Abrir menu principal
Lúdio Coelho
Lúdio Martins Coelho
Senador Lúdio Coelho no plenário do Senado Federal, em 2002. Foto: Roosevelt Pinheiro/Agência Senado
Senador por  Mato Grosso do Sul
Período 1 de fevereiro de 1995
até 31 de janeiro de 2003
56º e 58º Prefeito de  Campo Grande
Período 1 de janeiro de 1989
até 31 de dezembro de 1992
Vice-prefeita Marilu Guimarães
Antecessor Juvêncio da Fonseca
Sucessor Juvêncio da Fonseca
Período 1 de janeiro de 1983
até 31 de março de 1985
Antecessor Nelly Bacha
Sucessor Juvêncio da Fonseca
Dados pessoais
Nascimento 22 de setembro de 1922
Rio Brilhante
Morte 22 de março de 2011 (88 anos)
Campo Grande
Progenitores Mãe: Lúcia Martins Coelho
Pai: Laucídio Coelho
Alma mater Universidade de Viçosa
Esposa Nilda de Almeida Coelho
Partido PSDB (1990—2011)
PTB (1986–1990)
PMDB (1980–1986)
ARENA (1965–1980)
Profissão Pecuarista

Lúdio Martins Coelho (Rio Brilhante, 22 de setembro de 1922 - Campo Grande, 22 de março de 2011) foi um agropecuarista, foi prefeito de Campo Grande, senador por Mato Grosso do Sul, além de presidente do Banco Agrícola de Dourados.[1][2] Ele faleceu em Campo Grande, aos 88 anos, de falência múltipla dos órgãos.[3]

Era conhecido também por declarações e atitudes quase folclóricas, pelo uso linguagem popular, direto e sincero, o chapéu de produtor rural que sempre usou, que virou seu símbolo e sua adoração por contar histórias que ele mesmo inventava. Manteve um mini zoológico por anos em sua casa no centro de Campo Grande, até os animais serem apreendidos pelo Ibama na década de 1990. Foi responsável pela criação do bairro Aero Rancho, antes área de sua propriedade[4].

Sua vida também foi marcada pelo sequestro e assassinato de seu filho Lúdio Martins Coelho Filho, o Ludinho com apenas 21 anos de idade em 1976, fato que ganhou repercussão em todo o país. A música "Lágrimas que choram", gravada pela dupla Milionário & José Rico no mesmo ano, homenageava o falecido nos seguintes versos: O Brasil todo sentiu / Mato Grosso entristeceu / Campo Grande está de luto / Pelo filho que perdeu.[carece de fontes?]

Mandatos[1]Editar

Trabalhos Publicados[1]Editar

  • A situação da agricultura no Brasil (1996).
  • Lei Darcy Ribeiro - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1996).
  • Legislação eleitoral (1997).
  • Reflexos sobre a reforma Agrária (1997).
  • Código de trânsito brasileiro - Lei nº 9.503/97 (1998).

Honras[1]Editar

Referências

Ligações externasEditar