Abrir menu principal

Lúcio Papírio Crasso (tribuno consular em 382 a.C.)

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Lúcio Papírio Crasso.
Lúcio Papírio Crasso
Tribuno consular da República Romana
Tribunato 382 a.C.
380 a.C.
376 a.C.

Lúcio Papírio Crasso (em latim: Lucius Papirius Crassus) ou Lúcio Papírio Mugilano (em latim: Lucius Papirius Mugillanus) foi um político da gente Papíria nos primeiros anos da República Romana eleito tribuno consular por duas vezes, em 382 e 376 a.C.. É possível que tenha sido tribuno consular também em 380 a.C..

Primeiro tribunato consular (382 a.C.)Editar

 Ver artigo principal: Guerra romano-prenestina

Em 382 a.C, foi eleito tribuno consular com Sérvio Cornélio Maluginense, Espúrio Papírio Crasso, Lúcio Emílio Mamercino, Quinto Servílio Fidenato e Caio Sulpício Camerino[1].

Lúcio e Espúrio Papírio comandaram as legiões romanas que derrotaram os habitantes de Velécia e o contingente prenestino aliado enquanto Lúcio Emílio e os demais tribunos receberam o comando das forças deixadas em Roma para a defesa da cidade[1].

Segundo tribunato consular? (380 a.C.)Editar

Foi eleito, segundo os Fastos Capitolinos, com Caio Sulpício Pético, Sérvio Cornélio Maluginense, Lúcio Valério Publícola, Cneu Sérgio Fidenato Cosso, Licínio Menênio Lanato, Lúcio Emílio Mamercino, Tibério Papírio Crasso e Públio Valério Potito Publícola. Lívio[2] nomeia seis cônsules para o ano: Lúcio e Públio Valério, o primeiro pela quinta vez e o segundo, pela terceira, Caio Sérgio, pela terceira vez, Licínio Menênio, pela segunda vez, e depois Públio Papírio e Sérvio Cornélio Maluginense.

O ano foi marcado pela disputa entre patrícios e plebeus sobre a questão dos cidadãos romanos caídos em escravidão por dívidas. Deste conflito se aproveitaram os prenestinos, que chegaram até a Porta Colina. Para tratar de derrotar o inimigo externo, mas ainda assim limitando os poderes dos tribunos da plebe, o Senado nomeou ditador Tito Quíncio Cincinato Capitolino, que levou os romanos à vitória[3].

Segundo (ou terceiro?) tribunato consular (376 a.C.)Editar

Em 376 a.C., foi tribuno novamente, desta vez com Licínio Menênio Lanato, Sérvio Cornélio Maluginense e Sérvio Sulpício Pretextato[4].

Ver tambémEditar

Tribuno consular da República Romana
 
Precedido por:
'Sérvio Sulpício Rufo III

com Lúcio Emílio Mamercino IV
com Aulo Mânlio Capitolino III
com Lúcio Lucrécio Tricipitino Flavo III
com Lúcio Valério Publícola IV
com Marco Trebônio

Lúcio Papírio Crasso
382 a.C.

com Espúrio Papírio Crasso
com Caio Sulpício Camerino
com Sérvio Cornélio Maluginense III
com Quinto Servílio Fidenato
com Lúcio Emílio Mamercino V

Sucedido por:
'Lúcio Fúrio Medulino Fuso

com Marco Fúrio Camilo VI
com Lúcio Lucrécio Tricipitino Flavo IV
com Aulo Postúmio Albino Regilense
com Marco Fábio Ambusto
com Lúcio Postúmio Albino Regilense

Precedido por:
'Lúcio Fúrio Medulino Fuso

com Marco Fúrio Camilo VI
com Lúcio Lucrécio Tricipitino Flavo IV
com Aulo Postúmio Albino Regilense
com Marco Fábio Ambusto
com Lúcio Postúmio Albino Regilense

Sérvio Cornélio Maluginense IV
380 a.C.

com Lúcio Valério Publícola V
com Cneu Sérgio Fidenato Cosso III
com Licínio Menênio Lanato II
com Públio Valério Potito Publícola III
com Lúcio Papírio Crasso ou Mugilano
com Cneu Sérgio Fidenato Cosso
com Tibério Papírio Crasso

Sucedido por:
'Públio Mânlio Capitolino

com Lúcio Júlio Julo II
com Caio Sestílio
com Marco Albínio
com Lúcio Antíscio

Precedido por:
'Lúcio Emílio Mamercino

com Caio Vetúrio Crasso Cicurino
com Lúcio Quíncio Cincinato Capitolino
com Públio Valério Potito Publícola IV
com Sérvio Sulpício Pretextato I
com Caio Quíncio Cincinato

Licínio Menênio Lanato IV
376 a.C.

com Lúcio Papírio Crasso II
com Sérvio Cornélio Maluginense V?
com Sérvio Sulpício Pretextato II?

Sucedido por:
'Sérvio Sulpício Pretextato II (III)?

com Aulo Mânlio Capitolino IV
com Lúcio Fúrio Medulino Fuso II
com Sérvio Cornélio Maluginense V (VI?)
com Públio Valério Potito Publícola V
com Caio Valério Potito


NotasEditar

Referências

  1. a b Lívio, Ab Urbe Condita VI, 3, 22.
  2. Lívio, Ab Urbe Condita VI, 3, 2
  3. Lívio, Ab Urbe Condita VI, 3, 27-29.
  4. Dião Cássio frag. lib. VII 29,1

BibliografiaEditar