Joaquim Nunes Mexia

político português (1870-1941)

Joaquim Nunes Mexia (Mora, Mora, 14 de Janeiro de 1870 - Mora, Mora, 18 de Janeiro de 1941) foi um agricultor e político português.[1][2]

FamíliaEditar

Filho de João Luís das Ferrarias (Vendas Novas, Vendas Novas, 4 de Setembro de 1835 - ?) e de sua mulher (Mora, Mora, 28 de Fevereiro de 1861) Joaquina Eufrásia Nunes Mexia (Mora, Mora, 16 de Setembro de 1836 - ?).[3]

BiografiaEditar

Formou-se como Licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra.[1][2]

Dedicou-se a problemas agrários e à defesa dos interesses da sua classe, tendo sido e desempenhado, entre outros cargos, Presidente da Associação de Agricultura, Director do Banco de Fomento Agrícola, e Director da Junta Autónoma das Estradas.[1][4]

Politicamente, começou por pertencer ao Partido Progressista, que chefiou em Mora, sua terra natal, durante a Monarquia,[2] e pelo qual foi Presidente da respectiva Câmara Municipal e 41.º Governador Civil do Distrito de Évora entre 11 de Janeiro de 1908 e 25 de Junho de 1910.[5][2] Com a Implantação do Regime Republicano, afastou-se da política até à constituição do Governo de Sidónio Pais. Aderiu, depois, à Ala Direita do Republicanismo, tendo sido eleito Deputado Sidonista pelo Círculo Eleitoral de Beja, de 1918 a 1919, e Deputado pelo Círculo Eleitoral de Évora pela União dos Interesses Económicos, de 1925 a 1926.

Com a Ditadura Nacional, no Governo presidido pelo General José Vicente de Freitas, ocupou o cargo de Ministro da Agricultura, onde presidiu treze meses, de 18 de Abril a 7 de Julho de 1928.[6] Viria, ainda, a ser Procurador à Câmara Corporativa.[1][2]

Foi um defensor do Regime Corporativo, sendo um dos devotados amigos de António de Oliveira Salazar. Presidiu a Comissões da União Nacional. Contribuiu monetariamente para instituições de beneficência e educação religiosa em Mora, Évora e Coruche.[7]

Casamento e descendênciaEditar

Casou com Amália Rovisco Garcia (1866 - ?) de quem teve dois filhos, José Garcia Nunes Mexia, Oficial da Ordem Militar de Cristo a 3 de Janeiro de 1947,[8] e João Garcia Nunes Mexia.

Referências

  1. a b c d António Henrique Rodrigo de Oliveira Marques (Lisboa, 2000). Parlamentares e ministros da Primeira República (1910-1926). [S.l.]: Assembleia da República e Edições Afrontamento. 305  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  2. a b c d e Vários. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, L.da. pp. Volume 19. 74 
  3. "Livro Genealógico das Famílias desta Cidade de Portalegre de Manuel da Costa Juzarte de Brito", Nuno Gonçalo Pereira Borrego e Gonçalo Manuel de Mello Gonçalves Guimarães, 1.ª Edição, Lisboa, 2002, p. 552
  4. Vários. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, L.da. pp. Volume 19. 74-5 
  5. Lista completa de Governadores Civis (1835-2008)[ligação inativa]
  6. «ISCSP». Consultado em 7 de março de 2011. Arquivado do original em 14 de setembro de 2005 
  7. Vários. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, L.da. pp. Volume 19. 75 
  8. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "José Garcia Nunes Mexia". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 6 de setembro de 2016 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.