Abrir menu principal
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Lançarote de Lagos
Nascimento Lagos
Ocupação explorador, Navegador, traficante de escravos

Lançarote de Lagos, também conhecido como Lançarote de Freitas, foi um navegador português do século XV.

Índice

BiografiaEditar

Lançarote de Lagos, natural de Lagos, realizou várias viagens a África com objectivos comerciais, sob autorização do Infante D. Henrique, de quem era escudeiro e moço de câmara.

Na sua primeira viagem, em 1444, conta-se que capturou cerca de 200 escravos. Estes, segundo Gomes Eanes de Zurara, foram vendidos em Lagos.

Mais tarde, participou, junto com Gil Eanes, numa expedição armada a Tider, com o objectivo de combater os mouros que se opunham aos planos do Infante D. Henrique.

Tendo adquirido sua licença, a companhia de Lagos equipou uma frota de seis navios e cerca de trinta homens que partiram para os bancos de Arguin na primavera de 1444. Os seis capitães normalmente são registrados como:[1]

A frota de Lançarote dirigia-se diretamente para o extremo sul da Baía de Arguin, onde os prisioneiros de Nuno Tristão lhes disseram que poderiam ser encontrados populosos assentamentos de pesca. Um ataque antes do amanhecer na ilha de 'Nar' ( Nair rendeu o primeiro conjunto de cativos. Isto foi seguido por incursões na maior ilha vizinha de Tider (Tidra ilha) e Cerina (península de Serenni). Em apenas alguns dias, a frota de Lagos levara 235 nativos berberes cativos. A população restante fugiu dos assentamentos costeiros e se escondeu no sertão, não havia muito sentido permanecer na área. Em agosto, a frota havia retornado a Lagos com sua carga humana.

O espetáculo do desembarque, da divisão e da venda dos escravos de Arguin em Lagos, na presença do infante D. Henrique, montado em seu cavalo, é descrito com detalhes tristes em Crónicas de Zurara.[2]

 
Placa toponímica da Rua Lançarote de Freitas, em Lagos.

HomenagensEditar

O nome de Lançarote de Freitas foi colocado numa rua na cidade de Lagos.[3]

Referências

  1. Zurara (p.60-86), Barros (p.65), Quintella (p.106), Diffie and Winius (p.80-81)
  2. Zurara, p.79-86
  3. «Freguesia de Santa Maria» (PDF). Câmara Municipal de Lagos. Consultado em 14 de Dezembro de 2018. Arquivado do original (PDF) em 22 de Fevereiro de 2014 

FontesEditar

  • João de Barros (1552–59) Décadas da Ásia: Dos feitos, que os Portuguezes fizeram no descubrimento, e conquista, dos mares, e terras do Oriente. Vol. 1 (Dec I, Lib.1-5)
  • Gomes Eanes de Zurara (1453) Crónica dos feitos notáveis que se passaram na Conquista da Guiné por mandado do Infante D. Henrique or Chronica do descobrimento e conquista da Guiné. [Trans. 1896-99 by C.R. Beazley and E. Prestage, The Chronicle of the Discovery and Conquest of Guinea, London: Halykut]
  • Cortesão, Armando (1931) "Subsídios para a história do Descobrimento de Cabo Verde e Guiné", Boletim da Agencia Geral das Colonias, No. 75. As reprinted in 1975, Esparsos, vol. 1, Coimbra
  • Diffie, Bailey W., and George D. Winius (1977) Foundations of the Portuguese empire, 1415-1580 Minneapolis, MN: University of Minnesota Press
  • Manuel de Faria e Sousa (1675) ""Empieça la Memoria de todas las Armadas", in Asia Portuguesa, Vol. 3, p.525-61
  • Quintella, Ignaco da Costa (1839–40) Annaes da Marinha Portugueza, 2 vols, Lisbon: Academia Real das Sciencias. vol. 1