Abrir menu principal

José da Cunha Grã Ataíde e Melo

José da Cunha Grã Ataíde e Melo
Nascimento 23 de junho de 1734
Lisboa
Morte
17 de janeiro de 1792 (57 anos)
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Administrador colonial

José da Cunha Grã Ataíde e Melo (Lisboa, 23 de junho de 173417 de janeiro de 1792), 3º conde de Povolide[1], foi um administrador colonial português.

Foi governador da Capitania de Pernambuco entre 14 de abril de 1768 e 3 de outubro de 1769; e da Capitania da Bahia, de 11 de outubro de 1769 a 3 de abril de 1774.[2] Foi gentil-homem da câmara da rainha D. Maria I e presidente do Senado da Câmara de Lisboa[3], de 1786 a 1791

Foi igualmente provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e, em 22 de Agosto de 1785, é um dos 12 irmãos da referida instituição que foram escolhidos para assistir à primeira extração da lotaria que se iniciava, pela primeira vez, no dia 1 de Setembro de 1785[4].

Dados GenealógicosEditar

Filho de D. Luís Vasques da Cunha Ataíde, 2º Conde de Povolide, fidalgo da Casa do Infante D. António, capitão de infantaria de um dos regimentos da Corte em 1735, presidente da Junta do Tabaco em 1749, e de D. Helena de Castelo Branco, filha dos Condes de Valadares.

Casou com D. Maria da Silva, filha do 6º Conde de Aveiras e 1º Marquês de Vagos[5].

Referências

  1. «Casa de Povolide, ANTT». Consultado em 18 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 6 de outubro de 2017 
  2. Ferraz, Socorro (2006). Documentos manuscritos avulsos da Capitania de Pernambuco: Fontes repatriadas. Volume 4 de Documentos manuscritos avulsos da Capitania de Pernambuco, Projeto Resgate de Documentação Histórica "Barão do Rio Branco". [S.l.]: Editora Universitária UFPE. p. 110. 583 páginas. ISBN 8573153776. Consultado em 19 de maio de 2011 
  3. «Casa de Povolide, ANTT». Consultado em 18 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 6 de outubro de 2017 
  4. Catálogo de Decretos, Avisos e Ordens (séc. XVI e XIX), Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Arquivo Histórico, 2011
  5. «Casa de Povolide, ANTT». Consultado em 18 de fevereiro de 2013. Arquivado do original em 6 de outubro de 2017 

BibliografiaEditar