Konrad Henlein

Konrad Ernst Eduard Henlein (6 de maio de 1898 - 10 de maio de 1945) foi um importante político alemão dos Sudetos na Tchecoslováquia. Após a ocupação alemã em outubro de 1938, ele se juntou ao Partido Nazista e às SS e foi nomeado Gauleiter dos Sudetos. Ele foi nomeado Reichsstatthalter (Governador do Reich ou Deputado do Reich) do Reichsgau Sudetenland - uma divisão administrativa da Alemanha nazista de 1939 a 1945, compreendia a parte norte do território dos Sudetos, que foi anexado da Tchecoslováquia - após sua formação em 1 de maio de 1939.[1][2]

Konrad Henlein

BiografiaEditar

Henlein nasceu em Maffersdorf (agora Vratislavice nad Nisou), parte da cidade de Liberec, nos Sudetos, depois na Áustria-Hungria, mas que agora faz parte da República Checa. A mãe de Henlein era descendente de tchecos. Depois de servir nas forças armadas durante a Primeira Guerra Mundial, após a qual foi brevemente prisioneiro na Itália, Henlein trabalhou como bancário na recém-formada Tchecoslováquia. Na década de 30 iniciou sua carreira política, com a criação do Sudetendeutsche Heimatfront ("Frente Patriótica Alemã dos Sudetos"), posteriormente chamada de Sudetendeutsche Partei.("Partido da Alemanha dos Sudetos"). Inicialmente, ele não aderiu às ideias nacional-socialistas de Adolf Hitler, afirmando sua lealdade ao estado da Tchecoslováquia.

Em 1935, seu braço direito, Karl Hermann Frank, tornou-se líder do grupo parlamentar do SDP. Enquanto isso, alguns grupos partidários, mais próximos do governo nacional-socialista em Berlim, e em particular aqueles que se referiam ao jornal Der Aufbruch, começaram a ser financiados pela Alemanha. A partir de novembro de 1937, os líderes do LPS, incluindo Henlein, coordenaram a política nos Sudetos juntamente com o NSDAP, com o objetivo de separar os Sudetos da Tchecoslováquia e integrá-los à Alemanha nazista. Em setembro de 1938 Henlein organizou vários ataques na Tchecoslováquia, e a revolta foi reprimida pelas forças checoslovacas, dando a Hitler o pretexto para denunciar a violência da repressão do governo de Praga.[1][2]

Henlein teve que fugir para a Alemanha para organizar novos ataques à Tchecoslováquia. Em outubro de 1938, com o Pacto de Munique, os Sudetos foram anexados à Alemanha e logo em seguida Henlein ingressou no Partido Nazista. Em 1939 foi nomeado Gauleiter dos Sudetos, cargo que ocupou até o final da guerra. Ele também foi nomeado deputado do Reichstag. Em maio de 1945, após ser capturado pelo exército americano, suicidou-se na cabana onde estava preso perto de Plzeň, cortando suas veias com os cacos de vidro de seus óculos. Ele foi enterrado anonimamente no principal cemitério da cidade dos Sudetos.

Referências

  1. a b Robbins, Keith G. (dezembro de 1969). «VI. Konrad Henlein, The Sudeten Question and British Foreign Policy». The Historical Journal (em inglês) (4): 674–697. ISSN 1469-5103. doi:10.1017/S0018246X0001058X. Consultado em 30 de abril de 2022 
  2. a b Cornwall, Mark (2011). "The Czechoslovak Spinx: 'Moderate and Reasonable' Konrad Henlein". In Rebecca Haynes; Martyn Rady (eds.). In the Shadow of Hitler: Personalities of the Right in Central and Eastern Europe. London: I.B.Tauris. pp. 206–227. ISBN 978-1780768083