Lebensreform

Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Lebensborn.

Lebensreform ("reforma da vida" em alemão) é o termo genérico para designar vários movimentos sociais que emanaram em meados do século XIX na Alemanha e na Suíça em particular. Os movimentos propagavam um estilo de vida em torno da natureza, enfatizando, entre outras coisas, alimentos saudáveis, crus e orgânicos, nudismo, liberação sexual, medicina alternativa, reforma religiosa e, ao mesmo tempo, abstenção de álcool, tabaco, drogas e vacinas.[1][2] Características comuns também eram as críticas à industrialização, materialismo e urbanização, combinadas com a luta pelo estado de natureza.[3]

Entrada de uma moderna loja Reformhaus alemã

Os principais defensores do movimento Lebensreform foram Sebastian Kneipp, Louis Kuhne, Rudolf Steiner, Karl Wilhelm Diefenbach, Fidus, Gustav Gräser e Adolf Just. Alguns praticantes da Lebensreform, como Bill Pester, Benedict Lust e Arnold Ehret, emigraram para a Califórnia no final do século XIX ou na primeira metade do século XX e influenciaram diretamente o movimento hippie posterior.[1][2]

Um legado notável da Lebensreform na Alemanha hoje são as lojas de varejo Reformhaus ("casa da reforma"), que vendem remédios naturopáticos e alimentos orgânicos.[4]

Referências

  1. a b "Hippie Roots & The Perennial Subculture" Arquivado 2010-09-24 no Wayback Machine — também contém trechos de Kennedy (1998)
  2. a b Frieze magazine, issue 122 (abril de 2009): Tune in, Drop out Arquivado 2010-01-03 no Wayback Machine
  3. «Nacktkultur, Lebensreform, Körperkultur - Neue Forschungsliteratur und Methodenfragen» (em alemão). Henning Eichberg. Consultado em 10 de fevereiro de 2020 
  4. Fritzen, F. (2009). «Changing the World with Müsli». German Research. 31 (3): 10–14. doi:10.1002/germ.201090000 PDF
  Este artigo sobre movimentos sociais é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.