Abrir menu principal

Jorge Guilherme, Eleitor de Brandemburgo

(Redirecionado de Jorge Guilherme de Brandemburgo)

BiografiaEditar

Primeiros anosEditar

Nascido em Cölln, Jorge Guilherme era filho de João Segismundo, Eleitor de Brandemburgo e Ana da Prússia. O seu avô materno era o duque Alberto Frederico, Duque da Prússia.

Em 1616, Jorge Guilherme casou-se com a princesa Isabel Carlota do Palatinado. O seu único filho varão, Frederico Guilherme, ficaria mais tarde conhecido como o "Grande Eleitor". Das suas duas filhas, a mais velha, Luísa Carlota, casou-se com Jacob Kettler, duque da Curlândia, e a mais nova, Edviges Sofia, casou-se com o conde Guilherme VI de Hesse-Cassel.[1]

ReinadoEditar

Em 1619, Jorge Guilherme herdou a Marca de Brandemburgo e o ducado da Prússia. Prestou a sua homenagem feudal pessoalmente ao rei da Polónia, Sigismundo III, em Setembro de 1621 em Varsóvia, já que o ducado da Prússia pertencia ao reino da Polónia na altura. A homenagem foi renovada em 1633, depois de ser eleito um novo rei polaco, Ladislau IV Vasa.

Durante a Guerra dos Trinta Anos, Jorge Guilherme tentou manter-se neutral entre as forças católicas do Sacro Império Romano-Germânico e os principados protestantes. Como a sua irmã Maria Leonor era rainha da Suécia, Jorge teve de escapar a pedidos de ajuda do seu cunhado protestante, o rei Gustavo Adolfo da Suécia, e os seus conselheiros protestantes de um lado e o seu chanceler católico, o conde Adam von Schwarzenberg do outro.

Apesar das suas tentativas para permanecer neutral, Jorge Guilherme foi forçado por Gustavo Adolfo a juntar-se às forças protestantes em 1631. O seu reinado foi, em grande parte, fraco e pouco eficaz, já que a maioria das responsabilidades governamentais foram entregues a Schwarzenberg e o país sofreu muito durante a guerra. As tropas católicas e protestantes queimaram e saquearam a região, dizimando a população tanto em Brandemburgo como nos restantes estados alemães.

Quando o seu cunhado Gustavo morreu em 1632, Jorge Guilherme decidiu manter a aliança com a Suécia até o país ser derrotado na Batalha de Nordlingen a 6 de Setembro de 1634. Nessa altura, Jorge retirou Brandemburgo da guerra e assinou a Paz de Praga com o sacro-imperador Fernando II a 30 de Maio de 1635. Deixando Schwarzenberg encarregue do governo, o príncipe-eleitor retirou-se da vida pública em 1637, tendo passado a viver numa região relativamente segura no ducado da Prússia, onde permaneceu até à sua morte em 1640.

GenealogiaEditar

Os antepassados de Jorge Guilherme de Brandemburgo em três gerações
Jorge Guilherme de Brandemburgo Pai:
João Segismundo de Brandemburgo
Avô paterno:
Joaquim III Frederico de Brandemburgo
Bisavô paterno:
João Jorge de Brandemburgo
Bisavó paterna:
Sofia de Legnica
Avó paterna:
Catarina de Brandemburgo-Küstrin
Bisavô paterno:
João de Brandemburgo-Küstrin
Bisavó paterna:
Catarina de Brunswick-Wolfenbüttel
Mãe:
Ana da Prússia
Avô materno:
Alberto Frederico da Prússia
Bisavô materno:
Alberto da Prússia
Bisavó materna:
Ana Maria de Brunswick-Lüneburg
Avó materna:
Maria Leonor de Cleves
Bisavô materno:
Guilherme de Jülich-Cleves-Berg
Bisavó materna:
Maria da Áustria

Referências

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Jorge Guilherme, Eleitor de Brandemburgo