José João Zoio

cavaleiro tauromáquico português (1950-2009)

José João de Queirós Morais Zoio (Almada, Almada, 1 de outubro de 1950[1]Sintra, 31 de agosto de 2009[2]) foi um cavaleiro tauromáquico português.

José João Zoio
Nascimento 1 de outubro de 1950
Almada
Morte 31 de agosto de 2009
Sintra
Ocupação toureiro, cavaleiro tauromáquico

Estreou-se em público a 25 de agosto de 1968, na praça de toiros da Nazaré.[3]

Foi o primeiro amador a submeter-se à prova de cavaleiro praticante, antes de receber a alternativa; prestou-a na tarde de 10 de junho de 1972, na praça de Santa Eulália, Elvas.[4] A 27 de maio de 1973, na Monumental do Campo Pequeno, recebeu a alternativa de cavaleiro tauromáquico, sendo seu padrinho o mestre João Branco Núncio.[5]

A 6 de abril de 1975 debutou em Espanha, com uma atuação na Monumental de Barcelona, atuando a 27 de maio de 1979 em Las Ventas, Madrid, e a 29 de abril de 1980 na Real Maestranza de Caballería, em Sevilha.[6]

Um dos mais destacados e bem sucedidos cavaleiros portugueses,[7] citar de largo e dar a primazia do arranque ao toiro era a característica principal das suas lides.[8]

Ficaram célebres as corridas em que alternou com José Mestre Batista[9] e José Samuel Lupi (o cartel dos três Zés) e os rejoneadores espanhóis Álvaro Domecq Romero e Manuel Vidrié.[10]

José João Zoio foi diretor de Relações Públicas e Segurança da Universidade Moderna de Lisboa, nos anos 1990. Durante o julgamento do processo ligado às principais figuras desta instituição, foi ouvido como testemunha, indicado pela acusação (Ministério Público), prestando depoimento sobre as alegadas ligações da Moderna ao tráfico de armas.[11]

Era maçon e membro da Grande Loja Regular de Portugal.[12]

Referências

  1. «Nazaré presta homenagem a José João Zoio». Diário de Notícias. 2 de setembro de 2009. Consultado em 11 de novembro de 2014. Arquivado do original em 31 de outubro de 2014 
  2. «Um toureiro entre polémicas». Diário de Notícias. 2 de setembro de 2009. Consultado em 31 de outubro de 2014. Arquivado do original em 31 de outubro de 2014 
  3. «Morreu o cavaleiro José João Zoio». i. 1 de setembro de 2009. Consultado em 31 de outubro de 2014 
  4. «Nazaré presta homenagem a José João Zoio». Diário de Notícias. 2 de setembro de 2009. Consultado em 11 de novembro de 2014. Arquivado do original em 31 de outubro de 2014 
  5. «Morreu o cavaleiro José João Zoio». i. 1 de setembro de 2009. Consultado em 31 de outubro de 2014 
  6. «Faleceu o Cavaleiro José João Zoio». Tauródromo. 1 de setembro de 2009. Consultado em 2 de novembro de 2014 
  7. «Morreu o cavaleiro José João Zoio». i. 1 de setembro de 2009. Consultado em 31 de outubro de 2014 
  8. Público
  9. «Nazaré presta homenagem a José João Zoio». Diário de Notícias. 2 de setembro de 2009. Consultado em 11 de novembro de 2014. Arquivado do original em 31 de outubro de 2014 
  10. «Morreu o cavaleiro José João Zoio». i. 1 de setembro de 2009. Consultado em 31 de outubro de 2014 
  11. Público
  12. «Um toureiro entre polémicas». Diário de Notícias. 2 de setembro de 2009. Consultado em 31 de outubro de 2014. Arquivado do original em 31 de outubro de 2014 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.