Kaizen (改善?), (do japonês, "melhoria" ou "mudança para melhor"), refere-se à filosofia ou às práticas que incidem sobre a melhoria contínua , sejam elas grandes ou pequenas, comumente associadas a operações de manufatura, como na Toyota, mas também está presente na engenharia, gestão de negócios em variadas áreas, na saúde[1][2] psicoterapia,[3] life-coaching, governos, bancos. Quando usado no sentido de negócio e aplicado ao local de trabalho, o kaizen refere-se a atividades que melhorem continuamente todas as funções e envolve todos os funcionários, desde o chief executive officer (CEO) até os trabalhadores da linha de montagem, além disso, pode ser aplicado a processos, como compra e logística, que cruzam fronteiras organizacionais da cadeia de suprimentos.[4] Ao melhorar as atividades e processos padronizados, kaizen tem como objetivo eliminar o desperdício (ver manufatura enxuta). O kaizen foi implementado pela primeira vez em várias empresas japonesas depois da Segunda Guerra Mundial. Desde então, o kaizen espalhou-se por todo o mundo[5]

A palavra Kaizen em japonês.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Michael T. Goodrich; Roberto Tamassia (2013), Hospitais Lean - 2ed, p. 223, ISBN 978-85-8260-007-8
  2. Julie Weed (10 de julho de 2010). «Factory Efficiency Comes to the Hospital» (em inglês). The New York Times. Consultado em 29 de junho de 2014 
  3. M. M. Feldman (10 de julho de 2010). «Audit in psychotherapy: the concept of Kaizen» (pdf) (em inglês). Psychiatric Bulletin pp. 334–336. Royal College of Psychiatrists. Consultado em 29 de junho de 2014 
  4. Imai, Masaaki (1986). Kaizen: The Key to Japan's Competitive Success. New York: Random House 
  5. Michael Colenso (2000), Kaizen Strategies for Improving Team Performance: How to Accelerate Team Development and Enhance Team Productivity, Financial Times Prentice Hall (Pearson Education), ISBN 978-0-273-63986-2