John Campbell, 9.º Duque de Argyll

Sua Graça
O Duque de Argyll
KG KT GCMG GCVO VD PC
4º Governador-Geral do Canadá
Período 25 de novembro de 1878
a 23 de outubro de 1883
Monarca Vitória
Antecessor O Conde de Dufferin
Sucessor O Marquês de Lansdowne
Dados pessoais
Nome completo John George Edward Henry Douglas Sutherland Campbell
Nascimento 6 de agosto de 1845
Londres, Reino Unido
Morte 2 de maio de 1914 (68 anos)
Cowes, Ilha de Wight,
Reino Unido
Progenitores Mãe: Elizabeth Leveson-Gower
Pai: George Campbell
Alma mater Universidade de St Andrews
Trinity College, Cambridge
Esposa Luísa do Reino Unido
Partido Liberal
Liberal Unionista
Religião Anglicanismo

John George Edward Henry Douglas Sutherland Campbell, 9.º Duque de Argyll KG KT GCMG GCVO VD PC (Londres, 6 de agosto de 1845Cowes, 2 de maio de 1914), geralmente mais conhecido por seu título de cortesia Marquês de Lorne, que manteve entre 1847 e 1900, foi um aristocrata e político britânico que serviu como o 4º Governador-Geral do Canadá entre 1878 e 1883. Ele se casou em 1871 com a princesa Luísa do Reino Unido, filha da rainha Vitória e do príncipe Alberto de Saxe-Coburgo-Gota, se tornando o primeiro súdito britânico a se casar com um membro da realeza desde 1515.[1]

Início de vida e carreiraEditar

Nascido em Londres, Campbell era o primogênito de George, Marquês de Lorne e de Lady Elizabeth Georgiana Sutherland-Leveson-Gower, filha do 2.º Duque de Sutherland. Ele recebeu o título de Conde de Campbell desde o nascimento. Em 1847, quando tinha apenas vinte e um meses, seu pai sucedeu como 8º Duque de Argyll, e Campbell assumiu o título de cortesia de Marquês de Lorne. Ele foi educado na Academia de Edimburgo, Eton College, St. Andrews e Trinity College, Cambridge,[2] assim como na Royal College of Art.[3]

Dez anos antes de ir para o Canadá, Lorne viajou pela América do Norte e Central, escrevendo literatura e poesia na viagem.[3] No Reino Unido, ele representou, desde 1868, o círculo eleitoral de Argyllshire como membro liberal do Parlamento na Câmara dos Comuns.

Lorne se casou com a quarta filha da rainha Vitória, a princesa Luísa do Reino Unido, em 28 de março de 1861. Foi a primeira vez que uma princesa se casou com um súdito desde 1515. O casal compartilhava um amor comum pelas artes, mas eles viviam separados e nunca tiveram filhos. Além disso, Lorne mantinha uma amizade íntima com homens que, segundo rumores, tinham inclinações homossexuais, o que levantou questões sobre o casamento de Lorne e levantou rumores em torno de Londres de que Campbell era bissexual, mas amplamente predisposto à homossexualidade.[nota 1]

 
Caricatura do Marquês de Lorne, 1870.

Governador-geral do CanadáEditar

 
Luísa e Lorde Lorne

Quando a nomeação de Lorde Lorne foi anunciada, houve um grande entusiasmo em todo o Canadá. Pela primeira vez, Rideau Hall teria um residente real. O primeiro-ministro canadense relaxou sua agenda de campanha para se preparar para sua chegada e organizar uma carruagem especial e um corpo de guardas para proteger a princesa. Um autor escreveu em 1880 que a nomeação foi recebida com satisfação em todas as partes do domínio, e o novo governador-geral inicia seu mandato com o coração do povo fortemente predisposto a seu favor.[6]

Durante o mandato de Lorne, a recessão sofrida pela economia canadense terminou e Sir John A. Macdonald foi reeleito como primeiro-ministro. O Canadá experimentava uma renovação de otimismo e a recuperação do nacionalismo.

Aos trinta e três anos, Lorde Lorne era o mais jovem governador-geral do Canadá, mas maduro para lidar com as demandas de seu cargo. Ele e a princesa Luísa fizeram grandes contribuições para a sociedade canadense, especialmente nas artes e ciências. Eles foram entusiastas da criação da Real Sociedade do Canadá, da Real Academia Canadense de Artes, e da Galeria Nacional do Canadá, participando até da seleção das primeiras pinturas. Lorne também esteve envolvido na implementação da Canadian Pacific Railway e outros projetos, como um hospital na Colúmbia Britânica. Além de atuar como patrono das artes e da literatura no Canadá, Lorne foi autor de muitos livros de prosa e poesia. Seus escritos mostram uma profunda apreciação pela beleza física do Canadá.

Durante seu governo, Lorne ficou profundamente interessado no Canadá e nos canadenses. Ele viajou por todo o país promovendo a criação de várias instituições, reunindo-se com membros das Primeiras Nações do Canadá.

Últimos anosEditar

A princesa Luísa retornou à Inglaterra em 1881, e Lorde Lorne dois anos depois, em 1883.[7] Lorne foi governador e condestável do Castelo de Windsor de 1892 a 1914, e o cargo de deputado pelo Manchester South de 1895 até a morte de seu pai em 24 de abril de 1900, quando o sucedeu como o nono duque de Argyll. Ele e a princesa Luísa viveram no palácio de Kensington até sua morte por pneumonia em 1914.

Um de seus amigos íntimos era Frank Shackelton (irmão do explorador Sir Ernest Shackleton), o principal suspeito de roubar as jóias da coroa irlandesa. O roubo, que ocorreu no Castelo de Dublin em 1907, ainda não foi esclarecido.

HonrasEditar

Nomeações militares honoráriasEditar

  • Coronel honorário do 1st Argyll and Bute Artillery Volunteers, 18 de julho de 1900[9][10]
  • Coronel honorário do Princess Louise's (Sutherland and Argyll Highlanders), 20 de setembro de 1902[11]

AncestraisEditar

Notas

  1. Lorde Lorne era um amigo íntimo de Lorde Ronald Gower, Morton Fullerton e do Conde de Mauny, que eram conhecidos por serem homossexuais ou bissexuais, o que alimentou rumores na sociedade londrina de que ele compartilhava a mesma predisposição.[4][3][5]

Referências

  1. "Campbell, John Douglas Sutherland, Marquess of Lorne (CMBL863JD)". A Cambridge Alumni Database. University of Cambridge.
  2. a b c Sandwell 2006, p. 47.
  3. Packard, Jerrold Victoria's Daughters, St Martin's Griffin, NY, 1998 pp. 203–205
  4. Rowse 1977, p. 157.
  5. Sandwell 2006, p. 48.
  6. The Marquis of Lorne (1883). Memories of Canada and Scotland. Londres: Sampson Low, Marston, Searle & Riverton 
  7. «London Gazette». London Gazette 27285 ed. 15 de fevereiro de 1901. p. 1145 
  8. Maj-Gen James Grierson, Records of the Scottish Volunteer Force 1859–1908, Edinburgh: Blackwood, 1909.
  9. Army List.
  10. «London Gazette». London Gazette 27475 ed. 19 de setembro de 1902. p. 6025 
  Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.