Juncaginaceae

Juncaginaceae é uma família de plantas pertencente à ordem Alismatales. São ervas aquáticas, anuais ou perenes, não laticíferas, hermafroditas com caules rizomatosos. Possuem folhas basais, lineares, sésseis, invaginantes na base e escamas intravaginais presentes.

Como ler uma infocaixa de taxonomiaJuncaginaceae
Triglochin palustris
Triglochin palustris
Classificação científica
Reino: Chlorobionta
Divisão: Chlorophyta
Classe: Embryopsida
Subclasse: Magnoliidae
Ordem: Alismatales
Família: Juncaginaceae
Gêneros
Triglochin

Lilaea

Cycnogeton

Tetroncium

Atualmente possui quatro gêneros, sendo que anteriormente o gênero Maundia estava  dentro da família Juncaginaceae, posteriormente sendo retirado no APG IV (2016) .

Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Juncaginaceae

MorfologiaEditar

As plantas da família Juncaginaceae são caracterizadas como ervas aquáticas, com  ciclo de vida anual ou perene. São hermafroditas, monoicas ou dioicas. Apresentam folhas simples, com filotaxia do tipo alterna dística, ou seja, as folhas estão inseridas em nós ao longo do ramo, em um único plano. Lígula frequentemente presente no ápice da bainha. Possui caule do tipo rizoma, subterrâneo, cilíndrico e curto. Sua inflorescência se dá em formato de espiga ou racemo, também chamado de cacho.

Apresenta flores uni ou bissexuais, pequenas, anemófilas (polinizadas pelo vento) e em sua maioria actinomorfas, ou seja, com simetria radial. No entanto, também podem ser zigomorfas, com simetria bilateral. Tépalas (0-)1-6, organizadas em 1 ou 2 séries, quando em 1 série, com 1 tépala adnata à antera, quando em 2 séries, cada série com 3 tépalas livres. Ovário súpero, 1-2-4 locular, 1-6 carpelar, geralmente uniovulado.

Seus carpelos são livres ou conados, com placentação basal (óvulo na base do ovário). Os estiletes podem ser curtos, longos, filiformes ou ausentes; estigmas papilosos ou fimbriados, estames epipétalos férteis ou abortivos, 1, 4 ou 6, sésseis ou subsésseis, anteras rimosas, basifixas, sésseis ou subsésseis, adnatas à base das tépalas, gineceu apocárpico 1, 3 ou 6-carpelar.  Seu fruto pode ser do tipo folículo, aquênio ou núcula, com semente solitária, linear ou ovoide, sem a presença de endosperma.

Diversidade taxonômicaEditar

Triglochin

Lilaea

Cycnogeton

Tetroncium


Anteriormente, o gênero Maundia estava contido na família Juncaginaceae, colocado pelo APG II(publicado em 2003). Durante o APG III (2009), sugeriu-se a necessidade da divisão de Maundia em sua própria família monogenérica, Maundiaceae, por conta de sua relação não exclusiva com Juncaginaceae. posteriormente a criação dessa família monogenérica ocorreu no APG IV (2016), deixando apenas quatro gêneros em Juncaginaceae:Triglochin ,Cycnogeton, Tetroncium e Lilaea.

Triglochin é um gênero descrito por Carl Linnaeus em 1753, possuindo vasta distribuição em todos os continentes exceto Antártida.

Cycnogeton é um gênero primeiramente descrito como gênero em 1838, sendo nativo da Austrália e Nova Guiné.

Tetroncium, originalmente descrito em 1808, contém apenas uma espécie conhecida, Tetroncium magellanicum.Esta planta recebeu o termo ”magellanicum” pois em sua descrição original foi apresentada uma amostra identificada próxima ao Estreito de Magalhães .

Possuindo apenas uma espécie(Lilaea scilloides), a taxonomia do gênero Lilaea está em debate, sendo que alguns autores atribuem o gênero a uma família própria denominada Lilaeaceae.

Relações filogenéticasEditar

Juncaginaceae é uma família pertencente ao reino Chlorobionta, divisão Chlorophyta, classe Embryopsida, subclasse Magnoliidae.

Esta família está contida na ordem das Alismatales, totalizando 14 famílias: Alismataceae, Aponogetonaceae, Araceae, Butomaceae,Cymodoceaceae, Hydrocharitaceae, Juncaginaceae, Maundiaceae, Posidoniaceae, Potamogetonaceae, Ruppiaceae, Scheuchzeriaceae, Tofieldiaceae, Zosteraceae.

 
Cladograma de Alismatales

Listas de espécies brasileirasEditar

Pertencendo ao gênero Triglochin, a espécie Triglochin striata é caracterizada por ervas com altura variando entre 18 e 32 cm, ápice agudo, venação paralelinérvea. Seus pedicelos variam  de 1,5 mm a 2 mm. Flores esverdeadas, sem a presença de brácteas. Ovário 6-carpelar, 3 férteis alternando com 3 estéreis; estigmas fimbriados. Fruto subgloboso e semente ovoide.

Lilaea scilloides é uma espécie classificada dentro do gênero Lilaea. No entanto, não há um consenso sobre a taxonomia desse grupo de plantas, com alguns autores a classificando dentro de uma família própria chamada Lilaeaceae. É uma espécie nativa das Américas, também podendo ser encontrada como uma espécie introduzida em outros lugares, como a Austrália.

 
Lilaea scilloides
 
Triglochin striata

Domínios e estados de ocorrência no BrasilEditar

No Brasil há ocorrência de dois gêneros e duas espécies, distribuídos pelo Sul, sudeste e centro-oeste do país.

A espécie Triglochin striata tem sua ocorrência no Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, sendo restrita às restingas, associada à Cyperaceae.

Há também a ocorrência de indivíduos da espécie Lilaea scilloides, do gênero Lilaea, entretanto não é endêmica do Brasil.

A espécie é conhecida somente por uma coleção em território nacional, realizada há mais de 60 anos por B. Rambo, encontrada em campos alagados e associada ao domínio dos Pampas, no Estado do Rio Grande do Sul.

 
Distribuição geográfica de Juncaginaceae

GaleriaEditar

ReferênciasEditar

Souza & Lorenzi 2008; Simpson 2010; Judd 2009

CNCFlora. Lilaea scilloides in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Disponível em <http://cncflora.jbrj.gov.br/portal/pt-br/profile/Lilaea scilloides>. Acesso em 31 março 2022.

Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo / Coordenação de Maria das Graças Lapa Wanderley, George John Shepherd, Ana Maria Giulietti. – São Paulo : FAPESP: HUCITEC, 2002.

Haynes, R.R.; Les, D.H. & Holm-Nielsen, L.B. 1998. Juncaginaceae In: Kubitzki, K.; Huber, H.; Rudall, P.J.; Stevens, P.S. & Stützel, T. The families and genera of vascular plants. Vol. 4. Springer-Verlag, Berlin. Pp. 260-263.

Kirizawa, M. 2000. Juncaginaceae In: Melo, M.M.R.F. et alVol. 7. Flora Fanerogâmica da Ilha do Cardoso. Instituto de Botânica, São Paulo. Pp. 71-73.

Pansarin, E.R. & Amaral, M.C.E. 2003. Juncaginaceae In: Wanderley, M.G.L.; Shepherd, G.J.; Giulietti, A.M. & Melhem, T.A. Flora Fanerogâmica do estado de São Paulo. Instituto de Botânica, São Paulo. Vol. 2, pp. 129-130.

Schoch CL, et al. NCBI Taxonomy: a comprehensive update on curation, resources and tools. Database (Oxford). 2020: baaa062. PubMed: 32761142 PMC: PMC7408187.

MERING, Sabine von; KADEREIT, Joachim W. Phylogeny, Systematics, and Recircumscription of Juncaginaceae – A Cosmopolitan Wetland Family. Juncaginaceae, Instituto de botânica especial e Jardim botânico, Universidade Johannes Gutenberg de Mainz, Alemanha, p. 56-59, 4 set. 2010.

Wikipedia contributors. (2021, March 7). Lilaea scilloides. In Wikipedia, The Free Encyclopedia. Retrieved 11:56, March 31, 2022,from https://en.wikipedia.org/w/index.php?title=Lilaea_scilloides&oldid=1010805455

ALISMATALES. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation, 2021. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Alismatales&oldid=60997611>. Acesso em: 24 abr. 2021.

Juncaginaceae in GBIF Secretariat (2021). GBIF Backbone Taxonomy. Checklist dataset https://doi.org/10.15468/39omei accessed via GBIF.org on 2022-03-31.

de Vienne DM (2016) Lifemap: Exploring the Entire Tree of Life. PLOS Biology 14(12):e2001624. https://doi.org/10.1371/journal.pbio.2001624"

https://www.scielo.br/j/rod/a/LkKcHN3DnptvqFNXtBDdLsP/?lang=pt&format=pdf

Watson, L., and Dallwitz, M.J. 1992 onwards. The families of flowering plants: descriptions, illustrations, identification, and information retrieval. Version: 27th March 2022. http://www1.biologie.uni-hamburg.de/b-online/delta/angio/www/juncagin.htm

von Mering S, Kadereit JW. Phylogeny, biogeography and evolution of Triglochin L. (Juncaginaceae)--morphological diversification is linked to habitat shifts rather than to genetic diversification. Mol Phylogenet Evol. 2015 Feb;83:200-12. doi: 10.1016/j.ympev.2014.10.014. Epub 2014 Nov 13. PMID: 25450100.

  Este artigo sobre monocotiledóneas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.