Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta biografia cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Laura Soveral
Nome completo Maria Laura do Soveral Rodrigues
Nascimento 23 de março de 1933
Benguela, Angola colonial
Nacionalidade portuguesa
Morte 12 de julho de 2018 (85 anos)
Lisboa, Portugal
Ocupação atriz
Prémios Sophia
Prémio Sophia de Carreira (2013)
Outros prémios
Prémio de Melhor Actriz de Cinema (1968) SNI
Prémio da Imprensa (1968) Cinema
Prémio Bárbara Virgínia (2016)
Nomeações
Prémio Sophia (2013) Melhor Atriz Principal

Maria Laura do Soveral Rodrigues (Benguela, 23 de março de 1933Lisboa, 12 de julho de 2018) foi uma premiada atriz portuguesa.

Com inúmeros trabalhos em teatro, foi também reconhecida pela sua atividade cinematográfica, salientando-se Uma Abelha na Chuva (1972), de Fernando Lopes, como um dos seus primeiros trabalhos.

BiografiaEditar

Maria Laura do Soveral Rodrigues, mais conhecida como Laura Soveral,[1] nasceu em 23 de março de 1933, Benguela (Angola colonial).[2]

Vinda de Benguela, onde trabalhava num jardim de infância, enveredou pela representação ao estabelecer-se em Lisboa. A frequentar Filologia Germânica, na Faculdade de Letras, iniciou-se em 1964, no Grupo Fernando Pessoa, dirigido por João d'Ávila. Inscrevia-se, entretanto, na Escola de Teatro do Conservatório Nacional.

Participou no filme Estrada da Vida (1968), de Henrique Campos.[2] Por este papel Laura Soveral recebeu o Prémio de Melhor Actriz de Cinema (1968), atribuído pelo SNI, num ano em que também foram distinguidos o documentário Keramus, de Afonso Botelho (Prémio Paz dos Reis) e Aquilino Mendes (Melhor Fotografia), num ano em que não foram atribuídos os prémios para "Melhor Filme" e "Melhor Actor".[3]

Colaborou na televisão onde foi sendo chamada para fazer teatro ou para declamar poemas no programa Hospital das Letras de David Mourão-Ferreira.[4]

Laura Soveral recebeu o Prémio da Imprensa (1968), actual Prémio Bordalo na categoria de "Cinema", entregue pela Casa da Imprensa, em 1969, que também distinguiu nessa ocasião o ator João Lourenço e a curta-metragem Tapeçaria, Uma Tradição que Revive de António-Pedro Vasconcelos.[5]

Entre 1970 e 1971 tem a sua mais importante época no teatro, fazendo O Processo de Kafka e Depois da Queda de Arthur Miller. Em 1970 apresentou o programa Curto-Circuito da RTP.

Em 1972 participou no filme Uma Abelha na Chuva, de Fernando Lopes. A seguir à Revolução de 25 de Abril de 1974 vai viver para o Brasil. Em 1976 actuou na novela O Casarão (exibida em 1978 em Portugal) e em Duas Vidas, ambas da Rede Globo de Televisão.

Participa no filme Francisca de Manoel de Oliveira. Em 1981 entra na série Um Táxi na Cidade. Participa depois nas novelas Chuva na Areia e Passerelle.

Interpretou autores como Fernando Pessoa, José Saramago, Almada Negreiros, Ferenc Molnar, Moliére, Kafka, Yves Jamiacque, entre outros. Esteve em cena no Teatro Nacional D. Maria II, Teatro São Luíz, Teatro da Cornucópia, Teatro da Comuna, Teatro Aberto, Teatro Sá da Bandeira, Teatro Maria Matos, Teatro Villaret, onde trabalhou com Gracindo Júnior, Adolfo Marsillach, Carlos Avillez, Fernando Amado, João D'Ávila, Norberto Barroca, Maria do Céu Guerra, Diogo Infante e Christine Laurent.

A sua longa experiência cinematográfica passa por filmes como Vale Abraão e A Divina Comédia de Manoel de Oliveira, Terra Sonâmbula de Teresa Prata, O Fatalista e Tráfico de João Botelho, Quaresma de João Álvaro Morais, O Delfim de Fernando Lopes, Encontros Imperfeitos de Jorge Marecos Duarte, entre muitos outros.

A Academia Portuguesa de Cinema atribui-lhe Prémio Sophia de Carreira (2013), a par de Acácio de Almeida e José Manuel Castello Lopes.[6] Nessa mesma edição, Laura Soveral estava nomeada para o prémio de "Melhor atriz principal", pela sua participação em Tabu (2012) de Miguel Gomes.[7]

Voltou a ser distinguida pela Academia Portuguesa de Cinema, desta feita com Prémio Bárbara Virgínia (2016).[8]

Laura Soveral morreu a 12 de julho de 2018, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa.[9]

CinemaEditar

Ano Título Refs.
1968 Estrada da Vida [10]
1972 Uma Abelha na Chuva [10]
1981 Francisca
1981 Oxalá [10]
1987 Relação Fiel e Verdadeira [10]
1987 Matar Saudades [10]
1991 A Divina Comédia [10]
1992 Hors Saison
1993 Aqui na Terra [10]
1993 Vale Abraão [10]
1993 A Tremonha de Cristal (documentário) [11]
1994 Ao Sul [10]
1994 Três Irmãos
1995 O Inferno Verde de Philippe Bensoussan
1996 Cinco Dias, Cinco Noites [10]
1996 Adeus, Pai [10]
1998 Tráfico [10]
1998 O Anjo da Guarda [10]
2002 O Delfim [10]
2002 A Mulher que Acreditava Ser Presidente dos EUA
2003 Quaresma [10]
2004 Portugal S. A.
2005 O Fatalista [10]
2005 Alice [10]
2007 The Lovebirds
2008 A Corte do Norte [10]
2010 Filme do Desassossego
2011 Aristides de Sousa Mendes - O Cônsul de Bordéus [10]
2012 Tabu [10]
2013 Cadências Obstinadas
2014 Os Maias: Cenas da Vida Romântica [10]



TelevisãoEditar

Ano Título Personagem Refs.
1964 Hospital das Letras
1975 Angústia Para o Jantar
1976 O Casarão Francisca
1977 Duas Vidas Leonor Oliveira
1981 Um Táxi na Cidade Marília
1985 Chuva na Areia Judite
1988 Passerelle Palmira
1989 Crime à Portuguesa Idalina
1989 Ricardina e Marta Sra. Clementina
1990 Os Melhores Anos Berta
1990 Chuva de Maio Malú
1993 A Viúva do Enforcado Feliciana
1998 Hotel Bon Séjour Felismina
1999 Esquadra de Polícia Beatriz
2000 Crianças SOS Isabel Guerreiro
2000 Aniversário Tia Judite
2001 O Espírito da Lei Velha senhora
2002 Fúria de Viver
2003 O Jogo Rita
2004 Segredo Cândida
2005 Morangos com Açúcar (2.ª série) Madame Josephine
2006 Tempo de Viver Teresa Mendes
2007 Chiquititas Angústias
2008 O Dia do Regicídio Rainha D. Maria Pia
2009 Vila Faia Tia de Henrique
2010 Regresso a Sizalinda
2011 Liberdade 21 Isilda
2011 Voo Directo
2012 Velhos Amigos Verónica
2012 Maternidade Sílvia
2012 A Morte dos Tolos
2013 Odisseia Avó de Bruno
2014 Belmonte Dona Alice
2015 Os Maias Senhora de preto

TeatroEditar

Ano Título Companhia ou Grupo Refs.
1967 D. Quixote TEC - Teatro Experimental de Cascais [12]
1970 O Processo de Kafka G.A.T. - Grupo de Acção Teatral [12]
1971 Depois da Queda G.A.T. - Grupo de Acção Teatral [12]
1972 Tartufo TEBO - Teatro de Bolso [12]
1975 O Pato com Laranja [12]
1978 É! [12]
1985 O Marinheiro ou Hamlet e o Pavor Desconhecido Grupo Fernando Pessoa [12]
1987 A Segunda Vida de Francisco de Assis Novo Grupo / Teatro Aberto [12]
1993 Primavera Negra Teatro da Cornucópia [12]
1994 Pastéis de Nata para a Avó A Barraca [12]
1996 O Último Baile do Império A Barraca [12]
1997 Xeque Mate A Barraca [12]
1997 O homem dentro do armário Teatro Nacional D. Maria II
Teatro da Comuna
[12]
1999 O lírio, vida e morte de um malandro Teatro da Cornucópia [12]
2005 A Casa de Bernarda Alba Teatro São Luiz [12]
2011 Os Filhos de Teresa (leitura encenada) [12]
2013 O Público SLTM - São Luiz Teatro Municipal
Ar de Filmes
Teatro do Bairro
[12]

Referências

  1. «Certidão de lista de associadas da Audiogest» (PDF). IGAC/Ministério da Cultura. 25 de julho de 2007. Consultado em 30 de Dezembro de 2013. Arquivado do original (PDF) em 24 de dezembro de 2013 
  2. a b «Cinema Português : Cronologia : 1933». Indica "O Passado e o Presente (1971)". Instituto Camões. 2003–2007. Consultado em 3 de outubro de 2017 
  3. Cunha, Paulo Manuel Ferreira da (2005). «F. Prémios de Cinema em Portugal (1944-74)». "Os Filhos Bastardos" : Afirmação e reconhecimento do Novo Cinema Português 1967-74 (Tese de Mestrado). Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. p. 259. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  4. Leitão-Ramos, Jorge (1982). Dicionário 20 Anos de Cinema Moderno em Portugal. [S.l.]: Diário de Lisboa 
  5. «Prémios Bordalo». Em 1969 e 1971 denominado "Prémio da Imprensa". Presumida gralha "1973" para data de cerimónia. Sindicato dos Jornalistas. 22 de janeiro de 2002. Consultado em 22 de setembro de 2017. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  6. «Florbela e Tabu foram os grandes vencedores dos prémios Sophia». Público data=7 de outubro de 2014. Consultado em 19 de abril de 2014 
  7. L.S. (11 de setembro de 2013). «"Tabu" e "Florbela" entre nomeados para Melhor Filme dos Prémios Sophia 2013». SapoMag. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  8. Rita Aleixo (23 de dezembro de 2016). «Júlia Buisel vence prémio Bárbara Virgínia da Academia Portuguesa de Cinema». Lux Woman. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  9. Agência Lusa (12 de julho de 2018). «Faleceu a atriz Laura Soveral, aos 85 anos». Sapo24. Consultado em 3 de outubro de 2017 
  10. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u «Pessoa :Laura Soveral». CinePT - Cinema Português (Universidade da Beira Interior). Consultado em 3 de outubro de 2017 
  11. Manuela Penafria (2009). O Paradigma do Documentário : António Campos, Cineasta (PDF). Covilhã: Livros Labcom (Universidade da Beira Interior). p. 226. ISBN 978-989-654-013-5. Consultado em 25 de janeiro de 2019 
  12. a b c d e f g h i j k l m n o p q «Ficha de Pessoa : Laura Soveral». Centro de Estudos de Teatro & Tiago Certal. 22 de Janeiro de 2014. Consultado em 10 de outubro de 2017 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma atriz é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.