Este é um nome coreano; o nome de família é Kim (김).
General do Exército
Kim Yong-chol
김영철
Kim em janeiro de 2019
Vice-presidente do Partido dos Trabalhadores da Coreia
Período 9 de maio de 2016

a atualidade

Presidente Kim Jong-un
Antecessor Hwang Pyong-so
Chefe do Departamento da Frente Unida
Período 4 de janeiro de 2016

a atualidade

Líder Supremo Kim Jong-un
Antecessor Kim Yang-gon
Diretor do Gabinete Geral de Reconhecimento
Período 11 de fevereiro de 2009 a

4 de janeiro de 2016

Líder Supremo Kim Jong-un
Antecessor cargo criado
Sucessor Pak Yong-sik
Dados pessoais
Nascimento 1946 (74 anos)
Pyongan Norte, Coreia do Norte
Nacionalidade Coreano
Alma mater Universidade Militar Kim Il-sung
Escola Revolucionária Mangyongdae
Partido Partido dos Trabalhadores da Coreia
Serviço militar
Lealdade  Coreia do Norte
Serviço/ramo Flag of the Korean People's Army (fringed).png Exército Popular da Coreia
Graduação General of the Army rank insignia (North Korea).svg General

Kim Yong-chol (hangul: 김영철; nascido em 1946[1]) é um general e político norte-coreano que atualmente atua como vice-presidente do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia para assuntos sul-coreanos e chefe do Departamento da Frente Unida. De fevereiro de 2009 a janeiro de 2016, ele atuou como diretor do Gabinete Geral de Reconhecimento, o principal serviço de inteligência do país.[2]

Em 24 de abril de 2019, a Agência de Notícias Yonhap informou que a Coreia do Norte havia removido Kim Yong-chol de sua posição de chefe do Departamento da Frente Unida.[3] Em 31 de maio de 2019, o jornal Chosun Ilbo informou que Kim Yong-chol havia sido condenado a "trabalho forçado e educação ideológica" como parte de um aparente expurgo que custou a vida de Kim Hyok-chol e outros quatro funcionários do Ministério das Relações Exteriores da Coréia do Norte.[4] Posteriormente, a CNN reportou que Kim Hyok-chol estava vivo.[5] Em 3 de junho, o relatório da Agência Central de Notícias da Coreia cobriu uma performance musical onde Kim Yong-chol esteve presente ao lado de Kim Jong-un e Ri Sol-ju.[6][7]

CarreiraEditar

Em 1962, Kim serviu na 15ª Divisão, uma companhia da polícia civil que presta serviços na Zona Desmilitarizada da Coreia. Em 1968, foi nomeado como oficial de ligação da Comissão de Armistício Militar do Comando das Nações Unidas para a Coreia. Em 1976, foi nomeado comandante de divisão do Comando da Guarda Suprema. Em 1990, foi promovido a Major-General e tornou-se vice-diretor do Ministério das Forças Armadas do Povo e diretor do Gabinete de Reconhecimento do mesmo ministério. Em 1998, foi eleito deputado da 10ª Assembléia Popular Suprema e em 2003 foi novamente eleito para a 11ª.

Em 2009, foi nomeado diretor do Departamento Geral de Reconhecimento e vice-chefe do Departamento de Estado Maior do Exército Popular da Coreia. Também foi eleito deputado da 12ª Assembléia Popular Suprema . Em 2010, Kim Yong-chol foi promovido a Coronel-Geral e eleito para a Comissão Militar Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia e para o 6º Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia. Foi membro do comitê fúnebre de Jo Myong-rok. Em 2011, foi membro do comitê fúnebre de Kim Jong-il.

Em 2012, Kim Yong-chol foi promovido a General. Em 2014, foi eleito deputado da 13ª Assembléia Popular Suprema e atuou no comitê fúnebre de Jon Pyong-ho .

Em maio de 2016, ele foi eleito para o 7º Comitê Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia. Também foi eleito membro do Politburo do Partido dos Trabalhadores da Coreia, da Comissão Militar Central do Partido dos Trabalhadores da Coreia vice-presidente do Partido dos Trabalhadores da Coreia. Foi nomeado diretor do Departamento da Frente Unida e serviu nas comissões funerárias de Kang Sok-ju e Ryu Mi-yong. Foi também eleito para o Presidium da Assembléia Popular Suprema.[8]

Em 24 de abril de 2019, a Agência de Notícias Yonhap informou que a Coreia do Norte removeu Kim Yong-chol da posição de chefe do Departamento da Frente Unida. [9]

Presença nos Jogos Olímpicos de Pyeongchang de 2018Editar

Kim foi enviado como parte da delegação olímpica da Coreia do Norte para a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018, realizada em 24 de fevereiro de 2018. Sua presença foi controversa, principalmente devido às alegações de que Kim foi responsável por orquestrar um ataque a um navio da Coreia do Sul em 2010 que resultou na morte de 46 marinheiros. Um artigo no Hangook Ilbo alertou que a presença de Kim poderia enviar "ondas furiosas" por toda a Península da Coreia, mas os jogos terminaram sem incidentes.[10]

Visita de maio de 2018 aos Estados UnidosEditar

  Vídeos externos
  Chegada de Kim Yong-chol na Casa Branca, 1º de junho de 2018
 
Kim entregando uma carta do Presidente Kim ao presidente Trump no Salão Oval em 1º de junho.

Em 30 de maio, Kim voou para a cidade de Nova Iorque através da China para conversar com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, sobre a cúpula de 2018 entre Coreia do Norte e Estados Unidos . Hospedou-se em uma instalação residencial da delegação dos EUA nas Nações Unidas para realizar conversas altamente "privadas" com colegas americanos.[11] Em seguida, viajou para a Casa Branca para conversar com o presidente Trump em 1 de junho de 2018. Durante essa reunião, ele entregou uma carta ao presidente Trump enviada por Kim Jong-un.[12] Por estar sujeito a sanções dos EUA, a visita exigiu uma dispensa de sanções em relação à viagem.[13]

Referências

NotasEditar