Lamu (mitologia)

Lamu (Lahmu; lit. "Cabeludo"), nome de uma divindade protetora e benéfica da mitologia acadia, é um filho primogênito de Apsu e Tiamate. Ele e sua irmã Lacamu são os pais de Ansar e Quisar, o pai céu e a mãe terra, que deram origem ao deuses do panteão da Mesopotâmia. Lamu é retratado como um homem barbudo com uma faixa vermelha, geralmente com três fios e 4 a 6 ondulações na cabeça. Frequentemente é associado ao cusaricu ou homem-touro. Nos tempos sumérios Lamu pode ter significado "o enlameado". Lamu guardava os portões do templo de Enqui em Apsu Eridu. Ele e sua irmã Lacamu são divindades primordiais no épico babilônico da Criação Enuma Elis, e Lamu pode ser relacionado com (ou idênticos a) Lacamu, criaturas da Tiamate nesse épico.[1]

Lamu
Espírito protetor de Nínive
Lahmu, Nineveh, 900-612 BCE.jpg
Estátua representando Lamu.
Outro(s) nome(s) Laquemu, Lache, Lumasi, Lamassu
Cônjuge(s) Lacamu
Pais Apsu, Tiamate
Irmão(s) Lacamu (irmã)
Filho(s) Ansar, Quisar

Alguns estudiosos têm especulado que o nome de Belém, na verdade, originalmente continha uma referência a uma forma cananita de "Lamu", em vez de a palavra cananita para "pão", "lehem".[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Jeremy Black and Anthony Green (2003). Gods Demons and Symbols of Ancient Mesopotamia. University of Texas Press, Austin.
  2. Michael Jordon (2002). Encyclopedia of Gods. Kyle Cathie Limited.