Língua terena

Terêna
Falado em: Brasil
Região: São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul
Total de falantes: 15,8 (2006)
Família: Aruaque
 Meridional
  Bolivia–Parana
   Terêna
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ter
ISO 639-3: vários:
ter — Terena
gqn — Kinikinao & Guaná
caj — Chané

O terena é uma língua indígena do Brasil falada por cerca de 15 000 indivíduos.[1][2] É considerada uma língua aruaque,[3] pertencente ao subgrupo maipureano. Muitos de seus falantes têm pouca proficiência no idioma português; 20% são alfabetizados em seu próprio idioma, e 80% no português. É falado principalmente no estado do Mato Grosso do Sul, especialmente nos municípios de Aquidauana,[1] Miranda, Nioaque, Sidrolândia, Anastácio e Dois Irmãos do Buriti; também se encontram falantes do terena em Porto Murtinho, na terra indígena dos cadiueus, em Dourados, na terra indígena guarani-caiouá, e em São Paulo, no Posto Araribá, perto de Avaí e Bauru.[4]

A língua tem um dicionário[5] e gramática[6] escritos.

Muitos Terenas têm baixa proficiência em Português. É falado principalmente no Mato Grosso do Sul, mas há falantes também em Mato Grosso e São Paulo. 20%.

Havia uma vez quatro variedades, Kinikinao, Terena propriamente dita, Guaná e Chané, que às vezes são consideradas línguas separadas (Aikhenvald 1999). Apenas Terena propriamente dita ainda é falada

Como outras línguas arawakanas do sul, como achagua, apurinã, arawak, asháninka, ashéninka, baniwa, caquinte, chamicuro e outros, o Terena é polissintético, aglutinante e usa estrutura de sentenças verbais iniciais (geralmente VOS).

FonologiaEditar

Uma característica marcante do idioma diz respeito à nasalidade, que tem a função gramatical de indicar a primeira pessoa em construções morfológicas:[4]

  • e'moʔu, "sua palavra" - ẽ'mõʔũ, "minha palavra"
  • 'ayo, "irmão dele" - 'ãỹõ, "meu irmão"
  • 'owoku, "casa dele" - 'õw̃õŋgu, "minha casa"
  • 'piho, "ele foi embora" - 'mbiho, "eu fui embora"
  • a'hyaʔaʃo, "ele deseja" - ã'nʒaʔaʃo, "eu desejo"
  • ĩw̃ãʔĩnʒo, "eu cavalgo" - iwaʔiʃo, "ele cavalga"

O Terena possui um sistema composto por treze fonemas consoantes: oclusivo, fricativo, nasal, aproximante, lateral e vibrante simples. Os parâmetros relevantes para a descrição da fonologia de Terena são o ponto e a articulação do modo, também a sonoridade não implica distinção. As consoantes [p], [t], [k], [s], [ʃ] e [h], todas têm seu equivalente pré-nasalizado soado.

ConsoantesEditar

Labial Alveolar Palatal Velar Glotal
Plosiva surda p t k ʔ
pré-nasal ᵐb ⁿd ᵑɡ
Fricativa surda s ʃ h
pré-nasal ⁿz ⁿʒ
Nasal m n
Vibrante ɾ
Lateral l
Aproximante w j

A linguagem também apresenta um quadro de vogais composto pela oposição das vogais superior e inferior, meios anterior e posterior, além da vogal central baixa. A nasalização ocorre como resultado do processo de assimilação. Todas as vogais podem ocorrer no início, meio e fim da palavra.

VogaisEditar

Anterior Central Posterior
Fechada i ĩ iː (ɨ) u ũ uː
Medial e ẽ eː o õ oː
ɛ ɛː ɔ ɔː
Aberta a ã aː

[6]

Existem autores que afirmam a existência de dois tons: alto e decrescente, enquanto outros dizem que não é um idioma tonal, mas acentuado, afirmando que o idioma não contrasta vogais longas e curtas no nível subjacente, sendo sua ocorrência condicionada por os dois tipos de acento que o idioma apresenta[6].

Amostra de textoEditar

Ya inúxotique itúcoa Itucó'oviti ra vanúque yoco poqué'e. Yanecôyo avo âusso quixóvocu ra mêum epó'oxo avo apêtiya. Póihane upénoti úne yoco hahácuti apê.Yoco Espirituna Itucó'oviti: Áva uhapú'iti. Ape' coéne.

Português

No princípio, Deus criou o céu e a terra. A terra estava sem forma e vazia, e as trevas cobriam as águas profundas. O espírito de Deus pairava sobre a água. Então Deus disse: "Haja luz!" Então havia luz.

NotasEditar

  1. a b Inserção curricular da língua terena e interculturalidade na aldeia Bananal, Aquidauana, MS[ligação inativa]
  2. Minorities at Risk Project, Assessment for Amazonian Indians in Brazil, 31 de dezembro de 2003, disponível em: http://www.unhcr.org/refworld/docid/469f3a5fc.html [visitado em 10-5-2010].
  3. Bittencourt, Circe Maria e Ladeira, Maria Elisa. A História do Povo Terena. Brasília: MEC; São Paulo: USP/CTI, 2000. 156 p.
  4. a b Teréna, Teréno - Línguas Indígenas, Enciclopédia das Línguas no Brasil. Laboratório de Estudos Urbanos, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. ISBN 85-98807-04-4.
  5. Silva, Denise (28 de agosto de 2013). «Estudo Lexicográfico da Língua Terena: Proposta de um Dicionário Bilíngue Terena-Português». Repositório Institucional UNESP. Consultado em 4 de julho de 2020 
  6. a b c Nascimento, Gardênia (2012). Aspectos Gramaticais da Língua Terena. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais: [s.n.] 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.