Johannes Nikolaus Tetens

professor académico alemão

Johannes Nikolaus Tetens (Tetenbüll, South Schleswig, 16 de setembro de 1736Copenhaga, 17 de agosto de 1807) foi um matemático e atuário alemão.

Johannes Nikolaus Tetens
Nascimento 16 de setembro de 1736
Tetenbüll
Morte 17 de agosto de 1807 (70 anos)
Copenhaga
Cidadania Alemanha
Alma mater
Ocupação filósofo, matemático, professor(a) universitário(a), psicólogo, físico
Empregador Universidade de Quiel

Ele foi chamado de "Locke alemão"[1][2] com base em uma comparação de sua obra principal, Philosophische Versuche über die menschliche Natur und ihre Entwickelung (1777), com a obra de John Locke. Ele é considerado uma influência sobre Immanuel Kant.

BiografiaEditar

Tetens nasceu em 1736 em Tetenbüll/Tetenbøl no Ducado dinamarquês de Schleswig. Ele estudou matemática e física na Universidade de Rostock e na Universidade de Copenhague. Ele adquiriu o MA em 1759 e o PhD em 1760. De 1760 a 1765, ele ensinou filosofia e física ("filosofia natural" na época) na Universidade de Bützow (em Bützow, Mecklenburg-Western Pomerania). Durante esta década, ele escreveu muitos tratados sobre vários assuntos, que vão desde a cor do céu até a existência de Deus, passando pelas origens das línguas (ver, por exemplo, referências em Johann Christian Poggendorff, 1863). Após este período de formação poligráfica, Tetens volta a indagações mais fundamentais: depois de ter lido a obra de David Hume, ele a popularizou em todo o mundo de língua alemã. Supõe-se, portanto, que Tetens tenha apresentado Immanuel Kant ao pensamento fenomenal e ao dualismo empirismo / transcendência.

 
Ilustração de Methodus invençãoiendi curvas ... publicada em Acta Eruditorum, 1763

Em 1776, Tetens tornou-se professor de filosofia na Universidade de Kiel, o que pode ter parecido ser sua posição profissional final. No entanto, nos anos seguintes a 1789, Tetens iniciou outra carreira como funcionário público dinamarquês de alto escalão: membro do Finanzcollegium em Copenhague, então (1791) conselheiro de estado e (1803) co-diretor do banco estatal e diretor do os fundos de pensão da viúva. Nessa época, ele estava interessado em matemática pura, bem como em aplicações. Seu interesse em álgebra polinomial foi influenciado por pertencer à escola combinatória alemã de Carl Friederich Hindenburg, Christian Kramp e outros. Seu principal trabalho aplicado concentrou-se em matemática atuarial. Ele ensinou em Kiel até 1785.

 
Einleitung zur Berechnung der Leibrenten, 1785.

O livro Einleitung zur Berechnung der Leibrenten und Anwartschaften, publicado em Leipzig em 1785 (primeira parte) e 1786 (segunda parte), foi um marco da ciência atuarial. Ele contém uma extensa síntese dos trabalhos anteriores sobre o assunto. É reconhecido por atuários por apresentar a primeira medida de risco de sempre (o Risico der Casse);[3] além disso, oferece alguns insights em estatística matemática: usando uma aproximação da distribuição binomial, Tetens tentou calcular o nível de confiança de um determinado procedimento de amostragem.[4]

TrabalhosEditar

  • Gedanken von einigen Ursachen, warum in der Metaphysik nur wenige ausgemachte Wahrheiten sind (1760)
  • Abhandlungen von den Beweisen des Daseins Gottes (1761)
  • Ueber den Ursprung der Sprache und der Schrift (1772)
  • Ueber die allgemeine speculativische Philosophie (1775)
  • Philosophische Versuche über die menschliche Natur und ihre Entwickelung, Vol. 1 and Vol. 2 (1777)
  • Einleitung zur Berechnung der Leibrenten und Anwarschaften die vom Leben oder Tode einer oder mehrerer Personen abhangen mit Tabellen zum praktischen Gebrauch, Vol. 1 (1785) and Vol. 2 (1786)
  • Reisen in die Marschländer der Nordsee (1788)
  • Sprachphilosophische Versuche (posthum, 1971)

ReferênciasEditar

  1. Manfred Kuehn, "Hume and Tetens," Hume Studies, XV.2 (November 1989), 365–376, esp. p. 368.
  2. Cf. the appellation that was given to Kant: the "German Hume" (Manfred Kuehn, Kant: A Biography, Cambridge UP, 2001, p. 256).
  3. Text of the “Versuch über das Risico der Casse bey Versorgungsanstalten”, in Risques, n° 81-82, pp. 114-120
  4. Pierre-Charles Pradier, "L'actuariat au siècle des Lumières: risque et décisions économiques et statistiques", Revue économique 54 (2003): 139–156.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um(a) matemático(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.