Abrir menu principal
Kahena Kunze
campeã olímpica
Kahena no pódio da Rio 2016
(foto:Fernando Frazão/Agência Brasil)
Vela
Modalidade 49er FX
Nascimento 12 de março de 1991 (28 anos)
São Paulo, Brasil
Nacionalidade Brasil brasileira
Medalhas
Jogos Olímpicos
Ouro Rio 2016 49er FX
Campeonatos Mundiais
Ouro Santander 2014 49er FX
Prata Buenos Aires 2015 49er FX
Prata Marselha 2013 49er FX
Jogos Pan-Americanos
Ouro Lima 2019 49er FX
Prata Toronto 2015 49er FX

Kahena Kunze (São Paulo, 12 de março de 1991) é uma velejadora brasileira, campeã olímpica e mundial de Iatismo na classe 49er FX – junto com a parceira e timoneira Martine Grael .[1] Considerada a melhor velejadora do mundo em 2014 junto com a parceira,[2] ela e Martina são as atuais nº1 do mundo na classe 49er FX pelo ranking da FIV. [3]

Filha do velejador Claudio Kunze, campeão mundial júnior da classe Pingüim em 1973,[4] seu nome incomum vem de uma mitológica guerreira tribal invencível dos Montes Urais, assunto de um livro que a mãe leu e decidiu homenagear após uma gravidez difícil.[5][6] Começou na vela ainda criança na Represa de Guarapiranga, em São Paulo, antes da família se mudar para o Rio de Janeiro, quando tinha dez anos;[7] no Rio, começou a participar de competições na classe Optimist na adolescência, quando conheceu Martine, as duas com 13 anos, que se tornaram adversárias dentro d'água e amigas fora dela.[6]

Em 2009, com Martine, Kahena foi campeã mundial júnior na classe 420.[1] Esperou da parceira um convite para dividir um barco para tentar disputar os Jogos de Londres 2012, mas como Martine optou por fazer dupla na classe 470 com Isabel Swan, a medalha de bronze em Pequim 2008, para tentarem a vaga (Grael e Swan perderam a vaga na seletiva brasileira para Fernanda Oliveira – parceira de Swan no bronze de Pequim – e Ana Barbachan)[8] resolveu se desligar temporariamente do esporte e prestar vestibular para cursar engenharia ambiental, abandonando as competições. No final de 2012, porém, Martine fez o convite de dividir o barco na nova classe olímpica feminina 49er FX com vistas aos Jogos da Rio 2016 e Kahena trancou a faculdade na PUC-Rio para se voltar inteiramente ao projeto olímpico.[7][5] Em 2013, as duas foram vice-campeãs mundiais e vice-campeãs europeias na 49er FX.[9]

Em 2014, junto com Martine, tornou-se campeã mundial em Santander, na Espanha, a primeira vez que velejadoras brasileiras conquistam o título. Amigas de infância e ex-rivais na vela em categorias diferentes, Kahena e Martine foram eleitas as melhores esportistas do ano pelo Comitê Olímpico Brasileiro, recebendo o Prêmio Brasil Olímpico de Atleta do Ano de 2014.[1]

Em 2015, na disputa da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela, Kahena conquistou um ouro em Weymouth, na Inglaterra; uma prata em Hyères, na França; e um bronze em Miami, nos Estados Unidos.[10] Em Toronto 2015, disputando os Jogos Pan-americanos, foi medalha de prata.[11]

Na Rio 2016, Kahena tornou-se campeã olímpica de vela ao lado de Martine, ao vencerem a Regata das Medalhas da categoria – para a qual três barcos entraram empatados – com uma vantagem de apenas 2 segundos para as medalhistas de prata da Nova Zelândia.[12]

No ciclo olímpico seguinte, em 2017 ela foi novamente vice-campeã mundial como em 2013, e depois de se classificar para os próximos Jogos no Campeonato Mundial de Classes Olímpicas em Aarhus, na Dinamarca,[13] em setembro de 2018 venceu, e com antecipação de uma regata, o evento-teste da Vela para Tóquio 2020 na raia olímpica de Enoshima, no Japão, em dupla com Martine que havia se afastado da 49er FX por uma temporada para competir na Volvo Ocean Race junto à outra tripulação.[14]

Em fevereiro de 2019, iniciando a temporada, Kahena venceu a Copa do Mundo da Vela disputada em Miami, onde a dupla brasileira mais uma vez derrotou na regata final as neozelandesas Alexandra Maloney e Molly Meech, vice-campeãs olímpicas na Rio 2016.[15]

Nos Jogos Pan-Americanos de 2019 foi a porta-bandeira da delegação brasileira na Cerimônia de Abertura em Lima, ao lado de Kahena Kunze. As duas foram as primeiras brasileiras a carregar a bandeira em uma edição dos Jogos.[16] [17] A dupla conquistou a medalha de ouro na classe 49erFX.[18]

Referências

  1. a b c Rocha, Danielle. «Após mais um prêmio, Martine e Kahena comemoram química perfeita». globoesporte.com. Consultado em 24 de fevereiro de 2015 
  2. «Melhor do mundo, Kahena Kunze diz que ainda tem muito a aprender». Portal Brasil. Consultado em 24 de fevereiro de 2015 
  3. «Rankings Fleet racing - Women - 49erFX». ISAF World Sailing. Consultado em 20 de agosto de 2016 
  4. «Nossos campeões». Yacht Club Santo Amaro. Consultado em 24 de fevereiro de 2015 
  5. a b «E se nós fôssemos... Engenheiras ambientais». O Dia. Consultado em 24 de dezembro de 2015 
  6. a b «Amigas de longa data, Martine Grael e Kahena Kunze brilham na vela». Lancenet. Consultado em 24 de fevereiro de 2015 
  7. a b Ziemkiewicz, Nathalia. «Mar de Rosas». IstoÉ. Consultado em 24 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2015 
  8. «Fernanda Oliveira e Ana Barbachan ficam em sexto na classe 470». Fox Sports. Consultado em 24 de fevereiro de 2015 
  9. «Kahena Kunze». Confederação Brasileira de Vela. Consultado em 24 de fevereiro de 2015. Arquivado do original em 24 de fevereiro de 2015 
  10. «Martine Grael e Kahena Kunze vencem evento-teste no Rio». Terra. Consultado em 22 de agosto de 2015 
  11. «Toronto 2015: Com a prata, Martine e Kahena festejam aprendizado no Pan». FutebolInterior. Consultado em 19 de julho de 2015 
  12. «Martine e Kahena ganham ouro na vela para o Brasil». O Globo. Consultado em 18 de agosto de 2016 
  13. «Martine Grael e Kahena Kunze garantem vaga em Tóquio-2020». folhape. Consultado em 26 de março de 2019 
  14. «Em Enoshima, Martine Grael e Kahena Kunze vencem evento-teste de vela para Tóquio 2020». Globo Esporte. Consultado em 26 de março de 2019 
  15. «Martine Grael e Kahena Kunze conquistam o ouro na Copa do Mundo de Miami». Extra. Consultado em 26 de março de 2019 
  16. Kozlowski, Glenda (24 de julho de 2019). «Martine Grael será porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura em Lima». GloboEsporte.com. Consultado em 24 de julho de 2019 
  17. Alencar e Rodrigues, Edgar e João Gabriel (25 de julho de 2019). «Duas para a história: Martine e Kahena serão as porta-bandeiras na cerimônia de abertura em Lima». GloboEsporte.com. Consultado em 26 de julho de 2019 
  18. Gabriel Fricke e Guto Rabelo (10 de agosto de 2019). «Campeãs olímpicas Martine Grael e Kahena Kunze dominam na vela e conquistam ouro no Pan de Lima». GloboEsport.com. Consultado em 11 de agosto de 2019