Abrir menu principal
Uzbeque
 (O‘zbek / Ўзбек / أۇزبېك)
Falado em:  Uzbequistão
 Quirguistão
Cazaquistão
Tajiquistão
Turquemenistão
 Rússia
Região: Ásia Central
Total de falantes: 23,5 milhões
Posição: 46
Família: Turcomana
 Karluk
  Uzbeque
Escrita: Alfabeto latino
Alfabeto cirílico
Alfabeto árabe (anteriormente)
Estatuto oficial
Língua oficial de:  Uzbequistão
Regulado por: O'zbekiston Respublikasi Fanlar akademiyasi Til va adabiyot instituti
(Instituto de Língua e Literatura da Academia de Ciências da República do Uzbequistão)
Códigos de língua
ISO 639-1: uz
ISO 639-2: uzb
ISO 639-3: uzb

O uzbeque ou usbeque [1][2][3][4] (Oʻzbek tilii ou oʻzbekcha no alfabeto latino; Ўзбек тили no alfabeto cirílico; أۇزبېك ﺗﻴﻠی no alfabeto árabe), é uma língua turcomana, idioma oficial do Usbequistão. Cerca de 23,5 milhões de pessoas usam a língua usbeque como idioma primário, entre eles a maior parte dos usbeques que vivem no Usbequistão e em outros países da Ásia Central. O usbeque pertence à família karluk das línguas turcomanas, e, consequentemente, seu vocabulário e sua gramática estão mais ligados ao idioma uigur, ao mesmo tempo em que foi influenciado pelo persa, pelo árabe e pelo russo.

Índice

HistóriaEditar

Os falantes de idiomas turcomanos provavelmente se estabeleceram nas bacias dos rios Amu Dária, Sir Dária e Zeravshan desde pelo menos o século VII, gradualmente expulsando os falantes de idiomas indo-europeus que habitavam anteriormente a Sogdiana, a Báctria e a Corásmia, ou alterando seus falares. A primeira dinastia turcomana na região foi a dos karakhanidas, entre os séculos IX e XII.

O usbeque pode ser considerado como um descendente direto ou uma forma tardia do chagatai, o idioma do grande desenvolvimento literário turcomano ocorrido na Ásia Central durante o reino de Chagatai Khan, Tamerlão e os timúridas.[5] O idioma foi defendido por Ali-Sher Nawa'i nos séculos XV e XVI. Baseado na variante karluk dos idiomas turcomanos, a língua usbeque continha diversas palavras emprestadas do persa e do árabe. Já no século XIX não era mais utilizado com frequência para composições literárias.

O termo "uzbeque", quando aplicado a um idioma, teve diferentes significados ao longo do tempo. Antes de 1921 "uzbeque" e "sart" eram considerados como dialetos diferentes da mesma língua; o "uzbeque" era um dialeto kiptchak com harmonia vocálica falado pelos descendentes daqueles que chegaram na Transoxiana com Shaybani Khan no século XVI, e que viviam principalmente em torno de Bucara e Samarcanda, embora o idioma turcomano falado em Tashkent também tenha harmonia vocálica; "Sart" era o dialeto karluk falado pelas populações assentadas anteriormente na região do vale de Fergana e na região de Kashkadar, e em algumas partes do óblast de Samarcanda, que continha uma presença mais pesada de influências persas e árabes, e não utilizava a harmonia vocálica. Em Khiva os falantes do sarts utilizavam uma forma do turcomano oguz altamente persianizado. Depois de 1921, o regime soviético aboliu o uso do termo "sart" considerando-o ofensivo, e decretou que a partir de então toda a população turcomana do Turquestão deveria ser conhecida como "uzbeque", mesmo aqueles que não pertenciam ao grupo tribal uzbeque. A língua escrita padrão que foi escolhida para a nova república em 1924, no entanto, não foi o "uzbeque" pré-revolucionário, e sim o "sart" da região de Samarcanda, apesar dos protestos de bolcheviques uzbeques como Faizullah Khodjaev. Os três dialetos ainda continuam a existir dentro do atual uzbeque oral.

Número de falantesEditar

Nos países que fizeram parte da União Soviética, existem cerca de 24,7 milhões de pessoas que falam dialetos do uzbeque. No Usbequistão, 21 milhão de pessoas falam o idioma como língua nativa. Existem cerca de 1,2 milhões de falantes no Tajiquistão, 1 milhão no Afeganistão, 550.096 no Quirguistão, 332.017 no Cazaquistão e 317.333 no Turcomenistão. De acordo com o censo realizado em 1990, cerca de 3.000 pessoas falam o idioma na região do Xinjiang, na República Popular da China.

EmpréstimosEditar

A influência do islã e, por extensão, do árabe, é evidente no uzbeque, assim como influências residuais do russo, pelo tempo que o Uzbequistão esteve sob o domínio czarista e soviético. A maior parte das palavras árabes chegaram ao uzbeque através do persa. O uzbeque compartilha muito dos seu vocabulário de origem persa e árabe com o tadjique e o dari.

DialetosEditar

A língua usbeque tem diversos dialetos, que variam bastante de região a região. Existe, no entanto, um dialeto compreendido comummente por todos, que é utilizado na mídia impressa e em boa parte de todo material impresso. Alguns linguistas consideram o idioma falado pelo povo usbeque no norte do Afeganistão como um dialeto do uzbeque.

Sistemas de escritaEditar

Antes de 1924, o idioma uzbeque, assim como a maioria dos idiomas da Ásia Central, era escrito nas diversas formas do alfabeto árabe pela pequena parte da população que era alfabetizada. Entre 1924 e 1940, como parte dos programas que visavam educar (e influenciar politicamente) o povo uzbeque que possuía então, pela primeira vez, sua própria região administrativa delineada cartograficamente, o uzbeque passou a ser escrito no alfabeto latino. A latinização do uzbeque foi realizada no contexto da latinização de todos os idiomas turcomanos, sob influência das reformas realizadas por Kemal Atatürk no idioma turco, e não teria ocorrido se os outros idiomas turcomanos não tivessem sido igualmente latinizados..[6]

Em 1940, sob o regime de Josef Stalin, o uzbeque passou a ser forçosamente grafado no alfabeto cirílico, o que durou até 1992, quando, com a independência do país, o alfabeto latino foi reintroduzido. O uso do cirílico ainda é difundido, devido à influência cultural que a Rússia ainda exerce no país. Há um prazo para que a mudança total ao alfabeto latino seja efetuada no país, porém o prazo vem sendo alterado repetidamente.

A educação, em diversas áreas do Uzbequistão, já é feita no alfabeto latino,[7] e, em 2001, o alfabeto latino passou a ser usado na impressão do dinheiro do país[8] Desde 2004 os websites oficiais foram alterados para o alfabeto latino, quando escritos em uzbeque.[9][10][11] A maior parte das placas nas ruas também já estão no alfabeto latino.

Na província do Xinjiang, na República Popular da China, o uzbeque não possui uma ortografia oficial. Alguns falantes utilizam-se do alfabeto cirílico, enquanto outros utilizam o alfabeto uigur.

Esta tabela mostra a versão uzbeque dos alfabetos cirílico e latino, e seus sons correspondentes:[12]

Latino Cirílico AFI
A a А а /a, æ/
B b Б б /b/
D d Д д /d̪/
E e Е е, Э э /e/
F f Ф ф /ɸ/
G g Г г /g/
H h Ҳ ҳ /h/
I i И и /i, ɨ/
J j Ж ж /dʒ/
K k К к /k/
L l Л л /l/
M m М м /m/
N n Н н /n/
O o О о /ɒ, o/
P p П п /p/
Q q Қ қ /q/
R r Р р /r/
S s С с /s/
T t Т т /t̪/
U u У у /u, y/
V v В в /w/
X x Х х /χ/
Y y Й й /j/
Z z З з /z/
O’ o’ Ў ў /ɤ̟/
G’ g’ Ғ ғ /ʁ/
Sh sh Ш ш /ʃ/
Ch ch Ч ч /tʃ/
' ъ /ʔ/

Amostra de textoEditar

Alfabeto latino Alfabeto cirílico Português
Barcha odamlar erkin, qadr-qimmat va huquqlarda teng bo'lib tug'iladilar. Ular aql va vijdon sohibidirlar va bir-birlari ila birodarlarcha muomala qilishlari zarur. Барча одамлар эркин, қадр-қиммат ва ҳуқуқларда тенг бўлиб туғиладилар. Улар ақл ва виждон соҳибидирлар ва бир-бирлари ила биродарларча муомала қилишлари зарур. Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

Referências

  1. O Dicionário Aurélio somente aceita a forma "usbeque", não grafando a forma com "z", consoante o novo Acordo Ortográfico de 1990, cuja Base III, parágrafo, 4º, diz que, quando seguido de consoante, o "z" se tornará "s", sendo as únicas exceções a essa regra os advérbios terminados em -mente (por exemplo: felizmente); assim, em português deve-se grafar "asteca", não "azteca"; e "usbeque" (e Usbequistão); não "uzbeque")
  2. «usbeque: Significado de "usbeque" no Dicionário Michaelis (somente aceita "usbeque', e não a forma com "z")». michaelis.uol.com.br 
  3. «usbeque». Porto Editora Dicionário da Língua Portuguesa - com acordo ortográfico. Consultado em 16 de janeiro de 2016 
  4. «Significado de usbeque». auleteuol.w20.com.br. Consultado em 16 de janeiro de 2016 
  5. Allworth, Edward (1994). Central Asia: 130 Years of Russian Dominance, a Historical Overview. [S.l.]: Duke University Press. 72 páginas. ISBN 0822315211 
  6. Fierman, William (1991). Language Planning and National Development: The Uzbek. [S.l.]: Walter de Gruyter. 75 páginas. ISBN 3110124548 
  7. «RIGHTS ACTIVIST TO CONTEST UZBEK PRESIDENCY - Muslim Uzbekistan || English Section (em inglês)» 🔗. Consultado em 28 de abril de 2008. Arquivado do original em 23 de julho de 2011 
  8. Som uzbeque
  9. Gov.uz - O’zbekiston Respublikasi Davlat Hokimiyati Portali
  10. «Андижанский областной хокимият». Consultado em 28 de abril de 2008. Arquivado do original em 29 de setembro de 2007 
  11. Internet Archive Wayback Machine
  12. «Título ainda não informado (favor adicionar)» (PDF) 

Referências geraisEditar

  • E. Allworth: Uzbek Literary Politics (Haia, Mouton 1964).
  • Vasily Bartold "Sart" Ency. of Islam Vol. IV S-Z (Leiden & London) 1934 pgs. 175-6
  • Yuri Bregel "The Sarts in the Khanate of Khiva" Journal of Asian History Vol. 12 (1978) pgs. 146-9
  • András J. E. Bodrogligeti: Modern Literary Uzbek - A Manual for Intensive Elementary, Intermediate, and Advanced Courses (Munique, Lincom 2002), 2 vols.
  • William Fierman: Language planning and national development. The Uzbek experience (Berlim etc., de Gruyter 1991).
  • Khayrulla Ismatulla: 'Modern literary Uzbek (Bloomington, Indiana University Press 1995).
  • Karl A. Krippes: Uzbek-English dictionary (Kensington, Dunwoody 1996).
  • Andrée F. Sjoberg: Uzbek Structural Grammar (Haia, 1963).
  • A. Shermatov "A New Stage in the Development of Uzbek Dialectology" Essays on Uzbek History, Culture and Language Ed. Bakhtiyar A. Nazarov & Denis Sinor (Bloomington, Indiana) 1993 pp101–9
  • Natalie Waterson (ed.): Uzbek–English dictionary (Oxford etc., Oxford University Press 1980).

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.