Abrir menu principal
Lúcio Arrúncio Estela
Cônsul do Império Romano
Consulado 101 d.C.

Lúcio Arrúncio Estela (em latim: Lucius Arruntius Stella ) foi um político e militar romano nomeado cônsul sufecto no final de 101 com Lúcio Júlio Marino Cecílio Simplex. Era amigo dos poetas Estácio e Marcial.

Índice

OrigemEditar

Estela era um patrício[1] de Patávio[2], na Gália Cisalpina. Estácio escreveu um epitalâmio por ocasião de seu casamento em homenagem aos noivos, Estela e Violentila[3].

Marcial compôs uma eulogia a um poema de Estela sobre uma pomba[4] e descreve o próprio Estela em um de seus epigramas: "Estela, que eu amo, Severo, usa em seus dedos sardônica, esmeralda, diamante e jaspe. Em seus dedos e ainda mais em seus versos, encontrarás apenas pedras preciosas: eis, acredito, uma mão muito elegante"[5]. Estela foi mencionado muitas outras vezes nos epigramas de Marcial[6].

CarreiraEditar

Estela foi admitido no colégio dos quindecênviros dos fatos sagrados em 91[7] e organizou, no mesmo ano, os jogos para o imperador Domiciano[8] como edil[9]. Em 93, por ocasião de um triunfo do imperador, Estela organizou novos jogos[10].

Em 101, foi nomeado cônsul sufecto por Trajano[11].. Depois disto, desapareceu do registro histórico.

Ver tambémEditar

Referências

  1. Estácio, Silves, I, poema 2, 70-77.
  2. Marcial, Epigramas, I, 61.
  3. Estácio, Silves, I, poema 2.
  4. Marcial, Epigramas, I, 8.
  5. Marcial, Epigramas V, 11.
  6. Marcial, Epigramas I, 45 ; IV, 6 ; V, 12, 54 ; VI, 21, 47 ; VII, 14, 36 ; IX, 43, 61, 72, 90 ; X, 48 ; XI, 52 ; XII, 3.
  7. Estácio, Silves I, poema 2, 176-177.
  8. Estácio, Silves I, poema 2, 180-181.
  9. Estácio, Silves I, poema 2, 179-180.
  10. Estácio, Silves VIII, 78.
  11. CIL VI, 1492.