Abrir menu principal

Jules Dumont d'Urville

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jules Dumont d'Urville
Nascimento 23 de maio de 1790
Condé-sur-Noireau
Morte 8 de maio de 1842 (51 anos)
Meudon
Sepultamento Cemitério do Montparnasse
Cidadania França
Cônjuge Adèle Dumont D'Urville
Alma mater Universidade de Caen
Ocupação explorador, botânico, militar, cartógrafo
Prêmios Cavaleiro da Legião de Honra, Grande Medalha de Ouro das Explorações
Causa da morte Acidente ferroviário de Versalhes

Jules Sébastien César Dumont d'Urville (Condé-sur-Noireau, 23 de maio de 1790Meudon, 8 de maio de 1842) foi um oficial naval e explorador francês que viajou pelo sul e oeste do Pacífico, Austrália, Nova Zelândia e Antártica.[1][2]

BiografiaEditar

Em 1812, após entrar para a Marinha francesa, Dumont aperfeiçoou seu conhecimento cultural: falava já Latim e Grego e aprendeu inglês, alemão, italiano, russo, chinês e hebreu. Durante suas viagens pelo Pacífico, graças a sua prodigiosa memória, aprendeu um grande número de dialetos locais. Na Marinha, também aprendeu botânica e entomologia.

Fez sua primeira viagem de navegação no Mar Mediterrâneo, em 1814. Um ano depois, se casou com Adèle Dorothée Pepin, com o qual teve quatro filhos - nenhum dos quais sobreviveu até a vida adulta. Em 1819, Dumont d'Urville partiu, com o navio Chevrette, para as Ilhas Gregas. Enquanto estava na ilha de Milo, um representante francês local falou para ele sobre a descoberta, feita por um camponês local, de uma estátua de mármore alguns dias antes. A estátua, agora conhecida como A Vênus de Milo, é uma obra-prima, feita no ano 130 AC. Dumont reconheceu seu valor e teria a dquirido imediatamente, não fosse o comandante do navio ter dito que não havia espaço dentro da embarcação para caregá-la. Dumont então escreveu para o Embaixador francês em Constantinopla para convencê-lo de comprar a estátua. Enquanto isso, o camponês já tinha vendido a Vênus para um padre, Macario Verghis, que tinha a intenção de presenteá-la para um sultão de Constantinopla. O embaixador francês chegou bem a tempo de convencer os chefes da ilha a anular a compra. Isso fez com que Dumont recebesse o título de Chevalier (Cavaleiro) da Legião de Honra e uma promoção para tenente.

Em 1822, Dumond e outro tenente, Louis Isidore Duperrey, começaram a planejar uma expedição para explorar o Pacífico, uma área na qual a França tinha sido expulsa durante as Guerras Napoleônicas. René-Primevère Lesson, médico e naturalista, também estava na expedição. Eles voltaram para a França em março de 1825 e trouxeram uma grande coleção de animais e plantas das Ilhas Malvinas, das costas do Chile e peru e de vários arquipélagos do Pacífico, Nova Zelândia, Nova Guiné e Austrália. Trouxeram também uma impressionante coleção de plantas e insetos desconhecidos.

Dois meses depois, Dumont apresentou ao Ministério Naval um plano para uma nova expedição pelo Pacífico, que ele esperava agora comandar. A proposta foi aceita e o navio foi rebatizado Astrolabe. Partiu de Toulon e viajou por todo o Oceano Pacífico, Austrália e epal Polinésia, que Dumond separou em Micronésia e melanésia. A expedição trouxe uma enorme quantidade de informações científicas. Em 1830, o navio, em uma segunda missão, chega à Antártica. Em 25 de fevereiro do mesmo ano, descobriram o Pólo Sul Magnético.

Ao voltar para a França, em 1841 e 1854, lançou livros com o relato de suas viagens, em 24 volumes. Em Maio de 1842, ele e sua família morreram em um acidente de trem perto de Versalhes. A estação francesa de exploração na Antártica é chamada de Estação Dumont d'Urville. Os nomes de algumas regiões descobertas por d'Urville foram dados pelo explorador: Terra Adélia na Antártida e Ilha Pepin na Nova Zelândia derivam da esposa Adèle Pepin, enquanto Croisilles Harbour na região neozelandesa de Nelson vem de sua mãe, Jeanne Françoise Julie Victoire de Croisilles.

Referências

  1. Story: Dumont d'Urville, Jules Sébastien César
  2. Edward Duyker, Dumont d’Urville: Explorer and Polymath, Otago University Press, Dunedin, 2014, pp. 671, ISBN 978 1 877578 70 0, University of Hawai’i Press, Honolulu, 2014, ISBN 9780824851392.