Abrir menu principal

Ácido láctico

composto químico
(Redirecionado de Lactato)
Ácido láctico
Alerta sobre risco à saúde
Lactic-acid-skeletal.svg Lactic-acid-3D-balls.png
Nome IUPAC ácido 2-hidróxipropanóico
Identificadores
Número CAS 50-21-5
L: 79-33-4
D: 10326-41-7
D/L: 598-82-3
SMILES
Propriedades
Fórmula molecular C3H6O3
Massa molar 90.08 g/mol
Ponto de fusão

L: 28 °C
D: 28 °C
D/L: 16.8 °C

Ponto de ebulição

122 °C @ 12 mmHg

Acidez (pKa) 3.85
Compostos relacionados
hidroxiácidos relacionados Ácido glicólico (hidroxietanoico)
Ácido 3-hidroxipropiônico (isômero)
Ácido glicérico (2,3-diidroxipropanoico)
Ácido alfa-hidroxibutírico
Ácido málico (hidroxibutanodioico)
Ácido cítrico
Compostos relacionados Ácido propanóico
Álcool isopropílico
Propilenoglicol
Ácido pirúvico (hidroxila no C2 oxidada para carbonila)
Alanina (aminoácido)
Lactida (diéster cíclico)
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O ácido láctico ou lático ( do latim lac, lactis, leite), é um composto orgânico de função mista ácido carboxílico - álcool que apresenta fórmula molecular C3H6O3 e estrutural CH3 - CH ( OH ) - COOH. Participa de vários processos bioquímicos, e o lactato é a forma ionizada deste ácido. Foi descoberto pelo químico sueco Carl Wilhelm Scheele, no leite coalhado.

Pela nomenclatura IUPAC é conhecido como ácido 2-hidroxipropanóico ou ácido α-hidroxipropanóico.

O lactato proporciona uma valiosa fonte de energia química que se acumula como resultado de exercícios físicos intensos, quando a respiração aeróbia não da conta da demanda para geração de energia. Normalmente, o organismo degrada a glicose presente no nosso corpo juntamente com o oxigênio proveniente da respiração, produzindo energia. Entretanto, se o esforço desempenhado pela pessoa está acima da sua condição física,o organismo começa a quebrar glicose sozinha e produzir ácido lático. Quando essa molécula se encontra em excesso nos músculos (na qual ela é muito mais formada do que eliminada) causa cansaço e dores musculares.


PropriedadesEditar

O ácido láctico apresenta isomeria óptica:

  • Dextrógiro: d-ácido lático
  • Levógiro: ℓ-ácido lático
  • Racêmico: d,ℓ-ácido lático

FísicasEditar

ObtençãoEditar

Fermentação lácticaEditar

  • A partir do açúcar do leite (lactose) com o Bacillus lactis acidi.
  • A partir do amido, açúcar da uva (glicose) ou açúcar da cana (sacarose) utilizando o Bacillus Delbrücki.
  • A partir do melaço, geralmente utilizando bactérias do gênero Lactobacillus sp.

A obtenção de ácido lático com enzimas ou micro-organismos vivos pode produzir os isômeros destrógiro ou levógiro, dependendo da enzima envolvida no processo.

AgentesEditar

As bactérias láticas são os microrganismos utilizados na produção dessa moléculas e podem ser classificadas em dois tipos a partir do produto formado: Homofermentativas e Heterofermentativas.

Além do mais, possuem características marcantes como sendo Gram-positivas, não sintetizam ATP por vias respiratórias (microaerofílicas), são incapazes de sintetizar hemeproteínas, não esporulam e apresentam colônias pequenas e apigmentadas.

HomofermentativasEditar

Classificada assim por produzir somente ácido lático, sendo os primeiros estágios da via metabólica da fermentação lática os mesmo da fermentação alcoólica. Forma o ácido pirúvico como intermediário e rende 2 moles de ATP (adenosina trifosfato) por cada mol de glicose.

HeterofermentativasEditar

A fermentação da glicose resulta em vários produtos (como ácido lático, oxalacético e fórmico), degradando o açúcar pela via oxidativa das pentoses fosfato. Forma o ácido pirúvico e o aldeído acético como intermediários e produz 1 ATP por mol de glicose.

Reação química em laboratórioEditar

Reagindo o etanal com uma mistura de cianeto de sódio e ácido sulfúrico:

CH3 - COH + HCN ( NaCN + H2SO4 ) → CH3 - CH ( OH ) - COOH

A obtenção que não envolve enzimas produz, geralmente, o ácido lático racêmico.

OcorrênciaEditar

É encontrado no suco de carne, leite azedo, nos músculos e em alguns órgãos de algumas plantas ou animais.

Aplicações e usosEditar

  • Alimentação de crianças.
  • Como purgante, na forma de lactobacilos de cálcio ou lactato de magnésio.
  • Removedor de sais de cálcio.
  • Como mordente.
  • Curtimento de peles.
  • Matéria-prima em sínteses orgânicas.
  • Como monômero do poliácido láctico.
  • Fabricação de polímeros (biodegradáveis, termoplásticos e transparentes).
  • Acidulante em produtos alimentícios.
  • Na forma de lactato, muito utilizado na indústria farmacêutica e de cosméticos,.

Ligações externasEditar