Karl Rahner

professor académico alemão

Karl Josef Erich Rahner (Friburgo em Brisgóvia, 5 de março de 1904Innsbruck, 30 de março de 1984) foi um sacerdote católico jesuíta de origem germânica e um dos mais influentes teólogos do século XX.

Karl Rahner
Presbítero da Igreja Católica
Teólogo
Fundador da Revista Concilium
Atividade eclesiástica
Congregação Companhia de Jesus
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 26 de julho de 1932
Dados pessoais
Nascimento Friburgo em Brisgóvia
5 de março de 1904
Morte Innsbruck
30 de março de 1984 (80 anos)
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Influenciado por Erich Przywara e Joseph Maréchal[1][2] e estimulado por seus estudos com Martin Heidegger,[3] Rahner tentou uma síntese da tradição teológica com o pensamento contemporâneo. Ele desenvolveu uma teologia transcendental baseada na experiência transcendental.[4][5]

Karl Rahner é considerado um representante de uma teologia querigmática e foi um pioneiro na abertura da teologia católica ao pensamento do século XX, e sua teologia influenciou o Concílio Vaticano II, tendo Rahner trabalhado como especialista em sua a preparação e implementação.[6]

Rahner foi co-editor da segunda edição da enciclopédia católica Lexicon for Theology and Church e, portanto, teve um impacto em toda a teologia católica de língua alemã. Rahner promoveu a comunicação teológica internacional e o diálogo entre a teologia e as ciências naturais.

BiografiaEditar

Karl Rahner cresceu em uma família de classe média; seu pai lecionou em um magistério. Em sua juventude, ele participou do movimento católico Quickborn, onde conheceu Romano Guardini. Depois de obter o diploma do ensino médio, ele entrou na ordem dos jesuítas em 1922.[7]

Mais tarde estudou filosofia e teologia em Feldkirch, Pullach, Valkenburg, Freiburg em Breisgau e Innsbruck. A participação nos seminários de Martin Heidegger nos anos 1934-1936 revelou-se decisiva para o treinamento de Rahner.

Em 1939, Rahner obteve seu primeiro ensinamento em Viena. Nos últimos anos da Segunda Guerra Mundial, ele também realizou a atividade pastoral na Baixa Baviera. Depois do conflito, ele continuou sua atividade de ensino, primeiro como professor na escola secundária da ordem em Pullach. A partir de 1948, ele foi professor e, no ano seguinte, foi pro, fundamental surgido em 1975 sob o título Grundkurs des Glaubens.

Em 1965, fundou (com Antonie van den Boogaard, Paul Brand, Yves Congar, Hans Küng, Johann Baptist Metz e Edward Schillebeeckx) a revista Concilium, uma das mais importantes revistas da teologia católica contemporânea. Nestes anos, ele também voltou a escrever, na forma de ensaios e artigos, em favor do pacifismo, do desarmamento nuclear.[8]

De 1967 a aposentadoria, em 1971, ele foi professor catedrático de dogma na Westfälischen Wilhelms-Universität em Münster. Em 1971 foi nomeado pela Hochschule für Philosophie München como professor honorário para as questões filosóficas e teológicas "na fronteira".

Em 1969, o Papa Paulo VI nomeou-o membro da Comissão Teológica Internacional, cargo que ocupou até 1972. Em 1981 mudou-se para Innsbruck, onde morreu subitamente em março de 1984 e foi enterrado na cripta da Igreja dos Jesuítas.

Escritor prolífico, Rahner escreveu mais de 800 artigos e ensaios.

A base para a teologia de Rahner é que todos os seres humanos têm uma experiência latente ("não-temática") de Deus em qualquer percepção de significado ou "experiência transcendental". É somente por causa dessa proto-revelação que é possível reconhecer uma revelação distintamente especial (como o Evangelho).[9] A teologia transcendental de Rahner atraiu a atenção de teóricos de diversas vertentes teológicas. Diz o autor:

"O que chamamos de conhecimento transcendental ou experiência de Deus é um conhecimento a posteriori na medida em que a experiência transcendental do homem de sua livre subjetividade ocorre sempre apenas no encontro com o mundo e sobretudo com o mundo que o cerca . [...] No entanto, o conhecimento de Deus é transcendental, porque a referência original do homem ao mistério absoluto é uma característica existencial permanente do homem como sujeito espiritual." - Karl Rahner[10]

PrêmiosEditar

As diversas atividades de Karl Rahner foram reconhecidas por inúmeras homenagens oficiais.[11] Ele recebeu um total de 15 doutorados honorários. Em 1965 foi agraciado com o Prêmio Reuchlin. Em 1970 recebeu o Prêmio Romano Guardini e a Grã-Cruz do Mérito com Estrela da República Federal da Alemanha e tornou-se membro da Ordem Pour le Mérite para a ciência e as artes. Em 1972 tornou-se membro honorário da Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos, em 1973 recebeu o Prêmio Sigmund Freud de prosa científica da Academia Alemã de Linguagem e Poesia, em 1979 o "Prêmio Pere Marquette Discovery" (depois dos astronautas Neil Armstrong e Michel Collins e antes de Madre Teresa e Desmond Tutu). Em 1974 foi eleito membro correspondente da Academia Britânica.[12] Em 1979 recebeu o Prêmio Cultural da Cidade de Munique, em 1982 o Prêmio Dr. Leopold Lucas da Universidade de Tübingen por promover a tolerância.[11]

BibliografiaEditar

A bibliografia completa se encontra disponível em [1]
  • " Você é o silêncio " (1938)
  • " Espírito no mundo " (1939)
  • "Ascetismo e misticismo nos Padres da Igreja" (1939)
  • " 'Ouvintes da Palavra' '" (1941)
  • "'A hora santa e a meditação da Paixão'" (1949)
  • "Necessidade e bênção da oração" (1949)
  • "Perigos no catolicismo hoje" (1950)
  • " As muitas missas e o único sacrifício " (1951)
  • " De Penitentia " (1952)
  • " Visions and Prophets " (1952)
  • "Liberdade de expressão na Igreja" (1953)
  • " Pequeno ano litúrgico " (1954)
  • " Ensaios teológicos " 16 vols. (1,954 - 1984). É o Opus Magnum de Rahner, contendo os mais importantes ensaios teológicos compostos entre 1932 e 1984. Muitas contribuições que foram formar volumes em colaboração estão contidas aqui. Os volumes expressamente dedicados à teologia espiritual e à espiritualidade são o terceiro (1956), o sétimo (1966), o décimo segundo (1975); o décimo primeiro (1973) é composto exclusivamente por ensaios de teologia e história do dogma da penitência.
  • " Maria, mãe do Senhor '" (1956)
  • " Sobre a inspiração das Escrituras " (1958)
  • " O elemento dinâmico da Igreja " (1958)
  • " Sobre a teologia da morte " (1958)
  • " Missão e Graça: Contribuições para a Teologia Pastoral " (1959)
  • " Eucaristia " (1959)
  • " Fé no meio do mundo " (1961)
  • " Igreja e sacramentos " (1961)
  • " Little Theological Dictionary " (1961)
  • " Episcopado e primazia " (1961, com J. Ratzinger)
  • " The Problem of Abrazing " (1961, com P. Overhage)
  • " Deaconry in Christ " (1962, com H. Vorgrimler)
  • " Presence of Christianity " (1963]
  • " Coisas de todos os dias " (1964)
  • "Manual of Pastoral Theology" (1964-69, mais um quinto volume do Dictionary of Pastoral, 1972, com F. X. Arnold, V. Schurr, F. Klostermann). O mais importante manual de cuidado pastoral de sua geração, considerado até hoje o primeiro a encontrar adequadamente a pastoral católica em nível teológico.
  • "Observações sobre o livro dos Exercícios de Santo Inácio" (1965)
  • "Revelação e Tradição" (1965, com J. Ratzinger)
  • " Sermões bíblicos " (1965)
  • " A hierarquia na Igreja " (1965, com A. Grillmeier e H. Vorgrimler)
  • " Sobre o diálogo em uma sociedade pluralista " (1965)
  • " Fé que ama a terra: consciência cristã na vida cotidiana do mundo '" (1966)
  • " Pequeno resumo do Conselho " (1966)
  • " A Trindade " (1967)
  • " Magistério e teologia depois do Concílio '" (1967)
  • " Servos de Cristo: meditações sobre o sacerdócio " (1967)
  • " O único mediador e a multiplicidade de mediações " (1967)
  • " Grace as freedom: little theological contributions " (1968]
  • " A reforma dos estudos teológicos " (1969)
  • " Palavras críticas: problemas atuais na Igreja e no mundo " (1970)
  • " Liberdade e manipulação na sociedade e na Igreja '" (1970)
  • " Prática da vida sacerdotal " (1970)
  • " 'Teologia do futuro' '" (1971)
  • "'Perspectivas da fé: fragmentos de uma espiritualidade moderna'" (1971)
  • " O que é um sacramento? '" (1971), com E. Jungel
  • " Moralidade objetiva e subjetiva " (1971)
  • " Cristologia de um ponto de vista sistemático e exegético " (1972)
  • " Transformação estrutural da Igreja como uma tarefa e como uma chance " (1972)
  • 'Homem do experimento: sobre a relação entre Deus e o homem' '"(1973)
  • "Retiros espirituais: o risco do cristão" (1974)
  • " Contribuições da Cristologia " (1974)
  • " O livro dos sacramentos " (1974)
  • Deus se tornou homem (1975)
  • "Curso básico sobre fé" (1976). Considerada, embora de maneira bastante imprecisa, o summa sistemático da teologia rahneriana.
  • " The Christian Dying " (1976)
  • " Fé como coragem " (1976)
  • " Experiência do Espírito " (1977)
  • " Convite à oração " (1977) com J.B. Metz
  • " Ignatius of Loyola " (1978) com P. Imhof e Biallows
  • "Problemas de fé da nova geração" (1979)
  • " O presente de Natal " (1980)
  • " Quem é seu irmão? " (1981)
  • " O que significa amar a Jesus? '" (1982)
  • " Por um novo amor por Mary " (1984)
  • " Lembre-se, falando com Meinhold Kraus " (1984)
  • O problema de acreditar (1984)
  • "Grundkurs des Glaubens" (Curso Fundamental da Fé), de 1976.[13]

Referências

  1. Karl Rahner von Albert Raffelt, Hansjürgen Verweyen, C.H.Beck, 1997, ISBN 3-406-41941-0.
  2. «Universitätsbibliothek Freiburg: Karl Rahner (1904–1984)». www.ub.uni-freiburg.de. Consultado em 5 de março de 2022 
  3. Sämtliche Werke (Todas as Obras, Vol. 6 e sobre a história da penitência, Vol. 11) 22/2, S. 684.
  4. Karl Rahner : Curso Básico de Fé, 1976, p. 61
  5. Rudolf Heinz: Französische Kantinterpreten im 20. Jahrhundert, Saarbrücken 1964 (Mainzer philosophische Forschungen. Band 5)
  6. Hans Küng: Erkämpfte Freiheit. S. 334f.
  7. Karl Rahner a colloquio con Meinold Krauss, La fatica di credere, Edizioni Paoline, 1986, pp. 15-36.
  8. [PRESIDENTIAL ADDRESS 1904-1984, KARL RAHNER, THEOLOGIAN https://ejournals.bc.edu/index.php/ctsa/article/download/3184/2797/]
  9. «Karl Rahner (Boston Collaborative Encyclopedia of Western Theology)». people.bu.edu. Consultado em 16 de dezembro de 2017 
  10. Karl Rahner, Curso Básico de Fé, 1976, p. 61
  11. a b Tiroler Landespreis für Wissenschaft – Preisträger 1984 bis 2014 (Memento vom 13. outubro 2015 im Internet Archive). Abgerufen am 14. Oktober 2015.
  12. «Deceased Fellows» (PDF). British Academy. Consultado em 22 de julho de 2020 
  13. Karl Rahner. A busca de Deus a partir da contemporaneidade, acesso em 17 de setembro de 2016.

Ligações externasEditar