Abrir menu principal

Kommando Spezialkräfte

(Redirecionado de KSK)
Kommando Spezialkräfte
COA KSK.svg
País  Alemanha
Estado Bade-Vurtemberga
Subordinação Division Schnelle Kräfte (Bundeswehr).svgDivisão de Forças Rápidas
Tipo de unidade Grande Comando
Sigla KSK
Criação 20 de setembro de 1996[1]
Lema Facit Omnia Voluntas (A vontade é decisiva)
Comando
Comandante Brigadegeneral Alexander Sollfrank[2]
Sede
Guarnição Calw
Bairro Graf-Zeppelin-Kaserne
Endereço Graf-Zeppelin-Straße 22
Mapa da área de atuação
Mapa do KSK

O Kommando Spezialkräfte (Comando de Forças Especiais) (KSK) é uma unidade de operações especiais das Bundeswehr da Alemanha. O KSK é um grande comando militar no nível brigada com o uso principal do reconhecimento, antiterrorismo, resgate, evacuação e salvamento, comando guerra e assessorado militar. As tropas da KSK são sob a autoridade da Division Schnelle Kräfte - DSK, (Divisão de Forças Rápidas), e está estacionado no quartel no Graf-Zeppelin-Kaserne em Calw.[3] O atual comandante é o Brigadeiro General Josef Heinz Feldmann.

Índice

OrigemEditar

Criado entre 1994 e 1995, aproximadamente 20 soldados foram treinados no outono de 1996, e a unidade estava completamente operacional em abril de 1997. De acordo com relatórios, o impacto de ver 11 cidadãos alemães serem salvos por forças estrangeiras (pára-quedistas belgas e franceses) em Ruanda em 1994, porque não havia nenhuma unidade alemã capaz de realizar tal operação foi o principal fator para se criar o KSK. Para completar o seu efetivo foram retiradas uma Companhia de Comandos de cada uma das três brigadas aeroterrestres, juntamente com o reforço das 2 Companhias de Reconhecimento de Longo Alcance (a 3ª foi desmobilizada). A unidade planeja ser completamente operacional quanto atingir a dotação de 1.000 operadores completamente treinados.

OrganizaçãoEditar

O KSK integra-se na estrutura da Bundeswehr e é uma unidade do exército regular.

O corpo principal da KSK é dividido em Forças de Emprego, Forças de Apoio e um Grupo de Desenvolvimento .

O KSK tem uma força nominal de cerca de 1.100 soldados. A maioria deles é implantada no setor de apoio, pessoal ou telecomunicações, o que deve garantir apoio logístico, suporte à liderança e prontidão operacional da organização. . As forças reais de comando são uma pequena parte que só pode operar e funcionar com a ajuda dessas forças de apoio. O número exato de comandos operacionais (oficiais e sargentos comandos) é secreto. De acordo com a imprensa, diz-se estar entre 400 e 500 comandos, um número que, no entanto, nunca foi alcançado devido à falta de candidatos qualificados.[4]

O Grupo de Desenvolvimento (Bereich Weiterentwicklung - BerWEntwg) é responsável pela análise de necessidades, desenvolvimento, aquisição e introdução de material de defesa do KSK, fazendo propostas para iniciativa e conduz julgamentos. Ele está envolvido na criação e atualização conceitual de procedimentos operacionais, futuras técnicas operacionais, regulamentos, documentos básicos e aquisição e introdução de equipamentos. Ele identifica as necessidades materiais e garante sua cobertura, como armas, explosivos e detonadores, dispositivos ópticos e optoeletrônicos, sistemas de pára-quedas, dispositivos de comunicação e roupas pessoais. No geral, o KSK tem mais de 20.000 suprimentos diferentes, muitos dos quais são feitos sob medida. Estes são mais equipamentos diferentes do que uma divisão inteira do exército com cerca de 9.000 homens . O BerWEntwg é dividido em três departamentos separados, "concepção", "equipamento" e "treinamento". Aqui servem principalmente engenheiros graduados, especialistas técnicos e veteranos particularmente experientes das companhias operacionais, que em parte, geralmente por razões de saúde não têm mais o "estado de prontidão de combate".

EstruturaEditar

O Kommando Spezialkräfte organiza-se em:

 
Stab Kommando Spezialkräfte (Comando do Comando de Operações Especiais), Calw
 
Psychologischer Dienst KSK (Serviço de Operações Psicológicas), Calw
 
Sprachendienst (Serviço Linguístico)KSK, Calw
 
Bereich Weiterentwicklung (Grupo de Desenvolvimento), Calw
Einsatzkräfte (Forças de Emprego)
 
1. Kommandokompanie (1ª Companhia de Comandos), Calw
 
2. Kommandokompanie (2ª Companhia de Comandos), Calw
 
3. Kommandokompanie (3ª Companhia de Comandos), Calw
 
4. Kommandokompanie (4ª Companhia de Comandos), Calw
 
Spezialkommandokompanie (Companhia Especial de Comandos)KSK, Calw
 
Ausbildungs- und Versuchszentrum (Centro de Treinamento e Testes) KSK, Calw
Unterstützungskräfte (Forças de Apoio)
 
Stabs- und Versorgungskompanie (Comando e Companhia de Abastecimento)KSK, Calw
 
Fernmeldekompanie (Companhia de Comunicações)KSK, Calw
 
Unterstützungskompanie (Companhia de Apoio) KSK, Calw
 
Sanitätszentrum (Centro de Saúde) KSK, Calw
 
Nachschub-/Umschlagzug (Pelotão de Suprimento e Transbordo) KSK, Calw
 
Instandsetzungszug (pelotão de Manutenção) KSK, Calw
 
Fallschirmgeräte- und Luftumschlagszug (Pelotão de Equipamento de pára-quedas e Lançamento Aéreo) KSK, Calw


VeículosEditar

 
Viatura Mungo no Afeganistão

TarefasEditar

O KSK é responsável por operações atrás das linhas inimigas, reconhecimento de longo alcance, ataques estratégicos, operações anti-terroristas, resgate de reféns ou evacuação de cidadãos alemães em áreas de risco no estrangeiro em cooperação com nações aliados e especialmente com a OTAN. A unidade também está preparada para realizar operações C-SAR. o KSK é moldado de acordo com o SAS. Apesar de sua capacidade resgate de reféns o KSK é uma unidade militar, com missões militares, e não outra GSG-9. O KSK poderá ser ser deslocado para onde o GSG-9 não pôde (pelo menos oficialmente), entretanto isso já aconteceu (o resgate de um avião da Lufthansa no Aeroporto de Mogadishu, Somália em outubro de 1977, por exemplo). Mesmo assim o KSK mantém uma equipe de Resgate de reféns pronta para auxiliar a polícia alemã sempre que necessário. O KSK será também usado proteger ou projetar os interesses internacionais da Alemanha. Suas missões são bem semelhantes as desempenhadas por unidades estrangeiras afins como o SAS, Força Delta ou as US Army Special Forces.

 
Uma unidade da KSK durante uma demonstração em 2000 em Berlim

.

OperaçõesEditar

As missões do KSK ainda estão cobertas debaixo de muito sigilo, mas acredita-se que já tenha sido empregado em:

  • Bósnia - O KSK foi usando juntamente com outras unidades especiais (SAS, SEALs, etc) na caça de criminosos de guerras sérvios.
  • Kosovo - Desde a sua criação em 1996 o KLA - Exército do Libertação do Kosovo, vinha recebendo apoio do Bundesnachrichtendienst (BND), o serviço de inteligência alemão, juntamente com a CIA. As operações visavam enfraquecer Slobodan Milosevic, e força-lo a dar autonomia a província de maioria albaneza. Quando o conflito entre a Iugoslávia e a OTAN já era iminente, comandos dos KSK já treinavam guerrilheiros do KLA no norte da Albânia. Com o conflito aberto em 1999, o KSK foi usado em muitas operações secretas tanto em Kosovo, quanto na própria Iugoslávia.
  • Afeganistão - Provavelmente o KSK participou em 2001 da operação militar que libertar oito missionários de uma entidade humanitária alemã ameaçados de morte e detidos pelo Taleban sob acusação de "propagar o cristianismo" no Afeganistão. Esta operação foi realizado com sucesso antes do início dos ataques americanos aquele país. Com a invasão do Afeganistão o KSK foi deslocado secretamente para o Afeganistão para participar das operações de caça a Al-Qaeda e do que sobrou do Taleban.
 
Logo da KSK

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. Deutsches Heer. «Histórico do KSK (em alemão)». Sítio Oficial do Exército Alemão. Consultado em 1 de junho de 2016. 
  2. Deutsches Heer. «Currículo do comandante do KSK (em alemão)». Sítio Oficial do Exército Alemão. Consultado em 1 de junho de 2016. 
  3. Deutsches Heer. «Página oficial do KSK (em alemão)». Sítio Oficial do Exército Alemão. Consultado em 1 de junho de 2016. 
  4. […] Weil der Dienst im KSK extrem hart ist und besondere Fitness erfordert, ist es dem Verband seit seiner Gründung Mitte der neunziger Jahre nie gelungen, die geplante Sollstärke von gut tausend Soldaten zu erreichen. […], Auszug aus dem Artikel „Bundeswehr-Elitetruppe will Soldatinnen an die Front schicken“ bei spiegel.de, Zugriff am 11. September 2008.

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.