Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2010). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Joseph Roth
Nascimento 2 de setembro de 1894
Brody, Império Austro-Húngaro (atual Ucrânia)
Morte 27 de maio de 1939 (44 anos)
Paris, França
Nacionalidade Áustria austríaco
Ocupação Escritor e jornalista
Magnum opus A marcha de Radetzky

Joseph Roth (Brody, 2 de setembro de 1894Paris, 27 de maio de 1939) foi um jornalista e escritor austríaco [1][2]. Moses Joseph Roth nasceu no extremo do Império Austro-Húngaro.

De origem judaica, estudou na Universidade de Viena e participou na I Guerra Mundial, essencialmente como jornalista. Depois da guerra, viajou por toda a Europa. Foi um grande cronista da República de Weimar – os tempos de crise que precederam a ascensão do nazismo na Alemanha. Nos artigos de Berlim, Roth regista o espectáculo da velha capital prussiana tomada de assalto por refugiados, autocarros e arranha-céus, transformando-se no epicentro da cruel história europeia que se seguiria.

Em 1932 publica a obra prima A Marcha Radetzky. Em 1933, emigra para França, onde publica Tarabas (1934), O Falso Peso (1937), O Anticristo (1934), A Confissão de um Assassino (1938) e, postumamente, A lenda do santo beberrão[3] (1939).

A sua vida torna-se cada vez mais difícil, entrega-se ao álcool e acaba por morrer em Paris, em 1939.

ObrasEditar

  • Das Spinnennetz (1923)
  • Hotel Savoy (1924)
  • Die Rebellion (1924)
  • April. Die Geschichte einer Liebe (1925)
  • Der blinde Spiegel (1925)
  • Juden auf Wanderschaft (1927; reportagem, não ficção)
  • Die Flucht ohne Ende (1927)
  • Zipper und sein Vater (1928)
  • Rechts und links (1929)
  • Der stumme Prophet (1929)
  • Hiob (1930)
  • Perlefter 1930
  • Marcha de Radetzky (Radetzkymarsch) (1932)
  • Der Antichrist (1934)
  • Tarabas (1934)
  • Die Büste des Kaisers) (1934; in The Collected Stories)
  • Beichte eines Mörders) (1936)
  • Die hundert Tage (1936)
  • Das falsche Gewicht (1937)
  • Die Kapuzinergruft (1938)
  • Die Legende vom heiligen Trinker (1939)
  • Die Geschichte von der 1002. Nacht (1939)[4]
  • Der Leviathan (1940)
  • What I Saw: Reports from Berlin, 1920-1933, trans. by Michael Hofmann, New York: W. W. Norton & Company (2002)and London: Granta Books (2003)
  • The Collected Stories of Joseph Roth, trans. by Michael Hofmann, New York: W. W. Norton & Company (2003)
  • The White Cities: Reports from France, 1925–39, trans. by Michael Hofmann,London: Granta Books (2004); issued in the United States as Report from a Parisian Paradise: Essays from France, 1925–1939, New York: W. W. Norton & Company (2004)
  • Joseph Roth: A Life in Letters, trans. and edited by Michael Hofmann, New York: W. W. Norton & Company (2012)
  • The Hotel Years, trans. and edited by Michael Hofmann, New York: New Directions (2015)

Referências

  1. Hughes, Jon (2015). «En memoria de Joseph Roth». Goethe-Institut. New Books in German (versión en español) (em espanhol) (37). Consultado em 3 de outubro de 2015. Arquivado do original em 4 de outubro de 2015 
  2. Krausz, Luis S. (2014). «Joseph Roth, tradutor do Império perdido». Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina. Cadernos de Tradução (Edição especial: Depois de Babel): 111-121. ISSN 2175-7968. Consultado em 3 de outubro de 2015 
  3. Roth, Joseph (2013). A lenda do santo beberrão. Tradução de Mario Frungillo. São Paulo: Estação Liberdade. 84 páginas. ISBN 8574482285  Parâmetro desconhecido |ano2= ignorado (|ano=) sugerido (ajuda)
  4. Nürnberger, Helmuth. Joseph Roth. Reinbek, Hamburg, 1981, p.152. ISBN 3-499-50301-8
 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Joseph Roth
  Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.