Josep Guardiola

treinador e futebolista espanhol

Josep "Pep" Guardiola Sala (Santpedor, 18 de janeiro de 1971) é um treinador e ex-futebolista espanhol que atuava como volante. Atualmente comanda o Manchester City. Em 2023, foi eleito pela IFFHS como o melhor treinador do mundo.[1]

Josep Guardiola
Josep Guardiola
Guardiola em 2017
Informações pessoais
Nome completo Josep Guardiola i Sala
Data de nasc. 18 de janeiro de 1971 (53 anos)
Local de nasc. Santpedor, Catalunha, Espanha
Nacionalidade espanhol
Altura 1,80 m
destro
Apelido Pep
Informações profissionais
Clube atual Manchester City
Posição ex-volante
Função treinador
Clubes de juventude

1983–1990
Gimnàstic Manresa
Barcelona
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos (golos)
1988–1989
1990–1992
1990–2001
2001–2002
2002
2003
2003–2005
2005–2006
Barcelona C
Barcelona B
Barcelona
Brescia
Roma
Brescia
Al-Ahli
Dorados de Sinaloa
0008 0000(1)
0059 0000(5)
0384 000(11)
0013 0000(2)
0008 0000(1)
0016 0000(2)
0036 0000(7)
0010 0000(1)
Seleção nacional
1991
1991–1992
1992–2001
1995–2005
Espanha Sub-21
Espanha Sub-23
Espanha
Catalunha
0002 0000(0)
0012 0000(2)
0047 0000(5)
0007 0000(0)
Times/clubes que treinou
2007–2008
2008–2012
2013–2016
2016–
Barcelona B
Barcelona
Bayern de Munique
Manchester City
0038
0247
0161
0456
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Barcelona 1992 Equipe
Última atualização: 6 de março de 2024

É o primeiro técnico a conquistar a chamada "Tríplice Coroa Continental da Europa" por duas equipes diferentes[2] e também em duas ligas diferentes,[2] além de ser o mais jovem a vencer a Liga dos Campeões da UEFA. Guardiola é frequentemente considerado como o melhor treinador da atualidade e como um dos maiores técnicos de todos os tempos,[3][4][5] sendo finalista do prêmio de Treinador do Ano da FIFA por oito vezes desde 2010, quando o prêmio surgiu — faturou o prêmio em 2011 e 2023.[6] Poliglota, Pep também chama atenção por ser fluente em seis idiomas: catalão, espanhol, inglês, italiano, francês e alemão.[7][8][9]

Como jogador, passou a maior parte da sua carreira no Barcelona, sendo um dos principais jogadores do chamado Dream Team comandado por Johan Cruijff, ganhando a primeira Liga dos Campeões da história do clube e conquistando o tetracampeonato consecutivo do Campeonato Espanhol.[10] Pela Seleção Espanhola, disputou a Copa do Mundo FIFA de 1994, a Eurocopa de 2000 e os Jogos Olímpicos de 1992, competição esta em que faturou o ouro. Ele também disputou amistosos pela Seleção Catalã.

Como técnico, Guardiola iniciou sua carreira no Barcelona B, ganhando o título da Quarta Divisão Espanhola em sua primeira temporada.[11] Na temporada seguinte, assumiu a equipe principal do Barça e conquistou a primeira tríplice coroa da história do clube (La Liga, Copa do Rei e Liga dos Campeões da UEFA) e, no ano de 2009, a primeira sêxtupla coroa da história do futebol.[12] Ao fazê-lo, tornou-se o técnico mais jovem a vencer a competição continental europeia.[13] Após conquistar a Liga Espanhola e a Liga dos Campeões em 2011, foi agraciado com a medalha de ouro do Parlamento Catalão, a maior honra da instituição.[14] Ele deixou o Barcelona em 2012, tendo conquistado quatorze títulos, um recorde na história do clube.[15]

Após um ano sabático, Pep assumiu o Bayern de Munique em 2013.[16] No clube alemão, teve um aproveitamento de quase 80%, conquistou o tricampeonato consecutivo da Bundesliga e duas copas nacionais; além disso, chegou a três semifinais na Liga dos Campeões.[17][18] Ele deixou os bávaros e assumiu o Manchester City em 2016, com o projeto de levar o clube inglês ao seu primeiro título da Liga dos Campeões. Apesar de ter falhado na conquista continental em 2021, conseguiu esse feito na temporada 2022–23. O espanhol já levou os Citizens ao tetracampeonato consecutivo da Premier League, ao tetracampeonato da Copa da Liga e a dois títulos da Copa da Inglaterra.[19]

Carreira como jogador editar

Barcelona editar

Chegou ao Barcelona com 13 anos, permanecendo nas divisões da base até 1990, quando fez sua estreia no time profissional, contra o Cádiz.

Tornou-se titular a partir da temporada 1991–92, temporada em que a equipe, então comandada pelo treinador Johan Cruijff, conquistou a La Liga (Campeonato Espanhol) e a Liga dos Campeões da UEFA, até então nomeada "Taça dos Clubes Campeões Europeus". Guardiola fez parte da equipe que perdeu a final da Copa Intercontinental para o São Paulo do treinador Telê Santana por 2 a 1, em Tóquio, em dezembro de 1992.[20] Mais dois títulos espanhóis vieram nas duas temporadas seguintes, tendo o volante permanecido com a titularidade. Na temporada 1996–97, quando foi nomeado capitão da equipe, coube a Pep levantar os troféus nas conquistas da Copa do Rei, da Supercopa da UEFA e da Recopa Europeia. Comandado pelo treinador inglês Bobby Robson, o Barça ainda contava com José Mourinho como auxiliar-técnico.

Depois de rejeitar propostas da Roma e do Parma no fim da temporada, o Barcelona renovou o contrato de Guardiola até 2001.

Pep ficou de fora da maior parte dos jogos da temporada seguinte devido a uma lesão que o deixou afastado dos gramados, mas retornou em 1998–99 para participar ativamente de mais conquistas, como a La Liga e a Copa do Rei.

No final do contrato, já com 31 anos, sem ter conquistado mais títulos nas últimas duas temporadas que passou no Barcelona, Guardiola se despediu do clube catalão para ir jogar na Itália, pelo Brescia.

Na Itália editar

Sondado por diversos clubes ingleses e italianos, acabou assinando com o Brescia e logo depois com a Roma, onde passou por momentos difíceis, sendo suspenso por quatro meses por uso da substância proibida nandrolona.

Catar e México editar

Depois de retornar ao Brescia em 2003, Guardiola assinou com o Al-Ahli. O volante recusou propostas como a do Manchester United para atuar no clube do Catar. Comandado pelo brasileiro Pepe, Guardiola já indicava sua futura vocação para treinador, frequentemente questionando Pepe sobre o estilo de jogo do Santos que marcou época nas décadas de 1950 e 60.[21]

Em 2005, aceitou uma proposta do treinador Juan Manuel Lillo para jogar no México, pela equipe do Dorados de Sinaloa, onde ficou por cinco meses antes de encerrar a carreira de futebolista.[22]

Seleções Espanhola e Catalã editar

Guardiola jogou 47 partidas pela Seleção Espanhola, entre 1992 e 2001,[23] e foi capitão do time que ganhou a medalha de ouro nas Olimpíadas de 1992, em Barcelona, sendo esta a maior conquista da história da Seleção daquele país até então.

Foi membro da Seleção durante a Copa do Mundo FIFA de 1994, realizada nos Estados Unidos, mas teve problemas com o treinador Javier Clemente e não disputou a Euro 1996. Lesões o tiraram da Copa do Mundo FIFA de 1998, na França, mas depois o volante fez parte dos 23 convocados para a Euro 2000.

Entre 1995 e 2005, Guardiola também jogou pela Seleção Catalã. No total, foram sete partidas amistosas pela Seleção.[24]

Carreira como treinador editar

Barcelona editar

Guardiola iniciou sua carreira de treinador comandando o Barcelona B, no dia 21 de junho de 2007. Foi campeão da Tercera División (quarta divisão espanhola).[25] Com esta equipe, comandou alguns jogadores que mais tarde promoveria para o time principal do Barcelona, como Sergio Busquets, Pedro Rodríguez e Thiago Alcântara.

Em 8 de maio de 2008, Guardiola foi nomeado oficialmente treinador do Barcelona. Assumiu a partir da temporada 2008–09 a equipe principal do Barça, substituindo o holandês Frank Rijkaard. Desde então, tornou-se o maior treinador estreante de todos os tempos, superando até o lendário Johan Cruijff, conquistando nada menos que a La Liga (Campeonato Espanhol), a Copa do Rei, a Liga dos Campeões da UEFA, a Supercopa da Espanha, a Supercopa da UEFA e Copa do Mundo de Clubes da FIFA na mesma temporada, inclusive conquistando diversos prêmios de melhor treinador do ano por revistas e associações de renome superando oponentes como José Mourinho treinador do Real Madrid, maior rival do Barcelona, entre outros. O espanhol ficou marcado por potencializar e desenvolver o futebol de craques como Lionel Messi, Xavi e Andrés Iniesta, que sob seu comando viveram o auge de suas carreiras.

No dia 27 de abril de 2012, depois da eliminação para o Chelsea na Liga dos Campeões, Guardiola anunciou que não seria mais o técnico do Barcelona, afirmando que essa não era uma decisão fácil.[26] Após o anúncio de sua saída, Pep declarou que iria tirar um ano sabático, não assumindo assim o comando de nenhuma equipe na temporada seguinte.

Bayern de Munique editar

Foi confirmado como treinador do Bayern no dia 16 de janeiro de 2013, chegando para substituir o vitorioso Jupp Heynckes, que havia acabado de conquistar a tríplice coroa.[16][27] Guardiola, no entanto, só assumiria a equipe a partir da temporada seguinte.

 
Guardiola como treinador do Bayern em 2014

Em seu primeiro ano a frente do clube, o treinador fez algumas mudanças na equipe titular (inclusive mudando a posição de alguns jogadores), diminuindo a estatura e aumentando a velocidade da equipe.[28] Apesar de ter conquistado resultados expressivos, Guardiola recebeu várias críticas negativas. Franz Beckenbauer, presidente de honra do clube alemão, chegou a afirmar que, diferentemente do que tem acontecido nos jogos do Bayern, ele sempre tentou ser muito objetivo em suas jogadas e, por isso, vê com maus olhos o estilo de "posse de bola a todo custo", implantado por Guardiola.[29] Pep se defendeu dizendo que o problema é que seu estilo de jogo não faz parte da cultura alemã de futebol.[30]

A goleada (e a eliminação) de 4 a 0 para o Real Madrid, na Liga dos Campeões, fez Guardiola repensar seu jogo para seu segundo ano à frente do Bayern. Ele percebeu que adiantar suas linhas, aprofundando as jogadas pelos flancos, já não parecia ser suficiente para surpreender os rivais.[31] Assim, Pep incorporou alguns conceitos germânicos de futebol. Sua equipe passou a ser mais faltosa, levando mais cartões, mas também fazendo mais gols de cabeça. As jogadas aéreas sempre foram a grande deficiência do Barcelona quando por ele treinado.[32]

No dia 20 de dezembro de 2015, o Bayern comunicou oficialmente que o treinador catalão não renovaria o seu contrato com o clube, deixando-o ao final da temporada 2015-16.[33]

Manchester City editar

No dia 1 de fevereiro de 2016, o Manchester City confirmou a contratação de Guardiola para as próximas três temporadas, substituindo Manuel Pellegrini a partir de 1 de julho 2016.[34] Em sua primeira temporada, não conquistou nenhum campeonato e apresentou números abaixo da média.[35] Na temporada seguinte, trouxe grandes reforços ao clube como o meia português Bernardo Silva, o goleiro brasileiro Ederson e o lateral Kyle Walker, iniciando uma reformulação no elenco. Conquistou seu primeiro título na Inglaterra ao bater o Arsenal na final da Copa da Liga Inglesa.[36] Na Premier League de 2017–18, bateu um recorde que nenhum clube havia alcançado em 130 anos no país, ao conquistar a incrível marca de 100 pontos.[37] Iniciou a temporada 2018–19 com o título da Supercopa da Inglaterra ao derrotar o Chelsea por 2 a 0.[38] Novamente conquistou a Copa da Liga Inglesa ao bater o Chelsea nos pênaltis.[39] Na Premier League, travou uma disputa intensa com o Liverpool, conquistando o bicampeonato com 98 pontos,[40] um a mais que os Reds.[41] No dia 18 de maio de 2019, sagrou-se campeão da Copa da Inglaterra após golear o Watford na final por 6 a 0, conquistando uma inédita tríplice coroa nacional.[42]

Na temporada 2020–21, chegou até a final da Liga dos Campeões da UEFA com a equipe de Manchester, mas o City perdeu por 1 a 0 para o Chelsea e ficou com o vice-campeonato.[43]

Conquistou seu quinto título da Premier League no dia 20 de maio de 2023, após uma derrota do Arsenal por 1 a 0 para o Nottingham Forest. Com 85 pontos, a equipe de Pep sagrou-se campeã com três jogos de antecedência.[44] No dia seguinte, na celebração do título no Etihad Stadium, o City venceu o Chelsea por 1 a 0, com direito à muita festa dos torcedores.[45] O treinador encerrou a temporada 2022–23 com chave de ouro, conduzindo o Manchester City ao tão sonhado troféu da Liga dos Campeões da UEFA. Na final realizada no Estádio Olímpico Atatürk, em Istambul, seus comandados venceram a Internazionale por 1 a 0, com gol de Rodri, e assim conquistaram o inédito título que o clube tanto desejava.[46]

Em dezembro, comandou a equipe no título do Mundial de Clubes realizado na Arábia Saudita. Mesmo sem importantes jogadores como Erling Haaland e Kevin De Bruyne, cortados da competição,[47] os Citizens golearam o Fluminense de Fernando Diniz por 4 a 0 na final.[48] Curiosamente, o placar foi o mesmo do Mundial conquistado por Guardiola a frente do Barcelona em um time brasileiro — 4 a 0 sobre o sobre o Santos, em 2011.[49]

Estilo de jogo editar

No auge, Guardiola venceu mais que os outros treinadores porque ele ousou inovar, modernizando os valores e táticas dominantes no futebol de então, trazendo para o século XXI as ideias de Rinus Michels de compactação, pressão, posse de bola e superioridade numérica.[51] As equipes que treinou não só obtiveram sucesso nos respectivos campeonatos nacionais e europeus, como serviram de base para as Seleções campeãs do mundo em 2010 e 2014.[52][53]

Adepto do jogo posicional, Guardiola costuma armar suas equipes no 4-3-3 ou no 4-1-4-1. Outras características dos times treinados pelo Guardiola são: utilização do chamado falso 9, marcação à pressão, altas taxas de posse de bola,[54] obsessão pelo controle da bola e do ritmo do jogo, e constante revezamento no elenco para diminuir a chance de lesão. Sua obsessão por essa filosofia é tanta que ele chegou a defender que todos os gramados dos campos de competições nacionais e internacionais devem ser aparados o máximo possível. Teoricamente, isso faria a bola correr com maior velocidade.[55]

Seus times são comumente atribuídos ao tiki-taka, mas ele já chegou a reclamar desse estilo de jogo no livro "Herr Pep", que fala sobre sua carreira.[56]

A abordagem de Guardiola ao jogo evoluiu ao longo dos anos.[57] Depois de aprender o estilo análogo ao Futebol total holandês sob o comando de Johan Cruijff,[58][59] Pep foi particularmente influenciado por seu tempo como jogador no México sob o comando de seu amigo e técnico do Dorados, Juan Manuel Lillo.[60] Guardiola também procurou a ajuda de Marcelo Bielsa para aprender com ele.[58] Seus editoriais para o El País durante a Copa do Mundo FIFA de 2006 elogiando o time espanhol de Luis Aragonés e o time mexicano de Ricardo La Volpe revelam a extensão de sua reverência pelo futebol de ataque baseado na posse de bola, com zagueiros e o goleiro jogando de a parte de trás, que Guardiola mais tarde citou como uma grande inspiração em várias ocasiões.[61] Em um de seus editoriais, ele chamou Zinédine Zidane de "o melhor zagueiro da França", apontando como a reciclagem da posse de bola em si é uma tática defensiva fundamental,[62][63] algo que os times de Guardiola mais tarde se tornariam sinônimos.[62] Philipp Lahm, que foi jogador de Pep no Bayern de Munique, apontou que suas táticas eram principalmente "um Sacchi ofensivo", inspirado no Milan comandado por Arrigo Sacchi do final da década de 1980, enfatizando movimentos fluidos, recuperações rápidas e mantendo a posse da bola, o que contrastava fortemente com o estilo catenaccio estritamente defensivo empregado efetivamente por José Mourinho e mais tarde por Diego Simeone; e que Guardiola desenvolveu sua abordagem que aparentemente agora era uma mistura de ambos os estilos.[64] De acordo com o livro "Che Pep", de Vicente Muglia, jornalista do diário argentino "Olé", Guardiola foi influenciado pela escola argentina de jogar futebol. A obra descreve que o espanhol, ainda jovem, inspirou-se no famoso "caráter argentino" de "não desistir nunca" e "fazer muito com pouco", além da inquestionável paixão do país por futebol.[65] Não à toa, Guardiola frequentemente afirma que Marcelo Bielsa é quem ele mais admira como treinador.[66]

Estatísticas como jogador editar

Temporada Clube Primeira Divisão Copa Nacional Europa1 Outros2 Total3
Partidas Gols Partidas Gols Partidas Gols Partidas Gols Partidas Gols
1990–91 Barcelona 4 0 1 0 5 0
1991–92 26 0 3 0 11 0 2 0 42 0
1992–93 28 0 5 1 4 0 4 0 41 1
1993–94 34 0 5 0 6 0 2 0 47 0
1994–95 24 2 4 0 6 0 2 0 36 2
1995–96 31 1 7 0 7 1 45 2
1996–97 38 0 8 0 7 1 2 0 55 1
1997–98 6 0 3 0 3 0 2 0 14 0
1998–99 22 1 3 0 1 0 26 1
1999–00 25 0 12 1 2 0 39 1
2000–01 24 2 4 3 7 0 35 5
Total 262 6 43 4 64 3 16 0 385 13
2001–02 Brescia 11 2 2 0 13 2
2002–03 Roma 4 0 3 1 1 0 8 1
2002–03 Brescia 13 1 3 1 16 2
2003–04 Al-Ahli 18 2 18 2
2004–05 Al-Ahli 18 5 18 5
2005–06 Dorados de Sinaloa 10 1 10 1
Total na carreira 336 17 51 6 64 3 16 0 467 26

1 - Inclusos: Liga dos Campeões da UEFA, Recopa da Europa e Copa da UEFA
2 - Inclusos: Supercopa da Espanha, Supercopa da UEFA e Copa Intercontinental
3 - Fonte: Base de Dados Histórica de Fútbol[67]

Seleção Espanhola editar

Ano Partidas Gols
1992 2 1
1993 5 0
1994 7 1
1995 0 0
1996 5 1
1997 4 1
1998 0 0
1999 9 0
2000 8 1
2001 7 0
Total[23] 47 5

Estatísticas como treinador editar

Atualizadas até 6 de março de 2024.

Clube Jogos Vitórias Empates Derrotas Aproveitamento
Barcelona B 42 28 9 5 73.81%
Barcelona 247 179 47 21 78.81%
Bayern de Munique 161 124 16 21 80.33%
Manchester City 456 332 62 62 73.17%
Total 906 660 139 107 77.96%

Títulos como jogador editar

Barcelona B
Barcelona
Seleção Espanhola

Prêmios individuais editar

Títulos como treinador editar

Barcelona B
Barcelona
Bayern de Munique
Manchester City

Prêmios individuais editar

Outros editar

  • Catalão do Ano: 2009
  • Ordem Real de Esportes de Mérito: 2010

Referências

  1. «Fernando Diniz é eleito o 5º melhor técnico do mundo; Guardiola lidera». UOL. 29 de dezembro de 2023. Consultado em 1 de fevereiro de 2024 
  2. a b «Guardiola se torna 1º treinador da Europa a conquistar tríplice coroa em 2 times». O Tempo. 10 de junho de 2023. Consultado em 1 de fevereiro de 2024 
  3. «Guardiola é eleito o melhor técnico do mundo em lista que tem Tite como 11º». GloboEsporte.com. 30 de outubro de 2018. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  4. «Revista francesa elege os 50 maiores técnicos de todos os tempos». GQ. 18 de março de 2019. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  5. «Quatro brasileiros e Zagallo à frente de Klopp: revista elege os 100 maiores técnicos da história». ESPN Brasil. 29 de abril de 2020. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  6. «FIFA Ballon d'Or 2011». Site oficial da FIFA. 9 de janeiro de 2011. Consultado em 9 de janeiro de 2011 
  7. «Poliglota, Guardiola se prepara para aprender sua sexta língua; Bayern exalta 'escola Cruyff'». ESPN Brasil. 16 de janeiro de 2013. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  8. «9 manias curiosas que mostram o quanto Guardiola é detalhista». UOL. 29 de outubro de 2017. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  9. «8 figuras do futebol mundial que falam mais de três idiomas». Antonio Mota. 24 de março de 2021. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  10. «Esquadrão Imortal – Barcelona 1988-1994». Imortais do Futebol. 5 de abril de 2012. Consultado em 27 de julho de 2020 
  11. Antônio Strini, Guilherme Nagamine e Vladimir Bianchini (2 de setembro de 2017). «Há 10 anos, em 'campinho' para 1.500 pessoas, Guardiola virava técnico; quem estava lá conta como ele era». ESPN Brasil. Consultado em 22 de maio de 2023 
  12. «Barcelona: seis títulos na temporada 2008/09». Goal.com. 31 de dezembro de 2009. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  13. «Mais novo e mais velho treinador a ganhar provas da UEFA». UEFA.com. 6 de outubro de 2017. Consultado em 30 de julho de 2020 
  14. esport3 (8 de setembro de 2011). «Un emocionat Pep Guardiola rep la Medalla d'Honor del Parlament» (em catalão). CCMA. Consultado em 30 de julho de 2020 
  15. «FC Barcelona individual records - FC Barcelona». Site oficial do Barcelona. 2 de outubro de 2018. Consultado em 30 de julho de 2020 
  16. a b «Guardiola to take Bayern helm in July 2013». FC Bayern Munich Official Website. 16 de janeiro de 2013. Consultado em 16 de janeiro de 2013 
  17. André Donke (10 de abril de 2018). «Histórico de Guardiola na Champions tem dois títulos no Barcelona, semis no Bayern e decepções no City». ESPN Brasil. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  18. Matheus Harb (22 de maio de 2022). «Quantos títulos Pep Guardiola tem como treinador?». Goal.com. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  19. Rodolfo Rodrigues (25 de abril de 2021). «Pep Guardiola conquista seu 30º título como treinador». UOL. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  20. Bruno Bonsanti (13 de dezembro de 2022). «Quando a Ferrari do São Paulo despedaçou os sonhos do Barcelona no Mundial de 1992». Trivela. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  21. «Técnico de Guardiola no Qatar, Pepe diz: 'Perguntava do Santos e do Pelé'». GloboEsporte.com. 1 de maio de 2011. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  22. Ciro Campos (5 de maio de 2019). «Dirigido por Maradona, time mexicano foi o último da carreira de Guardiola». Terra. Consultado em 31 de dezembro de 2023 
  23. a b «Josep Guardiola Sala». Emilio Pla Diaz and RSSSF. Consultado em 6 de janeiro de 2016 
  24. Martín Tabeira (2 de agosto de 2006). «Catalonia Autonomous Team Matches». Rec.Sport.Soccer Statistics Foundation. Consultado em 16 de janeiro de 2013 
  25. Jordi Quixano (16 de junho de 2008). «El filial del Barça regresa a Segunda B» (em espanhol). El País. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  26. «Guardiola anuncia saída do Barça e afirma: 'Não é uma situação fácil'». GloboEsporte.com. 27 de abril de 2012. Consultado em 31 de dezembro de 2023 
  27. Carlin, John (18 de janeiro de 2013). «Pep Guardiola: football's most wanted». FT Magazine. Consultado em 19 de janeiro de 2013 
  28. «Incomodados, jogadores questionam estilo Guardiola: "muita mudança"». Terra. 5 de agosto de 2013. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  29. a b «Beckenbauer critica novo estilo do Bayern: 'Ninguém vai querer nos ver'». GloboEsporte.com. 12 de março de 2014. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  30. «Guardiola rebate críticas de Beckenbauer sobre estilo de jogo do Bayern». UOL. 16 de março de 2014. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  31. «Guardiola diz que o legado "é infinito"». Diário de Notícias. 25 de março de 2016. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  32. Mauro Cezar Pereira (24 de abril de 2015). «"Final antecipada"? Não! Bayern x Barcelona ainda é o duelo da posse de bola e o teste maior». ESPN Brasil. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  33. «Bayern confirma que Guardiola sai e Ancelotti chega no fim da temporada». GloboEsporte.com. 20 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  34. «City anuncia chegada de Guardiola para a próxima temporada». Estadão. 1 de fevereiro de 2016. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  35. «O que será de Pep? City inicia a temporada de maior pressão da carreira de Guardiola». GloboEsporte.com. 20 de julho de 2017. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  36. «City bate o Arsenal, e Guardiola leva seu primeiro título na Inglaterra». LANCE!. 25 de fevereiro de 2018. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  37. «Jesus marca no fim, City chega a 100 pontos e alcança recorde histórico na Inglaterra». GloboEsporte.com. 13 de maio de 2018. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  38. «Agüero decide e Manchester City é campeão da Supercopa da Inglaterra». LANCE!. 5 de agosto de 2018. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  39. «Ederson brilha, City vence o Chelsea nos pênaltis e conquista a Copa da Liga Inglesa». GloboEsporte.com. 25 de fevereiro de 2019. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  40. Martínez Martínez, Francisco Daniel; González García, Higinio (26 de julho de 2019). «Efecto de marcar primero en la final de la UEFA Champions League y la UEFA Europa League (Effect of scoring first in finals of UEFA Champions League and UEFA Europe League)». Retos (37): 134–138. ISSN 1988-2041. doi:10.47197/retos.v37i37.67933. Consultado em 16 de janeiro de 2022 
  41. «Manchester City campeão da Premier League: Guardiola estabelece sua 3ª dinastia na Europa». ESPN Brasil. 10 de maio de 2019. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  42. «Gabriel Jesus brilha com dois gols e assistência, e City leva inédita tríplice coroa». GloboEsporte.com. 18 de maio de 2019. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  43. «Champions: Chelsea vence Manchester City por 1 a 0, com gol de Havertz, e é bicampeão». ESPN Brasil. 29 de maio de 2021. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  44. «City ganha 5ª Premier League em 6 anos e dá passo inicial para glória que só um inglês fez na história». ESPN Brasil. 22 de maio de 2023. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  45. «Na festa do título da Premier League, Julián Álvarez marca, e Manchester City vence Chelsea». LANCE!. 21 de maio de 2023. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  46. Bruno Bonsanti (10 de junho de 2023). «Guardiola se reencontrou com a Champions ao montar o Manchester City mais confortável em situações desconfortáveis». Trivela. Consultado em 16 de novembro de 2023 
  47. «Manchester City: Haaland, De Bruyne e Doku são cortados e estão fora do Mundial». TNT Sports. 19 de dezembro de 2023 
  48. «Manchester City vence o Fluminense e é campeão do Mundial de Clubes». TNT Sports. 22 de dezembro de 2023 
  49. «Goleada do City contra o Fluminense iguala a maior em uma final do Mundial de Clubes». O Globo. 22 de dezembro de 2023 
  50. «Biografia: Guardiola odeia o tiki-taka, diz ser 'inútil' e que Barça não o utilizava». ESPN Brasil. 17 de outubro de 2014. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  51. «Barça de Guardiola, Ajax de Rinus, Real de Zidane: veja nove times em que o técnico foi um artista». ESPN Brasil. 3 de maio de 2018. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  52. Mateus Bunde (11 de julho de 2014). «Guardiola, o montador de campeões do mundo». Em Pauta. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  53. «A Copa de 2010 revolucionou o futebol. E agora, o que fica de 2014?». UOL. 14 de julho de 2014. Consultado em 27 de janeiro de 2023 
  54. Saura, David (7 de maio de 2012). «El Barça lleva cuatro años consecutivos dominando la possessión del balón». Web oficial F. C. Barcelona 
  55. Alex Sabino (11 de setembro de 2014). «A lógica de Mourinho: 'Guardiola é careca. Ele não gosta de futebol'». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  56. a b «Guardiola reclama do estilo que o fez triunfar no Barça: "Odeio o tiki-taka"». GloboEsporte.com. 6 de agosto de 2014. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  57. Melissa Reddy (10 de abril de 2022). «Pep Guardiola exclusive: Manchester City manger talks Liverpool match, Jurgen Klopp and his evolution as a manager» (em inglês). Sky Sports. Consultado em 13 de junho de 2023 
  58. a b Rory Smith (19 de outubro de 2016). «The Five Months in Mexico That Shaped Pep Guardiola's Philosophy»  (em inglês). The New York Times. Consultado em 13 de junho de 2023 
  59. Matt Gault (7 de janeiro de 2016). «Pep Guardiola: the thinker who reinvented the modern game» (em inglês). These Football Times. Consultado em 13 de junho de 2023 
  60. Duncan Tucker (30 de julho de 2016). «How a six-month spell in Mexico set Pep Guardiola on road to coaching greatness» (em inglês). The Guardian. Consultado em 13 de junho de 2023 
  61. Tom Marshall (10 de março de 2018). «Meet the man who inspires Guardiola and thinks soccer should be 10 vs. 10» (em inglês). ESPN. Consultado em 13 de junho de 2023 
  62. a b Sam Lee (17 de janeiro de 2021). «The evolution of Pep Guardiola, decade by decade»  (em inglês). The Athletic. Consultado em 13 de junho de 2023 
  63. Adam Bate (7 de fevereiro de 2021). «Pep Guardiola exclusive interview: Possession football is the secret of Man City's defensive success» (em inglês). Sky Sports. Consultado em 13 de junho de 2023 
  64. Philipp Lahm (28 de maio de 2021). «Manchester City and Chelsea continue to learn the lessons of Sacchi's revolution» (em inglês). The Guardian. Consultado em 13 de junho de 2023 
  65. Tales Torraga (11 de junho de 2023). «Por que os argentinos dizem que Guardiola é cria da sua escola de técnicos». UOL. Consultado em 1 de fevereiro de 2024 
  66. «Guardiola se inspira em Cruyff, mas ressalta: "Bielsa é quem mais admiro"». Metrópoles. 2 de outubro de 2020. Consultado em 13 de junho de 2023 
  67. «Guardiola, Josep Guardiola Sala» (em inglês). BDFutbol. Consultado em 28 de janeiro de 2023 
  68. «Diniz é eleito o 5º melhor técnico do mundo, Guardiola lidera e Abel fica fora do top 10; veja lista». Terra. 29 de dezembro de 2023. Consultado em 1 de fevereiro de 2024 
  69. «Greatest Managers, No. 18: Guardiola». ESPN. 7 de agosto de 2013. Consultado em 19 de março de 2019 
  70. a b «Manager Profile: Pep Guardiola» (em inglês). Site oficial da Premier League. Consultado em 25 de novembro de 2023 
  71. Jamie Rainbow (4 de julho de 2013). «The Greatest Manager of all time». World Soccer 
  72. Jamie Rainbow (2 de julho de 2013). «The Greatest XI: how the panel voted». World Soccer 
  73. «Top 50 des coaches de l'histoire». France Football. 19 de março de 2019 
  74. «Los 50 mejores entrenadores de la historia». FOX Sports. 19 de março de 2019 
  75. «Los 50 mejores entrenadores de la historia del fútbol» (em espanhol). ABC. 19 de março de 2019. Consultado em 27 de abril de 2023 
  76. «Josep Guardiola vence prémio de Treinador do Ano da UEFA no futebol masculino». UEFA.com. 31 de agosto de 2023. Consultado em 1 de fevereiro de 2024 
  77. «Globe Soccer Awards: Haaland é eleito melhor do mundo e Cristiano leva 3 troféus». Placar. 19 de janeiro de 2024 

Ligações externas editar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Josep Guardiola

Precedido por
Frank Rijkaard
Treinador do Barcelona
2008–2012
Sucedido por
Tito Vilanova
Precedido por
Jupp Heynckes
Treinador do Bayern de Munique
2013–2016
Sucedido por
Carlo Ancelotti
Precedido por
Manuel Pellegrini
Treinador do Manchester City
2016–
Sucedido por