Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bambara (Bamanankan)
Falado em: Mali
Burquina Fasso
Costa do Marfim
Guiné
Senegal
Gâmbia
Total de falantes: cerca de 6 milhões
Família: Nigero-congolesa
 Atlântico-congolesa[1]
  Mandê
   Ocidental
    Sudoeste
     Bambara
Escrita: Alfabeto latino
Alfabeto N'Ko
Códigos de língua
ISO 639-1: bm
ISO 639-2: bam
ISO 639-3: bam
Extensão histórica do povo bambara.

O bambara, conhecido localmente como bamanankan (ߒߞߏ, literalmente "som bamana(n)"), é uma língua nigero-congolesa falada no Mali por até seis milhões de pessoas, língua materna do grupo étnico bambara, e que serve como lingua franca naquele país (estima-se que cerca de 80% da população o utilize como língua materna ou segundo idioma), e em alguns países vizinhos, como Burquina Fasso, Costa do Marfim e Gâmbia. É uma língua tonal, com dois tons diferentes e tem a estrutura sujeito-objeto-verbo. A língua bambara teve ao longo do tempo diferentes sistemas de escrita, além do latino (alfabeto fonético).

ClassificaçãoEditar

O bambara pertence a um grupo de idiomas próximos entre si chamando de línguas mandingas, que se inserem dentro do grupo das línguas mandê. As diferenças entre o bambara e o diúla, utilizado extensivamente em Burquina Fasso, Costa do Marfim e Gâmbia, são mínimas.

EscritasEditar

A primeira, chamada Ma-Sa-Ba, foi desenvolvida por Woyo Couloubayi, da região de Kaarta em 1930. Tinha um total de 123 caracteres. Foi progressivamente abandonada. Posteriormente surgiu o N'Ko, um alfabeto criado por Solomana Kante em 1949 como sistema de escritura para as línguas mandê do oeste de África; N'Ko significa 'Eu disse' em todas as línguas mandê.

A língua escrita, porém, nunca foi para o povo. Eram poucos os que sabiam ler e escrever nestes alfabetos. A tradição era oral, transmitida por griôs (chamados "jeli" em bamanankan), que conheciam linhagens de todas famílias reais e a história do país. O povo aprendia sobre a história através dos griôs, que cantavam nas ruas e em cerimonias (principalmente casamentos). No Mali, colonizado pelos franceses, a tradição oral ainda é muito forte e são poucos os que sabem ler e escrever em bamanankan, mesmo quando 80% da população fala a língua. Até recentemente, alunos aprendiam a ler e escrever apenas em francês. O Ministério da Educação modificou o currículo recentemente para começar a educação em bamanankan e introduzir francês aos poucos. Existe um pouco de resistência com relação a este currículo, mas as escolas que estão, de fato, implementando tais mudanças mostram resultados promissores.

Referências

  1. Derivado da classificação de Ethnologue

Ligações externasEditar