Modo lócrio

(Redirecionado de Lócrio)

O modo lócrio é o sétimo modo da escala maior. É um modo musical ou simplesmente uma escala diatônica. No piano, é a escala que começa com o B (si) e usa apenas as teclas brancas a partir daí. Sua forma ascendente consiste na nota fundamental, então: meio tom, tom inteiro, tom inteiro, meio tom, tom inteiro, tom inteiro, tom inteiro.

 {
\override Score.TimeSignature #'stencil = ##f
\relative c' { 
  \clef treble \time 7/4
  c4^\markup { Modo lócrio em dó (C) } des es f ges aes bes c2

} }

HistóriaEditar

Locrian é a palavra usada para descrever os habitantes das antigas regiões gregas de Locris.[1] Embora o termo ocorra em vários autores clássicos na teoria musical, incluindo Cleonides (como uma espécie de oitava) e Athenaeus (como uma harmonia obsoleta), não há garantia para o uso moderno de lócrio como equivalente ao modo hipereólio de Glarean, tanto nas fases clássica, Renascimento, ou posteriores da teoria modal até o século XVIII, ou erudição moderna sobre teoria e prática musical grega antiga.[2]

O nome foi aplicado pela primeira vez à teoria do canto modal após o século XVIIII,[3] quando foi usado para descrever o modo recém-numerado como modo 11, com final em B (si), tendo dessa nota até a oitava acima, com semitons entre o primeiro e o segundo e o quarto e o quinto graus como ambitus. Seu tom recitativo (ou tenor) é G, sua mediante é D, e tem duas participantes: E e F.[4] O final, como o próprio nome indica, é o tom no qual o canto finalmente se estabelece e corresponde à tônica na música tonal. O tom recitativo é o tom em torno do qual a melodia principalmente se centra,[5] a mediante é nomeada a partir de sua posição entre o tom final e o recitativo, e a participante é uma nota auxiliar, geralmente adjacente à mediante nos modos autênticos e, nas formas plagais, coincidentes com o tom de recitação do modo autêntico correspondente.[6]

Lócrio modernoEditar

Na prática moderna, o lócrio pode ser considerado uma escala menor com o segundo e o quinto graus da escala abaixados em um semitom. O modo lócrio também pode ser considerado uma escala começando no sétimo grau da escala de qualquer jônio ou escala maior. O modo lócrio tem a fórmula:

1, 2, 3, 4, 5, 6, 7

Seu acorde tônico é uma tríade diminuta (Bdim no modo lócrio da escala diatônica correspondente a C (dó) maior). A quinta diminuta deste modo e a quarta aumentada do modo lídio são os únicos modos a ter um trítono acima da tônica.

Visão geralEditar

O modo lócrio é o único modo diatônico moderno em que a tríade tônica é um acorde diminuto (que é considerado dissonante). Isso ocorre porque o intervalo entre a tônica e a quinta do acorde é uma quinta diminuta. Por exemplo, a tríade tônica de B (si) lócrio é feita das notas B (si), D (ré), F (fá). A tônica é B (si) e a quinta é F (fá). O intervalo de quinta diminuta entre elas é a causa da dissonância do acorde.[carece de fontes?]

 

O nome "lócrio" é emprestado da teoria musical da Grécia antiga. No entanto, o que agora é chamado de modo lócrio era o que os gregos chamavam de tonos mixolídio diatônico. Os gregos usaram o termo "lócrio" como um nome alternativo para seu tonos "hipodórico", ou "comum", com uma escala que vai de mese a nete hyperbolaion, que em seu gênero diatônico corresponde ao modo eólio moderno.[7] Em sua reforma da teoria modal no Dodecachordon (1547), Heinrich Glarean nomeou esta divisão da oitava "Hipereólio" e imprimiu alguns exemplos musicais (um exemplo polifônico de três partes especialmente encomendado de seu amigo Sixtus Dietrich, e o Christe de uma missa por Pierre de La Rue), embora ele não aceitasse o hipereólio como um de seus doze modos.[8] O uso do termo "lócrio" como equivalente ao hipereólio de Glarean ou ao mixolídio (diatônico) da Grécia antiga, no entanto, não tem autoridade antes do século XIX.[9]

ReferênciasEditar

  1. «Locrian» . Oxford University Press Online ed. Oxford English Dictionary 
  2. Harold S. Powers, "Locrian", The new grove dictionary of music and musicians, segunda edição, editado por Stanley Sadie e John Tyrrell (Londres: Macmillan publishers, 2001); David Hiley, "Mode", The Oxford companion to music, editado por Alison Latham (Oxford e New York: Oxford university press, 2002) ISBN 978-0-19-866212-9 OCLC 59376677.
  3. Harold S. Powers, "Locrian", The new grove dictionary of music and musicians, second edition, editado por Stanley Sadie e John Tyrrell (Londres: Macmillan publishers, 2001)
  4. W[illiam] S[myth] Rockstro, "Locrian mode", A dictionary of music and musicians (E.C. 1450 – 1880), by Eminent Writers, english and foreign, vol. 2, editado pir George Grove, D. C. L. (Londres: Macmillan and Co., 1880): 158.
  5. Charlotte Smith, A manual of sixteenth-century contrapuntal style (Newark: University of Delaware press; Londres: Associated university presses, 1989): 14. ISBN 978-0-87413-327-1.
  6. W[illiam] S[myth] Rockstro "Modes, the ecclesiastical", A dictionary of music and musicians (C.E. 1450 – 1880), by Eminent Writers, english and foreign, vol. 2, editado por George Grove, D. C. L., 340 – 343 (Londres: Macmillan and Co., 1880): 342.
  7. Thomas J. Mathiesen, "Greece, §1: Ancient; 6: Music theory". The new grove dictionary of music and musicians, segunda edição, editado por Stanley Sadie e John Tyrrell (Londres: Macmillan publishers, 2001).
  8. Harold S. Powers, "Hyperaeolian", The new grove dictionary of music and musicians, editado por Stanley Sadie e John Tyrrell. Londres: Macmillan, 2001.
  9. Harold S. Powers, "Locrian", The new grove dictionary of music and musicians, segunda edição, editado por Stanley Sadie e John Tyrrell (Londres: Macmillan publishers, 2001).

Leitura adicionalEditar

  • Bárdos, Lajos. 1976. "Egy 'szomorú' hangnem: Kodály zenéje és a lokrikum". Magyar zene: Zenetudományi folyóirat 17, nº. 4 (dezembro): 339 – 387.
  • Hewitt, Michael. 2013. Musical scales of the world. The note tree. ISBN 978-0957547001.
  • Nichols, Roger, e Richard Langham Smith. 1989. Claude Debussy, Pelléas et Mélisande. Cambridge opera handbooks. Cambridge e New York: "'Cambridge university press. ISBN 978-0-521-31446-6
  • Rahn, Jay. 1978. "Constructs for Modality, ca. 1300 – 1550". Canadian association of university schools of music journal / Association canadienne des écoles universitaires de musique journal, 8, nº 2 (outono): 5 – 39.
  • Rowold, Helge. 1999. "'To achieve perfect clarity of expression, that is my aim': Zum Verhältnis von Tradition und Neuerung in Benjamin Britten's War Requiem". Die Musikforschung [en] 52, nº 2 (abril – junho): 212 – 219.
  • Smith, Richard Langham. 1992. "Pelléas et Mélisande". The new grove dictionary of opera, 4 vols, editado por Stanley Sadie. Londres: Macmillan press; New York: Grove's dictionaries of music. ISBN 0-333-48552-1 (U.K.) ISBN 0-935859-92-6 (U.S.)

Ligações externasEditar