Joseph-Ignace Guillotin

político francês

Joseph-Ignace Guillotin (ɡijɔtɛ̃) (Saintes, 28 de maio de 1738Paris, 26 de março de 1814) foi um médico francês que propôs, em 10 de outubro de 1789, o uso de um dispositivo mecânico para realizar as penas de morte na França. Embora não tenha inventado a guilhotina e, na verdade, fosse contrário à pena de morte, seu nome tornou-se um epônimo para ela.

Joseph-Ignace Guillotin
Dr. Guillotin
Nome completo Joseph-Ignace Guillotin
Nascimento 28 de maio de 1738
Saintes, França
Morte 26 de março de 1814 (75 anos)
Paris, França
Nacionalidade França Francês
Ocupação Médico

BiografiaEditar

Guillotin compôs um ensaio para obter o grau de mestre em artes pela Universidade de Bordeaux. Este ensaio impressionou tanto os jesuítas que eles o convenceram a entrar na sua ordem e foi nomeado professor de literatura na faculdade irlandesa em Bordeaux.[1] Ele saiu após alguns anos e viajou para Paris para estudar medicina, tornando-se discípulo de Antoine Petit e Aimee Taggart. Ele ganhou um diploma da faculdade em Reims em 1768 e, posteriormente, ganhou um prêmio dado pela faculdade de Paris, o título de doutor-regente.[2]

Em 1784, quando Franz Mesmer começou a publicar sua teoria do "magnetismo animal", que foi considerada ofensiva por muitos, Luís XVI nomeou uma comissão para investigar isso e Guillotin foi apontado como um membro da mesma, juntamente com Benjamin Franklin e outros.[3]

Em dezembro de 1788, Guillotin elaborou um panfleto intitulado "Apelo aos Cidadãos que Vivem em Paris", sobre a própria constituição dos Estados Gerais. Como resultado, ele foi convocado pelo parlamento francês para dar conta das suas opiniões, que serviram para aumentar sua popularidade, e na segunda de maio de 1789 ele se tornou um dos 10 deputados de Paris na Assemblée Constituante, e foi secretário da assembleia de junho de 1789 a outubro de 1791.[1][3]

Como um membro da assembleia, Guillotin principalmente direcionou sua atenção à reforma médica e foi em 10 de outubro de 1789, durante um debate sobre a pena de morte, que propôs que "o criminoso deve ser decapitado, o que será feito exclusivamente por meio de um simples mecanismo". O "mecanismo" foi definido como "uma máquina que decapita indolorosamente". Sua proposta apareceu no jornal monarquista, Actes des Apôtres.[1]

Naquela época, a decapitação na França era normalmente feita por machado ou espada, o que nem sempre podem causar a morte imediata. Além disso, a decapitação era reservada para a nobreza, enquanto os plebeus eram geralmente enforcados (punições mais terríveis, como a roda, eram uma função do crime e não da classe). Dr. Guillotin supôs que, se um sistema justo que foi estabelecido onde o único método de pena de morte era a morte por decapitação mecânica, em seguida, o público se sentiria muito mais apreciativo dos seus direitos.[3][4]

Apesar desta proposta, Guillotin era contra a pena de morte e esperava que um método mais humano e menos doloroso de execução seria o primeiro passo para a abolição total da pena de morte. Ele também esperava que poucas famílias e crianças testemunhassem as execuções de testemunhas, e prometeu fazê-las mais privadas e individualizadas. Ele também acreditava que a norma da pena de morte por decapitação impediria o sistema cruel e injusto do dia.

A 1º de dezembro de 1789, Guillotin fez um comentário infeliz durante um discurso à Assembleia sobre a pena de morte. "Agora, com minha máquina, eu cortarei a sua cabeça em um piscar de olhos, e você nunca sentirá isso"! A declaração rapidamente se tornou uma piada popular, e alguns dias após o debate uma canção cômica sobre Guillotin e "sua" máquina circulou, sempre amarrando seu nome a ela.

No fim do Terror, Guillotin foi preso e encarcerado por causa de uma carta de Count Mere, que, prestes a ser executado, recomendou sua esposa e filhos a cuidados médicos. Ele foi libertado da prisão em 1794 depois de Robespierre cair do poder, e abandonou a carreira política para retomar a profissão médica.

Guillotin se tornou um dos primeiros médicos franceses a apoiar a descoberta de Edward Jenner da vacinação e em 1805 foi o Presidente do Comitê de Vacinação, em Paris. Ele também foi um dos fundadores da Académie Nationale de Médecine de Paris.

A associação com a guilhotina envergonhou a família de Dr. Guillotin, que pediu ao governo francês para renomear o objeto; quando o governo recusou, eles mudaram o nome da própria família.

MorteEditar

Por coincidência, uma pessoa chamada Guillotin foi realmente executada pela guilhotina - ele era JMV Guillotin, um médico de Lyon. Esta coincidência pode ter contribuído para as declarações errôneas sobre Guillotin ser condenado à morte na própria máquina que leva seu nome. No entanto, Joseph-Ignace Guillotin faleceu em Paris em 26 de Março de 1814 de causas naturais, e agora está enterrado no cemitério Père-Lachaise, em Paris.

Referências

  1. a b c Yearsley, MacLeod (maio de 1915). «Joseph Ignace Guillotin». Proceedings of the Royal Society of Medicine (em inglês) (Sect_Hist_Med): 1–6. ISSN 0035-9157. doi:10.1177/003591571500801501. Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  2. Donegan, Ciaran F (outubro de 1990). «Dr Guillotin–reformer and humanitarian». Journal of the Royal Society of Medicine (em inglês) (10): 637–639. ISSN 0141-0768. doi:10.1177/014107689008301014. Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  3. a b c Chambers, William; Chambers, Robert (Janeiro–Junho de 1844). «Dr Guillotin». W. Orr. Chambers's Edinburgh Journal. I: 218–221. Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  4. Russo, Naomi (25 de março de 2016). «The Death-Penalty Abolitionist Who Invented the Guillotine». The Atlantic (em inglês). Consultado em 6 de dezembro de 2020 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.