Abrir menu principal

Lúcio Róscio Eliano Mécio Céler

Lúcio Róscio Eliano Mécio Céler
Cônsul do Império Romano
Consulado 100 d.C.

Lúcio Róscio Eliano Mécio Céler (em latim: Lucius Roscius Aelianus Maecius Celer) foi um senador romano nomeado cônsul sufecto para o nundínio de novembro e dezembro de 100 com Tibério Cláudio Sacerdos Juliano[1]. É conhecido principalmente através de inscrições.

OrigemEditar

Como os elementos finais de seu nome são os mesmos dos do cônsul em 101, Marco Mécio Céler, alguns especialistas sugerem que os dois eram irmãos[2] e o cônsul em 100 teria sido adotado por um Lúcio Róscio. Porém, Olli Salomies endossa a hipótese de Ronald Syme de que ele seria filho de Marco Róscio Célio, cônsul em 81, que se casou com uma tia do cônsul em 101 e que o nome dela passou para o filho do casal. Assim, ao invés de irmãos, os dois Mécios Céleres seriam primos[3][4].

CarreiraEditar

A carreira política de Céler é parcialmente conhecida através de uma inscrição encontrada em Tibur e erigida por um amigo, Caio Vecílio Probo[5]. Anthony Birley nota que "Vecílio Probo escolheu apenas alguns cargos para sua inscrição em Tibur. Caso contrário, seria certamente curioso que ele [Mécio Céler] tenha assumido um consulado relativamente cedo sem nenhuma nomeação no serviço imperial em seu favor"[6]. Segundo Probo, a carreira de Céler começou como um dos decemviri stlitibus iudicandis, um dos quatro comitês dos vigintiviri, um passo preliminar e requerido para uma futura admissão no Senado. Céler foi depois tribuno militar da Legio IX Hispana, que estava estacionada na Britânia. Durante a campanha de Domiciano contra os catos, em 83, dois vexillationes foram enviados da IX Hispana, um deles sob o comando de Céler e o outro de Vélio Rufo. Por seus atos no conflito, Céler foi condecorado[7]. Ele foi admitido no Senado (adlectio) quando assumiu o cargo de questor de um imperador não nomeado, possivelmente Domiciano, cujo nome era frequentemente omitido depois de seu assassinato. Depois foi tribuno da plebe e pretor. Syme argumenta que a data de seu pretorado provavelmente foi entre 90 e 94[8].

Depois do consulado, seu único posto conhecido foi o de procônsul da África, que Werner Eck datou entre 117 e 118[9]. Nada mais se sabe sobre ele.

FamíliaEditar

Lucius Roscius L.[f. Qui. Paculus Mae]cius Celer M[...] Postumus Mam[ilianus? ...] Vergilius Staberia[nus ...], um questor durante o reinado de Adriano, provavelmente era filho ou neto de Mécio Céler[3].

Ver tambémEditar

Referências

  1. Fasti Ostienses (ed. Ladislaus Vidman, second edition: Praha: Academia, 1982), pp. 45f, 94f
  2. Der Neue Pauly, Stuttgardiae 1999, T. 7, c. 636.
  3. a b Olli Salomies, Adoptive and polyonymous nomenclature in the Roman Empire, (Helsinski: Societas Scientiarum Fenica, 1992), p. 134
  4. Der Neue Pauly, Stuttgardiae 1999, T. 10, c. 1137
  5. CIL XIV, 3612
  6. Birley, The Fasti of Roman Britain (Oxford: Clarendon Press, 1981), p. 270
  7. Valerie A. Maxfield, The Dona Militaria of the Roman Army (Durham theses, Durham University, 1972), Part 2, p. 39
  8. Syme, Tacitus, p. 666
  9. Werner Eck, "Jahres- und Provinzialfasten der senatorischen Statthalter von 69/70 bis 138/139", Chiron, 13 (1983), pp. 148f