José Diogo Arroyo

jornalista português

José Diogo Arroyo (Porto, 23 de Julho de 1854Foz, Porto, 16 de Novembro de 1925), também conhecido por José Diogo Arroio, foi um cientista, jornalista e político português.[1]

José Diogo Arroyo
Nascimento 23 de julho de 1854
Porto
Morte 16 de novembro de 1925 (71 anos)
Porto
Nacionalidade Portugal portuguesa
Ocupação cientista, jornalista e político

BiografiaEditar

Nasceu na cidade do Porto no seio de uma família ligada ao meio artístico, filho do compositor e músico espanhol José Francisco Arroio, primeiro director do Teatro de São João, do Porto, e irmão do conhecido engenheiro e crítico de arte António José Arroio e do jurista, político e intelectual João Marcelino Arroio.

Doutorou-se pela Universidade de Coimbra com o trabalho Estudo sobre a Célula Vegetal[1], prosseguindo uma carreira que o levou a professor de Análise Química e de Química Geral na Academia Politécnica do Porto[1] e no Instituto Industrial e Comercial do Porto.[1] Foi ainda director da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.[1] Na política, durante o último período da monarquia foi deputado[1] e Conselheiro de Estado.[1]

ObrasEditar

  • O Reino dos Protistas - Apreciação da Legitimidade desta Hipótese na Classificação dos Seres Organizados (1881)
  • «Theses de philosophia natural». www.fc.up.pt 

BibliografiaEditar

Referências

  1. a b c d e f g Grande Livro dos Portugueses ISBN 972-42-0143-0

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.