Lúcio Mamílio Vítulo

político

Lúcio Mamílio Vítulo (em latim: Lucius Mamilius Vitulus) foi um político da gente Mamília da República Romana eleito cônsul em 265 a.C. com Quinto Fábio Máximo Gurges. Foi o primeiro de sua família a chegar ao consulado e Quinto Mamílio Vítulo, cônsul em 262 a.C., era seu irmão.

Lúcio Mamílio Vítulo
Cônsul da República Romana
Consulado 265 a.C.

FamíliaEditar

Segundo a tradição, sua família, plebeia, se originou em uma família principesca de Túsculo, que alegava ser descendente de Telégono, o filho de Ulisses e Circe, os míticos fundadores da cidade. Niebuhr propõe que o cognome Vítulo (Vitulus) é uma forma diferente de '"Ítalo" (Italus) e os comentários existentes sobre a gente Mamília com o cognome "Turrino" ("tirreno", um outro nome para "etrusco"). Era comum, como demonstram os Fastos romanos mais antigos, que as grandes casas assumissem cognomes com o objetivo de diferenciar as pessoas com as quais compartilhavam laços de sangue das que compartilhavam apenas laços hospitalidade pública (ou seja, que eram da mesma gente, mas não da mesma família). Os cronistas, apesar disso, ligam o cognome Vítulo com a palavra que significa "bezerro"[1].

Consulado (265 a.C.)Editar

Um ano antes da Primeira Guerra Púnica, foi eleito cônsul com Quinto Fábio Máximo Gurges[2].

Ver tambémEditar

Cônsul da República Romana
 
Precedido por:
'Décimo Júnio Pera

com Numério Fábio Pictor

Quinto Fábio Máximo Gurges
265 a.C.

com Lúcio Mamílio Vítulo

Sucedido por:
'Ápio Cláudio Cáudice

com Marco Fúlvio Flaco


Referências

  1. Niebuhr, Hist. de Roma, vol. i p 14
  2. (em alemão) Lúcio Mamílio Vítulo. In: Der Neue Pauly (DNP). Volume 7, Metzler, Stuttgart 1999, ISBN 3-476-01477-0, Pg. 786.

BibliografiaEditar