Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para a atriz, veja Jane Seymour.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Joana Seymour
Rainha Consorte da Inglaterra
Reinado 30 de maio de 1536
a 24 de outubro de 1537
Predecessora Ana Bolena
Sucessora Ana de Cleves
 
Marido Henrique VIII de Inglaterra
Descendência Eduardo VI de Inglaterra
Casa Seymour (por nascimento)
Tudor (por casamento)
Nascimento c. 1508
Morte 24 de outubro de 1537 (29 anos)
  Hampton Court, Londres, Inglaterra
Enterro Capela de São Jorge, Windsor, Berkshire, Inglaterra
  12 de novembro de 1537
Pai João Seymour
Mãe Margarida Wentworth
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Joana Seymour
Brasão

Joana Seymour (c. 150824 de outubro de 1537) foi a terceira esposa do rei Henrique VIII e Rainha Consorte do Reino da Inglaterra de 1536 até sua morte.[1] Era filha de João Seymour e Margarida Wentworth, tendo morrido pouco depois de dar à luz o único filho homem de Henrique, o posterior Eduardo VI.

Índice

VidaEditar

Jane era filha de João Seymour e Margarida Wentworth. Trazida para a corte cedo, foi aia das rainhas Catarina de Aragão e Ana Bolena até atrair as atenções do rei. A sua ascensão coincidiu com a queda de favor de Ana Bolena e foi a vontade de Henrique VIII em casar com Joana que precipitou a execução da sua segunda mulher. O casamento realizou-se a 30 de maio de 1536, menos de duas semanas depois da morte de Ana Bolena.

 
Representação de Joana em miniatura do século XVII de autoria de Václav Hollar.

Como rainha, Joana era a antítese da espalhafatosa Ana Bolena. A vida social da Rainha de Inglaterra reduziu-se e foram proibidas todas as manifestações de exagero nas roupas e nos modos de conduta. Era formal e séria e não tinha amizades masculinas, o que depois do escândalo ocorrido era sobretudo um ato de bom senso. Graças à sua posição junto ao rei, foi possível a integração no cenário familiar e da corte de Maria Tudor, filha do primeiro casamento de Henrique VIII, relegada ao esquecimento paterno desde os acontecimentos de 1533. Joana não interferiu diretamente na vida política, mas a sua ascensão a rainha consorte trouxe para a ribalta os seus dois irmãos Eduardo e Tomás Seymour (este último haveria de casar com Catarina Parr, a última mulher de Henrique VIII). O rei era absolutamente fascinado por ela e concedia-lhe todos os desejos, inclusive a satisfação dos apetites exóticos resultantes da gravidez.

Joana morreu na sequência do parto do futuro Eduardo VI, e Henrique VIII organizou-lhe um funeral monumental, declarando luto na corte por muito tempo. Efetivamente, haveria de esperar três anos até ao seu próximo casamento. Joana está sepultada na Capela de São Jorge (Castelo de Windsor) no Castelo de Windsor ao lado do marido o Rei Henrique VIII.

Com Henrique VIII:

Na cultura popularEditar

Filmes e sériesEditar

LivrosEditar

  • É a personagem principal do livro I, Jane:In the Court of Henry VIII, da autora Diana Haeger.

MúsicaEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Joana Seymour

Referências

  1. «Morre Jane Seymour, terceira mulher de Henrique VIII de Inglaterra». RicardoOrlandini. Consultado em 24 de julho de 2019 
Joana Seymour
c. 1508 – 24 de outubro de 1537
Precedida por
Ana Bolena
 
Rainha Consorte da Inglaterra
30 de maio de 1536 – 24 de outubro de 1537
Sucedida por
Ana de Cleves