Abrir menu principal

Joana II de Nápoles

Joana II
Rainha de Jerusalém, Sicília e Hungria
Rainha de Nápoles
Reinado 6 de agosto de 14142 de fevereiro de 1435
Coroação 28 de outubro de 1419
Antecessor(a) Ladislau
Sucessor(a) Renato I
Duquesa consorte de Áustria
Reinado 13 de novembro de 1401 - 15 de julho de 1406
Princesa de Taranto
Reinado 10 de agosto de 1415 - 1420
 
Cônjuge Guilherme I de Áustria
Jaime II de Bourbon, conde de La Marche
Casa Casa capetiana de Anjou (por nascimento)
Habsburgo (por casamento)
Bourbon (por casamento}
Nascimento 25 de junho de 1373
  Zadar, Dalmácia (atualmente na Croácia)
Morte 2 de fevereiro de 1435 (61 anos)
  Nápoles, Reino de Nápoles
Enterro Basílica della Santissima Annunziata Maggiore, Nápoles
Pai Carlos III de Durazzo
Mãe Margarida de Durazzo

Joana II de Nápoles, conhecida como Joana II de Anjou-Durazzo ou simplesmente como rainha Joana (em italiano: Giovanna; Zadar, 25 de junho de 1373Nápoles, 2 de fevereiro de 1435) foi rainha de Nápoles a partir de 1414 até sua morte. Ela também tinha o posto de rainha de Jerusalém, Sicília e Hungria.

BiografiaEditar

Filha de Carlos III e Margarida de Durazzo, viveu na Hungria até os cinco anos de idade. Sucedeu seu irmão Ladislau I em 1414 no trono de Nápoles.[1] Seu reinado foi marcado por constantes intrigas, casos amorosos e por lutas de poder sobre seu domínio entre a casa francesa de Anjou e a espanhola de Aragão após a morte de seu primeiro marido, Guilherme I da Áustria, em 1406.[2] Algum tempo depois de sua morte, Joana faz de Pandolfelli Alopo seu amante, a quem ela nomeou Grão-Carmelengo.[3] Alopo foi o primeiro de uma série de amantes que ela teria. Mais tarde, ele causou a queda do condottiere Muzio Attendolo Sforza, chefe do exército de Joana. Após o criticado relacionamento com Alopo, casou-se com Jaime II de Bourbon em 1415, que tentou dar um Golpe de Estado ao prender Muzio Sforza e matar Alopo, além de manter Joana confinada. Os barões napolitanos controlaram a situação, soltaram Sforza e conseguiram devolver o poder a Joana. Jaime II foi expulso de Nápoles em 1419, mas o casamento não foi anulado.[4]

Joana II morreu em 2 de fevereiro de 1435, aos 62 anos, enterrada na Basílica della Santissima Annunziata Maggiore em Nápoles. Com sua morte teve fim a Dinastia de Durazzo em Nápoles, abrindo espaço para a Casa de Valois.

Devido a sua vida tumultuada, Joana foi conhecida também como Joana a dissoluta, Joana a matadora de homens, Joana a insaciável e Joana dos cem amantes.[5]

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Joana II de Nápoles

Referências

  1. http://www.treccani.it/enciclopedia/giovanna-ii-d-angio-regina-di-napoli/ Página acessada em 15 de janeiro de 2016.
  2. http://global.britannica.com/biography/Joan-II[ligação inativa] Página acessada em 15 de janeiro de 2016.
  3. Guida Myrl Jackson-Laufer, Women Rulers Throughout the Ages: An Illustrated Guide, (ABC-CLIO, 1999), 201-202.
  4. WOODACRE, Elena. The Queens Regnant of Navarre: Succession, Politics, and Partnership, 1274-1512. Hampshire: Palgrave Macmillan, 2013, pág. 91
  5. http://www.letteraturaalfemminile.it/giovannasecondareginadinapoli.htm Página acessada em 15 de janeiro de 2016.
  Este artigo sobre uma Rainha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.