Laurentino Gomes

escritor brasileiro

José Laurentino Gomes (Maringá, 17 de fevereiro de 1956) é um jornalista e escritor brasileiro.

Laurentino Gomes
Nascimento 17 de fevereiro de 1956
Maringá
Cidadania Brasil
Alma mater
Ocupação jornalista, escritor
Prêmios
Obras destacadas 1808 (livro), 1822 (livro), 1889 (livro), Escravidão (Laurentino Gomes)
Página oficial
http://laurentinogomes.com.br

BiografiaEditar

Formou-se em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e concluiu a pós-graduação em Administração de Empresas pela Universidade de São Paulo (USP). Também fez cursos na Universidade de Cambridge, Inglaterra, e na Universidade de Vanderbilt, Estados Unidos. Trabalhou como repórter e editor para vários órgãos de comunicação do Brasil, incluindo o jornal O Estado de S. Paulo e a revista Veja.[1]

ObraEditar

Tornou-se famoso como escritor graças à sua autoria do best-seller 1808 - Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil, livro que narra a chegada da corte portuguesa ao Brasil.

Em 7 de setembro de 2010, faz na Bolsa Oficial de Café, na cidade de Santos, o lançamento nacional da obra 1822. Data que marca também o aniversário de 88 anos do edifício da Bolsa.

Ao fim de março de 2012, a Globo Livros anunciou a assinatura de contrato para o lançamento do próximo livro de Laurentino 1889, livro que chegou ao mercado no segundo semestre de 2013. A tiragem inicial foi de 200 mil exemplares. Sobre a obra, Laurentino diz: “'No terceiro e último volume da série, explico porque o país permaneceu como a única monarquia das Américas, por mais de 67 anos e mostrar como foi a Proclamação da República, em 1889.[2]

Em maio de 2015, anunciou uma nova trilogia intitulada Escravidão. O primeiro volume foi lançado em 2019, o segundo, em 2021, e o terceiro tem lançamento previsto para 2022.

DistinçõesEditar

Em 2008, o livro 1808 recebeu o prêmio de melhor ensaio da Academia Brasileira de Letras e da 53ª edição do Prêmio Jabuti de Literatura na categoria de livro-reportagem e de "livro do ano" da categoria de não-ficção.[3][4][5]

Em 2008, a Revista Época elegeu Laurentino uma das 100 pessoas mais influentes do ano, pelo mérito de conseguir vender mais de meio milhão de exemplares de livro de História do Brasil. [6]


     
Capa do livro 1808
Capa do livro 1822
Capa do livro 1889

Ligações externasEditar

Conta oficial no Instagram.

Conta oficial no Twitter.

Referências

  1. Site do autor Arquivado em 5 de janeiro de 2013, no Wayback Machine., Acessado em 22 de setembro de 2012.
  2. [1][ligação inativa], Portal Imprensa
  3. Mikevis, Dayanne (31 de outubro de 2008). «Surpreso, Loyola Brandão recebe Jabuti de livro do ano de ficção». Folha Online 
  4. Clic RBS - 54.ª Feira do Livro de Porto Alegre
  5. Uol, [2] Arquivado em 27 de dezembro de 2013, no Wayback Machine., Uol, 30 de novembro de 2011
  6. Redação Época, Laurentino Gomes, por Lilia Schwarcz, Revista Época, 05 de dezembro de 2008
  Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.