joanne, foi lançado em 21 de outubro de 2016.[205] Seu primeiro single, "Perfect Illusion", foi lançado em Setembro.[206] Para promover o disco, Gaga embarcou em uma turnê de três datas chamada Dive Bar Tour.[207] Gaga atualmente aparece em American Horror Story: Roanoke, a sexta temporada da série, transmitida entre setembro e novembro de 2016.[208] A sua personagem é uma atriz que aparece no documentário My Roanoke Nightmare como Scàthach, a bruxa suprema original que viveu entre os colonizadores de Roanoke.[209] Em 29 de Setembro de 2016, a NFL anunciou que Gaga se apresentaria no show de intervalo do Super Bowl LI em 5 de Fevereiro de 2017.[210] A artista, posteriormente a sua apresentação no Coachella, lançou a canção "The Cure" em 16 de abril de 2017.[211] O single conseguiu a 39ª posição da Billboard Hot 100, além da 19ª no UK Singles Chart.[212][213] Neste mesmo mês, as gravações de Gaga com Bradley Cooper para o remake do filme de 1937, A Star Is Born, começaram.[214] A cantora interpretará Ally, e o filme tem previsão para lançamento em Setembro de 2018.[215][216] A cantora também participou do álbum Songs of Experience, lançada em Dezembro de 2017, na canção "Summer of Love", da banda de rock irlandesa U2.[217]

2018–presente: Sexto álbum de estúdio e A Star Is Born

Em agosto de 2017, Gaga confirmou que começou a trabalhar em seu sexto álbum de estúdio.[218] Ela entrou em gravações de estúdios com produtores como Boys Noize, DJ White Shadow e Bloodpop.[219] Em março de 2018, Gaga apoiou o comício de controle de armas March for Our Lives em Washington, DC[220] e lançou um cover de "Your Song" de Elton John para o álbum de tributo Revamp & Restoration.[221] Ela vai estrelar e criar novas músicas para A Star Is Born de Bradley Cooper, um remake do filme de mesmo nome 1937. Está previsto para ser lançado em outubro de 2018.[222][223] Seu personagem é uma mulher chamada Ally cujo romance com o cantor Jackson Maine (interpretado por Cooper) torna-se tensa depois que sua carreira começa a ofuscar a dele.[224] Ela também assinou um contrato de residência de dois anos para se apresentar no MGM Park Theater em Las Vegas, que deve começar em dezembro de 2018.[225]

Características musicais

Influências

   
Artistas como David Bowie (esquerda) e Madonna (direita) são as maiores influências musicais da carreira de Gaga.

Gaga cresceu ouvindo artistas como os Beatles, Stevie Wonder, Queen, Bruce Springsteen, Pink Floyd, Mariah Carey, Grateful Dead, Led Zeppelin, Whitney Houston, Elton John, Blondie e Garbage,[226] todos a influenciados em algum ponto musicalmente.[227][228] A inspiração musical de Gaga varia de cantores de dance-pop, como Madonna e Michael Jackson, a artistas glam rock como David Bowie e Freddie Mercury, bem como a teatralidade da música, do artista pop Andy Warhol e suas próprias raízes de performance no teatro musical.[48][229] Ela foi comparada a Madonna, que disse que ela se vê refletida em Gaga.[230] Gaga diz que ela quer revolucionar a música pop como Madonna fez.[231] Gaga também citou bandas de heavy metal como uma influência, incluindo Iron Maiden e Black Sabbath.[232][233] Ela credita Beyoncé como uma inspiração chave para seguir uma carreira musical.[234]

Gaga se inspirou em sua mãe para se interessar por moda, que ela agora diz ser uma grande influência e integrada à sua música.[46][235] Estilisticamente, Gaga foi comparada a Leigh Bowery, Isabella Blow e Cher;[236][237] uma vez ela comentou que quando criança, ela absorveu o senso de moda de Cher e fez o seu próprio.[237] Ela considera Donatella Versace sua musa e o estilista inglês Alexander McQueen como uma inspiração.[88][35] Por sua vez, Versace chama Lady Gaga "o fresco Donatella".[238] Gaga também foi influenciada pela princesa Diana, que ela admirava desde a infância.[239]

Gaga chamou o defensor da medicina alternativa indiana Deepak Chopra de "verdadeira inspiração",[240] e também citou o livro "Criatividade no Twitter" do líder indiano Osho. Gaga diz que foi influenciada pelo trabalho de Osho em valorizar a rebelião através da criatividade e da igualdade.[241]

Estilo musical e temas

Os críticos analisaram e analisaram o estilo musical e performático de Gaga, enquanto ela experimentava novas idéias e imagens ao longo de sua carreira. Ela diz que a reinvenção contínua é "libertadora", a qual ela foi atraída desde a infância..[242] Gaga é um contralto com um intervalo que vai de B♭2 a B5[243][244][245][246] Ela mudou seu estilo vocal regularmente, e considera Born This Way "muito mais vocal com o que eu sempre fui capaz".[247][248] Em resumindo sua voz, Entertainment Weekly escreveu: "Há uma imensa inteligência emocional por trás do modo como ela usa sua voz. Quase nunca subjuga uma música com sua habilidade vocal, reconhecendo, em vez disso, que a arte é encontrada em nuances, e não em poder do pulmão."[249]

As primeiras músicas de Gaga foram chamadas de "sem profundidade" pela escritora Camille Paglia no The Sunday Times,[250] mas de acordo com Evan Sawdey da PopMatters, ela "consegue fazer você se mexer em um ritmo quase sem esforço".[251] Gaga acredita que "toda boa música pode ser tocada em um piano e ainda soar como um sucesso".[252] Simon Reynolds escreveu em 2010: "Tudo sobre Gaga veio de electroclash, exceto a música, que não era particularmente dos anos 1980, apenas vadias impiedosamente pop envidraçadas com o Auto-Tune e reforçadas com batidas de R&B."[253]

As músicas de Gaga cobriram uma grande variedade de conceitos; The Fame discute o desejo pelo estrelato, enquanto o seguidor The Fame Monster expressa o lado sombrio da fama através de metáforas de monstros. The Fame é um álbum electropop e dance-pop que tem influências do pop dos anos 1980 e Europop dos anos 90,[254] enquanto The Fame Monster exibe o gosto de Gaga por pastiche, com base no "Seventies arena glam, empolgante disco do ABBA, e retrocessos açucarados como Stacey Q".[255] Born This Way tem letras em inglês, francês, alemão e espanhol e apresenta temas comuns às composições controversas de Gaga, como sexo, amor, religião, dinheiro, drogas, identidade, libertação, sexualidade, liberdade e individualismo.[256] O álbum explora novos gêneros, como o rock eletrônico e o techno.[257]

Os temas em Artpop giram em torno das visões pessoais de Gaga sobre fama, amor, sexo, feminismo, auto-empoderamento, superação do vício e reações ao escrutínio da mídia.[258] A Billboard descreve o Artpop como "canalizando coerentemente R&B, techno, disco e música rock".[259] Com Cheek to Cheek, Gaga se interessou pelo gênero jazz.[260] Já em Joanne, ela explorou os gêneros country, funk, pop, dance, rock, música eletrônica e folk, sendo influenciada por sua vida pessoal.[261]

Videos e performances

 
Gaga durante a performance de "blood stained" em 2010

Apresentando constantes mudanças de figurino e visuais provocativos, os videoclipes de Gaga são frequentemente descritos como curtas-metragens.[262] O vídeo de "Telephone" rendeu a Gaga o Recorde Mundial do Guinness por Maior Quantidade de propaganda de Produtos em um Vídeo.[263] De acordo com o autor Curtis Fogel, ela explora a bondage e o sadomasoquismo e destaca os temas feministas predominantes. Os principais temas de seus videoclipes são sexo, violência e poder. Ela se diz "um pouco feminista" e afirma que é "sexualmente empoderadora para as mulheres".[264]

Gaga se chamou de perfeccionista quando se trata de seus shows elaborados.[265] Suas performances foram descritas como "altamente divertidas e inovadoras";[266] a performance de "Paparazzi" no MTV Video Music Awards de 2009 foi descrita como "estonteante" pela MTV News.[267] Ela continuou o tema ensanguentado durante The Monster Ball Tour, causando protestos na Inglaterra de grupos familiares e fãs no rescaldo dos tiroteios em Cumbria, em que um motorista de táxi matou 12 pessoas, depois ele próprio.[268] No MTV Video Music Awards de 2011, Gaga apareceu em drag como seu alter ego masculino, Jo Calderone, e fez um monólogo apaixonado antes de uma performance de sua música "You and I".[269] Como coreógrafa e diretora criativa de Gaga, Laurieann Gibson forneceu material para seus shows e vídeos por quatro anos antes de ser substituída por seu assistente Richard Jackson em 2014.[270]

Imagem pública

 
Em 2010, oito figuras de cera de Gaga foram instaladas no museu Madame Tussauds.[271]

A recepção pública da música de Gaga, senso de moda e persona é polarizada. Devido à sua influência na cultura moderna e sua ascensão à fama global, o sociólogo Mathieu Deflem, da Universidade da Carolina do Sul, ofereceu um curso intitulado "Lady Gaga e a Sociologia da Fama" desde o início de 2011 com o objetivo de desvendar "algumas as dimensões sociologicamente relevantes da fama de Lady Gaga".[272] Quando Gaga se encontrou brevemente com o então presidente Barack Obama em uma arrecadação de fundos da Campanha de Direitos Humanos, ele achou a interação "intimidadora" enquanto vestia saltos de 16 polegadas, fazendo dela a mulher mais alta da sala.[273] Quando entrevistado por Barbara Walters para sua anual Especial 10 pessoas mais fascinantes promovida pelo canal ABC News em 2009, Gaga rejeitou a alegação de que ela é intersexual como uma lenda urbana. Respondendo a uma pergunta sobre essa questão, ela expressou seu gosto pela androginia.[80] Em um artigo do Sunday Times de 2010, Camille Paglia chamou Gaga de "mais um ladrão de identidade do que um quebradora de tabus eróticos, um produto manufaturado que afirma estar cantando para os malucos, os rebeldes e os despossuídos quando ela não é nenhum daqueles".[274]

O senso de moda extravagante de Gaga também serviu como um aspecto importante de sua personalidade artística.[275] Durante seu início de carreira, membros da mídia compararam suas escolhas de moda com as de Christina Aguilera.[35] Em 2011, 121 mulheres se reuniram no Grammy Awards vestidas com trajes semelhantes aos usados por Gaga, ganhando o recorde mundial Guinness de 2011 para o maior encontro de imitadores de Lady Gaga.[276] O Global Language Monitor nomeou "Lady Gaga" como o Top Fashion Buzzword, com sua marca registrada "sem calças" em terceiro lugar.[277] A Entertainment Weekly colocou suas roupas no final da década na lista "os melhores", dizendo que ela "trouxe arte performática para o mainstream".[278]

A Time colocou Gaga em sua lista dos 100 ícones de moda de todos os tempos, dizendo: "Lady Gaga é tão notória por seu estilo ultrajante quanto por seus sucessos pop ... [Gaga] tem roupas esportivas feitas de bolhas de plástico, Kermit the Frog bonecas e carne crua".[279] Gaga usou um vestido feito de carne crua para o MTV Video Music Awards de 2010, que foi complementado por botas, uma bolsa e um chapéu também feito de carne crua.[280] Parcialmente premiada em reconhecimento ao vestido, a Vogue a nomeou uma das pessoas mais bem vestidas de 2010 e a Time nomeou o vestido como a Declaração de Moda do ano.[281][282] Chamou a atenção da mídia mundial; a organização de direitos dos animais PETA achou ofensivo.[283] O vestido de carne foi exibido no Museu Nacional de Mulheres nas Artes em 2012,[284] e entrou no Rock and Roll Hall of Fame em setembro de 2015.[285]

Os fãs de Gaga a chamam de "Mãe Monstro", e ela frequentemente se refere a eles como "Little Monsters", uma frase que ela havia tatuado em si mesma em dedicação.[286] Em seu artigo "Lady Gaga foi pioneira na cultura online Fandom como a conhecemos" para o vice, Jake Hall do Vice, escreveu que Gaga inspirou várias marcas de fãs subsequentes, como as de Taylor Swift, Rihanna e Justin Bieber.[287] Em julho de 2012, Gaga também co-fundou o serviço de rede social LittleMonsters.com, dedicado aos seus fãs.[288] De acordo com o Guinness World Records, Gaga foi a pessoa mais seguida no Twitter em 2011 e a cantora pop feminina mais seguida em 2014; o livro também a chamou de a popstar mais poderosa daquele ano.[276][289] A Forbes a incluiu em seu Celebrity 100 de 2010 a 2015 e sua lista das mulheres mais poderosas do mundo de 2010 a 2014.[290] Ela ganhou US $ 62 milhões, US $ 90 milhões, US $ 52 milhões, US $ 80 milhões, US $ 33 milhões e US $ 59 milhões de 2010 a 2015.[291][216] Ela foi nomeada uma das pessoas mais influentes do mundo pela revista Time em 2010[292] e ficou em segundo lugar nas pessoas mais influentes dos últimos dez anos da revista Time em 2013.[176] Em março de 2012, Gaga ficou em quarto lugar na lista dos maiores fabricantes de dinheiro de 2011 pela Billboard, com ganhos de $ 25 milhões, que incluíram as vendas de Born This Way e sua Monster Ball Tour.[293] No ano seguinte, ela liderou a lista da Forbes da Celebridades Que Mais Lucram 30,[216] e em fevereiro de 2016, a revista estimou o patrimônio líquido de Gaga em US $ 275 milhões.[294]

Filmografia

Gaga gravou o especial A Very Gaga Thanksgiving, que contava tudo sobre sua vida pessoal e suas influências musicais, lançando o extended play (EP) A Very Gaga Holiday, contendo as canções "White Christmas", "Orange Colored Sky", "Yoü and I" e "The Edge of Glory".[295] Como forma de divulgação do EP, a artista apresentou "White Christmas" no Z100 Jingle Ball.[296] Antes do especial, ela também lançou o álbum de vídeo Lady Gaga Presents the Monster Ball Tour: At Madison Square Garden, retirado de um concerto da turnê The Monster Ball Tour no Madison Square Garden, em Nova York, exibido originalmente como um especial.[297]

Prêmios e indicações

 
Lady Gaga interpretando "You and I" no programa da NBC, Today Show.

A lista de prémios e indicações de Lady Gaga consiste em 109 prémios vencidos de 119 indicações totais. Seu álbum de estreia, The Fame foi lançado pela Interscope Records em Agosto de 2008. O álbum tem diversos singles de sucesso, incluindo "Just Dance", que foi nomeado para um Grammy de Melhor Gravação Dance de 2009. O single seguinte, "Poker Face", liderou quase todas as paradas em todo o mundo, e foi nomeado para vários prémios Grammy, incluindo Música do Ano e Gravação do Ano, e venceu Melhor Gravação Dance em 2010.[14][298]

Junto com os seus hit singles, The Fame em si, ganhou vários prémios e nomeações, como nomeações ao Grammy de Álbum do Ano, e o prémio de Melhor Álbum Eletrotécnico/Dance.[14] Gaga juntamente com os vídeos musicais lançados com os seus singles, também ganhou vários prémios e nomeações.

Em 13 de Fevereiro de 2011, o single de Lady Gaga que liderou as paradas, "Bad Romance", de seu terceiro extended play, The Fame Monster, ganhou dois Grammys - um para Melhor Performance Vocal Pop Feminina e os outros foram para o seu vídeo de acompanhamento para Melhor Vídeo Musical.[299] Além disso, o single "Telephone" foi nomeado para o Grammy de Melhor Colaboração Pop com Vocais. O single promocional "Dance in the Dark" também deu a Gaga a sua terceira nomeação na categoria de Melhor Gravação Dance. The Fame Monster em si, foi nomeado para Álbum do Ano e ganhou o Grammy de Melhor Álbum Pop Vocal.[299]

Apresentações

Lady Gaga tem no total duas turnês concluídas: a The Fame Ball Tour, que promoveu o álbum The Fame,[69] e a The Monster Ball Tour, que divulgou o EP The Fame Monster.[300]

A The Fame Ball Tour possui músicas de The Fame e uma outra inédita, "Future Love". Ela teve início no dia 12 de Março de 2009 em San Diego, Califórnia, e terminou em 29 de Setembro do mesmo ano em Washington, D.C.. A turnê visitou a América do Norte em 22 apresentações, a Oceania em nove, a Europa em 25 e a Ásia em oito.[301][302][303][304][305][306][307] Os concertos eram compostos por quatro blocos seguidos por vídeos de abertura.[69]

A The Monster Ball Tour foi a segunda turnê mundial de Lady Gaga,[300][308] feita para divulgar o seu terceiro extended play, The Fame Monster, dividida em duas grandes partes e depois organizada em legs. Ela foi oficialmente confirmada no dia 11 de Setembro de 2009,[309] logo após sua turnê com o rapper Kanye West, Fame Kills: Starring Lady Gaga and Kanye West, ser cancelada.[310] Ela se iniciou quatro dias após o lançamento mundial de The Fame Monster em Montreal, Canadá,[311][312] e terminou em 6 de Maio de 2011 na Cidade do México, México.

A terceira turnê da cantora, intitulada The Born This Way Ball, teve o objetivo de divulgar o segundo álbum de estúdio da cantora homônimo. A turnê, que teve início em 27 de abril de 2012[153] com um show de ingressos esgotados em Seul, na Coreia do Sul, terminou em 11 de fevereiro de 2013, com 98 apresentações[313] e visitou a Ásia, Europa,[314] América do Norte e do Sul,[315] Oceania[316] e África.[317] Em sua última parte, na América do Norte, a turnê teve seus 22 últimos shows cancelados, devido a uma lesão no quadril da cantora, que posteriormente foi submetida a uma cirurgia, impossibilitando que ela performasse por cerca de seis meses.[318]

No final de 2013, porém, a cantora anunciou sua mais nova turnê,[319] consistindo em um novo show, sobre uma nova temática, com o objetivo de divulgar seu álbum de estúdio mais recente, Artpop (2013). O projeto, intitulado Artrave: The Artpop Ball tem previsão de estreia para 4 de maio de 2014, com um show no BB&T Arena, em Fort Lauderdale, Flórida, Estados Unidos.[320][321] Até o presado momento, já foram anunciados 50 datas, incluindo 29 na América do Norte (EUA e Canadá) e 21 na Europa.[320] Pouco depois do início das vendas dos ingressos, em diversas cidades de ambos os continentes,[322] shows esgotados foram reportados pelos organizadores locais.[323]

Na cultura popular

Haus of Gaga

Logótipos da Haus of Gaga.

O Haus of Gaga é a equipe criativa pessoal da cantora pop Lady Gaga, que é responsável por grande parte de seu estilo distinto.[324] O Haus of Gaga cria a maioria das roupas, adereços, cenários e maquilhagem para performances ao vivo de Gaga e outras representações visuais de sua obra, bem como peças individuais que representam artisticamente o estilo e temas enfatizados por Gaga.[325] Estas criações são reunidas em combinação com outras criações e som para criar uma colecção completa de vídeos musicais e outras aparições. Algumas das mais famosas peças da Haus é o "Disco Stick" (uma vara longa com uma cúpula acrílica que emite luz)[326] e "Óculos de LCD do iPod" (um par de óculos com duas telas do iPod Classic em vez de lentes).[327]

Em entrevistas e através de sua arte, Lady Gaga revelou o seu respeito pelo trabalho do artista pop Andy Warhol, especificamente por sua capacidade de elevar a arte pop. Warhol disse que "arte deve ser significativa, da maneira mais superficial", GaGa explicou em uma entrevista. "Ele era capaz de fazer arte comercial, que foi levada a sério como arte ... que é o que eu estou fazendo também."[328]

Gaga manifestou seu desejo de ser sócia de Warhol. Quando Christina Aguilera disse ao Los Angeles Times em 2008, "Eu não sei se Lady Gaga é um homem ou uma mulher",[329] Gaga respondeu: "Quando eu ouço comentários como esse, eu sou como, 'Ela está morta', porque ela viu o Warhol em mim."[330]

Gaga usa o Haus of Gaga para imitar seu ídolo, que tinha um famoso estúdio na Cidade de Nova Iorque, The Factory. "Nesta industria, você terá um monte de estilistas e produtores atirados a você, mas esta é a minha própria equipa criativa, com base no Factory de Warhol [...] Como eu faço música e performances que são instigantes, frescas e futurísticas? Nós decidimos o que é bom, e se as ideias são poderosas o suficiente, podemos convencer o mundo que é óptimo."[330]

Televisão

 
A série de televisão Glee, já fez tributos duas vezes a Lady Gaga.

Na televisão, Lady Gaga já recebeu tributos e fez aparições. A série de televisão Glee, fez tributos em dois episódios: "Theatricality" na primeira temporada e "Born This Way" na segunda. Ela fez uma aparição em Gossip Girl no episódio "The Last Days of Disco Stick" da terceira temporada.[331] Em "Theatricality", os personagens femininos e Kurt usam vestimentas inspiradas em roupas de Lady Gaga e cantam a canção "Bad Romance". Esta versão da canção foi lançada como single e está incluída no álbum de trilha sonora, Glee: The Music, Volume 3 Showstoppers. Lady Gaga emprestou seu costureiro para ajudar na criação de roupas no episódio.[332] Neste episódio também foi interpretada a canção "Poker Face" pelas personagens Rachel e sua mãe Shelby. Essa versão de "Poker Face" estreou no 20º lugar na Billboard Hot 100.[333] Lady Gaga adorou o episódio e chamou-o de "fantástico".[334] Em "Born This Way", foi interpretado o primeiro single de Born This Way, "Born This Way".[335][336] Ela disse que adorou a performance.[337] Esta versão da canção estreou na Billboard Hot 100 no número 47,[338] vendeu 73.000 cópias nos Estados Unidos e se encontra no álbum Glee: The Music, Volume 6 que foi lançado no mesmo dia que o álbum de Gaga.[339] Em "The Last Days of Disco Stick", a personagem Blair Waldorf tem o desejo de se juntar as pessoas fixes da Tish School of the Arts. Ela faz uma peça de teatro baseada na música pop: uma Branca de Neve moderna com a música de Lady Gaga. No fim, ela consegue trazer a Lady Gaga para o show, facto que impressionou muito os seus colegas.[340][341]

Internet

 
Lady Gaga actuando com Maria Aragon.

Maria Lourdes Aragon (nascida em 17 de julho de 2000) é uma cantora canadense de ascendência filipina de Winnipeg, Manitoba. Em 16 de fevereiro de 2011, um vídeo de Aragon cantando um cover de "Born This Way" foi enviado para o canal do YouTube da sua irmã para mostrar seu talento para os amigos e familiares. O vídeo chamou a atenção de Lady Gaga e ela ficou tão impressionada com o desempenho da garota que ela fez um link para o vídeo no seu twitter.[342] Em seis dias, o seu vídeo atingiu mais de 28 milhões de visualizações. Durante uma entrevista à HOT 103 em Winnipeg, Lady Gaga disse no show a Maria, como ela tinha sido comovida por seu desempenho.[343] Em seguida, ela convidou-a a interpretar "Born This Way" com ela na The Monster Ball Tour em Toronto.[344] Em 3 de Março de 2011, Aragon entrou com Lady Gaga no palco, no Air Canada Centre, onde realizaram um dueto acústico da canção, com Maria sentada no colo de Gaga a tocar piano e Lady Gaga fazendo o trabalho dos pedais.[345] Aragon posteriormente voltou a juntar-se a Lady Gaga e sua equipa de dançarinos para fazerem uma versão final do uptempo de "Born This Way".[346]

Literatura

Lady Gaga: Queen of Pop é uma biografia de Lady Gaga, escrita por Emily Herbert (pseudônimo de Virginia Blackburn),[347] e publicada no Reino Unido pela John Blake Publishing Ltd.. Foi publicado pela Overlook Press nos Estados Unidos, com o título Lady Gaga: Behind the Fame.[348] Versões adicionais foram publicadas em 2010 pela Wilkinson Publishing em Melbourne, Victoria,[349] e pela Gardners Books no Reino Unido.[350] O livro discute o início da vida de Gaga quando ela era conhecida como Stefani Joanne Angelina Germanotta.[351] Começa com seu nascimento em 1986, e narra a sua educação e angústias que antecederam a sua primeira experiência com a fama.[351] A autora aborda seu tempo no Convent of the Sacred Heart em Nova Iorque, suas idas precoces para discotecas com sua mãe para se apresentar nos eventos de microfone livre, e sua breve incursão na Tisch School of the Arts.[351]

Filantropia e ativismo

Filantropia

Depois de recusar um convite para aparecer no single "We Are the World 25" (por causa dos ensaios de sua turnê) para beneficiar as vítimas do terremoto de 2010 no Haiti, Gaga doou os lucros de seu show Radio City Music Hall em janeiro de 2010 para a reconstrução do país fundo de ajuda.[352] Todos os lucros de sua loja online naquele dia também foram doados, e Gaga anunciou que $ 500.000 foram coletados para o fundo.[353] Horas depois do terremoto e tsunami de 2011 em Tóquio, Gaga twittou um link para as Pulseiras de Oração do Japão. Todas as receitas de uma pulseira que ela projetou em conjunto com a empresa foram doadas para esforços de socorro;[354] estes levantaram US $ 1,5 milhão.[355] Em junho de 2011, Gaga se apresentou no show de caridade da MTV Japão em Makuhari Messe, que beneficiou a Cruz Vermelha Japonesa.[356]

Em 2012, Gaga se juntou ao grupo de campanha Artistas Contra Fracking.[357] Naquele outubro, Yoko Ono deu a Gaga e outros quatro ativistas o LennonOno Grant for Peace em Reykjavík, Islândia.[358] No mês seguinte, Gaga se comprometeu a doar US $ 1 milhão para a Cruz Vermelha Americana para ajudar as vítimas do furacão Sandy. A Gaga também contribui na luta contra o preconceito á pessoas soropositivas, com foco em educar as mulheres jovens sobre os riscos da doença. Em colaboração com Cyndi Lauper, a Gaga uniu forças com a MAC Cosmetics para lançar uma linha de batons sob a linha de cosméticos complementares Viva Glam.[359] As vendas arrecadaram mais de US $ 202 milhões para combater o HIV e a AIDS.[360]

Em abril de 2016, Gaga se uniu ao vice-presidente Joe Biden na Universidade de Nevada, em Las Vegas para apoiar a campanha It's On Us de Biden enquanto ele viajava para faculdades em nome da organização, que viu 250.000 estudantes de mais de 530 faculdades assinarem uma promessa de solidariedade e ativismo.[361] Dois meses depois, Gaga participou da 84ª Conferência Anual dos Prefeitos dos EUA em Indianápolis, onde se juntou ao Dalai Lama para falar sobre o poder da bondade e como tornar o mundo um lugar mais compassivo.[362] O governo chinês adicionou Gaga a uma lista de forças estrangeiras hostis, e os sites chineses e organizações de mídia foram obrigados a interromper o upload ou a distribuição de suas músicas. O Departamento de Publicidade do Partido Comunista da China (CCPPD) também emitiu uma ordem para os meios de comunicação controlados pelo Estado condenarem esta reunião.[363]

Born This Way Foundation

Em 2012, Gaga lançou a Born This Way Foundation (BTWF), uma organização sem fins lucrativos que se concentra no empoderamento da juventude. Leva o nome de seu single e álbum de 2011. O proprietário da mídia, Oprah Winfrey, o escritor Deepak Chopra, e a secretária de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Kathleen Sebelius, falaram na inauguração da fundação na Universidade de Harvard.[364] O financiamento original da fundação incluiu US $ 1,2 milhão da Gaga, US $ 500.000 da MacArthur Foundation e US $ 850.000 da Barneys New York.[365] Em julho de 2012, a BTWF estabeleceu uma parceria com a Office Depot Center., que doou 25% das vendas, um mínimo de US $ 1 milhão de uma série de produtos de volta à escola de edição limitada.[366] As iniciativas da fundação incluíram o "Born Brave Bus", que a seguiu em turnê como um centro juvenil, como uma iniciativa contra o bullying.[367][368]

Em outubro de 2015, no Centro de Inteligência Emocional de Yale, Gaga se juntou a 200 estudantes do ensino médio, políticos e autoridades acadêmicas, incluindo Peter Salovey, para discutir maneiras de reconhecer e canalizar emoções para resultados positivos.[369] Em 2016, a fundação fez parceria com a Intel, Vox Media e Recode para combater o assédio virtual.[370] A receita de vendas da 99ª edição da revista V, que contou com Gaga e Kinney, foi doada à fundação.[371] Gaga e Elton John lançaram a linha de roupas e acessórios Love Bravery na Macy's em maio. 25% de cada compra suportam a fundação de Gaga e Fundação Elton John AIDS.[372] A Gaga fez uma parceria com a Starbucks por uma semana em junho de 2017 com a campanha "Cups of Kindness", em que a empresa doou 25 centavos de algumas das bebidas vendidas para a fundação.[373] Ela também apareceu em um vídeo da Staples Inc. para angariar fundos para a fundação e para a DonorsChoose.org.[374]

Defesa LGBT

 
Gaga dando um discurso na "Marcha Nacional pela Igualdade" de 2009.

Como uma mulher bissexual,[nota 1] Gaga apoia ativamente os direitos LGBT em todo o mundo.[375] Ela atribui muito do seu sucesso inicial como artista mainstream a seus fãs gays e é considerada um ícone gay.[376][377] No início de sua carreira, ela teve dificuldade em conseguir um programa de rádio e declarou: "O ponto de virada para mim foi a Comunidade LGBT".[378] Ela agradeceu à FlyLife, uma empresa de marketing LGBT com sede em Manhattan, com quem a sua gravadora Interscope trabalha, nas notas do The Fame.[379] Uma de suas primeiras apresentações televisivas foi em maio de 2008 no NewNowNext Awards, uma premiação exibida pelo logotipo da rede de televisão LGBT.[380]

 
Gaga fazendo um discurso em uma vigília para as vítimas do massacre em Orlando nos degraus da Los Angeles City Hall em junho de 2016.

Gaga falou na Marcha Nacional pela Igualdade de 2009 em Washington em apoio ao movimento LGBT.[381] Ela participou do MTV Video Music Awards de 2010, acompanhada por quatro ex-membros gays e lésbicas das Forças Armadas dos Estados Unidos, que tinham sido incapazes de servir abertamente sob a política "don't ask, don't tell" dos militares dos EUA, proibiu a homossexualidade aberta nas forças armadas.[382] Gaga pediu aos seus fãs via YouTube para contatar seus senadores em um esforço para derrubar a política. Em setembro de 2010, ela falou em uma reunião da Servicemembers Legal Defense Network em Portland, Maine. Após este evento, o The Advocate a nomeou uma "advogada feroz" aos LGBT.[383] Gaga apareceu em Europride, um evento internacional dedicado ao orgulho LGBT, em Roma, em junho de 2011. Ela criticou o estado pobre dos direitos dos homossexuais em muitos países europeus e descreveu os homossexuais como "revolucionários do amor".[384] Gaga foi ordenada como ministro pelo Mosteiro da Igreja da Vida Universal para poder oficiar o casamento de duas amigas.[385] Em junho de 2016, durante uma vigília realizada em Los Angeles pelas vítimas do Massacre de Orlando em uma boate gay, Gaga leu em voz alta os nomes das 49 pessoas mortas no ataque e fez um discurso.[386] Mais tarde naquele mês, Gaga apareceu no vídeo de homenagem da Human Rights Campaign às vítimas do ataque.[387] Ela se opôs à presidência de Donald Trump e lamentou sua proibição de transgêneros no serviço militar.[388][389] Ela apoiou a ex- secretária de Estado Hillary Clinton nas Eleições presidenciais americanas em 2016.[390]

Legado

Gaga foi nomeada a "Queen of Pop" em um ranking de 2011 pela Rolling Stone (baseado em vendas de discos e métricas de mídia social), e ela ficou em quarto lugar na lista de Maiores Mulheres da Música em 2012, pelo VH1.[391][392] Em 2012, ela se tornou uma característica de uma exposição temporária The Elevated. From the Pharaoh to Lady Gaga, comemorando o 150º aniversário do Museu Nacional em Varsóvia.[393]

 
Gaga se apresentando na turnê ArtRave: The Artpop Ball em Montreal, 2014

Gaga tem sido muitas vezes considerado como um pioneiro, por vezes, utilizando controvérsia para chamar a atenção para vários problemas.[394][395] Por causa de The Fame, sucesso a ele foi listado como um dos 100 melhores álbuns de estréia de todos os tempos pela revista Rolling Stone em 2013[396] -Gaga é reconhecido como um dos artistas que impulsionaram o aumento na popularidade do synthpop no final dos anos 2000 e início de 2010.[397] Scott Hardy, CEO da Polaroid, elogiou Gaga por inspirar seus fãs e por suas interações com eles nas mídias sociais.[398]

De acordo com Kelefa Sanneh do The New Yorker, "Lady Gaga abriu caminho para pop stars truculentos tratando sua própria celebridade como um projeto de arte em evolução".[399] Incluindo Born This Way como um dos 50 melhores álbuns de todos os tempos, Rob Sheffield da Rolling Stone, considera "difícil lembrar de um mundo onde não tínhamos Gaga, embora temos certeza que era um muito mais chato".[400] Em 2015, a Time também notou que Gaga havia "praticamente inventado a atual era da música pop como espetáculo".[401] Seu trabalho influenciou artistas, incluindo Miley Cyrus,[402] Nicki Minaj,[403] Ellie Goulding,[404] Halsey,[405] Nick Jonas,[406] Sam Smith,[407] Noah Cyrus,[408] Katherine Langford,[409] e MGMT.[410]

Um novo gênero de samambaias, Gaga, e duas espécies, G. germanotta e G. monstraparva foram nomeadas em sua homenagem. O nome monstraparva aludiu aos fãs de Gaga conhecidos como "monstrinhos", já que seu símbolo é a mão estendida da "garra do monstro", que se assemelha a uma jovem folhagem de samambaia bem enrolada antes de se desdobrar.[411] Gaga também tem um mamífero extinto, Gagadon minimonstrum,[412] e uma vespa parasita, Aleiodes gaga, nomeado para ela.[413][414]

Discografia

 Ver artigo principal: Discografia de Lady Gaga

Turnê

Referências

Bibliografia

  1. Kim, Douglas (2010). Lady Gaga - A revolução do pop. Brasil: Editora Globo. ISBN 978-85-250-4885-1 
  2. Phoenix, Helia (2010). Lady Gaga: Just Dance – The Biography (em inglês). Londres: Orion Publishing Group. ISBN 978-1-4091-1567-0 
  3. Lopes, Magda (2010). Lady Gaga - Biografia. Brasil: Lua de Papel. ISBN 978-85-63066-26-8 
  4. Parvis, Sarah (2010). Lady Gaga (em inglês). Kansas City: Andrews McMeel Publishing. ISBN 0-7407-9795-6 
  5. Goodman, Elizabeth (2010). Lady Gaga: Critical Mass Fashion (em inglês). Nova Iorque: St. Martin's Press. ISBN 0-312-66840-6 

Notas

  1. GAga diz que a música "Poker Face" era sobre ela bissexualidade, e ela fala abertamente sobre como seus namorados passados se sentem desconfortáveis com sua orientação sexual.[71]

Notas de rodapé

  1. Thais Aux (1 de julho de 2011). «Lady Gaga é a Rainha do Pop!». Atrevida. Consultado em 16 de março de 2016. 
  2. Eric Dodds, Claire Manibo, Kayla Webley (18 de abril de 2013). «Ten Years of Influence». Time (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  3. Chris Molanphy (29 de junho de 2011). «Introducing the Queen of Pop». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  4. a b c «Lady GaGa». IG. Consultado em 2 de outubro de 2010. 
  5. a b c d e Morgan, Johnny (2010). Gaga. [S.l.]: Sterling Publishing. ISBN 1-4027-8059-1 
  6. Meyer, Carla (24 de março de 2011). «Lady Gaga, fans are one at Sacramento show». Sacramento Bee. Arquivado do original em 18 de maio de 2013 
  7. a b «allmusic (Lady Gaga > Overview)». Allmusic. Consultado em 2 de outubro de 2010. 
  8. «Lady GaGa: The future of pop?». The Times. Consultado em 29 de agosto de 2009. 
  9. YOTKA, Steff (18 de fevereiro de 2016). «11 Things to Know About Marc Jacobs's Fall 2016 Show» (em inglês). Vogue. Consultado em 21 de abril de 2017. 
  10. «Home - Born This Way Foundation» (em inglês). Born This Way Foundation. Consultado em 21 de abril de 2017. 
  11. a b c d «Biografia de Lady Gaga». LadyGaga.com. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  12. a b Williams, John (14 de janeiro de 2009). «Lady GaGa's 'Fame' rises to No. 1». Jam! (em inglês). Canadian Online Explorer. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  13. a b «Lady Gaga – Poker Face – World Charts». aCharts.us. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  14. a b c d «The 51st Annual Grammy Awards Nominations List». National Academy of Recording Arts and Sciences. Consultado em 8 de outubro de 2010.. Arquivado do original em 24 de Janeiro de 2010 
  15. a b «List of Grammy winners». CNN. Turner Broadcasting System. 1 de fevereiro de 2010. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  16. «"Lady Gaga tem o disco mais vendido de 2010"». veja.com. Consultado em 31 de Dezembro de 2010. 
  17. «Álbum 'The Fame Monster', de Lady Gaga, foi o mais vendido do ano». EGO. 28 de Dezembro de 2010. Consultado em 16 de Maio de 2011. 
  18. «Álbum de Lady Gaga é o mais vendido de 2010». UOL. Folha Online. 28 de Dezembro de 2010. Consultado em 16 de Maio de 2011. 
  19. «Certificações de Lady Gaga nos Estados Unidos» (em inglês). Recording Industry Association of America. 6 de Dezembro de 2011. Consultado em 11 de Janeiro de 2012. 
  20. «Lady Gaga Biopic: 5 Stars Who Could Play the Role [PHOTOS]». IbTimes (em inglês). 28 de novembro de 2011. Consultado em 11 de Janeiro de 2012. 
  21. «Inspirações de Lady Gaga». Vila Mulher - Terra Networks. Consultado em 6 de janeiro de 2011. 
  22. «Lady Gaga: "Sempre irei me inspirar em Michael Jackson"». Uol Vírgula. Consultado em 22 de junho de 2010. 
  23. «Lady Gaga to perform at Belfast MTV awards». BBC News (em inglês). 17 de Outubro de 2011. Consultado em 29 de Março de 2012. 
  24. Ziegbe, Mawuse (6 de outubro de 2010). «Lady Gaga, Beyonce Among Forbes' 100 Most Powerful Women». MTV. Consultado em 9 de outubro de 2010. 
  25. Pomerantz, Dorothy; Rose, Lacey (22 de Junho de 2010). «The World's Most Powerful Celebrities». Forbes (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  26. Pomerantz, Dorothy; Rose, Lacey (2010). «The Celebrity 100: #4 Lady Gaga». Forbes (em inglês). Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  27. «Music's Top 40 Money Makers 2012». Billboard. Consultado em 3 de setembro de 2012. 
  28. Caulfield, Keith (12 de setembro de 2010). «Lady Gaga Is Billboard's 2010 Artist of the Year, Ke$ha Takes Top New Act». Billboard. Nielsen Business Media, Inc 
  29. «Lady GaGa: Biography». TV Guide. Consultado em 28 de julho de 2010. 
  30. «ARE SICILIAN MEN GOING GAGA? - Times of Sicily». 12 de março de 2012 
  31. Warrington, Ruby (22 de fevereiro de 2009). «Lady Gaga: ready for her close-up». The Sunday Times (em inglês). News International. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  32. Severt, Holand (6 de dezembro de 2008). «Pop Star Lady Gaga Has Roots in Ohio Valley». The Intelligencer & Wheeling News Register (em inglês). Ogden Newspapers. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  33. FitzSimons, Amanda. «Lady Gaga's Little Sister, Natali Germanotta Tells All». Teen Vogue. Consultado em 4 de dezembro de 2011. 
  34. «Lady Gaga's Sis Makes Cameo in "Telephone" Video». uk.eonline.com, E! Online. Consultado em 30 de maio de 2011. 
  35. a b c d e Hattie, Collins (14 de dezembro de 2008). «Lady GaGa: the future of pop?». The Sunday Times (em inglês). News International. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  36. Sturges, Fiona (16 de maio de 2009). «Lady Gaga: How the world went crazy for the new queen of pop». The Independent (em inglês). London: Independent News & Media. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  37. Barber, Lynn (27 de setembro de 2010). «Shady lady: The truth about pop's Lady Gaga». The Sunday Times (em inglês). News International. Consultado em 14 de junho de 2010. 
  38. a b c Grigoriadis, Vanessa (28 de março de 2010). «Growing Up Gaga». New York Magazine (em inglês). New York Media Holdings. 7 páginas. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  39. Bream, Jon (21 de março de 2009). «Don't Gag on Gaga». Star Tribune (em inglês). The Star Tribune Company. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  40. Poppell, Seth (22 de dezembro de 2009). «Lady Gaga was surprisingly normal». In Touch Weekly (em inglês). Bauer Media Group. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  41. a b Callahan, Maureen; Stewart, Sara (22 de janeiro de 2010). «Who's that lady?». New York Post (em inglês). News Corporation. Consultado em 27 de setembro de 2010. 
  42. Zee, Joe (1º de dezembro de 2009). «Lady Gaga – An Exclusive Interview with ELLE's January Cover Girl». Elle (em inglês). Hachette Filipacchi Médias. Consultado em 27 de setembro de 2010.. Arquivado do original em 15 de Janeiro de 2010 
  43. Ditzian, Eric (11 de outubro de 2010). «Lady Gaga's 'Sopranos' Cameo Surfaces». MTV. Consultado em 2 de julho de 2011. 
  44. Florino, Rick (30 de janeiro de 2009). «Interview: Lady GaGa». Artistdirect (em inglês). Artistdirect, Inc. Consultado em 28 de setembro de 2010. 
  45. Carlton, Andrew (16 de fevereiro de 2010). «Lady Gaga: 'I've always been famous, you just didn't know it'». The Telegraph. Consultado em 9 de fevereiro de 2011. 
  46. a b Harris, Chris (9 de junho de 2008). «Lady GaGa Brings Her Artistic Vision Of Pop Music To New Album» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 28 de setembro de 2010. 
  47. Anitai, Tamar (5 de outubro de 2009). «Vintage Lady Gaga! Watch Gaga On MTV's 'Boiling Points' In 2005». MTV. Consultado em 2 de julho de 2011. 
  48. a b c d Birchmeier, Jason (20 de abril de 2008). «Lady Gaga > Biography». Allmusic (em inglês). Rovi Corporation. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  49. a b «Interview With RedOne» (em inglês). HitQuarters. 23 de março de 2009. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  50. a b c d Reporter, Staff. «Lady GaGa Profile». Contactmusic.com. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  51. Musto, Michael (19 de janeiro de 2010). «Lady Gaga Did a Children's Book In 2007!». The Village Voice (em inglês). Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  52. a b Rose, Lisa (21 de janeiro de 2010). «Lady Gaga's outrageous persona born in Parsippany, New Jersey». The Star-Ledger (em inglês). Advance Publications. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  53. Cassis, Christine (22 de fevereiro de 2010). «Meet the woman who inspired Lady Gaga» (em inglês). Thaindian News. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  54. a b Hobart, Erika (18 de novembro de 2008). «Lady GaGa: Some Like it Pop». Seattle Weekly (em inglês). Village Voice Media. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  55. Lee, Ann (6 de janeiro de 2009). «Just Who Is Lady GaGa?». Metro (em inglês). Associated Newspapers. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  56. Reporter, BMI (9 de julho de 2007). «Lady Gaga» (em inglês). Broadcast Music Incorporated. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  57. Martin, Charlotte (23 de janeiro de 2009). «GaGa: On stripping, drugs and No 1s». The Sun (em inglês). News International. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  58. D'Souza, Nandini (18 de outubro de 2007). «Going Ga-Ga for Lady Gaga». W Magazine (em inglês). Condé Nast Publications. Consultado em 3 de outubro de 2010. [ligação inativa]  |arquivourl= é mal formado: timestamp (ajuda)
  59. Thrills, Adrian (9 de janeiro de 2009). «Why the world is going gaga for electro-pop diva Stefani». Daily Mail (em inglês). Associated Newspapers. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  60. a b Haus of GaGa (16 de dezembro de 2008). Transmission Gaga-vision: Episode 26. Lady Gaga Official website 
  61. Mitchell, Gail (10 de novembro de 2007). «Interscope's New Imprint». Nielsen Business Media, Inc. Billboard. 119 (45): 14. ISSN 0006-2510. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  62. a b c d Harding, Cortney (15 de agosto de 2009). «Lady Gaga: The Billboard Cover Story». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  63. Cowing, Emma (20 de janeiro de 2009). «Lady GaGa: Totally Ga-Ga». The Scotsman (em inglês). Johnston Press. Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  64. Vena, Jocelyn (5 de junho de 2009). «Akon Calls Lady Gaga His 'Franchise Player'» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 3 de outubro de 2010. 
  65. «The Fame». Metacritic. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  66. «Lady Gaga – The Fame – World Charts». aCharts.us. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  67. «Lady Gaga Opens Up» (em inglês). CBS News. 3 de agosto de 2010. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  68. Reporter, Staff (31 de outubro de 2008). «International Pop Star Lady Gaga Set to Tour With New Kids on the Block». Reuters. Thomson Reuters. Consultado em 22 de abril de 2017.. Cópia arquivada em 8 de Julho de 2010 
  69. a b c Vena, Jocelyn (13 de Janeiro de 2009). «Lady Gaga Gears Up For Pussycat Dolls Tour». MTV. MTV Networks. Consultado em 4 de Novembro de 2009. 
  70. Gregory, Jason (28 de maio de 2009). «Lady GaGa gets naked for Rolling Stone cover shoot». Daily Mirror (em inglês). Trinity Mirror. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  71. a b c Hiatt, Brian. «The Rise of Lady Gaga». Nova Iorque: Jann Wenner. Rolling Stone (em inglês). 1080 (43). ISSN 0035-791X 
  72. «2009 MTV Video Music Awards Winners». MTV (MTV Networks). Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  73. Caulfield, Keith (3 de outubro de 2009). «Beyonce Accepts Billboard's Woman Of the Year Award, Lady Gaga Is Rising Star». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  74. Brand, Fowler (12 de outubro de 2009). «Kanye Who? Lady Gaga Teams Up With President Obama». E! Entertainment Television (em inglês). E! Online. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  75. Zak, Dan (12 de outubro de 2009). «For Gay Activists, The Lady Is a Champ». The Washington Post (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  76. Herrera, Monica (15 de outubro de 2009). «Lady Gaga Unveils 'The Monster Ball'». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  77. Release, Press (8 de outubro de 2009). «Lady Gaga Returns With 8 New Songs on 'The Fame Monster'» (em inglês). PR Newswire. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  78. «Lady Gaga – Bad Romance – World Charts». aCharts.us. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  79. Vena, Jocelyn (8 de dezembro de 2009). «Lady Gaga Performs For The Queen Of England» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 8 de outubro de 2010.. Arquivado do original em 14 de Dezembro de 2009 
  80. a b Walters, Barbara (30 de dezembro de 2009). «Lady Gaga: 'I Love Androgyny'» (em inglês). ABC News. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  81. Eisinger, Amy (8 de janeiro de 2010). «Lady Gaga wears hat made entirely from her own hair». Daily News (em inglês). News Corporation. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  82. «Lady Gaga – Telephone ft. Beyoncé – World Charts». aCharts.us. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  83. Reporter, Staff (20 de março de 2010). «Lady Gaga bites back at music producer». The Daily Telegraph (em inglês). Londres: Telegraph Media LLC. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  84. «Lady Gaga and jilted producer drop legal dispute». Reuters (em inglês). Thomson Reuters. 10 de setembro de 2010. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  85. Kooch, Eileen (26 de março de 2010). «Lady Gaga becomes a 'billion-hit' artist». BBC (em inglês). BBC Online. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  86. «The 2010 TIME 100». Time (em inglês). Time Inc. 2 de maio de 2010. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  87. «Lady Gaga Listed in 50 People Who Matter 2010 By New Statesman» 
  88. a b Moran, Caitlin (23 de maio de 2010). «Come party with Lady Gaga». The Times (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  89. Temple, Sarah (2 de junho de 2010). «Gaga was to open Jackson's This Is It tour» (em inglês). ABC News. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  90. «Nominations list for the 53rd annual Grammy awards». USA Today (em inglês). 12 de Julho de 2010. Consultado em 16 de Maio de 2010. 
  91. «Lady Gaga, Elton John Record Duet For 'Gnomeo & Juliet'» (em inglês). MTV (MTV Networks). 22 de Outubro de 2010. Consultado em 16 de Maio de 2010. 
  92. a b Vena, Jocelyn (15 de Setembro de 2010). «Lady Gaga Inks Perfume Deal» (em inglês). MTV. Consultado em 16 de Maio de 2010. 
  93. Duffles, Fabiana (28 de Dezembro de 2010). «Lady Gaga: "The Fame Monster" é o álbum mais vendido de 2010» (em inglês). Cifra Club News. Consultado em 16 de Maio de 2010. 
  94. Montogomery, James (26 de março de 2010). «Lady GaGa: "My Next Album Will Be My Best Yet"» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  95. «Lady Gaga Announces New Album Name in VMA Speech». Entertainment Weekly (em inglês). 12 de setembro de 2010. Consultado em 8 de outubro de 2010. 
  96. «Bad Romance é campeão de acessos no Youtube». UOL. Guia da Semana. 15 de abril de 2010. Consultado em 8 de janeiro de 2011. 
  97. «Lady Gaga makes Time's 'most influential' list» (STM). BBC News. Consultado em 8 de janeiro de 2011. 
  98. a b «Artigo na revista Time sobre Lady Gaga por Cyndi Lauper». Time. Consultado em 8 de janeiro de 2011. 
  99. «Lady Gaga Beats Bieber to 1 Billion YouTube Views». Billboard (em inglês). Consultado em 25 de Outubro de 2010. 
  100. «Lady Gaga ganha oito estátuas de cera ao mesmo tempo». Cidade Verde. 10 de Dezembro de 2010. Consultado em 16 de Maio de 2010. 
  101. a b Dinnh, James (29 de Novembro de 2010). «Lady Gaga Says Born This Way Will Be 'Greatest Album Of This Decade'» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 29 de Novembro de 2010. 
  102. «Lady Antebellum dominam. Lady Gaga, Arcade Fire, Rihanna e La Roux também levaram prémios para casa». MTV (MTV networks). MTV Portugal. Consultado em 14 de Fevereiro de 2011. 
  103. «53ºGRammy» (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2011. 
  104. «Born This Way» (em inglês). Play.com. Consultado em 27 de Dezembro de 2010. 
  105. Cochrane, Greg (20 de Dezembro de 2010). «Lady Gaga reveals plans for Born This Way album». Newsbeat (em inglês). British Broadcasting Corporation. Consultado em 21 de Dezembro de 2010. 
  106. Vena, Jocelyn (18 de Novembro de 2010). «Lady Gaga's Born This Way Will 'Grab All The Monsters,' Akon Says» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 2 de Dezembro de 2010.. Cópia arquivada em 18 de Agosto de 2012 
  107. Dinh, James (23 de Maio de 2011). «Lady Gaga's Born This Way: The Reviews Are In!» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 6 de Setembro de 2012. 
  108. «Lady Gaga's 'Born This Way' Gets Banned In Lebanon, Celebrated In Italy» (em inglês). Idolator. Consultado em 23 de Julho de 2011. 
  109. «Lebanese government lifts ban on Lady Gaga's 'Born This Way'». NME (em inglês). IPC Media. 10 de Junho de 2011. Consultado em 10 de Junho de 2011. 
  110. Caulfield, Keith (31 de Maio de 2011). «It's Official: Lady Gaga's Born This Way Sells 1.11 Million». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 31 de Maio de 2011. 
  111. «Lady GaGa, Born This Way» (em alemão). Media Control Charts. 31 de Maio de 2011. Consultado em 1 de Junho de 2011. 
  112. «LADY GAGA – BORN THIS WAY (ALBUM)» (em inglês). Australian Albums Chart. Hung Medien. Consultado em 1 de Junho de 2011. 
  113. «Nominees And Winners» (em inglês). Grammy Award. National Academy of Recording Arts and Sciences. Consultado em 3 de Janeiro de 2012.. Cópia arquivada em 1 de Agosto de 2012 
  114. «Born This Way[EP]» (em inglês). Amazon.com. Consultado em 15 de Fevereiro de 2011. 
  115. «Judas – Single by Lady GaGa» (em inglês). iTunes. iTunes Store. Apple Inc. 15 de Abril de 2011. Consultado em 16 de Abril de 2011. 
  116. «Hair - Single by Lady Gaga» (em inglês). iTunes. iTunes Store. Apple Inc. Consultado em 13 de Junho de 2011. 
  117. «Cerimônia do Grammy 2011 começa com homenagem a Aretha Franklin e show de Lady Gaga». UOL. 13 de Fevereiro de 2011. Consultado em 19 de Fevereiro de 2011. 
  118. Dihitt (26 de fevereiro de 2011). «53º edição do Grammy Awards foi um sucesso». Consultado em 26 de Abril de 2011. 
  119. Trust, Gary (16 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga Claims 1,000th Hot 100 No. 1 with 'Born This Way'». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 13 de Março de 2011. 
  120. Maloy, Sarah (29 de Maio de 2012). «Madonna Mashes 'Born This Way' With 'Express Yourself'». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 31 de Maio de 2012. 
  121. Friedman, Megan (11 de Fevereiro de 2011). «Does Lady Gaga's 'Born This Way' Rip Off Madonna? Who Cares?». Time (em inglês). Consultado em 13 de Fevereiro de 2011. 
  122. Montgomery, James (28 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way' Video Premieres» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 4 de Março de 2011. 
  123. Mapes, Jillian (28 de Fevereiro de 2011). «Lady Gaga's 'Born This Way' Video Premieres». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 4 de Março de 2011. 
  124. Ellias, Matt (5 de Maio de 2011). «Lady Gaga 'Judas' Video 'Fulfills Our Vision,' Laurieann Gibson Says» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 6 de Maio de 2011. 
  125. Halperin, Shirley (10 de Abril de 2011). «Laurieann Gibson: 'We've Created a New Jerusalem' With Lady Gaga's 'Judas' Video». The Hollywood Reporter (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 16 de Abril de 2011. 
  126. O'Neil, Lorena (8 de Abril de 2011). «Catholic League On Gaga's 'Judas': 'If She Had More Talent, We'd Be More Offended'» (em inglês). Hollywood Life. Consultado em 15 de Abril de 2011. 
  127. Vena, Jocelyn (5 de Maio de 2011). «Lady Gaga Says 'Judas' Video Isn't 'An Attack On Religion'» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 6 de Maio de 2011. 
  128. «Lady Gaga – Judas» (em holandês). Ultratop. Hung Medien. Consultado em 26 de Abril de 2011. 
  129. «Lady Gaga Makes 'The Edge Of Glory' Next Official Single» (em inglês). Gigwise. 11 de Maio de 2011. Consultado em 11 de Maio de 2011. 
  130. Mapes, Jillian (17 de Junho de 2011). «Lady Gaga's 'Edge of Glory' Video Premieres: Watch». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 17 de Junho de 2011. 
  131. Vena, Jocelyn (27 de Julho de 2009). «Lady Gaga Finally Confirms 'You And I' As Her Next Single» (em inglês). MTV (MTV Networks). Viacom. Consultado em 1 de Agosto de 2011. 
  132. Newman, Melinda (29 de Julho de 2011). «What Lady Gaga's falling 'Born This Way' sales numbers tell us» (em inglês). Digital Spy. HitFix. Consultado em 24 de Junho de 2011. 
  133. «The Billboard Hot 100: Week Ending June 11, 2011». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. 3 de Junho de 2011. Consultado em 3 de Junho de 2011. 
  134. «Adele PPL's top artist of 2011». Music Week (em inglês). Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  135. «'A Very Gaga Thanksgiving': 5 Things We Want to See» (em inglês). AOL. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  136. «Cher e Lady Gaga lançarão música juntas». G1. 11 de agosto de 2011. Consultado em 23 de agosto de 2011. 
  137. «Lady Gaga faz dueto com Cher e briga com Bette Midler pelo Twitter». O Globo. 21 de julho de 2011. Consultado em 23 de agosto de 2011. 
  138. «Cher takes a witty walk on the wild side». mirror.co.uk (em inglês). 28 de julho de 2011. Consultado em 23 de agosto de 2011. 
  139. Herrera, Monica (28 de Novembro de 2011). «Lady Gaga, Elton John Duet Won't Appear On Film Soundtrack». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  140. Michaels, Sean (25 de Outubro de 2010). «Elton John and Lady Gaga record duet». The Guardian (em inglês). Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  141. Lady Gaga (30 de Maio de 2011). «The Kyle & Jackie O Show» (transmissão de rádio FM). The Kyle & Jackie O Show (entrevista de rádio). Entrevista com Kyle Sandilands, Jackie Henderson. Kyle Sandilands, Jackie Henderson. Sydney: 104.1FM. Consultado em 30 de Maio de 2011. 
  142. Mrkic, Mike (30 de Maio de 2011). «Gaga confirms Oz visit». Sydney Star Observer (em inglês). Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  143. Perpetua, Mathew (17 de Outubro de 2011). «Lady Gaga, Bono Rock For Clinton Foundation». Rolling Stone (em inglês). Wenner Media. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  144. Freeman, Hadley (25 de Novembro de 2011). «Lady Gaga goes mainstream with a twist on Thanksgiving TV special». The Guardian (em inglês). Guardian News and Media. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  145. Tucker, Ken (25 de Novembro de 2011). «'A Very Gaga Thanksgiving' review: Singing and talking turkey with Gaga, 'America's Picasso'». Entertainment Weekly (em inglês). Time Inc. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  146. Gorman, Bill (25 de Novembro de 2011). «'A Very Gaga Thanksgiving' Ranks No. 1 And Improves Its Slot By Wide Margins». TV by the Numbers (em inglês). Zap2it. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  147. Greenwald, David (23 de Novembro de 2011). «Lady Gaga Releases Holiday EP». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  148. Mapes, Jillian (22 de Maio de 2011). «Lady Gaga Has 'Threeway' With Justin Timberlake, Andy Samberg on 'SNL' Finale». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 22 de Maio de 2011. 
  149. Chiu, David (22 de Maio de 2011). «Lady Gaga rocked SNL» (em inglês). National Broadcasting Company News. Consultado em 22 de Maio de 2011. 
  150. «Lady Gaga lança sua própria rede social, a Little Monsters». Terra Networks. 10 de julho de 2012. Consultado em 25 de novembro de 2012. 
  151. Christian Costa (10 de julho de 2012). «Lady Gaga abre rede social ao público». Abril. Consultado em 25 de novembro de 2012. 
  152. Waddell, Ray (8 de Fevereiro de 2012). «Exclusive Info: Lady Gaga's 'Born This Way Ball' Tour to Hit Asia, Europe, Latin America This Year; North America in 2013». Billboard (em inglês). Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  153. a b Ray Waddell (8 de Fevereiro de 2012). «Lady Gaga Announces 'Born This Way Ball' Tour» (em inglês). Billboard. Consultado em 4 de Março de 2012. 
  154. «'Vulgar' Lady Gaga refused entry by Indonesia for sold-out show». The Daily Telegraph (em inglês). Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  155. Redação (27 de abril de 2012). «Lady Gaga tour starts in Seoul with adults-only concert» (em inglês). British Broadcasting Corporation. BBC News. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  156. «Lady Gaga cancels Indonesia show after threat from Muslim extremists». The Guardian (em inglês). 27 de Maio de 2012. Consultado em 7 de Setembro de 2012. 
  157. Moaba, Alex (20 de Maio de 2012). «Lady Gaga On 'The Simpsons' Finale: Pop Icon Comes To Springfield To Cheer Up Lisa». The Huffington Post (em inglês). Consultado em 20 de Maio de 2012. 
  158. Montogomery, James (26 de Setembro de 2011). «Lady Gaga 'Already Working' On Born This Way Follow-Up» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 17 de Janeiro de 2012. 
  159. Vena, Jocelyn (6 de Dezembro de 2011). «Lady Gaga Says Next Album Is 'Beginning To Flourish'» (em inglês). MTV (MTV Networks). Consultado em 5 de Agosto de 2012. 
  160. Vena, Jocelyn (28 de Novembro de 2011). «Lady Gaga 'Doing Prep' For Tour, Next Album» (em inglês). MTV (Viacom International Inc.). MTV News. Consultado em 2 de Janeiro de 2012. 
  161. Redação (31 de Maio de 2012). «Lady Gaga's manager promises singer will deliver an 'insane' third album». NME (em inglês). Consultado em 31 de Maio de 2012. 
  162. Vena, Jocelyn (18 de setembro de 2013). «Lady Gaga's ARTPOP Isn't An Album, But 'A Night At The Club'». MTV News. Consultado em 17 de outubro de 2013. 
  163. «Reviews for ARTPOP by Lady Gaga». Metacritic. Consultado em 30 de novembro de 2013. 
  164. Caulfield, Keith (20 de novembro de 2013). «Lady Gaga Scores Second No. 1 Album With 'ARTPOP'». Billboard. Consultado em 20 de novembro de 2013. 
  165. Siegel, Ben (7 de julho de 2014). «Lady Gaga dazzles fans with fun, solid show». The Buffalo News. Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  166. Caulfield, Keith (21 de agosto de 2013). «Robin Thicke Leads Hot 100, Katy Perry Holds At No. 2». Billboard. Consultado em 17 de outubro de 2013. 
  167. «24 de agosto de 2013 Top 40 Official Singles Chart UK Archive». Official Charts Company. Consultado em 17 de outubro de 2013. 
  168. Lipshultz, Jason (22 de outubro de 2013). «Lady Gaga: R. Kelly Duet 'Do What U Want' Is Now 'ARTPOP's' Second Single». Billboard. Consultado em 22 de outubro de 2013. 
  169. Mompellio, Gabriel (28 de março de 2014). «G.U.Y.: Lady Gaga» (em italiano). Radio Airplay Italy. Consultado em 23 de outubro de 2015.. Cópia arquivada em 28 de outubro de 2014 
  170. Trust, Gary (4 de abril de 2014). «Chart Moves: Blake Shelton Sets Country Airplay Record, Lady Gaga Debuts With 'G.U.Y.'». Billboard. Consultado em 4 de abril de 2014. 
  171. «Lady Gaga'S artRave: THE ARTPOP BALL». PR Newswire. 10 de dezembro de 2013. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  172. Allen, Bob (5 de dezembro de 2014). «Rolling Stones & Lady Gaga Wrap Up Their Tours on Top». Billboard. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  173. Rivera, Zayda (5 de novembro de 2013). «Lady Gaga, longtime manager Troy Carter split over 'creative differences': report». Daily News. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  174. a b Hampp, Andrew (8 de março de 2015). «Inside Lady Gaga's Latest Reinvention (It's All Part of a Long-Term Plan)». Billboard. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  175. «Lady Gaga Tops Forbes' List Of Top-Earning Celebs Under 30». Forbes. 22 de julho de 2013. Consultado em 29 de junho de 2015. 
  176. a b «Lady Gaga Is 'Time' Magazine's Second Most Influential Icon of the Decade». Forbes. 17 de abril de 2013. Consultado em 29 de junho de 2015. 
  177. Raisbeck, Fiona (30 de Julho de 2012). «Lady Gaga lands debut film role in Robert Rodriguez's Machete Kills». Marie Claire (em inglês). Consultado em 30 de Julho de 2012. 
  178. Vejvoda, Jim (13 de outubro de 2013). «Machete Kills Flops at the Box Office». IGN. Consultado em 30 de novembro de 2013. 
  179. «Grown Ups 2 Leads Razzie Nominations – Today's News: Our Take». TV Guide. CBS Interactive. 15 de janeiro de 2014. Consultado em 1 de fevereiro de 2014. 
  180. Rivera, Zayda (17 de novembro de 2013). «Lady Gaga hosts 'Saturday Night Live,' plays future self without fame or applause». Daily News. New York. Consultado em 24 de outubro de 2015. 
  181. Navaroli, Joel (16 de novembro de 2013). «SNL Archives - Episodes». SNL Archives. Consultado em 29 de julho de 2015. 
  182. Messer, Lesley (17 de outubro de 2013). «Lady Gaga Teams Up With the Muppets and Adorable Photos Result». ABC News. Consultado em 17 de outubro de 2013. 
  183. Blistein, Jon (19 de novembro de 2013). «Lady Gaga to Close Down Roseland Ballroom». Rolling Stone. Consultado em 29 de março de 2014. 
  184. Vena, Jocelyn (29 de agosto de 2013). «Lady Gaga 'Nailed It' In 'Sin City' Sequel, Joseph Gordon-Levitt Reveals». MTV News. Consultado em 29 de agosto de 2013. 
  185. «Becoming Donatella: Lady Gaga For Versace». Vogue UK. 25 de novembro de 2013. Consultado em 17 de junho de 2015. 
  186. «Lady Gaga for Versace confirmed». The Daily Telegraph. 25 de novembro de 2013. Consultado em 17 de junho de 2015. 
  187. Clicrbs. «Lady Gaga anuncia álbum em parceria com Tony Bennett». Consultado em 8 de outubro de 2014. 
  188. Omega Hitz. «Album de Tony Bennett e Lady Gaga estreia no topo da Billboard». Consultado em 8 de outubro de 2014. 
  189. Rosen, Christopher (8 de fevereiro de 2015). «Grammy Winners List For 2015 Includes Beyoncé, 'Frozen' & Kendrick Lamar». The Huffington Post. Consultado em 8 de fevereiro de 2015. 
  190. «Tony Bennett & Lady Gaga: Cheek to Cheek LIVE!». PBS. 15 de outubro de 2014. Consultado em 10 de março de 2015. 
  191. «Lady Gaga to perform with Tony Bennett on New Year's Eve». Business Standard. 8 de outubro de 2014. Consultado em 17 de junho de 2015. 
  192. Grinnell, SunHee (1 de outubro de 2012). «Lady Gaga: Breaking Ground on Her FAME». Variety. Consultado em 23 de outubro de 2015. 
  193. Fallon, Patrick (22 de fevereiro de 2015). «Oscars 2015: The Show». The New York Times. Consultado em 20 de setembro de 2016. 
  194. a b Falcone, Dana Rose (10 de setembro de 2015). «Lady Gaga joins American Horror Story Season 5». CNN. Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  195. Franich, Darren (14 de janeiro de 2016). «American Horror Story: Hotel finale recap: 'Be Our Guest'». Entertainment Weekly. Consultado em 26 de fevereiro de 2016. 
  196. Weiland, David. «Without reservations, 'Horror Story: Hotel' is worth checking out». Consultado em 3 de abril de 2016. 
  197. Fowler, Matt. «American Horror Story: Hotel - "Flicker" Review». Consultado em 3 de abril de 2016. 
  198. Zoller Seitz, Matt. «American Horror Story: Hotel Is Tedious, Insufferable, and Occasionally Exhilarating». Consultado em 3 de abril de 2016. 
  199. «Winners & Nominees 2016». Hollywood Foreign Press Association. Consultado em 11 de janeiro de 2016. 
  200. Connolly, Kelly (7 de fevereiro de 2016). «See Lady Gaga nail national anthem at the Super Bowl». Entertainment Weekly. Consultado em 7 de fevereiro de 2016. 
  201. «Lady Gaga Wins Rave Reviews for National Anthem Before Super Bowl 50». ESPN. 8 de fevereiro de 2016. Consultado em 11 de fevereiro de 2016. 
  202. Lockett, Dee (2 de fevereiro de 2016). «Lady Gaga Will Perform a David Bowie Tribute at Grammys». Vulture.com. Consultado em 14 de fevereiro de 2016. 
  203. Lynch, Joe (29 de fevereiro de 2016). «2016 Oscars: Ranking the Musical Performances». Billboard. Consultado em 29 de fevereiro de 2016. 
  204. «Til Happens to You bate recorde histórico». veja.com. Consultado em 22 de julho de 2016. 
  205. Sadlier, Allison (15 de setembro de 2016). «Lady Gaga announces new album Joanne, out Oct. 21». Entertainment Weekly. Consultado em 15 de setembro de 2016. 
  206. «Fremantle link to Lady Gaga's new single». Yahoo! News. 19 de agosto de 2016. Consultado em 3 de setembro de 2016. 
  207. McIntyre, Hugh (2 de outubro de 2016). «Lady Gaga Is Going On Tour To Dive Bars Across America». Forbes. Consultado em 7 de outubro de 2016. 
  208. Loughrey, Clarisse (19 de outubro de 2016). «American Horror Story season 7: New theme will be announced next spring». The Independent. Consultado em 21 de outubro de 2016. 
  209. Diblin, Emma (6 de outubro de 2016). «8 Things We Learned From 'American Horror Story: Roanoke' Chapter 4». Harper's Bazaar. Consultado em 13 de outubro de 2016. 
  210. «Lady Gaga headlines Pepsi Zero Sugar Super Bowl LI Halftime Show». NFL. 29 de setembro de 2016. Consultado em 29 de fevereiro de 2016. 
  211. «Watch Lady Gaga Debut Surprise New Single 'The Cure' at Coachella». Rolling Stone. 16 de abril de 2017. Consultado em 6 de maio de 2017. 
  212. «Lady Gaga - Chart history». Billboard (em inglês). Prometheus Global Media. Consultado em 6 de maio de 2017. 
  213. «Official Singles Chart Top 100». Official Charts Company (em inglês). Consultado em 6 de maio de 2017. 
  214. «First Look at Lady Gaga in A Star is Born Remake». ComingSoon.net (em inglês). 17 de abril de 2017. Consultado em 6 de maio de 2017. 
  215. Kroll, Justin (16 de junho de 2016). «Lady Gaga Joins Bradley Cooper's 'A Star Is Born' Remake». Variety (em inglês). Consultado em 6 de maio de 2017. 
  216. a b c D'Alessandro, Anthony (10 de novembro de 2016). «Bradley Cooper/Lady Gaga Movie 'A Star Is Born' Gets 2018 Release Date». Deadline (em inglês). Consultado em 6 de maio de 2017. 
  217. Mark Kavanagh (5 de dezembro de 2017). «Album review: U2 Songs Of Experience track by track». Buzz. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  218. Noelfi, Joel (5 de dezembro de 2017). «Lady Gaga is working on a new album: 'I have a lot of ideas'». Entertainment Weekly. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  219. Bein, Kat (5 de dezembro de 2017). «Lady Gaga & Boys Noize Are Working Together in the Studio». Billboard. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  220. Kilkenny, Katie (5 de dezembro de 2017). «Jennifer Lopez, Jimmy Fallon, Lady Gaga Sponsor Buses to March for Our Lives». Billboard. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  221. Kreps, Daniel (5 de dezembro de 2017). «Hear Lady Gaga's Powerful Take on Elton John's 'Your Song'». Rolling Stone. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  222. «Lady Gaga and Bradley Cooper confirm roles in A Star is Born remake». The Guardian. 5 de dezembro de 2017. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  223. D'Alessandro, Anthony; Hipes, Patrick (5 de dezembro de 2017). «'A Star Is Born' Release Date Shoots To Fall 2018». Deadline.com. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  224. Lang, Brent (5 de dezembro de 2017). «First Look at Lady Gaga and Bradley Cooper in 'A Star Is Born'». Variety. Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  225. Braca, Nina (5 de dezembro de 2017). «Lady Gaga Announces Las Vegas Residency: 'I'll Leave My Heart On Stage Every Single Night'». Consultado em 3 de janeiro de 2018. 
  226. Germanotta, Stefani. «Blonde On Blonde: Lady Gaga Interviews Debbie Harry». Harper's Bazaar. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  227. Vena, Jocelyn. «Lady Gaga Reveals One Question 'Changed My Life' In MTV Special». MTV 
  228. «Lady Gaga on Whitney Houston: 'she's the greatest of all time'». Rap-Up. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  229. Petridis, Alexis. «Lady Gaga's direct line to Andy Warhol». The Guardian. Consultado em 9 de abril de 2008. 
    «Lady GaGa: 'I was inspired by musical theatre'». Digital Spy. Consultado em 9 de abril de 2008. 
    Thomson, Graeme. «Soundtrack of my life: Lady Gaga». The Guardian. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  230. «Madonna Talks Divorce, Lady Gaga & Being A 'Geek' In High School». Access Hollywood. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  231. Dingwall, John. «The Fear Factor; Lady Gaga used tough times as inspiration for her new album». Daily Record. pp. 48–49. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  232. Pearsons, Katie. «Lady Gaga: 'Iron Maiden changed my life'». NME. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  233. «Lady Gaga: Huge Black Sabbath Fan?». MTV News. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  234. Montgomery, James. «Lady Gaga Recalls Beyoncé's Inspiration in MTV's 'Inside the Outside'». MTV News. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  235. Warrington, Ruby. «Lady Gaga: ready for her close-up». The Sunday Times. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  236. Van Meter, Jonathan. «Lady Gaga: Our Lady of Pop». Vogue. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  237. a b Dresdale, Andrea. «Lady Gaga Says Cher's Outfits Inspired Her Own Crazy Style». ABC News Radio. Consultado em 9 de abril de 2008.. Arquivado do original em 17 de Outubro de 2013 
  238. Ginsberg, Merle. «Designer's dish: A Conversation With Donatella Versace». The Hollywood Reporter. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  239. «Larry King Live – Interview with Lady Gaga». CNN. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  240. «TIME 100: Lady Gaga on Her Biggest Influence». Time. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  241. Bushan, Nyay. «Lady Gaga Reveals Love of Books by Indian Philosopher Osho: 'I Am Kind of an Indian Hippie'». The Hollywood Reporter (em inglês). Consultado em 9 de abril de 2008. 
  242. «Lady Gaga liberated through reinvention». The Times of India. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  243. «Lady Gaga is so unusual – and fun! – in a marathon Quicken Loans Arena dance party (Review)». Cleveland.com. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  244. «Album Review: ARTPOP by Lady Gaga». The Varsity. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  245. Dicker 2017, p. ii.
  246. «Comparing The Top Artists, Past And Present, By Vocal Range». Huffington Post. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  247. Sciarretto, Amy. «Lady Gaga Doesn't Lip Sync». ArtistDirect. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  248. «Lady GaGa announces next single title». Digital Spy. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  249. Blauvelt, Christian. «Lady Gaga talks early struggles, denies lip-synching, shouts-out Liza Minnelli and Marisa Tomei at Madison Square Garden». Entertainment Weekly. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  250. Paglia, Camille. «Lady Gaga and the death of sex». Consultado em 9 de abril de 2008. 
  251. Sawdey, Evan. «Lady GaGa The Fame». PopMatters. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  252. «Lady GaGa: 'LP shows songwriting ability'». Digital Spy. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  253. Reynolds. «The 1980s revival that lasted an entire decade». The Guardian. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  254. «Happening Wednesday: Lady Gaga, Warped Tour and more». Los Angeles Times. Consultado em 9 de abril de 2008. 
    «Review: Lady Gaga delivers crazy dance-pop show». San Jose Mercury News. Consultado em 9 de abril de 2008. 
    «Lady Gaga: The Fame». The Guardian. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  255. «Lady Gaga: Album Guide». Rolling Stone. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  256. Sheffield, Rob. «Lady Gaga, 'Born This Way'». Rolling Stone. Consultado em 9 de abril de 2008. [ligação inativa] 
  257. Perpetua, Matthew. «Lady Gaga Says She Loves Springsteen, Won't Do Reality TV». Rolling Stone. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  258. Barker, Andrew. «Album Review: Lady Gaga, 'Artpop'». Consultado em 9 de abril de 2008. 
  259. Lipshutz, Jason. «Lady Gaga, 'ARTPOP': Track-By-Track Review». Billboard. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  260. Clark, Philip. «Why pop-turned-jazz stars just ain't got that swing». The Guardian. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  261. Schnurr, Samantha. «Heartbreak, Loss, Lust and Illusion: Decoding Lady Gaga's Emotional Lyrics From Joanne». E! News. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  262. Gray II 2012, p. 96; 183.
  263. GWR 2014, p. 172.
  264. Smith, Emily Esfahani. «The Pop Singer as Ultimate Predator». The Wall Street Journal. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  265. Parvis 2010, p. 61.
  266. Allison & Goethals 2013, p. 31.
  267. «Lady Gaga Lets It Bleed During Eye-Popping VMA Performance». MTV News. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  268. Roberts, Sorya. «Fans protest Lady Gaga's blood-spattered Monster Ball show in England after shooting spree». New York Daily News. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  269. «Lady Gaga Bends Gender, Minds With VMA Monologue». MTV News. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  270. Kennedy, Gerrick. «Lady Gaga dismisses longtime creative director Laurieann Gibson». Los Angeles Times. Consultado em 9 de abril de 2008. 
  271. Lipshutz, Jason. «Lady Gaga's 8 Wax Figures Unveiled at Madame Tussauds». Billboard. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  272. «Lady Gaga and the sociology of fame: college course». The Independent. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  273. Dwyer, Devin. «President Obama Calls Lady Gaga 'A Little Intimidating'». ABC News. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  274. Fynes-Clinton, Jane. «Gaga's gagging grab for attention». The Courier-Mail. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  275. Morrissey, Tracie. «The Red Carpet Reeks Of Lady Gaga's Influence». Jezebel. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  276. a b «The Lady Is a Champ: Lady Gaga Sets Twitter Record». LiveScience [ligação inativa] 
  277. Silva, Horatio. «The World According to Gaga». The New York Times. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  278. «The 100 Greatest Movies.. Trends That Entertained Us Over The Past 10 Years». Entertainment Weekly. 1079/1080 (74). p. 84. ISSN 1049-0434 
  279. «All-Time 100 Fashion Icons». Time. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  280. «Lady Gaga's meat dress divides opinion». The Daily Telegraph. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  281. Neel, Julia. «Best Dressed Of The Year». Vogue. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  282. Montgomery, James. «Lady Gaga's Meat Dress Tops Time's 'Fashion Statement' List» (em inglês). MTV News. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  283. «Five interpretations of Gaga's meat dress». BBC News. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  284. «Lady Gaga's meat dress headed for D.C. museum». CBS News. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  285. «Lady Gaga's meat dress enters the Rock and Roll Hall of Fame Thursday». The Plain Dealer. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  286. «Lady Gaga dedicates her new 'Little Monsters' tattoo to her fans». New York Daily News. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  287. «Lady Gaga Pioneered Online Fandom Culture As We Know It». Noisey. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  288. «First Looks: Lady Gaga Opens Her Own Social Network To The Public». Business Insider. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  289. «GuinnessWorldRecords on Twitter». Consultado em 11 de junho de 2013. 
    «@austriamonster Thanks for sharing the news AustriaMonster : ) #gwr60». Consultado em 11 de junho de 2013. 
  290. «Most Powerful Women 2010». Forbes. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  291. «The Celebrity 100». Forbes. Consultado em 11 de junho de 2013. 
    «Lady Gaga Tops Celebrity 100 List». Forbes. Consultado em 11 de junho de 2013. 
    Stutz, Colin. «Beyonce Tops Forbes Celebrity 100 List, Springsteen, Calvin Harris Also Make the Cut». Billboard. Consultado em 11 de junho de 2013. 
    «Lady Gaga's Earnings: $59 Million In 2015». Forbes. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  292. «The 2010 TIME 100». Time. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  293. «Music's Top 40 Money Makers 2012». Billboard. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  294. Thompson, Simon. «Interview: The Man Behind The Sound Of Gaga And His Plans For A Lady Gaga Musical In London». Forbes. Consultado em 11 de junho de 2013. 
  295. «iTunes - Music - A Very Gaga Holiday (Live) - EP by Lady GaGa» (em inglês). iTunes Store (Apple, Inc.). Consultado em 10 de Dezembro de 2011. 
  296. «Lady Gaga Performs 'White Christmas' at Z100 Jingle Ball [Video]». Rap-Up (em inglês). Consultado em 10 de Dezembro de 2011. 
  297. Jason Lipshutz (7 de Outubro de 2011). «Lady Gaga Announces 'Monster Ball' DVD, 'Born This Way' Remix Album» (em inglês). Billboard. Consultado em 18 de Outubro de 2011. 
  298. «The 52nd Annual Grammy Awards Nominations List». The Recording Academy. Consultado em 3 de Dezembro de 2009. 
  299. a b «53rd annual Grammy awards: The winners list – The Marquee Blog». CNN. 13 de Fevereiro de 2011. Consultado em 13 de Fevereiro de 2011. 
  300. a b Herrera, Monica (15 de Outubro de 2009). «Lady Gaga Announces 'The Monster Ball'». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 15 de Outubro de 2009. 
  301. Stevenson, Jane (20 de Junho de 2009). «Lady Gaga Kool Haus, Toronto, June 19, 2009 review». Jam!. Canadian Online Explorer. Consultado em 10 de Dezembro de 2009. 
  302. Alexiou, Joseph (9 de Junho de 2009). «Goth-Pop Cinema Bizarre Leaves Lady Gaga for Own Tour». New York Press. Manhattan Media. Consultado em 4 de Janeiro de 2010. 
  303. «Lady Gaga Events». Interscope Records. www.ladygaga.com. 12 de Janeiro de 2009. Consultado em 13 de Janeiro de 2009.. Arquivado do original em 23 de Abril de 2012 
  304. Reporter, UMG (13 de Janeiro de 2009). «Lady GaGa Announces Dates For "The Fame Ball" Tour». Universal Music Group. Consultado em 22 de Fevereiro de 2009. 
  305. «V Festival – Lady Gaga». V Festival. Consultado em 9 de Outubro de 2009. 
  306. «Lady Gaga tour». TourTracker. Consultado em 28 de Setembro de 2009.. Arquivado do original em 6 de Janeiro de 2009 
  307. «Tour & Events». Interscope Records. Universal Music Group. Consultado em 12 de Dezembro de 2008.. Arquivado do original em 21 de Dezembro de 2008 
  308. Hiatt, Brian (21 de Outubro de 2009). «Inside The Monster Ball: Lady Gaga Reveals Plans for Ambitious New Tour». Jann Wenner. Rolling Stone. Consultado em 22 de Outubro de 2009. 
  309. Kreps, Daniel (11 de Setembro de 2009). «"Fame Kills Starring Kanye West and Lady Gaga" Tour: First Dates». Jann Wenner. Rolling Stone. ISSN 0035-791X 
  310. Montogomery, James (1 de Outubro de 2009). «Kanye West/ Lady Gaga's Fame Kills Tour Canceled». MTV. MTV Networks. Consultado em 1 de Outubro de 2009. 
  311. Herrera, Monica (15 de Outubro de 2009). «Lady Gaga Announces 'The Monster Ball'». Billboard. Nielsen Business Media, Inc. Consultado em 15 de Outubro de 2009. 
  312. Hiatt, Brian (21 de Outubro de 2009). «Inside The Monster Ball: Lady Gaga Reveals Plans for Ambitious New Tour». Jann Wenner. Rolling Stone. ISSN 0035-791X. Consultado em 22 de Outubro de 2009. 
  313. «Exclusive Info: Lady Gaga's 'Born This Way Ball' Tour to Hit Asia, Europe, Latin America This Year; North America in 2013». Consultado em 22 de novembro de 2012. 
  314. Kate Goodacre (10 de abril de 2012). «Lady GaGa UK tour dates confirmed for London, Manchester». Digital Spy. Consultado em 22 de novembro de 2012. 
  315. Carlos Andre (18 de maio de 2011). «Lady Gaga revela detalles de su gira por Latinoamérica» (em espanhol). Notícias Caracol. Consultado em 22 de novembro de 2012.. Arquivado do original em 3 de Novembro de 2012 
  316. «New Lady Gaga Tour Dates 2012!». Consultado em 22 de novembro de 2012. 
  317. «Current Shows». Consultado em 22 de novembro de 2012.. Arquivado do original em 11 de Setembro de 2012 
  318. «Lady Gaga cancela turnê por problema no quadril». Consultado em 25 de fevereiro de 2013. 
  319. Kory Grow (3 de dezembro de 2013). «Lady Gaga Taking 'ArtRave' on the Road» (em inglês). Rolling Stone. Consultado em 21 de abril de 2017. 
  320. a b «Lady Gaga Adds Four New Dates To 2014 'artRAVE: The ARTPOP Ball' UK Arena Tour» (em inglês). Capital FM. 12 de maio de 2014. Consultado em 21 de abril de 2017. 
  321. «Lady Gaga reveals first 'artRAVE: The ARTPOP Ball' tour dates» (em inglês). Female First. 3 de dezembro de 2013. Consultado em 21 de abril de 2017. 
  322. «LADY GAGA'S artRave: THE ARTPOP BALL» (em inglês). PR Newswire. 10 de dezembro de 2013. Consultado em 21 de abril de 2017. 
  323. JONES, Rhian (29 de janeiro de 2014). «Lady Gaga to offer O2 customers ARTPOP tour tickets pre-release» (em inglês). Music Week. Consultado em 21 de abril de 2017. 
  324. Hiatt, Brian (21 de Outubro de 2009). «Inside The Monster Ball: Lady Gaga Reveals Plans for Ambitious New Tour». Rolling Stone. Jann Wenner. Consultado em 21 de Outubro de 2009. 
  325. Pickman, Jonathan (5 de Outubro de 2009). «Lady Gaga Fights Madonna, Debuts "Bad Romance" on "Saturday Night Live"». Rolling Stone. Jann Wenner. Consultado em 7 de Outubro de 2009. 
  326. Adams, Cameron (7 de Abril de 2009). «Lady GaGa Love Game video banned from Australian TV». The Australian Daily Telegraph. News Corporation. 1 páginas. Consultado em 7 de Abril de 2009. 
  327. Guella, The. «Lady GaGa 'Video' Glasses» (em inglês). Instruct Tables. Consultado em 7 de Abril de 2011. 
  328. Michaels, Sean (2 de Julho de 2009). «Lady Gaga: I make soulless electronic pop». Consultado em 4 de Abril de 2011. 
  329. Amter, Charlie (Novembro de 2008). «Five minutes with Xtina: Christina Aguilera takes a look back at a decade on top». The LA Times. Consultado em 30 de Março de 2011. 
  330. a b Collins, Hattie. «Lady Gaga: the future of pop?». The London Sunday Times. Consultado em 30 de Março de 2011. 
  331. «First Look: Lady Gaga's Gossip Girl Performance». People. 12 de Novembro de 2009. Consultado em 1 de Julho de 2010. 
  332. Ausiello, Michael (25 de Maio de 2010). «Exclusive: Lady Gaga calls 'Glee' tribute a 'dream' come true». Entertainment Weekly. Time Inc. Consultado em 25 de Maio de 2010.. Arquivado do original em 28 de Agosto de 2012 
  333. Coll, Kevin (26 de Maio de 2010). «TV Review: GLEE – Episode 1.20 – Going Gaga With "Theatricality"». Fused Film. Consultado em 26 de Maio de 2010.. Arquivado do original em 3 de Junho de 2010 
  334. «What did Lady Gaga think of 'Glee?'». USA Today. Gannett Company. 26 de Maio de 2010. Consultado em 2 de Junho de 2010. 
  335. Stack, Tim (8 de janeiro de 2011). «'Glee' exclusive: Season 2 to feature more Gwyneth and Gaga!». Entertainment Weekly. Time, Inc. Consultado em 19 de Março de 2011. 
  336. Herrera, Monica (10 de Janeiro de 2011). «'Glee' to Feature Gaga's 'Born This Way,' Bieber Song in New Episodes». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 19 de Março de 2011. 
  337. «Lady Gaga». Twitter. Consultado em 30 de Abril de 2011. 
  338. Lipshultz, Jason (5 de Maio de 2011). «Katy Perry Holds Off Britney Spears Atop Hot 100». Billboard. Prometheus Global Media. Consultado em 5 de Maio de 2011. 
  339. «Glee: The Music, Volume 6». Amazon.com. Consultado em 4 de Maio de 2011. 
  340. Futterman, Erica (4 de Novembro de 2009). «Exclusive: Behind the Scenes as Lady Gaga Hits "Gossip Girl"». Rolling Stone. 1099 (43). Jann Wenner. ISSN 0035-791X. Consultado em 18 de Novembro de 2009. 
  341. Vena, Jocelyn (17 de Novembro de 2009). «Lady Gaga Performs 'Bad Romance' In 'Gossip Girl' Cameo». MTV (MTV Networks). Consultado em 19 de Novembro de 2009. 
  342. Wiebe, Lindsay (19 de Fevereiro de 2010). «Pop queen goes Gaga over Winnipeg girl's voice». Consultado em 19 de Fevereiro de 2010. 
  343. «Maria Aragon talks to Lady Gaga on Hot 103 (Winnipeg) and 99.9 Virgin Radio (Toronto)» (HTML) (Nota de imprensa) (em inglês). Maria Aragon. 18 de Fevereiro de 2011. Consultado em 1 de Maio de 2011. 
  344. «Lady Gaga Invites 'Born This Way' YouTube Star Maria Aragon to Perform On Stage» (Nota de imprensa) (em inglês). Hensel, Amanda. Pop Crush. 3 de Março de 2011. Consultado em 1 de Maio de 2011. 
  345. Jules (5 de Março de 2011). «Maria Aragon performs with Lady Gaga in Toronto Canada» (em inglês). Jullbar. Consultado em 1 de Maio de 2011. 
  346. Rogers, Troy. «Lady Gaga and Maria Aragon in Toronto» (em inglês). The Dead Bolt. Consultado em 1 de Maio de 2011. 
  347. Blackburn, Virginia (17 de Janeiro de 2010). «Katie Price's life? It's a price worth paying». The Observer. Guardian News and Media Limited. Consultado em 5 de Junho de 2010. 
  348. OCLC 515459835
  349. OCLC 505912810
  350. OCLC 491966133
  351. a b c Herbert, Emily (2010). Lady Gaga: Queen of Pop (em inglês). Reino Unido: John Blake Publishing. 288 páginas. ISBN 978-1-84454-963-4 
  352. «Lady Gaga Says She Raised $500,000 For Haiti Relief» (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  353. «Lady Gaga Explains Her Absence From 'We Are The World' Recording» (em inglês). MTV News. 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  354. «Lady Gaga Designs Japanese Tsunami Relief Wristband» (em inglês). MTV News. 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  355. Mangalindan, JP (29 de junho de 2011). «Today in Tech: Lady Gaga gives to Zynga, Apple delaying iPhone 5?». Fortune (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  356. Schwartz, Rob (29 de junho de 2011). «Lady Gaga to Appear at MTV Japan Charity Event» (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  357. «Yoko Ono and Sean Lennon Organize Artists Against Fracking». The New York Times (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  358. «Lady Gaga Revealed as LennonOno Peace Honoree». Rolling Stone (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  359. «Going Gaga». Marie Claire (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  360. «Lady Gaga Profile». Forbes (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  361. «Vice President Joe Biden on His It's On Us Initiative to End Sexual Assault on College Campuses and Teaming Up With Lady Gaga: Exclusive». Billboard (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  362. Mallenbaum, Carly (29 de junho de 2011). «The Dalai Lama and Lady Gaga got together to chat» (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  363. «China 'bans Lady Gaga' after Dalai Lama meeting». The Guardian (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  364. «Oprah Teams Up With Lady Gaga for Born This Way Foundation Launch». Billboard (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  365. «Lady Gaga Testifies at Harvard on Behalf of Born This Way Foundation» (em inglês). Berkman Klein Center for Internet & Society. 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  366. «Office Depot and Born This Way Foundation Connect with the Youth Market at Highly Anticipated Teen Award Show» (em inglês). Business Wire. 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  367. Krasny, Ros (29 de junho de 2011). «Lady Gaga lends star wattage to youth empowerment» (em inglês). Reuters. Consultado em 17 de março de 2016. 
  368. «Menace of cyber bullies». Cape Argus (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  369. «Yale and Lady Gaga host teens to talk about emotions» (em inglês). Yale News. 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  370. «Lady Gaga and Intel Join Forces to Fight Online Harassment». Billboard (em inglês). 29 de junho de 2011. Consultado em 17 de março de 2016. 
  371. Katz, Jessie (29 de junho de 2011). «Lady Gaga & Taylor Kinney Are Naked & 'Making Love for Peace' on New Mag Cover». Billboard (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  372. Wahba, Phil (29 de junho de 2011). «Lady Gaga and Elton John Are Teaming Up for a New Line at Macy's». Fortune (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  373. Gajanan, Mahita (29 de junho de 2011). «Lady Gaga Gets Her Own Line of Drinks at Starbucks». Fortune (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  374. Legaspi, Althea (29 de junho de 2011). «See Lady Gaga Surprise Students as Substitute Teacher in PSA». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  375. «For Gay Activists, The Lady Is a Champ» (em inglês). 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  376. Thomas, Matt (18 de abril de 2013). «Going Gaga». Fab (em inglês). 54 (9). p. 45 
  377. Harrison, Mitchell (18 de abril de 2013). «8 Times Lady Gaga Earned Her 'Gay Icon' Title» (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  378. «Lady Gaga On Success: 'The Turning Point For Me Was The Gay Community'» (em inglês). MTV News. 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  379. The Fame (Liner notes). Interscope Records. 2008. 2726601 
  380. «8 Times Lady Gaga Earned Her 'Gay Icon' Title» (em inglês). Logo TV. 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  381. «Lady Gaga: A Force for National Security» (em inglês). GLAAD. 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  382. «Lady Gaga Goes Political in Maine». The New York Times (em inglês). 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  383. «Gaga: We've Found Our Fierce Advocate». The Advocate (em inglês). 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  384. «Lady GaGa Performs At EuroPride In Rome» (em inglês). 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  385. «From Lady Gaga to Rev. Gaga?» (em inglês). 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  386. «Lady Gaga Reads Names of Orlando Victims During L.A. Vigil». Billboard (em inglês). 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  387. «49 Celebrities Honor 49 Victims of Orlando Tragedy» (em inglês). Human Rights Campaign. 18 de abril de 2013. Consultado em 17 de março de 2016. 
  388. Weatherby, Taylor (18 de abril de 2013). «Lady Gaga Protests Outside Of Trump Tower After Hillary Clinton Loses Election». Billboard (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  389. Bell, Sadie (18 de abril de 2013). «Lady Gaga has a Message for Trump About His Transgender Military Ban». Billboard (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  390. Leight, Elias (18 de abril de 2013). «Lady Gaga: 'Hillary Clinton Is Made of Steel, Is Unstoppable'». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 17 de março de 2016. 
  391. Molanphy, Chris. «Introducing the Queen of Pop». Consultado em 8 de Março de 2017. 
  392. «The 100 Greatest Women In Music». VH1. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  393. «Those Elevated Ones. From the Pharaoh to Lady Gaga». The Warsaw Voice. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  394. Moré, María Elena. «The Gaga Effect...». More Than Branding. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  395. Marsico 2012, p. 77–78.
  396. «100 Best Debut Albums of All Time». Rolling Stone. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  397. Johnson, Kevin C. «Lady Gaga helps bring EDM to the masses». St. Louis Post-Dispatch. Consultado em 8 de Março de 2017. 
    Vena, Jocelyn. «Did Lady Gaga Spark EDM Explosion?». MTV News. Consultado em 8 de Março de 2017. 
    Bogart, Jonathan. «Buy the Hype: Why Electronic Dance Music Really Could Be the New Rock». The Atlantic. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  398. Respers France, Lisa. «Lady Gaga's monster influence». CNN. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  399. Sanneh, Kelefa. «Pop for Misfits». The New Yorker. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  400. Sheffield, Rob. «Women Who Rock: The 50 Greatest Albums of All Time». Consultado em 8 de Março de 2017. 
  401. «Lady Gaga's Oscar Performance Could Redefine Her Career». Time. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  402. Vena, Jocelyn. «Miley Cyrus Says Next Album Has A 'Techno Vibe'». MTV News. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  403. Ziegbe, Mawuse. «Nicki Minaj Open To Lady Gaga Collaboration». MTV News. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  404. Still, Jennifer. «Ellie Goulding: "I'm influenced by everyone"». Digital Spy. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  405. Redfearn, Dominique. «Watch Halsey Geek Out to Lady Gaga Tweeting Her». Billboard. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  406. Hailey, Jonathan. «Nick Jonas Talks Lady Gaga Inspiration and New Album». Radio.com. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  407. Doyle, Patrick. «Lady Gaga's Advice to Sam Smith: 'Suffer for Your Art'». Rolling Stone. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  408. «Noah Cyrus on What Miley Taught Her, Emotional Debut Single». Rolling Stone. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  409. Highfill, Samantha. «13 Reasons Why: Get to know series star Katherine Langford». Entertainment Weekly. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  410. Moreno, Chino. «MGMT's new album influenced by Lady Gaga and Kanye West». NME. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  411. Fay-Wei Li; Kathleen M. Pryer; Michael D. Windham (2012). «Gaga, a new fern genus segregated from Cheilanthes (Pteridaceae)». Systematic Botany. 37 (4): 845–860. doi:10.1600/036364412X656626 
  412. Stucky, Richard K.; Covert, Herbert H. (2014). «A new genus and species of early Eocene (Ypresian) Artiodactyla (Mammalia), Gagadon minimonstrum, from Bitter Creek, Wyoming, U.S.A.». Journal of Vertebrate Paleontology. 34 (3): 731–736. doi:10.1080/02724634.2013.827580. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  413. Quentin D. Wheeler. «New to Nature No 84: Aleiodes gaga». The Guardian. Consultado em 8 de Março de 2017. 
  414. Areekul Butcher, Buntika (2012). «A turbo-taxonomic study of Thai Aleiodes (Aleiodes) and Aleiodes (Arcaleiodes)(Hymenoptera: Braconidae: Rogadinae) based largely on COI barcoded specimens, with rapid descriptions of 179 new species» (PDF). Zootaxa. 3457: 1–232. Consultado em 8 de Março de 2017. 

Ligações externas