Abrir menu principal

Kroll Inc.

(Redirecionado de Kroll)

Kroll é uma consultoria multinacional de riscos, investigações corporativas e cibersegurança sediada em Nova Iorque. Desde quando foi fundada, em 1972, por Jules B. Kroll, expandiu suas atividades para além da investigação privada e dos serviços de segurança e inteligência, passando a atuar em todas as áreas relacionadas à mitigação de riscos empresariais, incluindo due diligences investigativas, verificação de antecedentes criminais, investigações de fraudes e atos de corrupção, business intelligence, market intelligence, electronic discovery, perícia contábil, recuperação de dados, busca de ativos, entre outros.


Kroll
Atividade Investigação Corporativa

Gestão de Riscos Cibersegurança

Fundação 1946
Fundador(es) Jules Kroll
Sede Nova Iorque, Estados Unidos
Locais 28 países
Proprietário(s) Duff and Phelps
Pessoas-chave Noah Gottdiener, Diretor-Presidente, Duff & Phelps

Jacob Silverman, Presidente, Duff & Phelps

Carl Jenkins, Líder de Governança, Risco, Investigações e Disputas

Empregados 3.500
Website oficial www.kroll.com

A empresa tem cerca de 3.500 funcionários em 28 países e é uma subsidiária do grupo Duff & Phelps.

Tornou-se conhecida por elucidar questões delicadas dentro das organizações, tais como desvios ilegais de ativos e fraudes internas. Teve também um papel importante após a famosa falência da Enron, nos Estados Unidos, conseguindo rastrear e identificar cerca de 35% dos ativos da empresa e seu valor de mercado.

No Brasil, tem, entre seus clientes, o Santander, o Citibank e o governo brasileiro – com empresas como Petrobras e Banco do Brasil.

Em 2004, a Kroll foi envolvida na Operação Chacal, da Polícia Federal, que investigava atos de espionagem atingindo executivos da Telecom Italia e da cúpula do governo brasileiro. Dirigentes da filial brasileira da empresa foram processados no âmbito da Justiça Federal, por transporte, compra e difusão de dados obtidos por meio de escuta telefônica não autorizada pela Justiça, o que não teve provas. O processo foi arquivado.[1]

A equipe da Kroll também trabalhou para o esclarecimento das dívidas ocultas em Moçambique.

HistóriaEditar

A Kroll foi fundada em 1972 por Jules B. Kroll para prestar consultoria anti-fraude e anti-corrupção a departamentos de compras de empresas privadas.[2]

Na década de 80, a Kroll ganhou notoriedade nos mercados financeiro e de M&A devido à prestação de serviços de due diligence investigativa de investidores, parceiros de negócio e empresas alvos de aquisição. A empresa ficou conhecida como o “olho privado de Wall Street”.[3] Mais tarde, a Kroll ganhou fama mundial pela busca dos ativos ocultos de Jean-Claude (Baby Doc) Duvalier, Ferdinand e Imelda Marcos, e Saddam Hussein.

Em 1993, a seguradora American International Group Inc., a A.I.G, "tornou-se um dos maiores investidores da Kroll, depois de manter uma participação minoritária na empresa."[4]

Em 1997, com receitas anuais de aproximadamente US$ 60 milhões, a Kroll fundiu-se com a empresa de blindagem automobilística O’Gara-Hess & Eisenhardt. A nova entidade, The Kroll-O'Gara Company, tornou-se uma empresa pública listada na NASDAQ como "KROG".[5]

Em 1998, a Kroll adquiriu a Schiff & Associates Inc., uma pequena firma de engenharia de segurança e consultoria com base em Bastrop,Texas. O nome foi modificado para Kroll Schiff & Associates, depois para Kroll Security Services Group e, finalmente, para Kroll Security Group.[6]

Em 2001, a Kroll expandiu a parceria com a A.I.G., oferecendo, por meio do grupo Private Client, serviços de segurança pessoal. "Sob seu acordo de trabalho com a AIG, a Kroll é chamada para supervisionar o gerenciamento de crises quando ocorre um incidente. Em seu papel ampliado, a empresa fornecerá esses serviços a detentores privados de políticas da A.I.G, fornecendo proteção global, para a qual existe uma necessidade cada vez maior."[7]

Ainda em 2002, a Kroll comprou a Ontrack, empresa especializada em gestão de informações, recuperação de dados e tecnologias legais, com “sistemas que podem escanear grades quantidades de informações.”[8]

Em 2004, a Kroll foi adquirida pela seguradora Marsh & McLennan Companies (MMC), em uma transação US$1.9 bilhão. Nos anos seguintes, a Kroll passou a vender subsidiárias para se concentrar em suas principais linhas de negócios.

Em 2008, Jules Kroll deixou a administração da Kroll, Inc. e tentou comprá-la de volta do MMC. No ano seguinte, quando a tentativa falhou, Jules Kroll lançou, junto com seu filho Jeremy, a empresa K2 Global Consulting, posteriormente renomeada de K2 Intelligence.[9] Em 2011, Jules e Jeremy Kroll criaram a empresa de avaliação de crédito Kroll Bond Ratings.[10]

Em 2010, a Kroll foi adquirida pela Altegrity, Inc., em uma transação avaliada em US$1,13 bilhão.[11] O grupo de empresas da Altegrity também incluía a USIS, empresa de background checks para o setor público, e a Explore, provedora de tecnologias de banco de dados e aplicativos de governo eletrônico.[12] A Altegrity declarou falência em 2015[13] e, durante a reestruturação, mudou o nome para Corporate Risk Holdings, LLC. Além da Kroll, a Corporate Risk era acionista da HireRight (empresa de background checks para o setor privado) e da Kroll Ontrack.[14]

Em outubro de 2016, o Carlyle Group, por meio da LDiscovery, adquiriu a Kroll Ontrack, em uma transação avaliada em US$410 milhões.[15]

Em junho de 2018, a Kroll foi adquirida pela Duff & Phelps. A nova empresa uniu os serviços de compliance, due diligence, investigações corporativas e cybersegurança da Kroll ao portfolio de corporate finance, valuation e M&A já oferecidos pela Duff & Phelps.

Casos HistóricosEditar

Busca de Ativos de Baby-Doc, Ferdinand e Imelda Marcos e Saddam HusseinEditar

Logo após a saída de Jean-Claude Duvalier, conhecido como Baby Doc, da presidência do Haiti, em 1986, o Governo haitiano contratou um grupo de investigadores, entre os quais a Kroll e escritórios de advocacia, para ajudar a encontrar e recuperar a fortuna retirada por ele do Haiti.[16] Foram rastreados pelo menos US$ 10 milhões em bancos suíços, além de propriedades na França, Monte Carlo e Nova Iorque, jóias e um apartamento estimado em US$ 2 milhões na Trump Tower.[17]

Também em 1986, Ferdinando Marcos e sua esposa Imelda fugiram das Filipinas, após 21 anos no poder, levando com eles 15 milhões de dólares em espécie e objetos.[18] A Kroll foi então contratada para investigar onde estava toda a riqueza retirada das Filipinas pelos Marcos.[19] Foi descoberto que o bilionário saudita Adnan Khashoggi estava envolvido na ocultação de fundos do casal.[20]

Em março de 1991, Jules Kroll anunciou no programa americano 60 Minutes, da CBS, que a empresa, contratada pelo governo do Kuwait, havia descoberto entre US$ 10 e 11 bilhões em contas e empresas de fachada que haviam sido saqueados do tesouro iraquiano por Saddam Hussein.[21] [22] O esquema envolvia também extorsão, uma vez que outros países do Golfo deveriam pagar "taxas de proteção" ao Iraque para que vendesse o petróleo bruto produzido por eles.[23]

CPI do Esquema PC FariasEditar

Em 27 de maio de 1992, o Congresso Nacional Brasileiro instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar denúncias de que Paulo Cesar Cavalcante Farias, o PC Farias, seria o laranja do então Presidente da República, Fernando Collor de Mello, e intermediaria negócios entre o empresariado e o governo.[24]

Em julho de 1992, a Kroll foi contratada pelo Senado Federal para mapear as conexões e os ativos de PC Farias no exterior.[25] O relatório apresentado à CPI pela Kroll revelou que PC Farias era o dono de três empresas, nos Estados Unidos, nas Ilhas Virgens Britânicas e na França, além de ter um apartamento em Paris.[26] O relatório também comprovou que essas empresas eram utilizadas para legalizar remessas de recursos do Brasil para o exterior e que seus negócios fora do Brasil movimentavam US$ 1 bilhão.[27] [28]

Em 26 de agosto de 1992, o relatório final da CPI foi aprovado e, em 15 de setembro do mesmo ano, a CPI foi encerrada.[29] Como resultado das descobertas da CPI e de investigações da Polícia Federal, em 25 de setembro de 1992, teve início o pedido de abertura do processo de impeachment de Fernando Collor na Câmara dos Deputados, que foi aprovado em 29 de setembro de 1992.[30] No dia seguinte, o parecer da Câmara foi aprovado no Senado e Fernando Collor tornou-se réu no processo de impeachment. Em 29 de dezembro, Fernando Collor renunciou ao cargo, mas ainda assim foi condenado à inelegibilidade e à inabilitação por oito anos para o exercício de cargos públicos.[31]

EncolEditar

Em 1999, a incorporadora e construtora Encol decretou falência, em meio a denúncias de formação de caixa dois, falsificação de livros de contabilidade e desvio de patrimônio.[32] Estima-se que por volta de 42 mil famílias teriam investido nos empreendimentos da companhia e teriam tido seus recursos desviados pro Pedro Paulo de Souza, então presidente da empresa, e por outros diretores da Encol.[33]

Inicialmente, as acusações das famílias lesadas pela Encol não prosperaram na Justiça do Estado de Goiás, por falta de provas.[34] Nesse cenário, em meados de 2001, a Kroll foi contratada pelo síndico da massa falida da empresa, Sérvio Túlio Caetano da Costa, para encontrar evidências que pudessem comprovar as alegações das famílias.[34]

Após dois anos de trabalho, no início de 2003, a Kroll apresentou um relatório de 5.000 páginas, no qual detalhou o funcionamento de um esquema de caixa dois na Encol.[34] Apelidado de “Diger”, o esquema contava com a participação de vendedores e superintendentes regionais para desviar o dinheiro da venda de apartamentos do caixa da empresa.[34] Atas de reuniões da Encol analisadas pela Kroll demonstraram que os diretores da empresa teriam acordado entre si que investiriam apenas nas fachadas externas dos edifícios em construção para dar a impressão de que as obras estariam progredindo quando, na verdade, estavam sendo abandonadas.[34]

Os investigadores da Kroll também descobriram que, em meio às dívidas acumuladas, os diretores da Encol procuraram salvar seu patrimônio em vez de evitar a falência da empresa.[34] Exemplos disso foram as transferências ilícitas de milhares de equipamentos e imóveis da Encol para familiares de Pedro Paulo de Souza, para ex-funcionários da empresa que atuariam como laranjas e para empresas coligadas à Encol.[35]

O relatório elaborado pela Kroll foi anexado ao processo aberto contra a Encol na Justiça Estadual de Goiás, com o objetivo de provar em juízo as irregularidades cometidas pela construtora.[34] De acordo com os cálculos da Kroll, aproximadamente 2,5 bilhões de reais foram desviados da contabilidade da Encol, seja por meio da formação de caixa dois ou por manobras de desvio de patrimônio.[36]

União Ciclista InternacionalEditar

Após eleições para a presidência da União Ciclista Internacional (UCI) em outubro de 2013, o novo presidente da UCI, Brian Cookson, contratou a Kroll para realizar uma investigação sobre possíveis irregularidades no órgão que reúne as federações nacionais de ciclistas. As suspeitas incluíram corrupção, fraude e acobertamento de doping de atletas, como no caso Lance Armstrong em 2001, por membros da organização, empresários e médicos.[37]

A Kroll recolheu os computadores do ex-presidente da UCI, Pat McQuaid, minutos após as eleições na sede da federação em Aigle, na Suíça. De acordo com Brian Cookson, havia temor de que algo fosse apagado após a mudança de representantes.[38] Posteriormente, foi instaurada uma comissão independente para investigar o caso.[39]

EletrobrásEditar

Em 2015, a Kroll, escritórios de advocacia e empresas especializadas em tecnologia e investigações foram contratados pela Eletrobrás para conduzir uma investigação interna na empresa.[40] O foco da investigação foi verificar a relação entre empresas controladas pela Eletrobrás e as construtoras citadas no âmbito da Operação Lava Jato.[40]

Em maio de 2015, a auditora KPMG deu um parecer com ressalva ao balanço do primeiro trimestre da Eletrobrás, alegando que não era possível estimar o impacto da Operação Lava Jato nas informações contábeis da empresa.[41] Dirigentes da Eletronuclear, subsidiária da Eletrobrás responsável pela construção da Usina de Angra 3, haviam sido citados em delação premiada por corrupção. Em 27 de julho de 2016, o Ministério Público Federal denunciou 15 pessoas, entre eles altos executivos da Eletronuclear, por prática de corrupção, fraude à licitações e lavagem de dinheiro.[42]

Em maio de 2016, a Eletrobrás informou que não iria entregar os formulários 20-F de 2014 e 2015 a tempo à comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos (SEC) porque sua investigação interna ainda não tinha sido concluída.[43] Devido ao atraso no arquivamento dos formulários, a negociação de ações da Eletrobrás na bolsa de Nova York (NYSE) foi suspensa.[44] Em comunicado, a empresa afirmou que atrasou a entrega dos 20-F porque esperava a conclusão da sua investigação interna.

A investigação revelou um rombo de R$ 141 milhões em Angra 3, R$ 67 milhões na termelétrica Mauá 3, e R$ 2,6 milhões na hidrelétrica de Simplício.[45] Foram constatados “superfaturamentos relacionados à propina e práticas de cartel, considerados ilegais no âmbito de alguns contratos dos projetos investigado”, e “cobranças de propina para financiar pagamentos indevidos a partidos políticos, funcionários eleitos ou outros funcionários públicos, ex-funcionários de subsidiárias e SPEs (empresas) não controladas pela companhia e outros indivíduos envolvidos em esquemas de pagamento”.[46]

Em outubro de 2016, a Eletrobrás arquivou os formulários 20-F referentes aos exercícios sociais encerrados em 2014 e 2015 com o SEC.[47]  Nestes documentos, a Eletrobrás revelou perdas de R$ 302,5 milhões de 2014 a 2015 causadas por corrupção na empresa. No dia 13 de outubro de 2016 os papeis da Eletrobrás voltaram a ser negociados na Bolsa de Valores de Nova York, e suas ações tiveram uma alta de mais de 200%.[48]

Em janeiro de 2018, a Revista Época reportou que obteve dois contratos assinados entre a Eletrobrás e o escritório americano Hogan Lovells – contratado para conduzir a investigação interna – em que R$ 45,2 milhões teriam sido pagos à Kroll.[49] A Control Risks, teria recebido R$ 44,7 milhões e os escritórios de advocacia, entre eles WFaria, Pinheiro Neto e Torres Falavigna, R$ 47,3 milhões.  

Final do Campeonato Paulista de Futebol de 2018Editar

Em abril de 2018, a consultoria foi contratada pela Sociedade Esportiva Palmeiras para investigar um episódio envolvendo a arbitragem na final do Campeonato Paulista. O Palmeiras entrou com pedido de instauração de inquérito no Tribunal de Justiça Desportiva (TJD-SP), e esperava reunir provas de que o quinteto de arbitragem havia recebido informações externas para rever a decisão de uma marcação de pênalti a favor do clube.[50]

Com base em vídeos de câmeras de segurança da arena Allianz Parque e em imagens da transmissão da partida, a Kroll identificou a presença de pessoas ao lado do campo da partida utilizando um telefone celular.[51] A Kroll também apontou diversas contradições nos depoimentos que os árbitros da partida deram ao TJD-SP.[52]

Em 11 de junho, o TJD-SP rejeitou o pedido de impugnação da partida sem analisar o mérito, alegando que o Palmeiras havia perdido o prazo para seu pedido.[53] O clube recorreu ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Em 19 de setembro, os auditores do STJD entenderam que o clube não conseguiu apresentar provas suficientes e também rejeitaram o pedido de impugnação.[54]

O Palmeiras divulgou uma nota à imprensa afirmando que a interferência externa havia sido comprovada.[55] Apesar da decisão do tribunal, afirmou o clube, a investigação ordenada pelo clube havia trazido mudanças positivas ao futebol, como a adoção do Árbitro Assistente de Vídeo (em inglês, Video Assistant Referee -VAR) no Campeonato Paulista do ano seguinte.[56]

Referências

  1. «Revista Poder. As encrencas da Kroll, por Laura Ancona Lopez». Consultado em 9 de fevereiro de 2009. Arquivado do original em 30 de janeiro de 2009 
  2. «History and Timeline». Duff & Phelps (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2019 
  3. Bleakley, Fred R. (4 de março de 1985). «'Wall Street's Private Eye'». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  4. Eichenwald, Kurt (29 de dezembro de 1993). «Prudential And A.I.G. In Dispute». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  5. Reporter, a Wall Street Journal Staff. «Kroll-O'Gara Acquires Securify For About $64 Million in Stock». WSJ (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2019 
  6. «History and Timeline». Duff & Phelps (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2019 
  7. «AIG Offers Kroll Personal Security Services to Private Clients». Insurance Journal (em inglês). 5 de fevereiro de 2001. Consultado em 20 de maio de 2019 
  8. «Profile: Simon Freakley, CEO of restructuring specialist Kroll». Accountancy Age (em inglês). 24 de outubro de 2007. Consultado em 20 de maio de 2019 
  9. K2Intelligence. «K2 Global Consulting™ Establishes New Identity with Brand Re-Launch». www.prnewswire.com (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2019 
  10. Morrissey, Janet (26 de fevereiro de 2011). «Jules Kroll Tries His Hand at Credit Ratings». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  11. «Altegrity to Acquire Kroll, the World's Leading Risk Consulting Firm, from Marsh & McLennan». www.businesswire.com (em inglês). 7 de junho de 2010. Consultado em 20 de maio de 2019 
  12. «Altegrity announces post-close organization with addition of Kroll». www.businesswire.com (em inglês). 13 de agosto de 2010. Consultado em 20 de maio de 2019 
  13. «Firm that vetted Snowden files for Chapter 11 bankruptcy». Reuters (em inglês). 9 de fevereiro de 2015 
  14. «Corporate Risk Holdings, Formerly Altegrity, Appoints CEO and Board of Directors». www.businesswire.com (em inglês). 1 de setembro de 2015. Consultado em 20 de maio de 2019 
  15. «News». www.ontrack.com (em inglês). Consultado em 20 de maio de 2019 
  16. Margolick, David (27 de outubro de 1989). «THE LAW: AT THE BAR; Law firm, in pursuit of Haitian property, finds the chase can be tedious and frustrating.». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  17. Dorfman, Dan. “On the Trial of Baby Doc”. (14 de julho de 1986). New York Magazine, p. 19-20.
  18. Dorfman, Dan. “On the Trial of Baby Doc”. (14 de julho de 1986). New York Magazine, p. 19-20.
  19. McCartney, Robert J. “Turning a Private Eye on Saddam Hussein. (26 de março de 1991). The Washington Post. https://www.washingtonpost.com/archive/business/1991/03/26/turning-a-private-eye-on-saddam-hussein/5c6417a0-b0c8-4dfc-9554-0d2cbde98fdd/?utm_term=.20a56fd2874d.
  20. Press, From Associated (2 de julho de 1990). «Imelda Marcos Acquitted : Cleared of Looting Philippines to Buy N.Y. Skyscrapers : Khashoggi Also Freed in Blow to Justice Dept.». Los Angeles Times (em inglês). ISSN 0458-3035 
  21. Byron, Christopher. “High Spy” (13 de maio de 1991). New York Magazine, p.72.
  22. Bartlett, Sarah (26 de março de 1991). «Hussein Hiding Billions? Report Stirs Furor». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  23. Bartlett, Sarah (26 de março de 1991). «Hussein Hiding Billions? Report Stirs Furor». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331 
  24. «IMPEACHMENT DE COLLOR - As denúncias e a abertura da CPI». memoriaglobo.globo.com. Consultado em 6 de março de 2019 
  25. “Advogado desqualifica investigação da Kroll” (25 de julho de 1992). Folha de S. Paulo, p. 5.
  26. “O Mapa da Mina”. (12 de agosto de 1992). Veja, edição 1247, p.29.
  27. Bonassa, Elvis Cesar. “Firma de PC legaliza dinheiro, diz Kroll”. (7 de agosto de 1992). Folha de S. Paulo, p.8.
  28. Neri, Emanuel. “Executivo de PC Farias no exterior era ‘fantasma’ nos Estados Unidos. (16 de agosto de 1992). Folha de S. Paulo, p. 10.
  29. «Requerimento (CN) n° 52, de 1992 - (CPMI - ESQUEMA PC FARIAS). - Pesquisas - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 6 de março de 2019 
  30. «IMPEACHMENT DE COLLOR - Aprovação do impeachment na Câmara». memoriaglobo.globo.com. Consultado em 6 de março de 2019 
  31. «IMPEACHMENT DE COLLOR - Presidente afastado». memoriaglobo.globo.com. Consultado em 6 de março de 2019 
  32. «A céu aberto - Aliás». Estadão. Consultado em 6 de março de 2019 
  33. «A céu aberto - Aliás». Estadão. Consultado em 6 de março de 2019 
  34. a b c d e f g Salgado, Eduardo. “As provas do crime” (26 de fevereiro de 2005). Veja, edição 1791, p.76.
  35. «Folha de S.Paulo: Notícias, Imagens, Vídeos e Entrevistas». Folha de S.Paulo. Consultado em 6 de março de 2019 
  36. «A céu aberto - Aliás». Estadão. Consultado em 6 de março de 2019 
  37. «Subscribe to read». Financial Times (em inglês). Consultado em 19 de maio de 2019 
  38. Association, Press (24 de outubro de 2013). «Former UCI chief Pat McQuaid had laptop seized after election loss». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  39. Fotheringham, William (8 de janeiro de 2014). «Brian Cookson's UCI anti-doping investigation to report by end of 2014». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  40. a b «Investigação de na Eletrobras se torna cinco vezes maior». EXAME. 20 de dezembro de 2015. Consultado em 19 de maio de 2019 
  41. «Lava-Jato pode implicar ajuste na Eletrobras, diz KPMG». Valor Econômico. 18 de maio de 2015. Consultado em 19 de maio de 2019 
  42. «Denúncua MPF» 
  43. «Eletrobras diz que não entregará formulário 20-F de 2014 e 2015 a tempo». ISTOÉ DINHEIRO. 17 de maio de 2016. Consultado em 19 de maio de 2019 
  44. «EXCLUSIVA-Investigação vê mais indícios de corrupção na Eletrobras, diz fonte - Reuters». br.reutersmedia.net. Consultado em 19 de maio de 2019 
  45. «Eletrobras admite perdas de mais de R$ 300 milhões com corrupção». Terra. Consultado em 19 de maio de 2019 
  46. «Eletrobras fecha acordo para encerrar ação coletiva nos EUA com pagamento de US$ 14,75 milhões». G1. Consultado em 19 de maio de 2019 
  47. «Eletrobras arquiva formulário 20-F na SEC». ISTOÉ DINHEIRO. 11 de outubro de 2016. Consultado em 19 de maio de 2019 
  48. «Papéis da Eletrobras sobem 240% na volta das negociações na Bolsa de NY - 13/10/2016 - Mercado». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de maio de 2019 
  49. «Eletrobras contratou investigadores americanos por R$ 400 milhões para apurar corrupção». epoca.globo.com. Consultado em 19 de maio de 2019 
  50. «Para tentar provar interferência em final, Palmeiras contrata megaempresa de investigação». Globoesporte. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  51. «Investigação do Palmeiras suspeita de celular com cartola da FPF e de ponto eletrônico com médico do Corinthians». Globoesporte. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  52. «Veja por que mega agência de investigação contratada pelo Palmeiras entrou no futebol». ESPN.com. 19 de abril de 2018. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  53. «TJD-SP volta a rejeitar impugnação da final do Campeonato Paulista em julgamento de recurso do Palmeiras». Globoesporte. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  54. «STJD rejeita pedido do Palmeiras para impugnar final do Paulistão e mantém Corinthians campeão». Globoesporte. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  55. «STJD rejeita pedido do Palmeiras para impugnar final do Paulistão e mantém Corinthians campeão». Globoesporte. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  56. «STJD rejeita pedido do Palmeiras para impugnar final do Paulistão e mantém Corinthians campeão». Globoesporte. Consultado em 14 de janeiro de 2019 
  Este artigo sobre uma empresa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.