Abrir menu principal
Joaquim de Vasconcelos
Nome completo Joaquim António da Fonseca de Vasconcelos
Nascimento 1849
Porto
Morte 1936 (87 anos)
Porto
Nacionalidade Portugal Português
Cônjuge Carolina Michaëlis de Vasconcelos
Ocupação Historiador e crítico de arte

Joaquim António da Fonseca de Vasconcelos (Porto, 1849 - Porto, 1936) foi um historiador e crítico de arte português. [1] Foi, no dizer de José Augusto França, o real fundador da História da Arte em Portugal, entendida como ciência, com objecto e método próprios. [2]

BiografiaEditar

Realizou os seus estudos secundários em Hamburgo.

Regressado a Portugal, foi professor de línguas no Liceu Central do Porto (1883-1924).

Simultaneamente Joaquim de Vasconcelos desenvolveu outras actividades, onde se destacam as de secretário-geral da Sociedade de Instrução do Porto[3], de conservador e director do Museu Industrial e Comercial do Porto[4], de promotor, com outras figuras de destaque, do Centro Artístico Portuense tendo colaborado na revista editada pelo mesmo A Arte Portuguesa [5] (1882-1884) e de inspector do ensino industrial na circunscrição do Norte.

Também se encontra colaboração da sua autoria na revista Renascença [6] (1878-1879?).

Foi casado com Carolina Michaëlis de Vasconcelos. Está enterrado no cemitério de Agramonte, no Porto.

ObraEditar

  • Os musicos portuguezes: biographia-bibliographia, 1870
  • Luiza Todi: estudo critico, 1873
  • O consummado germanista e o mercado das letras portuguezas, 1873
  • O fausto de Castilho julgado pelo elogio-mútuo, 1873
  • Ensaio crítico sobre o catálogo d'El Rey D. João IV, 1873
  • Primeira parte do Index da Livraria de Musica do rei Dom João o IV..., 2ª edição, Imp. Portuguesa, Porto, 1874
  • Eurico, 1874
  • Conde de Rcazynski (Athanasivs): esboço biographico, 1875
  • Albrecht Dürer e a sua influencia na peninsula, 1877
  • A reforma de Bellas-Artes: analyse do relatorio e projectos da commissão oficial nomeada em 10 de Novembro de 1875, 1877
  • Cartas curiosas escritas de Roma e de Viena, 1878
  • A reforma do ensino de Belas-Artes, 1879
  • Francisco de Hollanda: Da fabrica que fallece á cidade de Lisboa: Da sciencia do desenho, 1879
  • Goësiana: o retrato de Albrecht Dürer, 1879
  • Goësiana: bibliographia, 1879
  • Camões em Alemanha: ensaio critico em memoria do terceiro centenario, 1880
  • A ourivesaria portuguesa séc. XIV-XVI: Ensaio histórico, 1880
  • Goësiana: as variantes das chronicas, 1881
  • Cartas, 1881
  • A pintura portugueza nos seculos XV e XVI, 1881
  • História da arte em Portugal, 1883
  • El-Rey D. João o 4to., Porto, 1900
  • Elementos para a historia da ourivesaria portuguesa e artes dos metaes en geral, 1904
  • Elencho de quatro conferencias sobre Historia da Arte Nacional: estilo romanico archaico : o romanico dos séculos XI e XII, 1908
  • Arte religiosa em Portugal, 1914
  • O retrato de Damião de Góis por Alberto Dürer

Notas

  1. Cf. Joaquim de Vasconcelos, Homem de Cultura.
  2. Apud ROSAS, Lúcia Maria Cardoso. Joaquim de Vasconcelos e a Valorização das Artes Industriais.
  3. Cf. DELLILE, Maria Manuel Gouveia. Em Memória de Ana Luísa Rodrigues de Freitas (1846-1919).
  4. Cf. LOUREIRO, Carlos. O Museu Industrial e Comercial do Porto (1883-1899)
  5. Rita Correia (09 de janeiro de 2007). «Ficha histórica:A arte portugueza : revista mensal de bellas-artes (1882-1884)» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 04 de outubro de 2016  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  6. Helena Roldão (03 de outubro de 2013). «Ficha histórica: A renascença : orgão dos trabalhos da geração moderna» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 31 de março de 2015  Verifique data em: |data= (ajuda)
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.