John Bannister Goodenough

John Bannister Goodenough Medalha Nobel
Nascimento 25 de julho de 1922 (97 anos)
Jena
Nacionalidade estadunidense
Cidadania Estados Unidos
Irmão(s) Ward Goodenough
Alma mater Universidade Yale, Universidade de Chicago
Ocupação físico, engenheiro, inventor
Prêmios Prêmio Japão (2001), Prêmio Enrico Fermi (2009), Medalha Nacional de Ciências (2011), Medalha por Tecnologias Ambientais e de Segurança IEEE (2012), Prêmio Charles Stark Draper (2014), Prêmio Welch de Química (2017), Medalha Benjamin Franklin (2018), Medalha Copley (2019), Nobel de Química (2019)
Empregador Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Universidade do Texas em Austin
Página oficial
https://www.me.utexas.edu/faculty/faculty-directory/goodenough
Campo(s) física

John Bannister Goodenough (Jena, 25 de julho de 1922) é um físico estadunidense. Recebeu o Nobel de Química de 2019, juntamente com Michael Stanley Whittingham e Akira Yoshino, pelo desenvolvimento das baterias de ions de lítio.[1] Tendo então 97 anos de idade, tornou-se o mais velho a ser laureado com um Nobel, estando na ocasião ainda profissionalmente ativo.[2]

É professor da Universidade do Texas em Austin. Contribuiu para o desenvolvimento das modernas baterias de ions de lítio.


Vida pessoalEditar

Goodenough nasceu em Jena, filho de pais estadunidenses. Estudou na Universidade Yale e na Universidade de Chicago.

Honrarias e condecoraçõesEditar

Recebeu o Prêmio Japão em 2001 e o Prêmio Enrico Fermi em 2009. Em 2010 foi eleito membro estrangeiro da Royal Society.[3] Recebeu em 2011 a Medalha Nacional de Ciências.

Referências


Precedido por
Arthur Rosenfeld
Prêmio Enrico Fermi
2009
com Siegfried Hecker
Sucedido por
Mildred Dresselhaus e Burton Richter
Precedido por
Frances Arnold, George P. Smith e Gregory Winter
Nobel de Química
2019
com Michael Stanley Whittingham e Akira Yoshino
Sucedido por


  Este artigo sobre um(a) físico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.