Abrir menu principal
Legio XXX Ulpia Victrix
Roman Empire 125.png
Mapa do Império Romano em 125, na época do imperador Adriano, mostrando a LEGIO XXX ULPIA VICTRIX acampada às margens do rio Danúbio, em Colonia Ulpia Traiana (moderna Xanten, na Alemanha), na província da Germânia Inferior, entre 122 d.C. até o século V.
País Império Romano
Corporação Legião romana (Mariana)
Missão Infantaria (com alguma cavalaria de apoio)
Denominação Ulpia Pia Fidelis
Criação 100 d.C. até alguma data no século V d.C.
Patrono Trajano
Mascote Netuno, Júpiter e o Capricórnio
História
Guerras/batalhas Guerras Dácias
Guerra civil de 193
Guerras contra os sassânidas na década de 240
Império Gálico (ao lado de Póstumo)
Batalha dos Campos Cataláunicos (274)
Vexillationes da Legio XI participaram de muitas outras campanhas.
Logística
Efetivo Variado ao longo dos séculos
Comando
Comandantes
notáveis
Trajano
Póstumo
Sede
Guarnições Dácia (100–122)
Colonia Ulpia Traiana (122–séc. V)

Legio trigesima Ulpia victrix ou Legio XXX Ulpia Victrix ("Trigésima Legião Vitoriosa de Trajano") era uma legião do exército imperial romano criada em 100 d.C. pelo imperador Trajano (r. 98–117) para servir nas Guerras Dácias. Esta unidade esteve ativa até ser debandada na fronteira do Reno no início do século V. Seus emblemas eram os deuses Netuno e Júpiter e o Capricórnio de Augusto. "Úlpia" é uma referência à gente de Trajano (Ulpia) e o cognome "Victrix" ("Vitoriosa") foi resultado dos combates na Dácia.

Índice

HistóriaEditar

O primeiro acampamento desta unidade foi na região da Dácia, na fronteira do Danúbio, embora seja possível que pelo menos alguns destacamentos da legião tenham participado da campanha parta de Trajano. Em 122, a legião foi levada para Colonia Ulpia Traiana (moderna Xanten), na Germânia Inferior, onde permaneceu pelos séculos seguintes, primordialmente cuidando das obras civis e dos assuntos públicos.

No final do século II e início do século III, vexillationes da XXX Ulpia Victrix foram deslocados para apoiar campanhas na Gália, Mauritânia e outras províncias romanas, principalmente por causa da paz reinante na Germânia Inferior.

Durante a guerra civil de 193, a XXX Ulpia Victrix apoiou Sétimo Severo, que concedeu-lhe o epíteto de "Pia Fidelis" ("Fiel e leal").

Crise do terceiro séculoEditar

 Ver artigo principal: Crise do terceiro século

A trigésima foi utilizada pelo imperador Alexandre Severo em sua campanha de 235 contra os sassânidas e é quase certo que ela se envolveu nas guerras de Galiano contra os francos na década de 250. Lúcio Petrônio Tauro Volusiano, que tornar-se-ia prefeito pretoriano em 260 e prefeito urbano em meados da década de 260, era o primipilo da legião. Ele apoiou o Império Gálico de Póstumo (r. 260–274) e, sem dúvida, a trigésima sofreu grandes perdas quando Aureliano depôs Tétrico I na sangrenta Batalha dos Campos Cataláunicos (em Châlons-en-Champagne) em 274.

Com a reorganização do exército romano por Constâncio I Cloro, as legiões fronteiriças perderam sua importância frente aos comitatus, os corpos militares principais, baseados em cavalaria, que ficavam atrás das limes. O colapso da fronteira do Reno (408-10) marcou o fim desta legião.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Legio XXX Ulpia Victrix