Joaquim Luís Gomes

músico português

Joaquim Luís Gomes (Santarém, 19 de novembro de 1914Lisboa, 23 de julho de 2009) foi um maestro e orquestrador português.

Joaquim Luís Gomes
Nascimento 1914
Santarém
Morte 23 de julho de 2009
Cidadania Portugal
Ocupação músico
Prêmios
  • Grande-Oficial da Ordem do Mérito

PercursoEditar

Joaquim Luís Gomes nasceu em 19 de novembro de 1914, em Santarém.

Com 18 anos, entrou para o Batalhão de Caçadores 5, onde tocava clarinete e onde esteve durante oito anos.

Começou a trabalhar como Harpa da Banda Sinfónica da Guarda Nacional Republicana e da Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional, colaborando também na Secção de Música Ligeira, e como 2º Titular da Orquestra Típica Portuguesa do maestro José Belo Marques.

Trabalhou com artistas diversos da Música Portuguesa, entre eles a Amália, para a qual providenciou orquestrações sinfónicas para temas populares portugueses, gravados na série de LP's "Amália Canta Portugal", a cançonetista Maria de Lourdes Resende, para a qual escreveu a canção da "Nostalgia", que depois orquestrou para o indicativo dos seus programas de variedades da Emissora Nacional e da RTP, e também Francisco José, Rui de Mascarenhas, Paulo Alexandre, Tony de Matos, Carlos do Carmo, Simone de Oliveira ou Fernando Tordo.

Foi o orquestrador de canções como Onde Vais Rio Que Eu Canto (1970).

Escreveu obras para orquestra sinfónica, harpa e piano, com destaque para a "Marcha Concertante", "Pérolas Soltas", "Abertura Scalabitana", "Abidis", "Sonata em Mi Bemol" (para piano) e a narrativa sinfónica "Mar Português (Possessio Maris)", composta em 1988 a convite de Paulo Alexandre, e considerada como "Manifesto Interesse Público" pelo Governo Português.

Dirigiu a Orquestra Típica Scalabitana de 1958 a 1965, com a qual gravou um EP nomeado de "Orquestra Típica Dirigida por Joaquim Luiz Gomes", em que colaborou também o Coro Feminino da Emissora Nacional, um EP com a cançonetista Gina Maria, e o LP "Ribatejo" de 1964.

Foi ainda autor das bandas sonoras dos filmes "Passagem de Nível" ou "Justiça dos Céus".

Em 1995 e 2005 foi homenageado pela Sociedade Portuguesa de Autores que o considerou "uma das figuras mais marcantes da música portuguesa no século XX".

A 5 de abril de 2004, foi agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem do Mérito.[1]

Joaquim Luís Gomes faleceu no dia 23 de julho de 2009. O funeral realizou-se no dia 29 de julho de 2009 na igreja de Campo de Ourique para o Cemitério de Benfica.

Referências

  1. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Joaquim Luís Gomes". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 20 de julho de 2019 

Ligações externasEditar