Abrir menu principal
Os representantes mais proeminentes da Jovem Alemanha.

Jovem Alemanha (em alemão: Junges Deutschland) foi um movimento de escritores alemães que existiu de 1830 até 1850. Foi essencialmente uma ideologia da juventude (similar para aquelas que tinham varrido a França, Irlanda, Estados Unidos da América e Itália). Entre seus principais defensores estavam Karl Gutzkow, Heinrich Laube, Theodor Mundt e Ludolf Wienbarg; Heinrich Heine, Ludwig Börne e Georg Büchner foram também considerados parte do movimento. O grupo mais amplo incluiu Willibald Alexis, Adolf Glassbrenner, Gustav Kühne, Max Waldau e Georg Herwegh.[1] O nome Jovem Alemanha apareceu pela primeira vez em Heinrich Laube, mas foi com Ludolf Wienbarg em Ästhetische Feldzüge ("Campanhas Estéticas"), de 1834, que o nome se tornou popular.[2]

Contra o espírito dominante do "absolutismo" na política e "obscurantismo" na religião, os escritores da Jovem Alemanha mantiveram os princípios da democracia, socialismo, e racionalismo. Entre as muitas coisas que eles defendiam estavam: separação entre Igreja e Estado, a emancipação dos judeus, bem como o aumento da posição política e social das mulheres. Durante um tempo de instabilidade política na Europa, a Jovem Alemanha foi considerada como perigosa por muitos políticos devido ao seu ponto de vista progressista. Durante dezembro de 1835, o Bundestag de Frankfurt baniu a publicação na Alemanha de muitos autores associados com o movimento, nomeadamente Heine, Gutzkow, Laube, Mundt, e Wienbarg. Em seus raciocínios, eles explicaram que os Jovens Alemães estavam tentando "atacar a religião cristã da maneira mais descarada, degradar as condições existentes e destruir toda a disciplina e moralidade com escritos beletrísticos acessíveis para todas as classes de leitores".[3]

A ideologia produziu poetas, pensadores e jornalistas, todos os quais reagiram contra a introspecção e particularismo do Romantismo na literatura nacional, qual tinha resultado em uma separação total da literatura das realidades da vida. O movimento romântico considerado apolítico, carente de ativismo que a intelligentsia florescente da Alemanha requeria. Como um resultado de décadas de frequência escolar obrigatória nos Estados alemães, a alfabetização em massa significava um excesso de homens educados que o estabelecimento não podia sustentar. Assim, na década de 1830, com a vantagem de prensas de impressão de baixo custo, houve uma corrida dos homens educados para as então chamadas "profissões liberais".

RepresentantesEditar

A decisão do Bundestag alemão em 10 de dezembro de 1835 chamou a "Jovem Alemanha ou a jovem literatura" de "escola literária" contando com a participação oficial de Heinrich Heine, Karl Gutzkow, Heinrich Laube, Ludolf Wienbarg e Theodor Mundt. Tal escola ou grupo, no entanto, nunca existiu. Estes autores eram vagamente conectados por seu compromisso liberal. Houve algumas observações a respeito da contribuição de Ludwig Börne nos termos do movimento. Entretanto, a historiografia literária mais tarde considerou estes seis autores como o núcleo do novo movimento alemão. Na área mais ampla inclui-se autores como Adolf Glassbrenner, Gustav Kühne e Max Waldau.

Mesmo Georg Büchner é repetidamente mencionado em conexão com a Jovem Alemanha. Ele se distancia da Jovem Alemanha em uma carta a sua família, de 1 de janeiro de 1836 em seu exílio em Estrasburgo ele escreveu:

Aliás, eu pertenço pela minha parte não à chamada Jovem Alemanha, o partido literário de Gutzkow e Heine. Apenas um completo ignorante de nossas relações sociais poderia fazer com que as pessoas acreditassem que uma transformação completa de nossas ideias religiosas e sociais através da literatura um dia seria possível.[4]

Não obstante, existe entre Büchner e os autores da Jovem Alemanha semelhanças substanciais, que são, principalmente, a revolta contra a restauração política. Além disso, Büchner representa uma literatura como a dos Jovens Alemães que rejeitam o idealismo da literatura clássica/de Schiller e a literatura do Romantismo. Büchner formulou essa poética em sua narrativa, Lenz, uma conversa artística entre Kaufmann e Lenz.

ObjetivosEditar

Juntos, os poetas da Jovem Alemanha enfrentaram a política restaurativa e reacionária de Metternich e dos príncipes da Confederação Germânica. Os Jovens Alemães pendiam para as liberdades democráticas, a justiça social e a superação de ideias religiosas e morais fora de moda. Rejeitaram o idealismo classicista e romântico como apolíticos e ultrapassados. Ambas as tendências literárias, na realidade, eram alheias à realidade e à vida. Para os Jovens Alemães, a literatura não podia ser elitista, mas sim chamar a atenção para os males sociais e políticos. Eles se viam como herdeiros dos líderes do Iluminismo e foram pioneiros literários da liberal-burguesa Revolução de Março de 1848–1849.

Ideologicamente os representantes da Jovem Alemanha foram afetados pela teoria da evolução de Hegel e pelo socialismo utópico de Saint-Simon. Para a política nacional foi desejada a união alemã sob a forma de uma república e superando assim o feudalismo.

Ao contrário de seus contemporâneos, como Georg Büchner ou a geração subsequente de poetas do Vormärz como Georg Herwegh, Ferdinand Freiligrath, Heinrich Heine e August Heinrich von Fallersleben, um golpe político não era primariamente pensado pelos Jovens Alemães. Em vez disso, era pensada uma nova sociedade liberal na qual a autoridade não mais deve ser aceita prontamente. Para eles a política era apenas uma área entre muitas, além da Moral, Religião e Estética.

BanimentoEditar

Por decisão do Bundestag de Frankfurt, em dezembro de 1835, foram proibidos os escritos do movimento com o nome "H. Heine", em todos os Estados da Confederação Germânica. A razão dada foi a que os Jovens Alemães tentaram "atacar a religião cristã da maneira mais descarada, degradar as condições existentes e destruir toda a disciplina e moralidade com seus escritos de ficção acessíveis a todas as classes de leitores".[3]

A razão da proibição provavelmente deu ao crítico literário e oponente da Jovem Alemanha, Wolfgang Menzel, um comentário mordaz no romance de Karl Gutzkow, Wally, die Zweiflerin ("Wally, o Cético"). Menzel queria que a sociedade reconhecesse os perigos da pornografia e blasfêmia. Heinrich Heine que nunca se sentiu pertencente a Jovem Alemanha, em seguida, atacou Menzel violentamente em sua obra Über den Denunzianten.

Outra razão para a proibição seja provavelmente a suspeita de que o movimento mantinha ligações com a sociedade secreta política-revolucionária estabelecida em 1834 chamada Jovem Alemanha. Tais compostos poderiam nunca ser ocupados, embora ambos os movimentos, em parte, prosseguissem objetivos semelhantes.

Jüngstes DeutschlandEditar

Baseado no movimento "Jovem Alemanha" da Vormärz, qual é considerado por muitos como um pioneiro para o subsequente naturalismo, foi cunhado pelos irmãos Heinrich e Julius Hart em 1878, a expressão "Jüngstes Deutschland", qual, entretanto, foi usada em parte por correntes anti-naturalistas.

Ver tambémEditar

Notas

  1. Junges Deutschland The Crystal Reference Encyclopedia (2005)
  2. Ludolf Wienbarg: Aesthetische Feldzüge. Dem jungen Deutschland gewidmet. Hoffmann und Campe, Hamburg 1834.
  3. a b «Auszug aus dem Verbotstext vom 10. Dezember 1835» 
  4. Georg Büchner: Werke und Briefe. Nach der historisch-kritischen Ausgabe von Werner R. Lehmann. Hanser, München 1980, ISBN 3-446-12883-2, S. 279

BibliografiaEditar

Em alemão:

  • Johann Jakob Honegger (1871). Grundstein einer Allgemeinen Culturgeschichte der Neuesten Zeit Band IV/V. Leipzig: J. J. Weber. p. 178–282 
  • Feodor von Wehl: Das Junge Deutschland. Ein kleiner Beitrag zur Literaturgeschichte unserer Zeit. Mit einem Anhange seither noch unveröffentlichter Briefe von Th. Mundt, H. Laube und K. Gutzkow. Hamburg: J.F. Richter, 1886.
  • Johannes Proelß: Das junge Deutschland. Ein Buch deutscher Geistesgeschichte. Stuttgart: Cotta, 1892.
  • Ludwig Geiger: Das junge Deutschland. Studien und Mitteilungen. Berlin: Schottlaender, [1907].
  • Heinrich Hubert Houben: Jungdeutscher Sturm und Drang. Ergebnisse und Studien. Leipzig: Brockhaus, 1911.
  • Jost Hermand (Hg.): Das Junge Deutschland. Texte und Dokumente. Reclam, Stuttgart 1966 u.ö. (= RUB 8795), ISBN 3-15-008703-1.
  • Alfred Estermann (Hg.): Politische Avantgarde 1830–1840. Eine Dokumentation zum „Jungen Deutschland“. 2 Bde. Frankfurt a.M.: Athenäum, 1972.
  • Walter Hömberg: Zeitgeist und Ideenschmuggel. Die Kommunikationsstrategie des Jungen Deutschland. Stuttgart: Metzler, 1975. ISBN 3-476-00302-7.
  • Wulf Wülfing: Junges Deutschland. Texte – Kontexte, Abbildungen, Kommentar. Carl Hanser, München 1978 (Reihe Hanser 244), ISBN 3-446-12490-X.
  • Manfred Schneider: Die kranke schöne Seele der Revolution. Heine, Börne, das Junge Deutschland, Marx und Engels. Athenaeum, Bodenheim 1980.
  • Hartmut Steinecke: Literaturkritik des Jungen Deutschland. Entwicklungen – Tendenzen – Texte. Erich Schmidt, Berlin 1982, ISBN 3-503-01682-1.
  • Wulf Wülfing: Schlagworte des Jungen Deutschland. Mit einer Einführung in die Schlagwortforschung. Erich Schmidt, Berlin 1982 (Philologische Studien und Quellen 106), ISBN 3-503-01661-9.
  • Helmut Koopmann: Das Junge Deutschland. Eine Einführung. Wiss. Buchgesellschaft, Darmstadt 1993, ISBN 3-534-08043-2.
  • Takanori Teraoka: Stil und Stildiskurs des Jungen Deutschland. Hamburg: Hoffmann u. Campe, 1993. (Heine-Studien.) ISBN 3-455-09920-3.
  • Lothar Ehrlich, Hartmut Steinecke, Michael Vogt (Hgg.): Vormärz und Klassik. Aisthesis, Bielefeld 1999 (Vormärz-Studien I), ISBN 3-89528-184-0.
  • Wolfgang Bunzel, Peter Stein, Florian Vaßen (Hgg.): Romantik und Vormärz. Zur Archäologie literarischer Kommunikation in der ersten Hälfte des 19. Jahrhunderts. Aisthesis, Bielefeld 2003 (Vormärz-Studien X), ISBN 3-89528-391-6.

Ligações externasEditar