Abrir menu principal

La donna è mobile

Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde abril de 2012). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

"La donna è mobile" [la ˈdɔnna ɛ ˈmɔːbile] (A mulher é volúvel) é uma aria do terceiro ato da ópera Rigoletto criada por Giuseppe Verdi. A primeira performance dessa aria foi feita em 1851 pelo tenor Raffaele Mirate. Muitos tenores famosos já a interpretaram, como Enrico Caruso, Luciano Pavarotti, Juan Diego Flórez, Alfredo Kraus, José Carreras, Plácido Domingo, Jussi Björling, entre muitos outros. Também já foi gravada uma versão feita pelo sopranista Vitas.

LibretoEditar

Original Italiana
Tradução para o português

La donna è mobile.
Qual piuma al vento,
muta d'accento e di pensiero.
Sempre un amabile,
leggiadro viso,
in pianto o in riso, è menzognero.

Refrão
La donna è mobil'.
Qual piuma al vento,
muta d'accento e di pensier!
e di pensier'!
e di pensier'!

È sempre misero
chi a lei s'affida,
chi le confida mal cauto il cuore!
Pur mai non sentesi
felice appieno
chi su quel seno non liba amore!

Refrão
La donna è mobil'
Qual piuma al vento,
muta d'accento e di pensier!
e di pensier'!
e di pensier'!

A mulher é volúvel.
Como pluma ao vento,
muda de palavra e de pensamento.
Sempre um amável,
gracioso rosto,
em pranto ou em riso, é mentiroso.

Refrão
A mulher é volúvel.
Como pluma ao vento,
muda de palavra e de pensamento!
e de pensamento!
e de pensamento!

É sempre um infeliz
quem a ela se entrega,
quem lhe confia incautamente o coração!
No entanto, nunca se sente
feliz plenamente
quem naquele seio não saboreia amor!

Refrão
A mulher é volúvel
Como pluma ao vento,
muda de ênfase e de pensamento!
e de pensamento!
e de pensamento!