Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Legio V.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde maio de 2019). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Legio V Macedonica
Roman Empire 125.png
Mapa do Império Romano em 125, sob o imperador Adriano, mostrando a Legio IV Macedonica acampada no Danúbio, em Tresmis (Romênia), na Mésia Inferior, de 107 até o século 161.
País República Romana; Império Romano; Império Bizantino
Missão Infantaria (com algum apoio de cavalaria)
Unidade Legião romana (mariana)
Posteriormente, uma unidade comitatense
Denominação possivelmente Urbana e/ou Gallica (antes de 31 a.C.)
Macedonica - "da Macedônia" (a partir de 6)
Pia Fidelis - "Fiel e Leal", ou Pia Constans - "Fiel e Confiável" (a partir de 185-187)
Pia III Fidelis III (sob Valeriano)
Pia VII Fidelis VII (sob Galiano)
Criação 43 a.C.
Extinção século V
Patrono Caio Víbio Pansa Cetroniano e Otaviano
Mascote Touro e Águia
História
Guerras/batalhas Batalha de Ácio (31 a.C.)
Revolta Panônia (6–9 d.C.)
Guerra romano-parta de 58-63
Primeira guerra judaico-romana (66-70)
Campanha suevo-sármata de Domiciano (89 97)
Guerras Dácias de Trajano (101-106)
Guerra romano-parta de 161-166
vexillationes da Quinta participaram de diversas outras campanhas.
Logística
Efetivo Variado. 5 000 - 6 000 durante o Principado romano
Comando
Comandantes
notáveis
Cneu Domício Córbulo
Lúcio Vero
Sede
Guarnição Macedônia (30 a.C. - 6 d.C.)
Esco, Mésia Inferior (6-62)
Esco (71-101)
Tresmis, Dácia (107-161)
Potaissa, Dácia Porolissense (166-274)
Esco (274-século V)

Legio quinta Macedonica ("Quinta Legião Macedônica") foi uma legião romana criada provavelmente pelo cônsul Caio Víbio Pansa Cetroniano e por Otaviano em 43 e sediada na Mésia Inferior pelo menos até o século V. Seu símbolo era o touro, mas a águia também era utilizada. O cognome Macedonica vem do fato que ela esteve sediada na província romana da Macedônia por uma boa parte de sua existência.

HistóriaEditar

Século I a.C.: Criação e serviço na MacedôniaEditar

A Legio V era uma das vinte e oito legiões originais criadas por Otaviano. Há duas legiões chamadas de "Quinta" nos registros: a V Gallica (esta pode ser ainda a V Alaudae) e a V Urbana e é possível que ambas sejam a V Macedonica com outros nomes. Ela provavelmente participou da Batalha de Ácio (31 a.C.) e, posteriormente, se mudou para a Macedônia, onde ficou até 6 e recebeu seu novo cognome. Finalmente, ela se mudou para Esco, na Mésia.

Século I: A Grande Revolta JudaicaEditar

 
Lápide de soldado da Legio V Macedonica em Emaús.

Em 62, algumas vexillationes da Quinta lutaram sob o comando de Lúcio Cesênio Peto na Armênia contra o Império Parta. Após a derrota na Batalha de Randeia, a V Macedonica, juntamente com a III Gallica, a VI Ferrata e a X Fretensis, sob o comando de Cneu Domício Córbulo, foi enviadas para o oriente numa bem-sucedida campanha contra os partas.

A Quinta provavelmente ainda estava no oriente quando a primeira guerra judaico-romana estourou na província da Judeia em 66. Nero entregou a V Macedonica, a X Fretensis e a XV Apollinaris a Vespasiano para que ele sufocasse a revolta. Em 67, na Galileia, a cidade de Séforis se rendeu pacificamente ao exército romano e, posteriormente, a Quinta conquistou o Monte Gerizim, o principal santuário dos samaritanos. No "ano dos quatro imperadores" (68), a legião ficou inativa em Emaús, onde estão até hoje diversas lápides de soldados da Quinta. Após a proclamação de Vespasiano como imperador romano e o final da guerra na Judeia pelas mãos de seu filho Tito, a V Macedonica deixou a região e retornou para Esco (71). Em 96, o futuro imperador Adriano serviu na Quinta como tribuno militar.

Século II: Na Dácia, protegendo a fronteira do DanúbioEditar

Em 101, a Legio V se mudou para a Dácia para lutar nas Guerras Dácias do imperador Trajano contra o rei Decébalo. O legado da V Macedônica era o futuro imperador Adriano. Após o final da guerra, em 106, ela permaneceu em Tresmis (atual Iglita), perto do delta do Danúbio, até 107. Um centurião da Quinta, Calvêncio Viator, se tornou muito proeminente sob Adriano e eventualmente foi promovido a comandante da guarda montada do imperador, os cavaleiros pessoais do imperador.

Quando o imperador Lúcio Vero começou a sua campanha contra os partas (161–166), a legião se mudou novamente para o oriente, mas retornou em seguida para a Dácia Porolissense, sediada em Potaissa (atual Turda).

A fronteira norte era uma das mais perigosas do Império; quando Marco Aurélio teve que lutar contra os marcomanos, os sármatas e os quados, a V Macedonica foi novamente convocada. No início do reinado de Cômodo, a Quinta e a XIII Gemina, comandandas pelos usurpadores Pescênio Níger e Clódio Albino, derrotaram novamente os sármatas. Na sequência, a Quinta apoiou Sétimo Severo em sua luta pelo trono.

Em 185 ou 187, a V Macedonica recebeu o título de Pia Constans ("Fiel e Confiável") ou Pia Fidelis ("Fiel e Leal") após derrotar um exército mercenário na Dácia.

Últimos anos: honras e evoluçãoEditar

Em Potaissa grande parte do século III, a V Macedonica entrou em combate várias vezes e recebeu muitas honras. Valeriano deu à Quinta o nome de III Pia III Fidelis; seu filho, Galiano, de VII Pia VII Fidelis, com os títulos de IV, V e VI provavelmente recebidos quando a legião foi utilizada como uma unidade de cavalaria contra os usurpadores Ingênuo e Regaliano (260, na Mésia). Um vexillatio lutou contra Vitorino (269-271, na Gália).

A Legio V retornou para Esco em 274 após Aureliano ordenar a retirada da Dácia. Ela guardou a província nos séculos seguintes, se tornando uma unidade comitatense sob o mestre dos soldados do Oriente (magister militum per Orientem) e provavelmente foi incorporada ao exército bizantino.

A unidade de cavalaria criada por Galiano foi definitivamente separada por Diocleciano e se tornou parte de seu comitato. Esta unidade foi enviada para a Mesopotâmia, onde lutou com sucesso contra o Império Sassânida em 296, e para Mênfis, onde permaneceu até ser incorporada pelo exército bizantino.

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • E. Ritterling, Legio, RE XII, col. 1572-5
  • Rumen Ivanov, Lixa Legionis V Macedonicae aus Oescus, ZPE 80, 1990, p. 131-136
  • D. Barag, S. Qedar, A Countermark of the Legio Quinta Scytica from the Jewish War, INJ 13, (1994–1999), pp. 66–69.
  • S. Gerson, A New Countermark of the Fifth Legion, INR 1 (2006), pp. 97–100
  • Dr. Gerson, A Coin Countermarked by Two Roman Legions, Israel Numismatic Journal 16, 2007–08, pp. 100–102
  • P. M. Séjourné, Nouvelles de Jérusalem, RB 6, 1897, p. 131
  • E. Michon, Inscription d'Amwas, RB 7, 1898, p. 269-271
  • J. H. Landau, Two Inscribed Tombstones, Atiqot , vol. XI, Jerusalem, 1976

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Legio V Macedonica