Abrir menu principal

O, ou a, KGB foi a principal organização de serviços secretos da União Soviética, que desempenhou as suas funções entre 13 de março de 1954 e 6 de novembro de 1991[1]. a sigla vem da língua russa – КГБ - Комитет государственной безопасности СССР ? · ficheiro – que pode ser literalmente traduzido como "Comité de Segurança do Estado".

Комитет государственной безопасности

Emblema KGB.svg
Organização
Missão Serviço de inteligência
Dependência União das Repúblicas Socialistas Soviéticas União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
Chefia Ivan Serov (1954-1958)
Yuri Andropov (1967-1982)
Viktor Tchebrikov (1982-1988)
Localização
Sede Moscou, Distrito Federal Central
 União Soviética
Histórico
Criação 13 de Março de 1954
Extinção 6 de Novembro de 1991(Reativado em 1995)
Sucessor FSB e SVR

O domínio de atuação do KGB, durante a Guerra Fria, era uma combinação de operações secretas no estrangeiro unificadas às funções de uma polícia federal. Após a dissolução da União Soviética, o serviço de inteligência foi desmembrado em dois: o Serviço Federal de Segurança da Federação Russa (FSB), na segurança doméstica, e o Serviço de Inteligência Estrangeiro (SVR), no plano externo.

A União Soviética teve, desde sempre, uma polícia política muito poderosa, que esteve sempre presente em todas as etapas da sua evolução social, independentemente de qual fosse o regime instituído. Em algumas épocas, a atuação era mais intensa no interior da sociedade; em outros momentos, o serviço secreto priorizava a recolha de informação e operações nos países estrangeiros, o que provocou diversas mudanças nestas instituições.

O KGB surgiu com o final da Segunda Guerra Mundial, no período da Guerra Fria, com o colapso do então serviço secreto NKVD, apesar de suas origens remontarem a antes da Revolução de 1917, quando Félix Dzerjinsky fundou o grupo paramilitar denominado Tcheka — a instituição que seria a matriz de todos os serviços secretos da URSS.

O KGB era uma polícia secreta e política que não tinha equivalente no mundo, porque se situava num nível completamente diferente dos outros serviços secretos, pois constituía igualmente um ministério. Dispunha de trezentos mil associados, blindados, caças e barcos, sendo uma organização militar totalmente independente das Forças Armadas.

A organização compreendia 5 direções-gerais. A primeira direcção, a mais importante, incluía a subdirecção dos ilegais (agentes que viviam no estrangeiro sob uma falsa identidade), a subdirecção científica e técnica, um serviço de contra-espionagem, serviço de acção e um serviço dos negócios sujos (assassinatos, atentados, sequestros, bombas). A segunda e terceira direcções-gerais eram encarregadas da informação, vigilância e da segurança interna, a quarta dos guardas da fronteira e a quinta, das escolas, que são muitas e variadas.

Índice

HistóriaEditar

Com o fortalecimento dos bolcheviques nos anos que antecediam a Revolução de 1917, houve a necessidade de criar uma organização que pudesse defender os interesses do governo revolucionário contra os monarquistas. Assim, ocorreu a criação da Tcheka, que investigava monarquistas e aumentou o domínio do exército rebelde.

Com a vitória dos bolcheviques na revolução e a consolidação da URSS, este grupo então se vinculou ao estado, sob a sigla OGPU, e pretendia defender a revolução através do fuzilamento de políticos inimigos e desafetos do regime, como Leon Trótski.

Com o início da Segunda Guerra Mundial, surge o NKVD — um serviço secreto que tinha como centro de suas operações os territórios além das fronteiras, e que atuava por meio de sabotagens e execuções.

Em 1954, com a reestruturação do país após a guerra e o início da Guerra Fria, nasce finalmente o KGB, criado como uma força a se opor aos movimentos ocidentais, que com toda a força procuravam expandir as influências norte-americanas aos países que se libertaram do fascismo, e ao mesmo tempo combater guerrilhas de trotyskistas.

DiretoriasEditar

Diretoria Operações
(1ª) Operações Estrangeiras Responsável pelas operações estrangeiras.
(2ª) Contra-inteligência Contra-inteligência e controle político de cidadãos e estrangeiros da União Soviética.
(3ª) Forças Armadas Responsável pela contra-informação militar e a fiscalização política das Forças Armadas.
(4ª) Segurança do Transporte Responsável pela segurança do transporte.
(5ª) Diretoria Z Combate à dissidência política, artística e religiosa, responsável pela censura.
(6ª) Contra-Inteligência Econômica Responsável pela segurança industrial, e contra-inteligência econômica.
(7ª) Fiscalização Responsável por fiscalizar os cidadãos e os processos de cidadania.
(8ª) Monitoramento Responsável pelo monitoramento, comunicação, pesquisa e desenvolvimento nacionais e estrangeiros.
(9ª) Guarda Responsável pela segurança dos membros do Presidium e suas famílias, e pela operação da linha VIP do metrô de Moscou, que liga o Kremlin aos quartéis do FSB e ao aeroporto Vnukovo. Mais tarde, se tornaria o FPS, sob a gestão de Boris Iéltsin.
(15ª) Manutenção Responsável pela guarda de propriedade governamental, como zonas, edifícios restritos e instalações perigosas.
(16ª) Interceptação Responsável pela interceptação de informações nos meios de comunicação, controle dos telefones e telégrafos.
Fronteiriça Responsáveis pela guarda da fronteira da União Soviética, contavam com os mais variados recursos — terrestres, aéreos e marítimos, além de mais de 245 mil agentes disponíveis.
Tecnológica Responsáveis pela pesquisa e desenvolvimentos de tecnologias usadas em operações de espionagem, desde o aprimoramento de armamentos ao desenvolvimento de substâncias químicas mortíferas ou não.

Seções IndependentesEditar

O KGB também possuía seções independentes:

  • Departamento pessoais do KGB;
  • Secretariado do KGB;
  • Equipe de funcionários de suporte laboratorial do KGB;
  • Departamento de finanças do KGB;
  • Arquivo do KGB;
  • Departamento de administração do KGB;
  • Comitê do PCUS.

Números da KGBEditar

Mikhail Ivanovich Filonenko que, de 1954 a 1960, junto com sua esposa Anna Feodorovna Filonenko-Kamaeva, foi espião da KGB no Brasil.[2] [3] [4]
O atual presidente da Rússia, Vladimir Putin, visto aqui numa fotografia (c. de 1980) com uniforme do KGB, afirmou:
ex-KGB é coisa que não existe. [5]

Das memórias de um ex-KGB, Presidente Vladimir Bakatin que em 1991 o número de agentes da KGB eram cerca de 480 000 pessoas, entre elas:

  • 220 000 pessoas - soldados de tropas de fronteira da KGB;
  • 50 000 pessoas - as tropas de comunicações do governo;
  • 3 divisões de tropas aerotransportadas e uma brigada de infantaria separada (janeiro 1991) - 23 767;
  • SPN unidades KGB - cerca de 1000 pessoas.

Como apontado em Bakatin, 180 000 funcionários foram oficiais da KGB , 90 000 funcionários trabalharam na República da KGB. Pessoal operacional contados em cerca de 80 000 pessoas.

Emissário do aparelho KGB consistia de cerca de 260 000 policiais disfarçados, e todos os registros de vários negócios operacionais foram de 10 008 pessoas. O aparelho consistia de agentes de ambos os cidadãos soviéticos e estrangeiros (a partir do relatório "Sobre a atividade da KGB da URSS" em 1968).

Operações EspeciaisEditar

O KGB atuava junto a diversos grupos de operações especiais representantes do Spetsnaz, existentes na URSS e Rússia, através do OMSDON, entre eles se destacava o Grupo Alfa, uma unidade especial Antiterror, que teve muita importância no combate aos extremistas islâmicos, durante a intervenção no Afeganistão, em 1979, e durante os conflitos na Chechênia, nos anos 1990, e que continuam atuando contra rebeldes chechenos.

O Vympel também atuava junto ao KGB, sendo uma organização especializada em infiltração e sabotagem, atuava principalmente no Oriente Médio e Ásia, durante as décadas de 1970 e 1980.

A Guarda do Kremlin, apesar de fazer parte da 9ª Diretoria, era praticamente uma organização independente, responsável pela escolta do Presidium, tanto que após a desintegração da URSS, o serviço se transformou no FPS — uma organização desvinculada do serviço secreto, de fato.

Cooperação de outros serviços de inteligênciaEditar

A KGB contava com o auxílio de serviços de inteligência dos países na esfera de influência do bloco comunista.

Sob orientação soviética, a Securitate (da Romênia), esteve encarregada de diversas operações no oriente médio.[6]

Em conjunto com a StB [7] (serviço secreto da Tchecoslováquia), a inteligência soviética teve sucesso em infiltrar seus agentes de influência na América latina (ver: Ladislav Bittman). Países como Argentina, Brasil, Chile, México, Uruguai e outros foram alvo de ações objetivando a consolidação da influência político-ideológica soviética para fins de subversão com uso intensivo de desinformação e manipulação da mídia.[8] O arquivo da StB, atualmente sob a guarda do Instituto para o Estudo dos Regimes Totalitários [9] e, posto em domínio público pelo governo da República Tcheca, comprova a ação conjunta da KGB/StB na América latina.[10] Segundo O Arquivo Mitrokhin, em 1974 a KGB chegou a ter 14 agentes em Portugal, baseados em Lisboa.[11] E, na década de 1980, o Brasil era considerado um dos quatro "alvos prioritários" da KGB no continente americano.[12]

Políticos da Lituânia manifestaram o temor de que lituanos ligados a KGB, no período em que o país foi uma república soviética, ainda estejam associados aos atuais serviços de inteligência russos.[5] O governo da Lituânia divulgou uma lista [13] [14] com os nomes de 238 cidadãos do país que que colaboraram com a KGB durante a Guerra Fria.[15]

Sucessões e RemanescentesEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. [1] - O FSB é agora mais poderoso que o KGB, Público, (português europeu) consultado em 14 de Abril 2018|
  2. Ruspred - ЛЮДИ ИЗ ЧИСТОЙ СТАЛИ ("Pessoas de puro aço"). Vladimir Antonov, Fevereiro de 2003, (em russo) Acessado em 25/06/2016.
  3. X-Libri (em russo) Acessado em 25/06/2016.
  4. The Mitrokhin Archive: The KGB in Europe and the West. Autores: Christopher Andrew & Vasili Mitrokhin. Penguin UK, (especificar página(s) 2015, (em inglês) ISBN 9780141966465 Adicionado em 25/06/2016.
  5. a b Vox Europ - O KGB ainda mexe! Acessado em 18/08/2014.
  6. Da Rússia, com terror (From Russia, with terror). Entrevista do dissidente Ion Mihai Pacepa concedida a Jamie Glazov em 1 de Março de 2004. Link 1: Front Page Magazine Arquivado em 5 de junho de 2014, no Wayback Machine. (em inglês) Link 2: Fatos em Foco Brasil Arquivado em 5 de junho de 2014, no Wayback Machine. (em português) Acessado em 18/08/2014.
  7. StB, (em tcheco): Státní bezpečnost, (em eslovaco): Štátna bezpečnosť ("Segurança Estatal"). Adicionado em 18/08/2014.
  8. The KGB and Soviet Disinformation: An Insider's View. Ladislav Bittman, Pergamon-Brassey's International Defense Pub., 1985. ISBN 9780080315720 (em inglês) Adicionado em 18/08/2014.
  9. Instituto para o Estudo dos Regimes Totalitários da República Tcheca Link 1 Arquivado em 15 de setembro de 2014, no Wayback Machine. (em tcheco) e Link 2 (em inglês) Acessado em 18/08/2014.
  10. Arquivo dos Serviços de Segurança Link 1 Arquivado em 27 de janeiro de 2015, no Wayback Machine. (em tcheco) e Link 2 (em inglês). Acessado em 18/08/2014.
  11. Expresso - KGB tinha 14 espiões em Lisboa. Miguel Cadete, 12 de Março de 2016. Acessado em 16/09/2017.
  12. Zero Hora - Jornalista português comenta ligação de Josué Guimarães com a KGB soviética. Entrevista de Paulo Anunciação concedida a Alexandre Lucchese, 21 de Julho de 2016. Acessado em 16/09/2017.
  13. História Viva Arquivado em 19 de agosto de 2014, no Wayback Machine. - Uma lista de agentes da KGB. Acessado em 18/08/2014.
  14. História Viva. «Uma lista de agentes da KGB». Consultado em 14 de julho de 2017 
  15. KGB Veikla (em lituano) Acessado em 18/08/2014.

Ligações externasEditar