Leitura labial

A leitura labial é uma das estratégias adotadas para complementar a comunicação através da leitura dos lábios e pode ser usada pelas pessoas em diferentes contextos, por exemplo, durante uma conversa com ruído de fundo ou em casos de perda auditiva. A leitura labial funciona como agente facilitador para que a mensagem seja recebida mais facilmente.

Estudos demonstram que mesmo o leitor labial mais experiente consegue captar apenas em torno de 50% do que se é dito. Boa parte de sua habilidade está ligada à sua capacidade de intuir o que esta sendo dito, completando o restante, proferido de maneira ilegível, ou mesmo naturalmente irreconhecível. Sons (fonemas) como “p” e “m”, “d” e “n” e “s” e “z”, podem ser facilmente confundidos entre si.

ProcessosEditar

Pessoas com visão, audição e as habilidades sociais normais, inconscientemente, utilizam as informações dos lábios e rosto para ajudar à compreensão auditiva na conversação diária. Cada som da fala (fonema), tem características articulatórias e fonológicas particulares, apesar de muitos fonemas compartilhar o mesmo ponto articulatório, tornando impossível de distinguir o som a partir de apenas informação visual. Alguns pontos articulatórios são menos visíveis quando "dentro da boca ou da garganta", como o caso dos fonemas velares e nasais. Pares sonoros e surdos parecem idênticos quanto ao ponto articulatório e podem ser facilmente confundidos, tais como [p] e [b], [k] e [g], [t] e [d], [f] e [v] e [s] e [z].[1]

É muito mais fácil, para quem faz a leitura labial, entender frases usuais, tais como "bom dia". Pessoas com deficiência auditiva tendem a utilizar muita leitura labial durante a vida para compreender as pessoas. Para a leitura sem o apoio auditivo se exige muita concentração e isso pode ser extremamente cansativo. Por essas e outras razões, muitas pessoas surdas preferem utilizar outros meios de comunicação com os não-signatários, como mímica e do gesto, escrita e intérpretes de língua gestual.

É também a leitura labial que pode ajudar essas pessoas na adaptação de aparelhos auditivos, integrando as pistas auditiva e visual, ou seja, os sons da fala e a articulação das palavras.[1]

A leitura labial não é uniforme, ela pode não funcionar caso o dialeto do falante e do receptor sejam diferentes, pois essas variações linguísticas envolvem, também, diferentes pontos articulatórios que podem ser lidos incorretamente. O processo de leitura pode ser prejudicado, ainda, quando o falante articula pouco ou imprecisamente as palavras, possui articulação travada, ou algo impedindo a visualização dos lábios, como por exemplo, o uso de bigode grande.[2]

Enquanto para os ouvintes a linguagem oral é uma modalidade audiovisual, na surdez ela é considerada uma modalidade visuoverbal, pois, agora, a imagem mental da palavra é visual, e não auditiva. Nesse caso, a associação entre significante e significado é feito através do gesto articulatório/sentido e não mais som/sentido.[2]

Outras situações difíceis para quem faz leitura labial:Editar

  • Falta de uma visão clara dos lábios do falante. Isto inclui obstáculos como bigodes ou as mãos na frente da boca, não estar de frente e/ou próximo para o falante, ou fonte de luz brilhante, como uma janela por trás do alto-falante.
  • Discussões em grupo, especialmente quando várias pessoas estão falando em sucessão rápida.

"Quando você é surdo que vive dentro de um frasco de vidro bem tampadas. Você vê o fascinante mundo exterior, mas não alcançá-lo. Depois de aprender a ler lábios, você ainda está dentro a garrafa, mas a rolha saiu e o mundo exterior lenta mas seguramente, vem a você." Olho Ouvir, Dorothy Clegg, 1953.

ReferênciasEditar

  1. a b Bannwart Dell'Aringa, Ana Helena; Satico Adachi, Elisabeth; Dell'Aringa, Alfredo Rafael (Janeiro de 2007). «Lip reading role in the hearing aid fitting process». Brazilian Journal of Otorhinolaryngology (em inglês). 73 (1): 95–99. doi:10.1016/S1808-8694(15)31129-0 
  2. a b SANTANA, Ana Paula (2015). Surdez e linguagem: Aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Summus