Abrir menu principal

Legio V Macedonica

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Legio V.
Legio V Macedonica
Roman Empire 125.png
Mapa do Império Romano em 125, sob o imperador Adriano, mostrando a Legio IV Macedonica acampada no Danúbio, em Tresmis (Romênia), na Mésia Inferior, de 107 até o século 161.
País República Romana; Império Romano; Império Bizantino
Missão Infantaria (com algum apoio de cavalaria)
Unidade Legião romana (mariana)
Posteriormente, uma unidade comitatense
Denominação possivelmente Urbana e/ou Gallica (antes de 31 a.C.)
Macedonica - "da Macedônia" (a partir de 6)
Pia Fidelis - "Fiel e Leal", ou Pia Constans - "Fiel e Confiável" (a partir de 185-187)
Pia III Fidelis III (sob Valeriano)
Pia VII Fidelis VII (sob Galiano)
Criação 43 a.C.
Extinção século V
Patrono Caio Víbio Pansa Cetroniano e Otaviano
Mascote Touro e Águia
História
Guerras/batalhas Batalha de Ácio (31 a.C.)
Revolta Panônia (6–9 d.C.)
Guerra romano-parta de 58-63
Primeira guerra judaico-romana (66-70)
Campanha suevo-sármata de Domiciano (89 97)
Guerras Dácias de Trajano (101-106)
Guerra romano-parta de 161-166
vexillationes da Quinta participaram de diversas outras campanhas.
Logística
Efetivo Variado. 5 000 - 6 000 durante o Principado romano
Comando
Comandantes
notáveis
Cneu Domício Córbulo
Lúcio Vero
Sede
Guarnição Macedônia (30 a.C. - 6 d.C.)
Esco, Mésia Inferior (6-62)
Esco (71-101)
Tresmis, Dácia (107-161)
Potaissa, Dácia Porolissense (166-274)
Esco (274-século V)

Legio quinta Macedonica ("Quinta Legião Macedônica") foi uma legião romana criada provavelmente pelo cônsul Caio Víbio Pansa Cetroniano e por Otaviano em 43 e sediada na Mésia Inferior pelo menos até o século V. Seu símbolo era o touro, mas a águia também era utilizada. O cognome Macedonica vem do fato que ela esteve sediada na província romana da Macedônia por uma boa parte de sua existência.

HistóriaEditar

Século I a.C.: Criação e serviço na MacedôniaEditar

A Legio V era uma das vinte e oito legiões originais criadas por Otaviano. Há duas legiões chamadas de "Quinta" nos registros: a V Gallica (esta pode ser ainda a V Alaudae) e a V Urbana e é possível que ambas sejam a V Macedonica com outros nomes. Ela provavelmente participou da Batalha de Ácio (31 a.C.) e, posteriormente, se mudou para a Macedônia, onde ficou até 6 e recebeu seu novo cognome. Finalmente, ela se mudou para Esco, na Mésia.

Século I: A Grande Revolta JudaicaEditar

 
Lápide de soldado da Legio V Macedonica em Emaús.

Em 62, algumas vexillationes da Quinta lutaram sob o comando de Lúcio Cesênio Peto na Armênia contra o Império Parta. Após a derrota na Batalha de Randeia, a V Macedonica, juntamente com a III Gallica, a VI Ferrata e a X Fretensis, sob o comando de Cneu Domício Córbulo, foi enviadas para o oriente numa bem-sucedida campanha contra os partas.

A Quinta provavelmente ainda estava no oriente quando a primeira guerra judaico-romana estourou na província da Judeia em 66. Nero entregou a V Macedonica, a X Fretensis e a XV Apollinaris a Vespasiano para que ele sufocasse a revolta. Em 67, na Galileia, a cidade de Séforis se rendeu pacificamente ao exército romano e, posteriormente, a Quinta conquistou o Monte Gerizim, o principal santuário dos samaritanos. No "ano dos quatro imperadores" (68), a legião ficou inativa em Emaús, onde estão até hoje diversas lápides de soldados da Quinta. Após a proclamação de Vespasiano como imperador romano e o final da guerra na Judeia pelas mãos de seu filho Tito, a V Macedonica deixou a região e retornou para Esco (71). Em 96, o futuro imperador Adriano serviu na Quinta como tribuno militar.

Século II: Na Dácia, protegendo a fronteira do DanúbioEditar

Em 101, a Legio V se mudou para a Dácia para lutar nas Guerras Dácias do imperador Trajano contra o rei Decébalo. O legado da V Macedônica era o futuro imperador Adriano. Após o final da guerra, em 106, ela permaneceu em Tresmis (atual Iglita), perto do delta do Danúbio, até 107. Um centurião da Quinta, Calvêncio Viator, se tornou muito proeminente sob Adriano e eventualmente foi promovido a comandante da guarda montada do imperador, os cavaleiros pessoais do imperador.

Quando o imperador Lúcio Vero começou a sua campanha contra os partas (161–166), a legião se mudou novamente para o oriente, mas retornou em seguida para a Dácia Porolissense, sediada em Potaissa (atual Turda).

A fronteira norte era uma das mais perigosas do Império; quando Marco Aurélio teve que lutar contra os marcomanos, os sármatas e os quados, a V Macedonica foi novamente convocada. No início do reinado de Cômodo, a Quinta e a XIII Gemina, comandandas pelos usurpadores Pescênio Níger e Clódio Albino, derrotaram novamente os sármatas. Na sequência, a Quinta apoiou Sétimo Severo em sua luta pelo trono.

Em 185 ou 187, a V Macedonica recebeu o título de Pia Constans ("Fiel e Confiável") ou Pia Fidelis ("Fiel e Leal") após derrotar um exército mercenário na Dácia.

Últimos anos: honras e evoluçãoEditar

Em Potaissa grande parte do século III, a V Macedonica entrou em combate várias vezes e recebeu muitas honras. Valeriano deu à Quinta o nome de III Pia III Fidelis; seu filho, Galiano, de VII Pia VII Fidelis, com os títulos de IV, V e VI provavelmente recebidos quando a legião foi utilizada como uma unidade de cavalaria contra os usurpadores Ingênuo e Regaliano (260, na Mésia). Um vexillatio lutou contra Vitorino (269-271, na Gália).

A Legio V retornou para Esco em 274 após Aureliano ordenar a retirada da Dácia. Ela guardou a província nos séculos seguintes, se tornando uma unidade comitatense sob o mestre dos soldados do Oriente (magister militum per Orientem) e provavelmente foi incorporada ao exército bizantino.

A unidade de cavalaria criada por Galiano foi definitivamente separada por Diocleciano e se tornou parte de seu comitato. Esta unidade foi enviada para a Mesopotâmia, onde lutou com sucesso contra o Império Sassânida em 296, e para Mênfis, onde permaneceu até ser incorporada pelo exército bizantino.

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • E. Ritterling, Legio, RE XII, col. 1572-5
  • Rumen Ivanov, Lixa Legionis V Macedonicae aus Oescus, ZPE 80, 1990, p. 131-136
  • D. Barag, S. Qedar, A Countermark of the Legio Quinta Scytica from the Jewish War, INJ 13, (1994–1999), pp. 66–69.
  • S. Gerson, A New Countermark of the Fifth Legion, INR 1 (2006), pp. 97–100
  • Dr. Gerson, A Coin Countermarked by Two Roman Legions, Israel Numismatic Journal 16, 2007–08, pp. 100–102
  • P. M. Séjourné, Nouvelles de Jérusalem, RB 6, 1897, p. 131
  • E. Michon, Inscription d'Amwas, RB 7, 1898, p. 269-271
  • J. H. Landau, Two Inscribed Tombstones, Atiqot , vol. XI, Jerusalem, 1976

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Legio V Macedonica